Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

O melhor da semana: O Rebu é a salvação em meio a novelas fracas

19 de julho de 2014 3
Divulgação, TV Globo

Divulgação, TV Globo

Pra quem não aguentava mais o excesso de fantasia de Meu Pedacinho de Chão, as enrolações sem fim de Geração Brasil e o marasmo de Em Família, uma novidade movimentou a telinha esta semana. O Rebu mal estreou e já conquistou a simpatia do público com sua história ágil e cheia de mistérios.

Por mais que o elenco tivesse nomes como Tony Ramos, Patrícia Pillar, José de Abreu e Vera Holtz, o remake das 23h era um tiro no escuro. A trama que se passa em apenas uma noite de festa, com alguns flashbacks e cenas de investigação, traz uma fórmula diferente de fazer novela. Como toda inovação, poderia dar muito certo ou muito errado. E não é que foi uma ótima surpresa.

George Moura e Sérgio Goldenberg estão fazendo um ótimo trabalho e têm conseguido prender a atenção dos telespectadores. À boa história, somam-se a fotografia impecável e uma trilha sonora incrível, ingredientes que, misturados, formaram uma novela como há um bom tempo não víamos na TV.

A grande questão é: se a Globo tem condições de criar um produto de qualidade, por que vem colecionando fracassos? Pois é, novela não é uma fórmula perfeita e hoje em dia é muito difícil de saber do que o público gosta.

Talvez a palavra-chave, atualmente, seja renovação. O Rebu já está aí mostrando ao que veio, Império estreia amanhã com ótimas expectativas e em breve Meu Pedacinho de Chão também se despede para dar lugar a Boogie Oogie. Com tantas opções diferentes no ar, será mais fácil de agradar aos mais diferentes públicos.

Bookmark and Share

Comentários (3)

  • joana diz: 19 de julho de 2014

    Basta um nome “José Luiz Villamarim”.
    Diretor de amores roubados, canto da sereia e avenida brasil,

  • marina diz: 19 de julho de 2014

    Ontem, pela primeira vez tentei assistir o rebu: liguei a tv e a cena que vi, e me fez desistir de ir adiante, era uma Dira Paes afetadissima tentando convencer que era uma policial descolada…volto contentíssima para o “excesso de fantasia” de meu pedacinho de chão, pela qual sou louca de paixão. o diretor dessa novela merece um Oscar! tudo é perfeito pra encantar!

  • Clau diz: 20 de julho de 2014

    Eu ADORO assistir O REBU. Já havia assistido a versão anterior há décadas atrás e agora está infinitamente melhor. As cenas sensuais – que parece CHOCAR as pessoas – são maravilhosas! É novela pra GENTE GRANDE. Não há vulgaridade alguma e nem afetação. Não existe o mundo do faz-de-conta que havia na trama de Manoel Carlos, Em Família, por exemplo… Ali, em O Rebu, há agilidade. Estou gostando muito e intrigada pra saber afinal, quem matou Bruno e quem deu um tiro que quase acertou Ângela Mahler.
    As atuações de todo elenco são outra grande e ótima surpresa. TODOS atuam incrivelmente bem. Dira Paes me surpreende a cada obra que atua. Já disse aqui que quando houver um remake de TIETA que Dira seja a própria. Ela deu um show de sensualidade em Amores Roubados. Assim como Patrícia Pilar que dispensa comentários… Ela e Glória ires em minha opinião são deusas em todos sentidos da dramaturgia.

    É o mesmo diretor de Amores Roubados? minissérie que amei demais! E também de Avenida Brasil? E igualmente de O Canto da Sereia? outra minissérie maravilhosa que assisti com prazer. Então prova que será sucesso, mesmo num horário difícil para muita gente e com argumento que nem todos entendem ou gostam. Mas a crítica está só elogiando e boa parte do público aprecia.

    Outra coisa que a Globo fez para emplacar tal sucesso foi não passar a novelinha às quartas-feiras. Assim não perde audiência. Nas quartas têm futebol e me recordo que as tramas como O Astro e Gabriela, acabavam perdendo espaço nesse dia. Era somente uns 20 minutos no ar depois da meia-noite. Ninguém merece isso… Bem que a Globo fez, em trocar as segundas (quando passava filme) pelas quartas. Assim nos demais dias pode-se assistir à novela sem pressa alguma.

    Parabéns à direção! que prova como se dirige uma boa obra. De como um diretor é importante. Que Jayme Monjardin aprenda. É pena, pois este desaprendeu muito depois que se uniu a Manoel Carlos.

    Quanto a Boogie Oogie, acho que também vou gostar. A trama pelo o que comentam, se passa na década de 70, final da década de 70. Década de minha juventude. Curto muito as discotecas e uma época muito boa que deixou saudade. O Brasil era outro politicamente falando, mas muito mais seguro e onde muita gente era feliz. E aqui não vou me ater em questões políticas. Mas que era boa aquela época, pra quem a viveu, isso era! E os tempos das discotecas, muito divertidos.

    A novela das 19 horas me parece que também será bem interessante… Quem sabe começa um tempo de bons frutos em se tratando de novelas? Porque cá nós, acho que todos merecem, depois de tamanho sofrimento e torpor com Em Família.

Envie seu Comentário