Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Desabafos da vida real em Viver a Vida

15 de novembro de 2009 8

Maneco dá ouvidos a personagens da vida real/João Miguel Júnior, TV Globo

Depois de mergulhar na trama de Viver a Vida e seus personagens, quem encena
o capítulo da novela das oito, todos os dias, são pessoas reais, contando histórias reais.

Os depoimentos mostrados ao final da novela do autor Manoel Carlos são gravados por uma equipe dedicada somente a isso. Há algumas semanas, essa equipe esteve em Porto Alegre ouvindo histórias de vários gaúchos. Foram três dias de gravações e não há previsão de quando esses depoimentos irão ao ar.
Essa é a segunda novela em que Manoel Carlos dá espaço a histórias reais. E ele garante que o sucesso é enorme. Em entrevista por e-mail a Zero Hora, Maneco conta como surgiu a ideia e a importância dela para suas novelas.
Zero Hora – Como surgiu a ideia de exibir depoimentos reais ao fim do capítulo?
Manoel Carlos – Eu e Jayme (Monjardim, diretor geral da trama) já tínhamos
feito isso em nossa novela anterior, Páginas da Vida, de 2006. A experiência
foi tão bem-sucedida que decidimos repeti-la agora em Viver a Vida. Desta
vez, com depoimentos que falam sobre superação.
ZH – É possível perceber ou medir como esses depoimentos impactam no público?
Manoel Carlos – Percebo a reação do público em relação aos depoimentos e, principalmente, à história que estou contando, caminhando pelo bairro onde moro, o Leblon. Este é o melhor termômetro para saber o que estão achando da novela. Converso com as pessoas na rua, vou à livraria, à padaria, falo com o homem que trabalha na banca de jornais, enfim, escuto tudo que me falam, as mais diversas opiniões, sobre o trabalho que estou fazendo.
ZH – Como esses depoimentos são colhidos?
Manoel Carlos – Temos uma equipe dedicada exclusivamente a isso, que viaja o Brasil em busca das mais emocionantes histórias, como está acontecendo agora em Porto Alegre. Esses depoimentos começaram a ser gravados bem antes da novela estrear. Além disso, muitas pessoas também nos procuram para contar suas experiências de vida.
ZH – Alguma das histórias contadas já o inspirou para a criação de algum personagem, cena ou até trama?
Manoel Carlos – Isso ainda não aconteceu, mas poderia ter acontecido. Isso porque me preocupo em narrar uma história com a qual o público se identifique. Compro e leio jornais de todo o Brasil e, quando encontro uma reportagem que me interessa, recorto e guardo. Muitas vezes, essas histórias me inspiram a criar um personagem, uma situação ou mesmo uma trama de novela. Conheci a história da Flávia Cintra, por exemplo, através de uma matéria publicada em uma revista. Achei tão interessante e surpreendente sua história de superação que hoje Flávia, que é cadeirante, nos ajuda com a personagem de Alinne Moraes (Luciana).
ZH – Na sua avaliação, qual a importância desses depoimentos?
Manoel Carlos – Acredito que, ao mostrarmos essas histórias de superação de pessoas comuns, estamos nos aproximando ainda mais do nosso telespectador. E para mim é fundamental que exista essa ligação entre o público e a trama.

Postado por TV+SHOW – Zero Hora

Bookmark and Share

Comentários (8)

  • maria amalia dos santos silveira diz: 15 de novembro de 2009

    Adoro suas novelas ,porém não estou gostando da fala quando se refere a Cabo Frio ,pois aqui não é ligar vde escondrijo de bandido como está sendoinsinuadopnesta novela ,creio que é uma visão bem distorcida ,gostaria que mostra s as belezas da cidade e não so falasse quando o marginal vem para cá m,não precisamos destes comentários , vejo que precisa conhecer est maraviolhosa e falar dela com poesia .

  • maria salete bunn diz: 16 de novembro de 2009

    Acho que o autor está perdido na trama. Tá um porre ficar 15 dias vendo a mesma coisa.
    Melhor mesmo é assistir a concorrência.
    Que saudade de Caminho das Indias!

  • Sirlei diz: 16 de novembro de 2009

    Todo dia eu assisto a novela, e os depoimentos,que me comove,vivi a mesma situação com meu filho,sofreu um acidente de carro em 2002,com 21 anos fazia faculdade e trabalhava,foi horrivel,ele ficou tetraplegico, depois de dois anos terminou a faculdade,voltou a trabalhar, adptou um carro,fez outros concurso publico como(Cx.Ec Federal,Forum,Justiça Federal e Procurador da Uniao onde hoje ocupa o cargo)superou barreiras,de familia pobre de pais separado.

  • Fernando De Caras diz: 16 de novembro de 2009

    Esse velho é louco e taradão. Suas histórias sempre retarataram orgias e dores de corno. Absurdo! Agora não satisfeito, vai abordar temas sem sentido.

  • Ariane diz: 15 de novembro de 2009

    Historias de superação são sempre bonitas e certamente , necessárias a nossa vida. Paarabéns ao Maneco pela bela iniciativa!

  • JUREMA RODRIGUES SILVA diz: 16 de novembro de 2009

    adoro ouvir os relatos de superação das pessoas que passaram por dramas reais.
    isto nos mostra que temos que dar valor para tudo que temos,em vezes de queixar-nos de problemas pequenos.adoro as histórias de maneco.

  • Greice Lima diz: 17 de novembro de 2009

    Primeiro parabenizalo pelo maravilhoso elenco,porém estar faltando um de suas feras globais..”MARCOS CARUZO”…e também sujerir que “LILIAN CABRAL” seja sua proxima Helena,ela é uma execelente atriz. E deixe Helena mais forte ,estar faltando mais determinação e coragem.bjos bjos mais uma vez parabéns.

  • denial diz: 15 de novembro de 2009

    Essa novela é um porre, piegas e completamente sem graça!!!

Envie seu Comentário