Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.

Valeu a pena ver de novo

08 de abril de 2008 5

Banco de Dados
Foi ao ar sexta-feira passada, dia 4, o último capítulo de Coração de Estudante no Vale a Pena ver de Novo. A trama de Emanuel Jacobina agradou aos telespectadores e elevou bastante a audiência do horário, com média de 23 pontos, superando a clássica Sessão da Tarde e a novelinha adolescente Malhação.

 

Exibida pela primeira vez em 2002, a novela teve como pontos altos a linguagem voltada para o público jovem. O autor, Emanuel Jacobina, começou na Rede Globo como roteirista de Malhação, e quis levar para o horário das 18h a linguagem teen que sempre fez sucesso nos finais de tarde da emissora.

O casal protagonista Clara e Edu, interpretados por Helena Ranaldi e Fábio Assunção, teve o final feliz habitual, com direito a casamento no último capítulo. Cheguei a torcer para que a protagonista acabasse nos braços do promotor Pedro Guerra (Bruno Garcia), com quem tinha uma química muito melhor. O jeito comportado de Edu não agradou, enquanto o ‘bad boy’ Pedro tinha “a pegada”. Clara e Edu eram certinhos demais, melosos demais e às vezes até um pouco chatos. Talvez seja por isso que o mocinho politicamente correto (e vegetariano) e a heroína íntegra e corajosa perderam espaço para outro casal: Nélio e Amelinha. Os dois viviam às turras, proporcionando momentos de pura diversão e boas risadas. Vladimir Brichta e Adriana Esteves conquistaram de vez o público e terminaram juntos e felizes no final (apesar das armações da vilã Amelinha). Fábio Assunção e seus olhos azuis que me desculpem, mas quem me conquistou mesmo foi o peão xucro e meio burrinho de Vladimir Brichta.

Estreante na televisão, o menino Pedro Malta emocionou a todos na pele de Lipe, filho do protagonista Edu. O que mais chamou a atenção foi a semelhança entre o garoto e o ator Fábio Assunção, pareciam pai e filho de verdade. Hoje em dia, já adolescente, Pedro Malta faz parte do elenco de Caminhos do Coração, da Record.

 

Curiosidades:
- Coração de Estudante foi a primeira novela da atriz Alinne Moraes, no ar atualmente como a vilã Sílvia, em Duas Caras.

 

 

- A audiência inicial da novela não agradou a emissora, que chamou o autor Carlos Lombardi para tentar elevar os números. A partir daí a história ganhou mais dinamismo e bom-humor, ponto para Lombardi!

- A entrada de Bruno Garcia foi outra estratégia que deu certo. O promotor motoqueiro, Pedro Guerra, chegou para abalar as estruturas do casal protagonista, e acabou ficando até o final da novela. Em 2005, Bruno recebeu novamente a missão de salvar uma trama em declínio, a novela Começar de Novo, de Antonio Calmon.

 

 

- A química entre Vladimir Brichta e Adriana Esteves se repetiu em Kubanacan, dois anos depois. Foi quando o romance saiu da ficção para a vida real. O casal está junto até hoje.

Mas quem roubou a cena, na minha modesta opinião, foi Bruno Garcia!
O promotor não merecia ter acabado a trama sozinho… E vocês? Gostaram do final?


Bruno arrasou como o promotor Pedro Guerra

Postado por Michele Pradella

Bookmark and Share

Comentários (5)

  • Ivone diz: 10 de abril de 2008

    Adorei a novela Coração de Estudante. Especialmente após a entrada do Pedro Guerra, pois até então a novela era chata, os protagonistas eram muito certinhos. Sem graça. Então apareceu o promotor motoqueiro. Inesquecível… tanto que a Globo emprestou o nome do personagem para o Marcos Pasquim na nova série que vai estrear. O ator Bruno Garcia é maravilhoso. Devia participar de mais novelas, mas agora como protagonista. Se ele tivesse ficado com a Clara a novela teria muito mais graça.

  • Daniel diz: 11 de abril de 2008

    Para mim foi uma das piores novelas já exibidas na Globo…Totalmente sem ação,sem adrenalina…Repleta de monotonia…

  • Alana Mendes diz: 8 de abril de 2008

    Eu gostei muitoooo… do final,claro que com algumas excessões tipo, o “Pedro” não deveria ter ficado sozinho,e a “Amelinha” ter se declarado um tempinho antes do final.Mas em modo geral gostei d+.

  • Cássia diz: 8 de abril de 2008

    Me irrita muito o fato de que o Bruno Garchia fala os éches como che foche ch. E nem é problema de dicçhã, achho que ele achha chharmoso, que nem o vocalichta daquela banda… Jota Quecht, que canta “Fáchil, extremamente fáchil…”

  • Thiago diz: 8 de abril de 2008

    DELEGADO ISOLOINO, O CLOROFILA BOY TA FUGINDO!!!!!! HAUAHAAUHAUHAUHA

Envie seu Comentário