Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Polêmica em Lado a Lado: Chico usa pó de arroz para jogar no time dos brancos

04 de fevereiro de 2013 24

Se hoje em dia o futebol é um esporte democrático, no início a situação era bem diferente. Nos primeiros anos do século XX, o football (grafia importada dos ingleses, que só foi “abrasileirada” algum tempo depois) era privilégio da elite. E dos brancos, é claro.

Em Lado a Lado, essa situação começa a mudar. Chico (César Mello) surpreendeu os janotas ao mostrar seu talento com a bola. Albertinho (Rafael Cardoso) não perdeu tempo e convidou o rapaz para fazer parte do time.

Porém, como na época as equipes não aceitavam jogadores negros, os rapazes encontram uma alternativa no mínimo curiosa. Chico é maquiado com pó de arroz, para que de longe pareça ser branco como os colegas de equipe.

De acordo com o Extra, a cena é inspirada em um caso real que aconteceu com o jogador Carlos Alberto, titular do Fluminense em 1914.

Quem não gosta nada dessa história é Zé Maria (Lázaro Ramos), que fica furioso ao ver o amigo se sujeitar a um papel desses.


>>> O Noveleiros também tem um espaço no Facebook. Clique aqui, curta, compartilhe e comente.

Bookmark and Share

Comentários (24)

  • Claudia diz: 4 de fevereiro de 2013

    Uma pena que para um negro jogar tenha que se disfarçar de branco. Esse episódio lamentável é uma oportunidade para o Chico jogar como gosta e também ganhar dinheiro que ele precisa. Difícil acreditar que uma coisa assim aconteceu um dia porque além do preconceito, o fato de passar pó de arroz é tão ridículo.

    Mudando de assunto. O que é que o Zé tem que ir na casa do Albertinho “comunicar” (palavras dele) que ele não poderá se aproximar do filho? Para mim isso é demais, não compete a ele participar dessa forma. Outra coisa, lembro que o Elias também não queria saber da Isabel, sentia medo, e ela ficou insistindo. Agora para o Albertinho basta uma pergunta para criança seguida de uma negação, quando se tratava dela ela usou comida, presentes, ajuda de todos de quem o Elias gostava. Não concordo com essa postura da Isabel de tentar se livrar do pai do filho para o seu romance não sofrer um baque. Porém, gostei muito do Zé Maria enfrentando a baronesa. Ela realmente não esperava.

  • Martha Santos diz: 4 de fevereiro de 2013

    Até nos dias de hoje a torcida do fluminense é conhecida como torcida pó de arroz, mas voltando para a novela , espero que o Chico bata um bolão e deixe os janotas de queixo caido.

  • m_sinistra diz: 4 de fevereiro de 2013

    Eu estou falando muito tempo já que o alberinho não que mais nada com a sabel

    Albertinho (Rafael Cardoso) continua noivo de Esther (Rhaisa Batista), mas quem disse que ele sossega? Mais uma vez o janota vai bater ponto no Bar Guimarães, bebendo com os amigos, sem tirar os olhos de Gilda (Jurema Reis). Lamenta com Umberto (Klebber Toledo) o fato da moça ter recusado seu convite para um jogo de futebol. Mas, pressionado, comenta que a morena é só um passatempo.Só que dessa vez, um bêbado inconveniente vai assediar a moça. Gilda rejeita o abusado, que acaba agarrando o braço dela. Nessa hora, Albertinho dá um pulo e parte para cima. Agarra o sujeito pelo colarinho e expulsa do bar: “Não é assim que se trata uma dama, seu imbecil!”
    Gilda fica impressionada com a atitude do janota. “Uau! Ponto para esse!”, comenta Almeidinha, que sabe que a amiga está dividida entre o riquinho e o capoeira Chico (César Mello). Albertinho simplesmente volta para a mesa e Umberto (Klebber Toledo) alfineta: “Tanto desvelo e coragem por um “passatempo”?”

    Não perca a cena, que vai ao ar na terça-feira, 05/02.

  • Felicity diz: 4 de fevereiro de 2013

    Acho que o Zé Maria anda lendo o roteiro da novela antes que tdo mundo. Esta metido em todos os núcleos possíveis. Salva o jornal e todo o elenco das mais diversas situações.
    E na hora da Isabel se entregar pro Albertinho pq ele não apareceu lá pra impedir?Lembrei…chegou atrasado pq tava preso. Ou naquela fase ele não era o GRANDE herói da novela.
    Dão tanto “Glamour” os personagem e esquecem o outro protagonista homem: Edgar. Esse sim, anda apagado coitado. Uma pena, poderiam tb valorizá-lo como herói assim a Laura voltava logo com ele e paravam dessa enrolação.
    Dar devida atenção Aos DOIS CASAIS DA TRAMA SERIA JUSTO PARA OS FÂS DE AMBOS, afinal é LADO A LADO o nome da novela.

  • m_sinistra diz: 4 de fevereiro de 2013

    E Ainda tem gente que acha que a Isabel tem que terminar com o albetinho
    O albetinho na minha opiniâo não merecer nem um das duas
    A Gilda e nem a Isabel.e nem a Ester

  • Anjo Colorado – Zé diz: 4 de fevereiro de 2013

    Esta história do Carlos Alberto foi muito famosa. Um dos apelidos mais populares do Fluminense, “pó-de-arroz”, vem desta fato mesmo. A torcida também jogava este tipo de maquiagem em todos pra ajudar a disfarçar.

    Mas o Chico parece ser mulato. Muitos clubes já aceitavam jogadores que não tivessem a pele muito escura desde que o pai ou a mãe fosse uma pessoa branca.

    Não entendi porque o Zé Maria aparece na foto, mas penso que esta atitude do Albertinho pode ajudar a melhorar a imagem dele perante o capoeira e Isabel e talvez até do Elias.

  • Anjo Colorado – Zé diz: 4 de fevereiro de 2013

    Notícias Sinistras de Lado a Lado:

    *Agradecido por ter sido inserido num clube de futebol Chico passa a ensinar capoeira a Albertinho para que adquira mais ginga e malícia. Após um desentendimento com Zé Maria janota derrota o herói negro durante uma briga se valendo da arte marcial afro-brasileira.

    *Isabel vai tirar satisfações com Albertinho por ter quebrado todos os dentes de Zé Maria como resultado de um golpe espetacular que aplicou no rival após o épico embate. Em meio a discussão ele a a dançarina se beijam e o amor entre ambos se renova.

    O delegado Praxedes desvenda que os crimes de Constância, Bonifácio, Catarina, Caniço, Berenice e Zenaide e prende a todos. O agente da lei também acaba conseguindo provas que foi Zé Maria um dos capoeiras que enfrentou a polícia no morro quando enviou homens para prender a Tia Jurema. O ex barbeiro resiste a prisão e é morto a bala.

    *Se mostrando um administrador incompente Fernando leva a tecelagem quase a faência. Albertinho compra a maioria das ações e consegue fazer que a empresa entre nos eixos e a torna altamente rentável.

    *Pobre por causa da perda da tecelagem Fernando só consegue trabalho como faxineiro na escola do morro onde Laura e Sandra dão aula.

    *O Alheiras entra numa nova crise financeira, mas desta vez nem Isabel sabe o que fazer. Quando tudo parecia perdido Quequé revela sua verdadeira identidade. Ele é o atual herdeiro do trono de Serafia que fugiu para o Brasil por estar cansado de sua obrigações reais. Usando parte da jóias e do ouro que trouxe consigo compra o teatro, despede todo mundo e contrata um elenco de atores e atrizes mais profissional e competente.

    *Luciano descobre que é filho do padre Olegário. Supreso por sua mãe ter se envolvido romanticamente com sacerdote questiona Diva que responde: “Bem, eu sou aquela que chegou por última”.

    *Após a Missa de Sétimo Dia em homenagem a Zé Maria, Isabel pede Albertinho em casamento.

  • Cíntia diz: 5 de fevereiro de 2013

    MUITO BOA ANJO COLORADO !!!! Dei muitas gargalhadas!!!! Parabéns pela criatividade!!!

  • Cristina diz: 5 de fevereiro de 2013

    Escrevam o que escreverem, é notório o tom racista das pessoas que querem a Isabel com o Albertinho. A criatura NÃO quer o filho, só o procurou por imposição da mãe, não tem caráter, é infantil. Vejam bem, estou falando do personagem Albertinho, não do excelente Rafael Cardoso (às vezes, as pessoas confundem). Nenhum final será bom se Isabel e Zé Maria não ficarem juntos. Mas, o post nem é sobre isso. Adoro a novela, não perco um capítulo.

  • Jaqueline diz: 5 de fevereiro de 2013

    Anjo Colorado

    No em que se passa a novela não aceito jogadores em clube de futebol negro, mulato e operario da classe mais hulmides, apenas branco e bem nascido. Apenas nos anos 20 o Vasco( além de outros clubes pequenos Bangu, São Cristovão e outros) começou a jogar com jogadores negros e operários, menos assim foi penalizado e não pode disputar o campeanato acho que o de 1923( os outros alegarão que este não tinha um estadio próprio e que não um jogo para negro, mulatos e operários jogarem). Então o Vasco fez um oficio(hoje muito famoso, pois foi a primeira vez que um Time do Brasil declara-se oficialmente contra o racismo e preconceito contra classes sociais) e saiu do Campenato carioca formando uma nova ligas com os outros clubes citados. Apenas em 1925 ou 1926 que os outros grandes(Flamengo, Botafago e Fluminense) aceitaram as condições dos clubes menores( porque com o posicionamento do Vasco contra esses preconeitos citados os torcedores do time do Vasco amentaram rapidamente) e mesmo assim o Vasco teve que construir um estdaio( São Januário).

    Acho que o Chico ter que pó-de-aroz uma vergonha para nossa história, mas é a pura realidade da epóca.

  • Cris diz: 5 de fevereiro de 2013

    Cristina, vc fala em preconceito racial e tem um pré conceito de gente q vc nem conhece por causa de um casal de uma novela? Outra coisa, a Isabel não assiste a novela, ela não sabe porque o Albertinho quer contato com o filho, ou seja, ta impedindo por nada. Anjo Colorado, talvez até fosse bom que acontecesse os fatos q vc narrou, ninguém diria q o fim foi previsível rsrs

  • Martha Santos diz: 5 de fevereiro de 2013

    Parabéns Anjo!!! Muito criativo, se você fosse o autor da novela a audiência estaria muito boa, agora o Zé Maria não precisa morrer ele pode casar com a médica e ser feliz, ou tenta aceitar o fato que Albertinho de uma forma ou outra sempre estará no meio da vida dos dois, pois ele é o pai biólogico de Elias. Se eu fosse o Zé Maria esqueceria a Isabel e partia para outra. Saudações Anjo.

  • JENNY L♥VE diz: 5 de fevereiro de 2013

    PESSOAL TEM MANIA DE PELOMIZAR TUDO
    NA ÉPOCA O COSTUME DEVERIA ESSE, E A NOVELA ESTA RETRATANDO A REALIDADE DA EPOCA.
    QUE GENTE CHATA, PQP!

  • Ana Paula diz: 5 de fevereiro de 2013

    Vi muitos comentando que o fato do Chico usar pó de arroz é uma vergonha. Tudo bem que um negro ter que se disfarçar de branco pra jogar possa parecer um absurdo, mas se nós olhamos com outros olhos pro fato isso na verdade é uma forma de rejeição ao preconceito. Na história nós estudamos que vários negros e índios fingiam que aceitavam as imposições dos brancos mas dava aquele jeito de quebrar as regras. O grande exemplo disso é o Sincretismo religioso. O fato do Chico pintar a cara com pó de arroz não é uma vergonha a honra dele mas na verdade é uma forma de burlar o preconceito. É mais ou menos se ele disse- se : TÁ TUDO BEM, NÃO QUEREM NEGROS, ENTÃO EU PINTO A MINHA CARA, FINJO QUE SOU UM BRANCO GANHO O JOGO PRA VCS E VCS AINDA ME PAGAM POR ISSO.

  • Dada83 diz: 5 de fevereiro de 2013

    Gente eu ja to cansada de ver o Ze Maria a toda hora ser o defensor dos fracos e oprimidos……ta chato e exagerado…..ta heroi demais…..chega né…..parace ate o super homem, que escuta de longe os gritos das vitimas pedindo socorro…..

  • Claudia diz: 5 de fevereiro de 2013

    Olha, não gostei nada da cena. Voltei aqui para comentar.
    O Zé conversou com o Chico antes do jogo, expôs sua opinião e o Chico disse que precisava do dinheiro e queria jogar. Aí o Zé entrou no meio do jogo e ficou pressionando o Chico para sair como se o mesmo não tivesse direito de decidir o que vai fazer. Achei muita prepotência dele e muito desrespeito com o amigo. Se o Chico quer jogar com pó de arroz ou fantasiado de chinês é direito dele.

    Esse herói, cada vez mais, conquista minha antipatia. Ele querendo justiça quer forçar as pessoas a fazerem o que ele quer. E se o Chico quisesse continuar com o pó de arroz? Se o Albertinho pedisse o dinheiro de volta? Achei lamentável essa atitude do Zé Maria.

  • Anjo Colorado – Zé diz: 5 de fevereiro de 2013

    Martha, Cris, Cíntia…

    Valeu! Que bom terem gostado! Olha, acho que depois que os autores usaram hipnotismo pra fazer o Quequé esquecer que descobriu que Luciano é filho da Diva eu não duvido demais nada. RSRSRS.

    Jaqueline…

    Olha, eu li um livro sobre a vida do jogador Tesourinha que por anos a fio os times tinham um preconceito contra quem era considerado 100% negro.

    Em 1925 o Inter contratou seu primeiro atleta de pai e mãe negros, mas antes disto o clube contava com mulatos.

    Tesourinha foi o fim da descriminação no Grêmio nos anos 50 quando foi contratado pelo tricolor gaúcho, mas antes disto esse clube tivera em seus quadros jogadores de pele escura. Existem gremistas que erroneamente acreditam que em 1914 jogavam alguns negros exibem fotos, mas o fato é que para os padrões esportivos e descriminatórios eram tidos como mulatos.

    Ao menos assim era como funcionava o futebol no RS.

    Cristina…

    Eu também não vou com a cara do Albertinho. Sou fã do Zé Maria, mas não enxergo raacismo algum no albertinistas. Se fossem racistas, nem ia querer assitir uma novela como LADO A LADO. Todo mundo sabia por antecedência que a cultura negra seria exaltada. Que tipo de racista de dispõe acompnhar uma trama que nem esta? O tipo masoquista? E racistas iam só torcer pro Albertinho dar mais uma transadinha com Isabel e cair fora. Nunca vi racista torcendo pra uma amor entre negros e brancos. Pra racistas não existe química entre casais interracial. Não tem nexo, né?

    Felicity… Zé Maria foi preso tentando impedir que a casa da comunidade dele fosse destruída. Ele foi herói neste caso também. A injustiça é um peso que muitos heróis carregam, especialmente os negros.

  • Lili diz: 5 de fevereiro de 2013

    Acho que algumas pessoas não entenderam o tom de ironia do Anjo Colorado. Ele deu as notícias que algumas pessoas gostariam de ler, mas que não condizem em naaaada com a história da novela! Genial, Colorado! Ri demais!!!

  • Mi diz: 5 de fevereiro de 2013

    Pontos positivos:
    - Chico arrasando no futebol, com e sem o pó de arroz;
    - Albertinho dizendo para o Fernando que o Chico jogava melhor que ele;
    - Jonas enfrentando a mala sem alça da mãe da Alice (não lembro se foi ontem ou hoje);
    - Celinha toda atrapalhada investigando na casa da Margarida;
    - Catarina dando bola para o Caniço (bem feito para o Fernando).

    Pontos negativos:
    - Zé Maria se metendo no jogo de futebol, o Chico é adulto e sabe o que faz;
    - Margarida inventando elogios do Edgar para a viúva;
    - A cara de tristeza da Laura pensando que o Edgar gosta de outra;
    - Essa enrolação de Albertinho ter ou não ter contato com o filho que nunca tem fim;
    - O pessoal do teatro que tirando o Quequé, são todos chatos.

  • Apaixonada diz: 6 de fevereiro de 2013

    Oi gente!!! Olha lado a lado dando uma polêmica de novo. Eu hoje consegui assistir os vídeos e claro, reclamo, reclamo mas a oportunidade de conhecer nossa história através da novela é muito legal. Amei toda essa história de pó de arroz, negro no futebol, os amigos acima estão bem informados! Muito interessante.

    Quem não está bem informada é a “Cristina” que pelo jeito não acompanha nossos comentários sempre. Eu poderia tecer os motivos que algumas pessoas ainda torcem por Albertinho e Isabel, não é o meu caso porque de um tempo para cá, para mim essa ideia perdeu o sentido. Mas o principal motivo, Cristina é que do mesmo jeito que você quer Zé Maria e Isabel juntos e acha que isso tem toda lógica, outras pessoas pensam diferente SIMPLES ASSIM! Nunca vi um comentário preconceituoso aqui, a não ser o seu e de mais umas três pessoas que entraram só para nos chamar de racistas, fazendo um PRE CONCEITO das nossas escolhas.

    Anjo Colorado esse site sem você não tem graça. Eu estava precisando mesmo dar umas boas gargalhadas. Valeu! Mas nem de brincadeira eu gostaria que o Zé Maria morresse e nem quero o Albertinho com a Isabel. O casal não cola mais

    Eu só queria que o personagem Zé Maria, voltasse a ser o da primeira fase e do inicio da segunda fase, um grande homem, honrado, inteligente e que lutava pelo seu povo.
    Os autores se preocuparam tanto em valorizar o personagem que exageram na dose, erraram a mão. A novela poderia se chamar ” Histórias do Zé Maria”, ele é um super herói, que socorre todo mundo, que salva todo mundo, que está em todos os lugares. Como foi dito acima, o nome lado a lado vem da história de dois casais. Sinceramente está todo mundo apagado, só se destaca o Zé Maria e infelizmente os autores conseguiram estragar um dos personagens mais interessantes da novela, isso na minha opinião, claro. Todo mundo está tomando antipatia do personagem. Tudo porque a maioria do público queria um triângulo amoroso de verdade entre Albertinho/Isabel/ZéMaria. Não precisava tudo isso autores!

    Por exemplo, concordando com a Claudia, o que que o Zé Maria tem que ir na casa da Constância para dar recado ao Albertinho. E como a própria Constância disse, o Elias não tem idade para tomar uma decisão dessa.
    E hoje, no jogo de futebol, quem foi mais preconceituoso o Zé Maria ou o Albertinho? O Zé faltou o respeito com o amigo,visto que ele já tinha sido sincero com ele e fez uma cena lamentável. O Albertinho, que até hoje na minha opinião só demonstrou preconceito com Elias ( coisas dos autores), mostrou o que eu vejo no personagem dele. Nunca vai sair por aí lutando por causas sociais mas também não se importa com isso, tanto faz como tanto fez. Claro que o interesse maior dele era o futebol, mas a ação dele foi mais digna e menos preconceituosa do que a do Zé Maria, pelo menos hoje e na minha visão das coisas.

    Gente tem alguma cena que o Albertinho deixa claro que não quer o filho? Que só está procurando aproximar por ordem da Constância? A Cristina comentou acima, as cenas que eu vi ele se mostrou bem emocionado e querendo se aproximar do menino.

    Mas dei uma olhada agora no resumo, parece que depois de ouvir do Zé Maria e do pai da Isabel para ele se afastar do Elias, ele vai falar com a mãe que está desistindo do menino. Pelo andar da carruagem, não duvido nada que os autores façam isso mesmo. Simplesmente o Albertinho desiste de conviver com o filho .Paciência…

    Abraço galera do bem!!!!

  • Ana Paula diz: 6 de fevereiro de 2013

    Oiie Claudia, concordo com cada vírgula e ponto do seu comentário. Achei que o Zé passou dos limites tentando impor uma vontade dele no Chico, e respondendo e decidindo em nome dele.

    E tbm acho que não tem problema algum ele ter passado pó de arroz. E vejo nessa atitude um modo de burlar algo imposto pelo branco. Não vejo como algo de aceitação, de obediência da parte dele a algo imposto, mas pelo pelo contrario é uma forma de rejeição. Eu não aceito o fato de não poder jogar, e crio uma forma de desrespeitar essa norma. É uma forma de dizer: Eu vou jogar e ninguém me impede.

    Eu sou fão do casal Albertinho e Isabel, mas como sei que não rola mais então eu torço que pelo menos e personagem Albertinho se de bem. Eu simplesmente adorei quando ele falou pro Fernando que entre ele e o Chico ele ficava com o chico e ainda tirou a camisa pro Chico limpar o rosto. Essas atitudes mostram que o Albertinho não é preconceituoso. ( AMEI A CENA INTEIRA)
    Acho que os autores só fizeram ele tratar mal o Elias pra ter essa discussão do menino não querer vê o pai, e preferir o Zé.

    Nós que somos Albertistas não somos preconceituosas e muito menos racistas. É um erro quem afirma isso, não tem nexo algum alguém que tem preconceito racial querer que um Branco faça par romântico com uma negra –’
    O que agente queria vê nessa novela era um branco e uma negra juntos, que enfrentassem os preconceitos da sociedade.

  • Apaixonada diz: 6 de fevereiro de 2013

    Ana Paula,
    Muito bom seu comentário. Lembrei de um fato interessante, que se pode comparar a atitude do Chico com a do próprio Zé Maria, que por várias vezes se viu obrigado negar que era capoeira para não ser preso, mesmo amando e sabendo que a capoeira não é o que a maioria falam. E não foi porque ele era fraco ou submisso, mais simplesmente para conseguir perpetuar sua cultura no morro.

    Também amei a cena, apesar dela demonstrar o quanto os autores se perdem para alcançar um objetivo. Não precisava o Albertinho humilhar o Elias, para que o mesmo preferisse o Zé Maria. O Elias já era muito apegado ao Zé Maria. Tomara que eu tivesse enganada e isso fosse só uma forma de mostrar uma conquista entre Albertinho e Elias. Eu fico imaginando a cena dos dois jogando futebol, já que o Elias puxou o pai e com mais a ginga que aprendeu com o Zé vai ser um craque. kkk

    Tchau!!!

  • Ana Paula diz: 7 de fevereiro de 2013

    Apaixonada, vc tem razão, o Zé várias vezes teve que mentir e dizer que não era capoeira, e nem por isso essa atitude o desonrou ou envergonhou o seu povo. Assim como o Chico que pintou a cara pra se desfaçar , o Zé tbm teve que usar uma máscara cobrindo o seu rosto.
    Se a capoeira era proibida por lei e mesmo assim eles resistiam e praticavam a sua luta, pq não jogar futebol sendo que não existia nenhuma regra ou lei que proibisse um negro de jogar.

    E eu tbm queria muito vê o Albertinho ensinando o Elias a jogar bola, e que o Elias o ensinasse alguns golpes de capoeira. RESUMINDO: QUERO FINAL FELIZ PRA TODOS. ( PRA QUEM MERECE CLARO)

  • m_sinistra diz: 8 de fevereiro de 2013

    Querida Claudia
    Eu acho melhor antes de vc fala ir lá no site da globo.com e ver as cena do jogo onde aparece o Zé Maria e o Chico falando que não foi nada disso que vc escreveu ai
    http://tvg.globo.com/novelas/lado-a-lado/Vem-por-ai/noticia/2013/02/nesta-terca-ze-maria-invade-jogo-de-futebol-para-chico-tirar-po-de-arroz-da-cara.html

Envie seu Comentário