Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Beth Goulart analisa Leonora, de Três Irmãs

16 de fevereiro de 2009 0

LUIZA DANTAS, CZN

Em pouco tempo de conversa, é fácil perceber a delicadeza que permeia os gestos e o comportamento de Beth Goulart. Por isso, chama ainda mais atenção o fato de que, tão polida e simpática, ela é o oposto das últimas personagens que tem feito na tevê – como a problemática Leonora de Três Irmãs.

– Quando me deram a Leonora, eu pensei nossa, mas ela é tão parecida com a Neli – relembra ela, mencionando a personagem que foi um dos destaques de Paraíso Tropical.

– E eu me considero uma atriz muito versátil. Às vezes, falta oportunidade para mostrar isso – lamenta.

Na atual novela, a dona de casa teve uma trajetória que surpreendeu. Depois de passar boa parte da trama enganando Orlando – marido vivido por Tato Gabus Mendes – e de ter engravidado do prefeito Nélson, de Aloísio de Abreu, Leonora começou a mudar de atitudes. Abandonada grávida pelo amante, ela precisou enfrentar os olhares atravessados da vizinhança e teve de ralar trabalhando na peixaria da cidade.

– Com tudo o que aconteceu, ela sofreu uma transformação. Acho que as dificuldades e as tristezas a tornaram uma pessoa melhor – avalia.

Já nos palcos, Beth tem vivido entre dois amores. Um é a peça Quartett, escrita pelo alemão Heiner Müller – traduzida e adaptada por seu filho, João Gabriel Carneiro –, em que ela divide o palco com o irmão, Paulo Goulart Filho.

A outra é a produção do espetáculo Cartas Perto do Coração Selvagem, adaptação da troca de correspondências entre os escritores Clarice Lispector e Fernando Sabino.

– Sou muito criteriosa nesses projetos. Se não me apaixonar, prefiro não fazer. Preciso de alguma coisa que faça o meu coração bater mais rápido – resume.

Nos últimos tempos, ela tem acumulado na tevê personagens de mulheres fúteis e apegadas à aparência. O motivo, nem ela sabe explicar.

– O ator sempre acha que pode fazer qualquer personagem. Mas não adianta, porque quem determina isso não somos nós. A televisão não gosta muito de ousar: se você deu certo daquela maneira, vão oferecer vários personagens parecidos. O veículo tem um pouco de medo dessa mudança. 

Postado por Diário Catarinense

Bookmark and Share

Envie seu Comentário