Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Manoel Carlos diz que não se arrepende de nada: "Fiz um bom trabalho"

17 de julho de 2014 16

João Miguel Júnior, TV Globo

Em Família chega ao fim amanhã e até as pedras da minha rua sabem que foi a pior novela de Manoel Carlos. Mas como um pai nunca enxerga os defeitos do filho, o autor continua achando que escreveu uma ótima história.

Aos 81 anos, Maneco contou ao Extra que termina a novela sem arrependimentos:

-Eu me despeço bem, certo de que fiz um bom trabalho, honesto comigo mesmo, na mesma linha de tudo que escrevi nesses anos todos.

Há controvérsias. E muitas. Quem acompanha o trabalho do autor há anos sabe que ele já esteve em melhor forma. “Felicidade” foi a primeira novela que eu lembro de ter assistido na vida e marcou muito minha infância, com Maitê Proença na pele de Helena. Das protagonistas vividas por Regina Duarte, acredito que a mais forte e polêmica foi em “Por Amor”, com a inesquecível cena da troca de bebês. Mas minha novela preferida da vida ainda é Laços de Família, com cenas inesquecíveis e um elenco de primeira. Por tudo isso e muito mais, não podemos esquecer que Manoel Carlos fez história na teledramaturgia. Não é justo que ele fique marcado por uma novela ruim, sendo que já criou tantas coisas boas.

Mas voltando à entrevista de Maneco, ele reforça que Júlia Lemmertz foi mesmo sua última Helena:

- Helena vai descansar. Nem novela, nem série, nem minissérie. Não penso em revivê-la.

Infelizmente, a última Helena foi a pior e mais apagada, na minha opinião. Acho que ganha em chatice até mesmo de Taís Araújo de Viver a Vida… A personagem de Em Família nem pode ser chamada de protagonista, pois não fez nada de útil na história, a não ser bancar a psicóloga da família inteira, sempre intermediando os conflitos daquele bando de malucos. Helena se perdeu no meio da novela, seus conflitos não foram aprofundados e ficou tudo parecendo um “mimimi” de mulher recalcada. É uma pena, pois Júlia Lemmertz é uma grande atriz e merecia uma personagem à altura, até porque esta deveria ser uma homenagem à sua mãe, que viveu a primeira Helena.

No encerramento da entrevista, Manoel Carlos reafirma que fez um bom trabalho:

- Fiz o possível para dar às pessoas boas histórias. Se consegui isso algumas vezes, eu me sinto feliz e agradeço.

Por mais que Em Família tenha sido uma decepção, temos que dar crédito ao autor pelo “conjunto da obra”. Daqui pra frente, Maneco não tem mais idade e nem saúde para novelas longas, deve se dedicar apenas a minisséries. O bom seria aproveitar o momento para renovar o horário nobre, com Lícia Manzo (autora de A Vida da Gente), por exemplo, que tem um estilo bem semelhante ao de Manoel Carlos.

Bookmark and Share

Comentários (16)

  • helena barcellos jacques diz: 17 de julho de 2014

    Por favor, rede globo, aposenta esse senhor,chega de chatisse!

  • denilson machado diz: 17 de julho de 2014

    Bom trabalhos não precisam ser explicados. Ou alguém precisou justificar Tieta, A Indomada, Fera Ferida e outras tantas novelas desta faixa de horário. Ele se justificando parece o Felipão tentando nos convencer que o trabalho foi bom.

  • Carlos diz: 17 de julho de 2014

    Nada me choca nestas novelas, só acho que as emissoras tem que entender que neste horário as crianças ainda estão acordadas e na sala juntos aos pais, pedi a minha mulher trocar de canal, pois não quero que minha filha de 9 anos, veja cenas de mulheres se beijando, aceitar é uma coisa, estimular é outra, tenho observado nós últimos anos uma certa glamorização de personagens gays, não quero, não concordo, da pra entender ou tem que desenhar.

  • Ana Paula diz: 17 de julho de 2014

    Prezado Carlos, se vc olhar a Classificação Indicativa da novela verá que é 14 anos, portanto não era pra sua filha de NOVE anos estar vendo, sendo assim o errado voce por permitir que ela veja e não a novela, que é classificada justamente pra isso.

  • Moacir diz: 17 de julho de 2014

    Na minha opinião, a melhor Helena foi a de “Mulheres Apaixonadas”. Christiane Torloni captou, como nenhuma outra atriz, a essência da personagem. Se Maneco tivesse se aposentado em MA, a melhor novela dele que assisti, seria um encerramento majestoso.

  • paulo diz: 17 de julho de 2014

    Com esses roteiros, das novelas, a Globo só pode estar perdendo audiência mesmo!!!

  • Dig diz: 17 de julho de 2014

    Ana Paula,

    o que o Carlos se referiu, e algo que também acho que seria ótimo, é por na programação algo que “todos” os públicos possam olhar, e não essas coisas homossexuais que estimulam ainda mais pessoas a serem gays. Não vejo nada contra eles, mas eu odiaria que meu filho ou filha torne-se um. Poderiam pôr novelas destes aspectos para os horários mais tardes, onde põe minisséries e programas idiotas.

  • Ricardo diz: 17 de julho de 2014

    Fez um trabalho, será que fez realmente o que deveria ser feito? Ou será que fez o que a Rede Globo quer? Será que todas as novelas agora vamos ter cenas homossexuais? Será que não temos outros assuntos mais importantes a ser tratados nesse Brasil enorme? Quando se coloca numa novela, é uma coisa, se tratou de assunto, mas quando se troca de diretores e todas as novelas agora tem cenas homossexuais, e a próxima agora vai ter um senhor de mais de 60 anos, com um garoto de 20 anos,então como ficamos, vai ser assim? Então a rede globo está perdida….

  • Carlos Pereira diz: 17 de julho de 2014

    Ana Paula, não sou eu, o errado, tanto que peço para trocar de canal, mas vc tocou em um ponto importante, a classificação etária, muitas pessoas tem saudade da censura, até porque existe muitos meios de burlar o classificador, a classificação é dada antes da exibição da novela, então “cenas de beijo” não é especificado se é homem/c homem ou mulher c/mulher, o julgador libera p/14 anos, que também acho inapropriado, uma moça de 14 anos nesta fase geralmente se identifica muito com uma grande amiga, com tantos estímulos na novela, será que ela não começa a pensar que esta apaixonada pela amiga ? e que é gay ? fica a pergunta para vc pensar.

  • Ricardor diz: 17 de julho de 2014

    Como fica esses atores com os seus filhos na vida real? Será que a explicação deles é normal como é na novela? Até o que se sabe, eles são casados, como homem e mulher, e tem filhos. Não é uma contradição um ator fazer um papel e na vida normal é diferente.?OK, vão me dizer que outros papeis também não significa que na vida real o fazem…

  • Ricardo diz: 17 de julho de 2014

    Assim está escrito na Biblia em Levítico 18: 22: “Não te deitarás com um homem, como se fosse uma mulher: isto é uma abominação “( aqui significa os dois lados,homem e mulher) Aos olhos de Deus.
    Essa é a Lei de Deus, e não a Lei dos homens. Não sou eu que digo mas a Bíblia,

  • Fabio diz: 17 de julho de 2014

    Felipão disse a mesma coisa. Só não somos obrigados a concordar.
    Eu acho o conjunto da obra dele um horror. Sempre tem uma Helena meio xarope, um borracho que não acrescenta nada, todo mundo é rico, lindo e mora no Leblon (fora os que são empregado, que invariavelmente são negros).

  • Fernando diz: 17 de julho de 2014

    Essa novela foi a pior obra da história da Rede Globo!!!! Chega de HELENAS, por favor!!!! Esta última, foi de arrepiar, péssima, sem graça, ela é a verdadeira “água de salsicha”!!!! Alguns personagens abalaram a reputação de seus intérpretes, o Humberto Martins é um deles, que papelzinho ridículo ele fez…….Graças à DEUS está terminando!!!!

  • Tairo Braga diz: 17 de julho de 2014

    Inacreditável. Fazem uma “M” de fazer inveja, ganham bem pra isso.
    Na Globo eles tentam impor a preferência sexual deles na marra, colocando estas coisas em horário de família estar jantando, conversando ….
    Não sou homo fóbico, mas nestas horas fico indignado pela tentativa de forçar que fazem…. qualquer hora destas vão fazer um programa exclusivo pra Daniela Mercury tentar convencer as crianças do Brasil de que isso é uma obrigação…. Que Deus nos proteja, pois a inversão de valores esta cada vez maior ….

  • Candinha diz: 17 de julho de 2014

    Se foce permitido por DEUS homem c. homem e mulher com mulher, criaria ADÃO E IVO ao invéz de ADÃO E EVA……..pelo amor………..ohhhh novela cumprida…..ainda bem q acaba final de semana …não vejo a hra………

  • Ana Cláudia diz: 17 de julho de 2014

    Talvez não tenha sido a novela mais brilhante de Manoel Carlos, mas nao deixou de exibir o talento do autor em escrever grandes diálogos e retratar situações do cotidiano, suscitando questionamentos e debates. Foi especialmente feliz ao mostrar a história de amor entre duas mulheres, tratando o tema com a delicadeza, a seriedade e a abordagem lúcida e desprendida de preconceitos adequadas a situação. Mas, com certeza a novela não foi popular, como próprio autor reconhece, e teve suas dificuldades e falhas. Enfim, conseguiu cumprir sua função de entretenimento e nos brindou com momentos antológicos que, sem dúvida, ficarão eternizados em nossas memórias e ocuparão lugar de destaque na história da teledramaturgia.

Envie seu Comentário