Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Final de Em Família: última trama de Manoel Carlos não vai deixar saudades

18 de julho de 2014 39
Alex Carvalho, TV Globo

Alex Carvalho, TV Globo

Após anos colecionando sucessos e criando cenas inesquecíveis, Manoel Carlos errou a mão. E feio. Em Família só não foi pior graças ao esforço do elenco e a algumas polêmicas, como a do casal de lésbicas formado por Giovanna Antonelli e Tainá Müller.

O último capítulo, aliás, foi coroado pelo final feliz de Clara e Marina. Os fãs das duas não podem se queixar, pois até casamento gay e três beijos foram mostrados na novela. Em uma emissora que até pouco tempo cortava esse tipo de cena, já é um grande avanço.

Feliz da vida com a nova família que ganhou, Ivan (Vitor figueiredo) fez um discurso bonitinho em homenagem à mãe e à diversidade. Além de ganhar o carinho de Marina, o menino terminou a trama mimado por Verônica (Helena Ranaldi), que ainda anunciou a chegada de seu primeiro filho com Cadu (Reynaldo Gianecchini). Só senti falta de terem mostrado a criança após a passagem de tempo. Havia sido divulgado que era uma menina e se chamaria Vitória, devido ao transplante de coração bem-sucedido de Cadu. Devem ter cortado essa parte por falta de tempo, já que havia tanto pra acontecer…

Quem também teve muito o que comemorar foi Felipe (Thiago Mendonça). Recuperado do alcoolismo, ele teve seu final feliz ao lado de Sílvia (Bianca Rinaldi) e comemorou a chegada de um bebê.

Falando em bebês, Rafaela (Aline Fanju) e Viriato (Antonio Petrin) resolveram povoar o mundo. Além dos gêmeos João e Maria, o casal ainda anunciou a chegada de mais um bebê. Bem que a moça anunciou que o maridão era um “touro”.

Um dos mistérios (nem tão misterioso assim) que veio à tona, mesmo que sutilmente, foi a respeito da mãe de André (Bruno Gissoni). O rapaz chegou a confrontar Branca (Ângela Vieira), mas a megera não o reconheceu como filho e mentiu que a mãe dele era uma antiga empregada. André e Bárbara (Poliana Aleixo) não acreditaram na história, mas isso não fez a menor diferença, já que ele se mostrou convicto de que sua mãe é Dulce (Lica Oliveira).

O destino de Juliana (Vanessa Gerbelli) foi o mais confuso de todos. Ela terminou solteira e dedicada aos filhos, mas com a ajuda de Iolanda (Magdale Alves), a mãe de Gorete (Carol Macedo). Falando nisso, a morte da empregada continuou sem explicação, parece que o autor se esqueceu desse detalhe. Até apareceu o médico que poderia desvendar o suposto crime, mas só deu um “oi” e foi embora sem fazer nada de útil.  Jairo (Marcello Melo Jr.) continuou o malandro de sempre, morando na comunidade, como sempre quis. Já Nando (Leonardo Medeiros), finalmente esqueceu a ex e começou a se entender com a secretária. Estranho, o coitado passou a novela rastejando atrás de Juliana, mas “desapaixonou” em pouco tempo.

Mas nem só de finais felizes se vive, então, como todos já sabem, Laerte (Gabriel Braga Nunes) foi assassinado no último capítulo. Ele chegou a se casar com Luiza (Bruna Marquezine), mas acabou levando um tiro de Lívia (Louise D’Tuani) na saída da igreja. O motivo não poderia ser mais idiota: a jovem pianista ficou revoltada após ouvir Laerte a chamar de “bobinha” e zombar da paixão dela. Coerência pra quê, né?

Laerte deve ter morrido feliz, cercado por suas cinco viúvas: Luiza, Helena (Júlia Lemmertz), Shirley (Vivianne Pasmanter), Lívia e Verônica. Enquanto o músico agonizava, cada uma das mulheres de sua vida relembrava como foram “felizes” com ele. Nossa, que homem perfeito foi esse Laerte, vai deixar saudades. Só que não.

Um ano depois de ter ficado viúva, Luiza foi viajar com os pais e aproveitou para assistir a um concerto de Leto (Ronny Kriwat). Organizado por Shirley, o evento foi uma homenagem a Laerte. Poucos meses depois do trauma de ficar viúva em pleno altar, Luiza resolveu curar a deprê na França. Quem nunca, né? A jovem conheceu um charmoso brasileiro em Paris. E vejam que coincidência, ele também é músico!

Manoel Carlos ficou devendo uma boa trama ou, pelo menos, um final mais coerente para sua história. Que a novela não tenha vindo bem até aqui, é compreensível, nem sempre é possível adivinhar o que vai agradar ao público. Mas pelo menos o desfecho criado pelo autor deveria ter respeitado nossa inteligência. Não deu pra engolir a transformação de Laerte, aquele psicopata que destruiu a vida de tanta gente, em um mártir que foi morto por uma jovem maluca.

Em Família terminou, finalmente. Se Maneco cumprir o prometido, deve ser sua última novela. É uma pena que ele fique marcado por história tão cheia de erros, mas não podemos esquecer o legado deixado por ele. Lembremos, portanto, da troca de bebês emocionante em Por Amor, das raquetadas de Marcos (Dan Stulbach) em Mulheres Apaixonadas, do sofrimento de Camila (Carolina Dieckmann) em Laços de Família, do belo romance de Miguel (Mateus Solano) e Luciana (Alinne Moraes) em Viver a Vida… Enfim, são mais de 30 anos de boa história, Manoel Carlos não merece ser apedrejado por uma trama ruim.

E vocês, o que acharam do final de Em Família?

Bookmark and Share

Comentários (39)

  • Clau diz: 18 de julho de 2014

    Depois dos 7 x 1 sobre o Brasil e da vexatória partida de futebol, não foi só Maneco que saiu com a marca de pior autor de novelas de 2014. O Felipão saiu com a PIOR marca de técnico universal. kkkkkkkkkkkkkkkkk…..

    Michele… corretíssima em teu texto, como sempre! O Maneco poderia pelo menos fazer com que Luíza terminasse de fato sozinha, sem conhecer ninguém. E GRÁVIDA. Sim o filhote do demo ou melhor, Laerte. Assim seria mais um pra dividir a fortuna de Laerte junto com Leto que acabou o herdeiro sozinho. Pra felicidade de Shirley. Ela não falava que o maior trunfo era ser mãe do filho de Laerte? bem que Luíza poderia ter engravidado dele e ficado sozinha, cuidando de seu filho TRABALHANDO e ao lado de Helena que, igualmente se regozijaria em ajudar a criar o filho de seu grande amor.

    O resto, foi o resto e concordo que o melhor foi Clarina, pois pelo menos deu um gás na trama. Mas repito, Maneco poderia ter abordado muito mais a fundo o drama de Clara.

    Tirando o fato de Juliana ser mais nova que Helena, sua sobrinha e de Helena ter feito plástica no nariz, que era um pouco adunco (Marquezine NÃO TEM narizinho pequeninho) e depois ficou arrebitado… Mais o fato de Neidinha ter diminuído de altura e afinado os lábios… Enfim…. A novela dos erros. Assim como outras, mas esta se superou.

    Em tempo: Depois de sofrer por 5 meses contracenando ao lado de Gabriel Braga Nunes, Bruna Marquezine terá seu descanso nos braços do sempre “de boa” Neymar. Que aliás, precisa esclarecer alguns pontos financeiros com o Fisco espanhol. Ele e Messi também. Mas pra quem tem milhões, o que são alguns trocados, não é? kkkkkkk

  • Leonardo diz: 18 de julho de 2014

    Poderia ter ousado mais, ser menos “clichê”. Só.

  • Jamile diz: 19 de julho de 2014

    Teve tanta cena inútil ao longo da na novela, pq não desenvolveram a história do André com a Branca, foram deixar pro último capítulo? A história da Gorete tb ficou em aberto, só se importaram mesmo com a xaropada de sempre, aquela renca de mulher grávida, e todo mundo arranjando par. Poxa vida, a única parte boa foi o Laerte morrer, mas, ela estragar a vida por causa do maior canalha? Nem sei pq me espantei, que até uma menina aparentemente normal, era no fundo desequilibrada e passional como todo mundo do fictício Leblon do Manoel! E a Luíza casar com a Fênix da mãe.. haha.. No comments!

  • Jamile diz: 19 de julho de 2014

    O Laerte aprontou a novela inteira de todas as formas possíveis e no último capítulo ainda recebeu homenagem!! Justo? É pra esculachar o telespectador!!!! E detalhe, no final todo mundo foi pra Paris, a Luíza esqueceu que a Shirley queria é que ela morresse afogada! Detalhe bobo, né, best friend?
    Sem dúvidas uma das piores novelas que já assisti na vida, e foi por teimosia, porque achei que o final ia ter o mínimo de decência, que a filha ia tomar vergonha na cara e pedir perdão pros pais! Quebrei a cara! A tonta da Luíza achando que teve uma linda história de amor, com direito a fênix e tudo que assim como a história de amor, foi ROUBADO da Helena!!! NA MÃO GRANDE! Aí o cara morre e A Luíza esquece q o psicopata só faltava bater nela com aquele ciúme doentio! Virou um herói depois da morte! Bizarrice pouca é bobagem! Ridículo e meio!!!

  • Fernanda mattoso diz: 19 de julho de 2014

    Enfim, o fim de Em família. Mais uma vez, o discurso do “não ao preconceito” e usado para aumentar a audiência e tentar compensar os prejuízos com uma investida infeliz da emissora. Porém, acho incoerente dizer que a novela levanta a bandeira do respeito e, no entanto, apresentar as MULHERES de uma forma tão patética. Laerte sair de mártir, cercado de viúvas nostálgicas a sua volta e eternizado por elas e seus encantos coloca a mulher numa condição humilhante e ridícula. O que e isso? Que espécie de abuso e esse? Será que e disso que mulheres lindas, bem sucedidas, inteligentes e equilibradas gostam? De canalhas, sem escrúpulo, com impulsos violentos e assassino em potencial. Será que gostam de serem perseguidas e subestimadas, alem de traídas e usadas como objeto de vaidade? Improvável que seja a maioria das mulheres que teriam boas lembranças de uma relação assim. As mulheres querem, pensam e sentem muito mais que isso. Pior ainda foi reduzir a psicopatia (que precisa de controle medico) a crises banais de ciúme. Laerte e doente mental e precisaria ter sido conduzido como um e não como um namoradinho ciumento. “Namoradinhos ciumentos” não tentam matar uma pessoa vulnerável, como foi na cena com André na festa da escola. Também não perseguem pessoas enlouquecidamente no transito, podendo causar um acidente. Não enterram ninguém vivo e tudo mais. Encarrar estes comportamentos como cotidiano e muito serio. Milhares de mulheres são agredidas, perseguidas e mortas todos os dias em função de Laertes soltos por ai, que a novela insistiu em agraciar como Dom Juan ou conquistador de meia pataca, simplificando a questão em nome da poética infame do autor. Uma atitude completamente irresponsavel! Mais uma vez, no nosso pais cheio de contradições, as MULHERES são alvo de apelação e tem sua imagem usada pela midia de forma ridícula e apelativa para lucrar. E depois querem que a lei Maria da Penha sozinha de conta disso.

    Sabe, virou moda falar de preconceito, mas me parece que as pessoas se esqueceram que esta palavra não se aplica apenas a gays ou aborda apenas questões raciais. As mulheres são frequentemente alvo de uma imagem pejorativa e humilhante em todos os espaços midiáticos no Brasil e sempre fica por isso mesmo. Consagrar um agressor de mulheres como um gênio sensível de encantos irresistíveis e uma afronta a condição feminina e um incentivo a violência contra a mulher. E o mesmo que dizer: ” bate que elas gostam”. Um estimulo aos que se acham galãs e querem sair por ai fazendo a mesma coisa. Que a inteligência nos proteja.

    A única boa noticia nisso tudo e que, pelo que parece, e a ultima investida do autor. Quanto ao aclamado discurso do preconceito, esperar as cenas dos próximos capítulos.

  • Mariana Piazzi diz: 19 de julho de 2014

    Adorei o desfecho do texto.. Ótima colocação critica nessa trama do nosso grande Manoel Carlos. Realmente não foi sua melhor trama. Porem, serviu pra como lição que até os grandes erram (risos) não desmerecendo sua grande criatividade e inteligencia pra criar!! Mas realmente sua suposta ultima trama deixou a desejar em muitos aspectos.
    Enfim… Que bom que acabou. E espero que essa novela não se repita no vale a pena ver dinovo (Risos)

  • Ana Carolina diz: 19 de julho de 2014

    Final péssimo. As passagens de tempo me deixaram muito confusa. Pensei que o casamento da Luísa fosse acontecer logo no início do capítulo, pois na quinta-feira a Helena foi buscá-la para se arrumar na casa dela. Já ontem deu a entender que o casamento aconteceria logo, pois a Helena havia comentado que o lugar da Luísa se arrumar era na sua casa, no quarto de solteira. Mas daí, se passaram vários dias novamente, para depois acontecer o casamento. Fiquei sem entender. Além de várias outras cenas que pareciam estar soltas. A morte do Laerte também foi sem graça. Ninguém falou uma palavra e já se passou muito tempo novamente.
    Um dos piores finais de novelas que já vi.

  • Débora R diz: 19 de julho de 2014

    Gente, a Verônica não estava grávida?
    Aonde foi parar o bebê? Totalmente sem noção!

  • Michaela diz: 19 de julho de 2014

    A única coisa que eu devo agradecer, é Clarina. Apesar de tudo, foi o único casal que valeu a pena naquela novela. Pelo que eu vi em alguns lugares, parece que foi a torcida Clarina que impulsionou o Cadu a terminar com a Verônica porque a maioria do público queria que ele ficasse com a Silvia. Eu, particularmente, acho isso mentira porque a maioria de pessoas que conheço queria que ele ficasse com a Verônica. Pra mim, o Maneco quis tirar com a cara de todo mundo, com o final do Laerte. Porque ele via o Laerte como um bom homem, a Luiza, como uma linda garota e tal… Então, como todo mundo odiou o romance dos dois e o personagem doido, e pediram a morte dele. Bom… “Ok, todo mundo achou uma porcaria o que eu inventei! Mas a novela é minha, o personagem é meu, quem escreve sou eu… Eu vou matar, mas do meu jeito. Se reclamarem… Tô nem aí!”
    Apesar de tudo de ruim que houve nessa novela… Ainda terei Mulheres Apaixonadas… Como eu disse, no início da novela, aqui mesmo… Eu estava entrando na adolescência, quando essa novela passou… E ela me deu muita perspectiva da pessoa que eu queria me tornar quando fosse mais velha… Vimos tantas coisas… Ciúme obsessivo de uma mulher, pelo marido, marido espancando esposa, maus tratos contra os idosos, padre largando a batina pelo amo, professor com aluno… Vimos a luta da Clara pra ficar com a Rafaela, com aquela mãe monstra que ela tinha… Vimos… Luciana e Diogo, um dos casais que eu mais amei até hoje… Bruna Marquezine nos fazendo chorar com a doçura da Salete…. Vimos o assunto de câncer de mama… Ai, aquela novela pra sempre vai ser uma das melhores que já vi até hoje. Aquela, sim, foi uma novela que tinha temas pra se discutir… O tanto que eu chorei quando o Marcos batia na Raquel… Com a Salete vendo o anjo… Com os avós sendo maltratados pela Dóris. Eu queria bater na Dóris… Ah… Saudades eternas dessa novela.. Que foi uma novela, coisa que não se acha hoje em dia! Sem mais!

  • Gilberto Souza diz: 19 de julho de 2014

    Até que enfim terminou essa novelinha. Não assisto novelas, mas pelos comentários é merecedora do Premio Framboesas de Ouro. Também esperar o que de Bruna Marquezine, uma representação a lá Glória Menezes, Regina Duarte, Nanda Costa, etc… é pedir um milagre.

  • Pior diz: 19 de julho de 2014

    A pior novela que eu ja assisti.

  • Wesley diz: 19 de julho de 2014

    Lamento que o autor tenha se despedido com uma estória tão fraca como essa, reuniu um elenco até bom, mas não soube aproveitar o talento dos mesmos, criou tantos personagens insossos e uma estória tão limitada…. Pena ver atores como a JÚLIA, HUMBERTO, NATÁLIA, HERSON, ANA BEATRIZ, GABRIEL…etc.. desaparecerem nessa estorinha fúnebre e sem novidades, não sei o que se passou na cabeça do autor pra criar essa estorinha limitada, bastava um pouco de inovação e ele salvaria esse enredo e os atores dessa estória e ainda fechava com chave de ouro essa saga de HELENAS.

  • Paulo diz: 19 de julho de 2014

    Esse autor, essas novelas da Globo tem muita coisas de espiritismos, coisas de anjos, renascimento. Nada contra, mas nem todo mundo é da mesma religião que eles.

    E outra terminou e não excplicou o que o medico queria atraz da Juliana, ninguem comentou a morte de Laerte, nem nada, tudo ficou normal, ninguém triste. Se eu me lembro bem a irma de Branca ia aparecer e nada, cada coisa nada ver, amor de mae e filha, usar mesmo personagem. E livia era assasina? onde aprendeu a atirar? etc…

    Muita coisa sem sentido e historia estranha…

  • Yvette Turco diz: 19 de julho de 2014

    Eu assití, curtí, gostei. Parabéns pra tudo o elenco. Especialmente pra Tainá Muller, a melhor personagem! Excelente atriz.

  • Jaqueline diz: 19 de julho de 2014

    Essa novela foi um verdadeiro fracasso, do início ao fim. O Manoel Carlos fez ótimas novelas de sucesso como Mulheres Apaixonadas e Laços de Família, que foram as que eu mais gostei. Mas essa última, sinceramente, foi uma das piores que já assisti na Globo. Essa porcaria já foi tarde, deveria ter acabado há muito tempo essa história ridícula sem pé nem cabeça.

  • VIVI diz: 19 de julho de 2014

    A PIOR NOVELA QUE EU JÁ VI,RUIN É POUCO PIOR QUE A COPA NÃO FOI MAS,CHEGOU PERTO AFF!!!NÃO VAI DEIXAR SAUDADES MESMO

  • Ana diz: 19 de julho de 2014

    “Ruim” é elogio pra essa novela. LIXO COMPLETO.

  • Ale diz: 19 de julho de 2014

    Quando anunciaram a novela bah!!! Criei uma enorme expectativa.
    Lamentável…não parecia um final de novela, sem emoção, sem torcida, não deixará saudades.

  • Hermis diz: 19 de julho de 2014

    Acabou!!!

  • marcos diz: 19 de julho de 2014

    Não quero ser um crítico do Maneco, mas, igualmente ao Felipão, não dá para não admitir que ambos estão obsoletos. Esta conclusão eu já tinha tirado bem antes deste desfecho que eu considero totalmente incoerente. Quando, há alguns capítulos atrás, o autor criou uma situação em que o filho de um pedreiro foi homenageado por Laerte com músicas de Vila Lobos, ficou difícil de achar a trama pudesse melhorar. Absolutamente nada tenho, nem posso ter contra os mestres pedreiros, mas tenho certeza que esta possibilidade improvável não foi encarada com naturalidade pela maioria dos telespectadores. Isto tudo mostra que, ou o Maneco sai do Leblon e vai conhecer o resto do Brasil, ou ele compra um chinelinho bem macio e fica por lá mesmo.

  • Marcelo José Duarte diz: 19 de julho de 2014

    Michele, posso estar enganado, mas o tal Marcelo que se envolveu com a Luiza na parte final não é o mesmo que foi assassinado pela Flora em “A Favorita”? Na hora que vi o mesmo em cena, foi impossível não me lembrar… Quanta semelhança… Se for verdade, o Maneco se superou em cheio…

  • Cleber Alexandre de Farias diz: 20 de julho de 2014

    Foi a pior novela que eu assisti desde a década de 70. Sou noveleiro de carteirinha, comecei a assistir com 7 anos e hoje estou com 43. Mas, vamos, a novela!!! A Leninha aprontou a novela inteira e saiu se dando bem, só no lucro!!! QUE BARBARIDADE!!! Ela foi a maior responsável pelas cicatrizes e quase morte do Vírgilio quando o mesmo foi enterrado vivo!!! Vocês lembram que ela vivia falando que amava o Virgilio e o Laerte ao mesmo tempo??? Qualquer homem jovem apaixonado iria enlouquecer com isso e fazer loucuras, principalmente em uma moça linda como a Leninha, na personagem da Bruna Marquesini!!! E COM A LENINHA NÃO ACONTECE NADA A NOVELA INTEIRA!!! E AINDA FICA ZICANDO O NOIVO DA FILHA, ATÉ ELE MORRER NA PORTA DA IGREJA COM UM TIRO NO CORAÇÃO!!!! O que há de errado de a filha se casar com o ex-noivo da mãe??? Se fosse eu, escreveria a novela totalmente diferente!! Lá vai!!! O laerte jovem é preso na Igreja após descobrirem que ele enterrou Virgílio vivo.. Ficou 1 ano preso… passa-se vinte anos e ele aparece no concerto ao lado de Verônica na Itália e Luiza assiste ao conserto…. Só que Laerte mudou totalmente da água para o vinho, ele é uma pessoa tranquila, calma,equilibrada, não tem mais aquele ciúmes doentio, a música mudou a vida dele totalmente, ele é um flautista renomado e famoso no mundo inteiro, agora ele é do bem!!, pois ele é como a FÊNIX, ELE RENASCE DAS CINZAS TOTALMENTE TRANSFORMADO E SE APAIXONA POR LUIZA E LUIZA POR ELE!!! E O AMOR QUE BROTA ENTRE ELE E LUIZA É COMO A FENIX, UM AMOR QUE RENASCE DAS CINZAS, SÓ QUE RENASCIDO NA FILHA DE LENINHA(LUIZA) E RENASCIDO EM LAERTE. OS DOIS VIVERIAM UMA BELA HISTÓRIA DE AMOR A NOVELA INTEIRA E COM UM FINAL MAGNÍFICO, PORTANTO, EU JAMAIS MATARIA LAERTE SE TIVESSE ESCRITO A NOVELA, POIS A FENIX É A REPRESENTAÇÃO DO AMOR QUE RENASCE DAS CINZAS ENTRE LAERTE E LUIZA!!!! POIS LUIZA É A CARA DE LENINHA NA ADOLESCÊNCIA. Só que Luiza na novela escrita por mim seria decente, não ficava provocando Laerte com cenas de ciúmes igual a mãe fazia!!! E na minha trama Laerte e Luiza se casariam no final da novela e VIVERIAM FELIZES PARA SEMPRE!!!! Do outro lado, LENINHA seria uma mãe má e perversa e manipuladora, tão manipuladora como no passado, que botava cíumes no Laerte e Virgílio ao ponto de um querer matar o outro!!! Nessa minha trama, LENINHA transformaria a vida de Laerte e Luiza num inferno; planejaria um atentado contra a vida do ex- de Luiza e colocaria a culpa em Laerte, e por aí iria, aprontava…. aprontava….aprontava… até que Laerte e Luiza descobrissem que LENINHA seria a culpada de tudo e LENINHA NO FIM DA NOVELA IRIA PARAR NA CADEIA DOENTE DO JEITO QUE É, POIS UMA MULHER QUE PÕE CIÚMES NO NOIVO DIZENDO NO PASSADO QUE AMAVA DOIS HOMENS, O NOIVO(LAERTE) E O AMIGO DO NOIVO(VÍRGILIO) SÓ PODE SER DOENTE!!!! Então, na minha trama, LENINHA seria a vilã da história, e LAERTE RENASCIDO DAS CINZAS, RENASCERIA UM BOM MOCINHO E CONQUISTARIA O AMOR DE LUIZA, IDÊNTICA FISICAMENTE A SUA MÃE NA ADOLESCÊNCIA, SÓ QUE LUIZA REPRESENTARIA ASSIM COMO LAERTE, O AMOR QUE RENASCE DAS CINZAS!!! LEMBRAM DA FENIX NO INICIO DA NOVELA???? É O RENASCIMENTO DAS CINZAS, UMA NOVA CHANCE!!! ENTÃO UM AMOR SUBLIME ENTRE LUIZA E LAERTE!!!! QUE ESPETACULAR CHANCE QUE O AUTOR DA NOVELA PERDEU!!! SE FOSSE EU, TRANSFORMARIA ESSA NOVELA NA MAIS LINDA DE TODAS!!!! E o Vírgílio, como terminaria??? COM AQUELA COWBOY QUE SEMPRE AMOU ELE DESDE A INFÂNCIA!!!! AQUELA CAWBOY TERIA QUE TER FICADO COM O VIRGÍLIO!!! Só que arrumaram um cara nada haver para ela, e ela literalmente some da novela bem antes do fim!!! Que ridículo isso!!! E AQUELE PIANISTA EM PARIS NO FIM DA NOVELA QUE QUE VIRA O NAMORADINHO DA LUIZA??? QUE RIDÍCULO ISSO!!! NO FIM DA NOVELA ENTRA UM NARIZ DE FOLHA!!!! NADA HAVER!!!! COMO EU QUERIA TER UMA CHANCE DE ESCREVER UMA NOVELA!!!! MEU DEUS!!! TENHO TANTAS IDÉIAS DIFERENTES, QUE JURO POR DEUS, TRANSFORMARIA A NOVELA EM FAMÍLIA EM UMA NOVELA INESQUECÍVEL!!!!! E por fim, Virgílio e Laerte se tornariam grandes amigos E SOGRO E GENRO, pois Vírgilio que sempre foi o BOM MOCINHO equilibrado teria que ter perdoado Laerte? Vocês naõ acham??? EU TENHO CERTEZA, POIS EU ACREDITO NO PERDÃO!!!!!

  • eluize diz: 20 de julho de 2014

    enfim terminou novela sem sal sem açúcar enfim sem nada(risos)
    bom no começo ela até parecia um boa novela,com a passagem de tempo acabou com tudo,
    Luiza apaixonada pelo quase `
    “assassino“ do seu pai , sempre traído a tontá nem mesmo. sabia que pisicoloco a traia ,só em novela msm neh!!
    sem contar o resto neh,
    Bruna era uma otima atriz quando criança particularmente eu gosto dela mas ela não esta preparada pra fama,parece tão forçada a atuação dela nessa novela !

  • zuleima Piovezan diz: 20 de julho de 2014

    Achei um lixo, do começo ao fim…se o Gabriel Braga pensava em alavancar de vez a carreira dele foi pro espaço definitivamente!!!! Fora o resto do lixo que não merece nem comentários.

  • jose diz: 20 de julho de 2014

    A NOVELA EM FAMILIA DEU UM SHOW DE VERDADE, NÃO É A PERFEIÇÃO QUE SE FAZ EM UMA NOVELA, APENAS REVELA UM POUCO DA VIDA REAL E QUEM APROVEITOU APRENDEU MUITO COM MANECO.PARABENS MANUEL CARLOS POR MAIS ALGUMAS HISTÓRIAS DA VIDA ATUAL.

  • Marta diz: 20 de julho de 2014

    GENTE FALHAR É HUMANO E SOMENTE NÃO FALHA QUEM NADA FAZ. O AUTOR É BOM E JÁ ACERTOU EM MUITAS, MAS NESSA ÚLTIMA ELE FALHOU NA ESTÓRIA E TALVEZ NA ESCALAÇÃO DE ALGUNS PERSONAGENS. ACHO QUE A GLOBO JÁ DEVERIA TER ACORDADO E OBSERVADO QUE OS TELESPECTADORES DE HOJE NÃO SÃO OS DE TRINTA ANOS ATRÁS, PORQUE NO FUTURO O SUCESSO VAI ESTAR DO LADO DAQUELES QUE FAZEM DIFERENTES. O AUTOR É BOM, MAS REPETE DEMAIS PARTE DE SUAS ESTÓRIAS, NESSA ÚLTIMA NOVELA CRIOU UMA ESTÓRIA LIMITADA E SEM NOVIDADES, ACHO ATÉ QUE A AUDIÊNCIA FOI MUITO BOA, ACHO QUE MUITOS ASSISTIRAM PELO ELENCO, PODERIA TER SIDO BEM PIOR.

  • Ana Paula diz: 20 de julho de 2014

    Para os fãs do casal Clarina a novela terminou quarta/quinta feira… Com o casamento e a “lua de mel” delas.

    A novela foi MUITO fraca, foi péssima. Por alguns momentos acabou até com a graça do casal Clara e Marina, que era a única coisa que me prendia para assistir. Mas elas tiveram final feliz, então tá tudo certo.

    Giovanna e Tainá arrasaram! Alinne Moraes é ótima, mas a Marina foi da Tainá do inicio ao fim.. amei! Marina era minha personagem favorita.

    A maior audiência da novela foi no dia do casamento delas, pra quem não sabe.

    Bj para quem não aceita o amor entre pessoas do mesmo sexo…. Perderam!

  • Yasmin diz: 20 de julho de 2014

    Sinceramente… tenho até medo de alguém que defende um quase assassino como o Laerte!
    Qta distorção de valores… se o Laerte jovem achava que a “Leninha” não prestava (pq se insinuava para o Virgilio), que terminasse o namoro, oras. Até parece que isso justifica tantas atitudes horríveis que Laerte tomou. Ele sempre foi um psicopata!!
    Tenho horror de homem ciumento e machista. Se ele não tivesse morrido, transformaria a idiota da Luiza numa prisioneira. Homens como ele merecem ficar sozinhos!
    E quem defende um comportamento desses, só pode ser meio desequilibrado…

  • Renata Bassanelli diz: 20 de julho de 2014

    Não concordo que Manoel Carlos tenha deixado bons legados a teledramaturgia brasileira. A não ser a lembrança de que ele se faz marcar pelas suas “Helenas” (fato que a Globo sempre nos lembra, senão nem notaríamos…) Suas novelas “diminuem” atores maravilhosos com papeis insignificantes e sem histórias. Perdem preciosos tempos da novela com “conversinhas de cozinha”, monótonos e sem função ou atrativo nenhum à trama. Sem falar dos milionários fora da realidade que ele adora esbanjar.Sou “noveleira” e, podem crer, não é preciso assistir as novelas dele para se saber o desfecho. Basta ver a sinopse inicial e acompanhar os comerciais que não se perde nada. Me desculpe, Manoel Carlos, mas você subestima a necessidade cultural e atrativa dos espectadores brasileiros. Essa foi a pior das piores! (e olha que mais assisti através dos comerciais!), pois nenhum capítulo me instigou a ver o próximo.

  • Clau diz: 20 de julho de 2014

    RENATA BASSANELLI, concordo totalmente com tuas palavras. É bem isso mesmo. Mas eu ainda assisti aos capítulos confesso que esta foi a PRIMEIRA novela em todos estes anos que me deu um sono absurdo. Mesmo agora na reta final, quando quis ver afinal, como as coisas andariam e ainda assim, quase dormi. As conversinhas continuaram e toda a baboseira do Laerte e suas viúvas, que é totalmente fora da realidade.

    Também aqui comentaram sobre a maneira de Maneco ver as mulheres, principalmente dando a entender que ela gostam de apanhar. Outra que também mostrou esta faceta, além de Luíza, foi Juliana. Esta foi ameaçada até de facão e mesmo assim nem deu parte das ameaças do marido. Apenas o proibiu de entrar em sua casa. Como se ele não pudesse pegá-la na rua…

    Para quem mencionou a IRMÃ de Branca… PARABÉNS!!!! De fato… a tal irmã não iria chegar??? e chegou??? eu não vi. E o IRMÃO de Chica, Selma e Juliana que desde o início da trama elas comentaram que o tal vivia nos Estados Unidos? onde a criatura vive e por qual motivo foi mencionado na trama se nem apareceu? Já que Chica iria para Miami com Ricardo, poderia ter sido uma ótima oportunidade para Maneco ressuscitar o tal irmão. Esses dois personagens também são muito chatos. A novela toda só de gracinhas, papinhos… E tal cena de Chica com calorão por estar com tesão pelo marido e foi para o banheiro se molhar na pia?? que cena ridícula essa!!! O Ricardo, antão já marido dela, se aproxima e a senhora começa a se jogar água na cara e disfarçar com ele ali… Mas disfarçar o quê? se eles são casados????

    A MÃE DE SHIRLEY. É outra que até a atriz ficou esperando ser chamada e nada. Até o final sumiu. E assim foi…. O médico que perseguia Juliana deu a entender no final que ainda suspeitava dela…. Ou vai ver queria ser mais um da fila de amantes… Vai se saber?? E pelo o que entendi, Rosa se ajeitou com o velho Benjamin, pois já o tratava sem o SEU Benjamin. Que cena ridículo foi aquela dele tocando e ela dançando, e Guiomar dançando, e Luíza falando sobre seu casamento mesmo sabendo que Helena sofria…

    Aliás, descobri que Luíza sempre foi debiloide. Não é normal. Só vendo e revendo os capítulos pra se observar o que foi essa insistência de Luíza se casar com Laerte e a família em peso ali dando força. ONDE EXISTE ISSO????????????? Por favor! não subestimem e inteligência dos telespectadores. E QUANDO que a audiência cresceu??? Só no capítulo do casamento de Clarina e só. Ah! sim! na última semana pois todos torciam para essa porcaria acabar de uma vez por todas. Um último capítulo pavoroso…

    Aos admiradores de Bruna Marquezine: lamento que haja tantos, pois este guria não sabe representar. Não conseguia entender um apalavras quando ela chorava. Falava arrastado comendo sílabas. Não tem carisma para segurar uma trama das 21 horas. Se colocarmos ela ao lado de Sophie Charlote ou Isabelle Drumont, Marquezine PERDE. Essas duas últimas têm TALENTO e BELEZA. Marquezine tem um rostinho bonito, mas o nariz poderia ser um pouco modificado. No capítulo do casamento, ela de cabelos presos, só confirmou o que sempre disse: ela tem o nariz adunco e a ponta cai no fim. Quase um narizinho de bruxinha. Nada contra, se ela tivesse um carisma, um charme, mas não tem. E a personagem que representou só fez piorar minha antipatia por essa atriz.
    Quando pequena, ela muito lindinha e ótima atriz. Cresceu, perdeu a graça e esqueceu de representar. Muito chata! Sem contar que pouco tem de semelhança com Julia Lemmertz. Helena fez plástica no nariz? Vai ver fez. Tudo é possível na trama de Maneco.

  • FERNANDA MATTOSO diz: 21 de julho de 2014

    Clau, obrigada pela parte que me toca no comentário sobre “o tratamento destinado às mulheres”. Que bom que não passou desapercebido e que tive apoio. Também concordo com suas colocações críticas. E havia me esquecido de Juliana…kkkk. Ridículo aquilo!

    E não foram somente as mulheres alvo de caricaturas preconceituosas do autor (ou da equipe produtora, ou da emissora…ou quem seja o responsável). Foquei neste caso porque o descaro foi absurdo demais. Porém, os homens mais bacanas (bons maridos, profissionais, pais dedicados e pessoas interessantes como Nando, Virgílio e Cadu) foram ridicularizados como “bananas”, que se arrastaram irracionalmente para suas amadas, sem um pingo de amor próprio. Os ricos foram desenhados como cruéis, inúteis, não trabalham e bebem o dia inteiro. Os agressores pegos pela polícia e punidos como marginais são o pobres (presos pela atriz que passou no concurso da polícia e foi chamada para assumir o cargo instantaneamente, na delegacia que quis, com a equipe que quis). O agressor rico é artista temperamental, nosso gênio incompreendido. Além de Bárbara: coitada! Linchada moralmente pela mãe boa parte da novela por ser gordinha (aliás, como diz Jô Soares, “todos são politicamente corretos, menos os gordos”) que se humilhou e tolerou tudo para ficar com o seu amor. Preço a pagar por não ser a princezinha da moda.

    Mas o pior se refere aos homossexuais, defendidos aqui a ferro e fogo pela maioria, mas a meu ver, tratados na novela com um nível de irrealidade assustadora. Convivo com homossexuais desde pequena, porque, além de tê-los em minha família, fui sócia de um com quem convivi intimamente por mais de 20 anos, meu melhor amigo de infância é homossexual, fui professora de um transexual que virou grande amigo após de formar e convivo profissionalmente com milhares deles na minha área de atuação. Não vejo nenhuma novidade em “beijo gay”, “casamento gay”, “relação gay” ou o que for. Pra mim é uma relação como qualquer outra, porém não é nada fácil para eles como foi colocado na novela e tratá-los SEM PRECONCEITO é respeitar isso. Para chegar naquele nível de aceitação familiar explorado na trama é muito difícil, leva tempo e muitos não conseguem nunca, embora mereçam. Bem como o divórcio do casal, que envolvia Ivan (uma criança criada com a superproteção do pai, da mãe e da família), mostrado como o término de um namorico infantil. Para nenhum filho este processo é fácil assim, sobretudo para uma criança com o perfil dele. Quem passou por isso sabe que tenho razão. Além disso, a maturidade do discurso do menino está muito além do seu desenvolvimento para a idade e da sua capacidade de administrar tantos sentimentos complexos ao mesmo tempo. Nem adulto dá conta, às vezes.

    Diante de minha experiência, aprendi que respeitar a diversidade não é ficar em frente a uma TV esperando ansiosamente por um beijo ou uma cerimônia de amor entre duas mulheres. Ao contrário, este comportamento me parece especulativo e sensacionalista, assim como muitos curiosos que ficam em frente a uma jaula no zoológico esperando que um bicho raro saia para lhes exibir seus dons. Usar uma criança para comover sobre a causa, então, foi golpe baixo. O aumento da audiência no dia do casamento de Clara e Marina, para mim, só demonstra como a nossa sociedade, em sua maioria, ainda está despreparada para conviver em igualdade e que precisa aprender muito ainda sobre o assunto.

    Fecho, aqui, minha resenha sobre Em Família. Ao autor, boas férias!

  • Gabriela diz: 22 de julho de 2014

    Vai deixar saudades sim, principalmente Clara e Marina, a razão pela qual eu comecei a assistir a novela.. :(

  • Clau diz: 22 de julho de 2014

    Sensacional teu comentário FERNANDA MATTOSO. Muito bom! disseste TUDO. É bem por aí mesmo e a palavra não poderia ser mais certa: ESPECULAÇÃO. Foi o que a grande maioria fez. Especular o tal beijo que também foi fora da realidade. Como toda a novela foi.
    Por isso Aguinaldo não pretende mostrar beijo gay. Li uma reportagem onde ele diz que quer mostrar a ESSÊNCIA da relação dos personagens de José Mayer e Klebber Toledo. E não somente beijos e outras atitudes. E está certo ele. Não por preconceito, mas como colocaste, este tipo de coisa foge do real problema que homossexuais enfrentam. Em vez de debater beijos e pegações, deveria ser debatido as dificuldades que eles passam. Como Clara que deveria ter passado e mostrado o processo que enfrentaria… Cadu, o filho, a mãe, uma disputa pela guarda do filho… Os homens mansos demais e as mulheres fortes de dominadoras. Mas são assim até a página 2, visto que Juliana quase foi espancada, Guiomar quase teve seus dedos decepados e Luíza perseguida, humilhada publicamente, vítima de um ciúme doentio. Mas mesmo assim, mesmo tendo estudado psicologia, Luíza amava Laerte. Tens razão Fernanda… que horror se observarmos BEM o que esta novela mostrou.

    Também vi numa entrevista em que Gabriela Braga Nunes disse que pensava que o seu Laerte se envolveria com Helena e assim teria um triângulo amoroso. E eu acho que seria muito mais crível. Laerte retornando depois de anos e se envolvesse com Helena de novo. E Luíza, sendo filha dele com Helena, já que esta não teria abortado. Assim Luíza cresceria pensando ser filha de Virgílio. E este a tratando como filha. Laerte volta e bagunça tudo na vida deles. Isso seria muito mais coerente pois o amor do passado estaria de volta. Mexeria com muita coisa na trama. Mas novamente Maneco se envole com uma personagem e esquece as demais. Em Páginas da Vida era para ser a novela de Ana Paula Arósio e acabou que Maneco se encantou por Grazi Massafera e
    e em Viver a Vida se encantou por Alinne Moraes. Nada contra elas pois foram excelentes. Mas novamente Maneco boicotou sua obra.

  • luiza diz: 22 de julho de 2014

    Realmente os unicos personagens que me prenderam a atencao foram Marina, Clara, Shirley, Cadu, e ate o fofinho do Ivan captou mais a audiencia do que os protagonistas.

  • Claudia diz: 23 de julho de 2014

    Fernanda Mattoso, perfeito teu comentário.
    Detestei a forma como foi conduzido o casal Clara e Marina, não por serem homossexuais, óbvio, mas pela maneira cor de rosa que a história foi contada. Toda a família aceitou o romance mesmo quando a Clara ainda era casada, os diálogos eram irreais, como se fosse super natural uma mãe de família estar apaixonada por outra mulher. Não digo que seja errado, estou dizendo que não seria aceito e apoiado pela família e, jamais, o ex-marido toparia ser padrinho do casamento. O filho também não aceitaria numa boa. Acho que essa história de beijo gay é tão sem importância perto dos demais conflitos que precisam ser enfrentados. A novela deveria ter mostrado a disputa pela guarda do Ivan, o filho se ressentindo do divórcio e com dificuldade de entender a nova relação da mãe, a mãe da Clara pressionando para que ela mantivesse o casamento com o Cadu, enfim, problemas que certamente elas enfrentariam.
    Quanto ao Laerte e a Luiza nem há necessidade de comentar porque a palavra ridículo define bem. O cara foi noivo da mãe dela, tentou matar o pai dela e nessa função o avô dela morreu infartado. Qualquer filha normal jamais daria qualquer chance para um cara desses. A justificativa da Luiza que era “eu quero ser feliz” parecia de criança mal educada que diz “eu quero essa boneca”, não tem argumentação, não tem cabimento.
    Já a Helena passou a novela toda ressentida e só se livrou da fênix quando o Laerte roubou para dar pra Luiza no casamento, e a imbecil achou lindo ganhar a jóia q simbolizava o amor dele com a mãe dela. Tudo absurdo!
    Confesso que no final eu torcia mesmo por Cadu e por Verônica por serem personagens mais realistas, apesar do Cadu ter esperado a esposa se definir entre ele e outra mulher (ninguém esperaria isso, pois aquele papo de “amo os dois” não é tolerado num casamento de anos, talvez num início de namoro).
    E a Branca ser mãe do André pra que? Foi tão pouco explorado que não teve sentido. Se ele descobrisse antes e a Branca fosse desmascarada diante da filha e do ex que ela perseguia ainda vá lá, mas deixar para o fim só pra ela contar uma mentira e ficar por isso mesmo foi mais uma coisa sem necessidade.
    Enfim, foi aquela novela que assistia quando dava e queria ver o final por curiosidade porque nada tinha cabimento.

  • Cleber Alexandre de Farias diz: 23 de julho de 2014

    Para quem achou que o meu comentário foi de um meio desequilibrado, então essa pessoa deve ser totalmente desequilibrada, pois, em primeiro lugar não defendi em nenhum momento o Laerte, só disse que após o Laerte sair da cadeia aonde ficou 1 ano e que quando se passaria mais de 20 anos como foi escrito a novela, eu, como um ator, transformaria ele em uma pessoa equilibrada, pois ele se arrependeria de seus erros e teria consciência das perversidades que fez no passado, entre elas, de ter enterrado Virgílio vivo e de quase tê-lo matado e como a FENIX, Laerte RENASCERIA das Cinzas e do abismo em que estava após ter feito todas aquelas atrocidades, uma pessoa equilibrada e totalmente diferente do que era; Do mau ele passaria ao bem, pois ele renasceria das cinzas transformado em outra pessoa da água para o vinho. Eu escreveria a novela desse jeito, agora, se o autor da novela o transformou em um eterno psicopata até sua morte, daí, é problema do Autor e não meu. Outra coisa, o fato de o LAERTE JOVEM ter quase matado o Vírgilio, é o que mais acontece por aí afora, é só abrir as estatísticas!!! O que existe de crimes passionais nesse Brasil, crimes por triângulo amoroso é o que mais tem!!! Em que mundo vc vive?? Leia antes a dura realidade!!! Infelizmente é assim!!! PORTANTO NÃO CONCORDO, com o que Laerte fez com Vírgilio. Eu, na vida real, teria mandado Leninha passear e procurado a turma dela na primeira vez que ela falasse na minha frente que amava meu amigo também. Portanto, antes, de chamar os outros de desiquilibrado, TENHA INTELIGÊNCIA O SUFICIENTE DE INTERPRETAR O QUE FOI ESCRITO!!!! E para quem acha que Bruna Marquesini não é uma boa atriz, eu discordo totalmente, pois, para mim BRUNA MARQUESINI, interpretou seu papel com precisão e perfeição, para mim BRUNA MARQUESINI É A MELHOR ATRIZ DE TODOS OS TEMPOS!!!

  • FERNANDA MATTOSO diz: 23 de julho de 2014

    Gente, depois de muitas investigações e enquetes inflamadas sobre o assunto, cheguei a conclusão que o bebê da Verônica pode ter tido vários fins. Algumas possibilidades:

    1) abdusido pelos ETs do comercial da Oi, junto com a Tatá Werneck;

    2) levado pela quadrilha de Salve Jorge e, a esta altura, está na Turquia, nos braços da Vera Fisher;

    3) foi a Londres para o aniversário de 1 ano do Principe George e acabou ficando por lá pra fazer um social com a filha do Manoel Carlos também;

    4) ficou em casa com a babá, por isso não foi a festa do final da novela (só esqueceram de nos avisar durante o capítulo);

    5) preferiu “sair a francesa” pra não se queimar. Afinal, de filme queimado já basta a Bruna Marquezine.

    Desculpem, mas como estou nos meus minutos de relaxamento do dia, não resisti. Tive que zoar mais um pouquinho.

    Hahahahahahahahaahahahahahaha…!!!

  • Eugenia diz: 26 de julho de 2014

    ESTÓRIA DE SEMPRE, DIREÇÃO RUIM, COLABORADORES INERTES, FOI O QUE ACONTECEU COM ESSA NOVELA. O ELENCO ERA BOM, MAS NÃO PODERIA FAZER MILAGRE.

  • Helena diz: 4 de novembro de 2014

    Aqui em Portugal a novela ainda está passando, mas já está no finalizando! Sou fã das novelas do Manoel Carlos, mas de facto tenho que admitir que essa foi a pior de todas, sem dúvida alguma. Maneco não deveria ficar por aqui… Acho que deveria inspirar-se de novo, fazer, agora sim, a sua última novela e fechar com chave de ouro a sua belíssima carreira. Beijos Brasil!

Envie seu Comentário