Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Minissérie Maysa estreia hoje na RBS TV

05 de janeiro de 2009 7

Larissa Maciel vive Maysa/Divulgação, TV Globo

Sabe aquela história de a pessoa estar no lugar certo, na hora certa? A cantora Maysa (1936 – 1977), que a partir de hoje estará nas telas da TV inspirando a minissérie Maysa – Quando Fala o Coração (confira entrevista com o roteirista Manoel Carlos no post seguinte), foi o exemplo disso – ao contrário.

A vida reservou a Maysa uma série de caminhos cruzados: filha de família rica e tradicional, não conseguia refrear sua vocação para a boemia. O casamento lhe chegou na adolescência, quando ela ainda queria descobrir o mundo dos homens. Depois, tornou-se mãe quando desejava ser mulher. Mesmo seu corpo parecia estar sempre em desacordo, alternando fases de obesidade e de esbeltez. E essas lutas todas, todos esses altos e baixos influenciaram sua carreira de cantora e compositora.

Maysa estréia em disco em 1956, tornando-se rapidamente uma estrela brilhante no universo sombrio do samba-canção. A carreira de artista não combinava com a de dona de casa, e o desquite foi inevitável. No entanto, a voz grave da paulista cabia como uma luva em melodias arrastadas e superpovoadas de palavras como adeus, dor, separação, tristeza… Alguns de seus sucessos  são emblemáticos dessa fase: Meu Mundo Caiu, Ouça e Felicidade Infeliz.

Em 1957, entretanto, a bossa nova abre uma estrada de sol na música brasileira, ameaçando Maysa e seu estilo de enfeitar os finais dos versos com vibratos emocionados. A cantora tentou reagir: aproximou-se dos bossa-novistas (com o letrista Ronaldo Bôscoli, inclusive, a aproximação se transformou em um tumultuado affair) e incorporou as novidades em seus repertório: o elepê Barquinho (1961), por exemplo, é um dos seus melhores momentos, embora misture fossa e bossa praticamente em proporções iguais.

Maysa casa-se de novo e se estabelece na Europa. No final dos anos 60, tenta retomar sua carreira no Brasil com a coragem de sempre: o ótimo elepê Canecão Apresenta Maysa (1969) mistura Se Todos Fossem Iguais a Você (Jobim e Vinicius) com Se Você Pensa (Roberto e Erasmo Carlos ) e Light My Fire (do The Doors). O tom confessional de uma cantora que sempre subia ao palco descalça ainda estava lá, mas a desgastada imagem de alguém que sofre e sofre e sofre por amor jamais se desgrudou de Maysa, como ela mesma chegou a reconhecer em entrevista:

-  Embarquei nessa canoa furada e acabei me tornando o que queriam que eu fosse: uma mulher mal-amada.

Pouco antes de morrer, ela ainda planejava retomar seu lugar de estrela, mas ela mesma parecia já saber disso. A graça da vida para Maysa sempre foi desafiar a vida. E lançar frases de efeito como:

- Se sou feliz? Felicidade é coisa de gente burra.

> Veja os horários da minissérie na programação de TV do hagah

Postado por Renato Mendonça, Zero Hora

Bookmark and Share

Comentários (7)

  • Liz diz: 5 de janeiro de 2009

    Não vejo a hora de começar a minissérie,
    eu era garota nem tinha sofrido por amor e
    curtia as músicas de Maysa.
    Adorei essa homenagem.

  • fabian oliveira de mello diz: 5 de janeiro de 2009

    Só em cantar ¨light my fire,¨já mostra que ela era uma pessoa adiantadíssima para o seu tempo,diferente e talentosa, enxergava coisas que nós simples mortais, não enxergamos!

  • Fabiano diz: 5 de janeiro de 2009

    Acho que será mais um sucesso de audiência, assim como foi Capitu.

  • roberto da silveira diz: 7 de janeiro de 2009

    vai ser o maximo

  • suzana diz: 8 de janeiro de 2009

    Uhauuuu estou fascinada com a história de Maysa…Tenho 23anos de idade ñ ouvir falar muito nela mais o pouco q ouvir me despertou curiosidade!!E criei uma imagem dela como uma grande mulher!!

  • Bianca diz: 9 de janeiro de 2009

    Adoreiiiiiiiii!!!

    Ta sendo td de Bom!!!

    Ainda mais que a Larissa, mais conhecida agora como a Grande Maysa …
    É Gaúcha tchê!! Adorei representado o Sul do nosso País…

    Larissa Boa Sorte te desejo td di bom!!

    Parabéns!!!

    Espero pelo meno que torça para o Grêmio neh…

    Beijos!

  • Cícera diz: 9 de janeiro de 2009

    Oie!! Nunca havia falado dessa mulher tão especial e talentosa, ele morreu em 1977 eu tinha apenas 1ano. Estou adorando a história.
    Estou procurando mais noticias sobre ela, na net.

    Bjos

Envie seu Comentário