Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Klebber Toledo fala sobre personagem gay em Império: "É um cara apaixonado"

23 de julho de 2014 10
Estevam Avellar, TV Globo

Estevam Avellar, TV Globo

A segunda fase de Império ainda não começou, mas a repercussão da novela já é considerada positiva. Imaginem, então, quando entrarem no ar os polêmicos personagens gays criados por Aguinaldo Silva.

Além do travesti Xana Summer (Ailton Graça) e do blogueiro do mal Téo Pereira (Paulo Betti), um casal gay promete dar o que falar. Já sabem que estou falando de José Mayer e Klebber Toledo, né?

Acostumado a “pegar todas” nas novelas, Zé Mayer vai surpreender na pele do enrustido Cláudio Bolgari, um homem que tem uma vida dupla. Casado e pai de dois filhos, ele é amante do jovem Leonardo.

Klebber Toledo explica que seu personagem viverá muitos conflitos:

- Não coloco rótulo no Leonardo, se ele é ou não gay. O que eu digo é: ele é um cara apaixonado, ama de verdade o Cláudio. É uma história de amor, não de interesse. Mas como é um relacionamento escondido pros dois, é também um cara sozinho – contou ele ao Extra.

Logo nas primeiras cenas do casal, o clima de intimidade ficará no ar, mas sem beijos ou carícias mais ousadas. Se vai passar disso, nem o autor Aguinaldo Silva pode garantir.

Por mais que ainda haja torcida contra, já passamos da fase de discutir se “deve ou não ter beijo gay” no horário nobre. As cenas de Clara (Giovanna Antonelli) e Marina (Tainá Müller) na novela Em Família nem tiveram repercussão e foram tratadas com muito mais naturalidade do que tempos atrás.

Bookmark and Share

Comentários (10)

  • janete clara diz: 23 de julho de 2014

    agora toda novela tem um gay….cade o professor, o escravo, o humilhado…

  • FRANK diz: 23 de julho de 2014

    Pois é, mais uma novela tratando do assunto “gay”, este tema já encheu os tubos. É falta de assunto? Todo mundo sabe e convive com gays assumidos ou enrustidos, seja no trabalho, na escola, na facultade, eles sempre fizeram parte de nossa sociedade. Acho que já chega! Basta.

  • MARCIA DA SILVA diz: 23 de julho de 2014

    Sou fa do Jose Mayer…meu sonho de consumo!hehe.Nao assisto quase novela pq minha vida ja eh uma novela…so nao tenho Jose Mayer de ator principal o resto tenho tudo.

  • Jonh diz: 23 de julho de 2014

    Eu acho que a globo está com cotas para personagens gays em novela… A globo incentiva traição (Aline e Cezar), incentiva pacto de sangue com a Luiza na novela chata que acabou de acabar e está enchendo o saco afú com esse negócio de gay o tempo todo. Será que a Globo não entende que essas novelas formam opiniões sobre certo e errado? As novelas desse horário principalmente sempre incentivam algo que reflete no povo ignorante que tem no nosso país, ou é o cara que rouba a novela toda e no final faz uma ou duas caridade e tudo bem, ou o assassino q vira bonzinho, ou o cara que pega a família toda!

  • Neto diz: 23 de julho de 2014

    Ora, mas é justamente porque os gays existem em todos os lugares, em todos os meandros da sociedade, que nada mais justo que se fazerem presentes nas novelas também. O espaço dos gays nas novelas deve ser revisto, portanto, para uma mera representação da realidade que todo mundo vive, e não mais como uma mensagem afirmativa, inclusiva. Se todo mundo conhece um gay e convive com um, nada mais natural que ele esteja lá no palco das artes também. Não por ser gay, longe disso. Mas porque existe, é comum e deve ser encarado com naturalidade.

  • Clau diz: 24 de julho de 2014

    Fico impressionada com a ignorância das pessoas. Não há uma invasão gay na Globo. Parece que é preciso DESENHAR para as pessoas entenderem que não é somente a Globo que faz isso. Mas como é a que mais tem evidência, obviamente os holofotes se viram para tal emissora. Mas o povo esquece o tal beijo lésbico na novela Amor e Revolução do SBT. Um beijo pra lá de sensual que durou bons minutos de bocas abertas e linguinhas ativas. Não foi o beijinho bobo entre Clara e Marina.

    Outra coisa, o fato de Aguinaldo mostrar esse assunto na trama não tem nada de enaltecer a homossexualidade. Não há o que enaltecer, visto que a homossexualidade já faz parte da sociedade há milênios. O que o autor quer mostrar é a vida de um enrustido. E aposto que muitos que vem aqui no blog com discurso moralista, são enrustidos. A grande maioria dorme dentro de um armário bem fechadinho. Quando começam as cenas mais ousadas, ficam ali diante da TV com olhos vidrados. Depois como se sentem culpados pela santa madre igreja, se penitenciam e vem aqui para o blog com discurso de “acima de qualquer suspeita”. Já chega né?! BASTA SIM! não ao assunto homossexualismo. E sim ao assunto mesmice: QUEIXAS SOBRE HOMOSSEXUAIS NAS TRAMAS.

    Aguinaldo não pretende mostrar beijo e pegação entre os dois. E bem que ele faz. O caso aqui não é este e sim mostrar a vida do cara, como vive, e posteriormente a descoberta do filho dele. Descobre que o próprio pai é gay e tem um amante. E o filho sim, é homofóbico. Qual outra novela mostrou isso??? O que mais fez sucesso em Amor à Vida não foi o romance entre Félix e Niko e sim a relação entre César e Félix. Pai e filho. O pai que tinha repulsa pelo filho gay e o sentimento de inferioridade de tal filho perante seu pai. Puxa vida! foi o que mais fez sucesso na trama toda! Tanto que o final n~´ao foi como beijo entre o casal gay e sim pai e filho sentados na praia olhando o horizonte, de mãos dadas e um dizendo que amava o outro. Me digam QUEM não se emocionou com tal cena?? Eu fui às lágrimas! E muita gente sei que também chorou. O comentário no dia seguinte havia sido ESTE e não o beijo gay. Até o tal beijo foi dado com AMOR entre os personagens e belamente interpretado por dois maravilhosos atores. Muito mais poético e verdadeiro do que o beijo ridículo entre Clara e Marina. O último beijo delas foi dado com os lábios de Clara quase no NARIZ de Marina. Se isso é ser BEIJO, dou melhor no meu cachorro.

    Pessoas ficaram com raiva de César e o personagem foi tão bom que nem morreu na trama, como estava previsto por Walcyr Carrasco. Prova que mesmo que o assunto seja homossexualidade, há espaço para uma HISTÓRIA. E isso foi mostrado em Amor à Vida como também será mostrado em Império.

    As pessoas são tão ignorantes, tão imbecis que não entenderam o recado de Aguinaldo. Aí vem com comentários SEMPRE iguais … “Ai! agora em toda novela tem que ter gay”.. Aloooouuuu!!!!!!! GAYS EXISTEM!!!! Na próxima novela serão os ETs. Pois estes TAMBÉM existem. Aí virá o grupo dos descrentes reclamar que em TODA NOVELA tem um ET. Ah vão procurar o que fazer!!!! E se não assistem novela, o que fazem palpitando aqui??? Procurem um psiquiatra pois isso não é NORMAL.

    Outra falta que sinto é das DEFENSORAS de CLARINA. Interessante que quando era na época de Amor à Vida não apareceu UMA pra defender a dupla gay. Mas bastou começar Em Família com Clara e Marina e vieram várias ferozmente defendendo a dupla. Agora sumiram de novo… Isso mostra que a turma GLBT não é unida. Parece uma disputinha nojenta entre gays e lésbicas pra ver quem aparece mais. E ainda exigem beijos. Grande coisa!… O maior furo de Manoel Carlos foi não tratar da vida de Clara. Da dificuldade que ela passaria quando assumisse sua homossexulaidade. Não mostrou nada. Só aquela besteira de vida boa, com brindes, conversinhas, elogios e babozeiras que – GRAÇAS A DEUS!!! – já acabou. Vida real? nem chegou perto! Por isso dou muita força para Aguinaldo Silva mostrar a vida de Cláudio. Sua outra face perante uma sociedade hipócrita e diante de sua própria família. Parabéns ao autor. E isso que não é um autor que eu admire,pois ele vive se metendo em polemicas nas redes sociais. Mas sabe como ninguém escrever uma boa novela. Mesmo que Duas Caras e Fina Estampa não tenham sido de enorme sucesso. As anteriores foram. Assim como Maneco fez belas novelas e foi deteriorando até dar o tiro de misericórdia com Em Família.

  • Nana diz: 24 de julho de 2014

    OMG, Clau, voçe escreveu tudo que penso. Ignorantes mesmo. Violência pode, não tem problema. Eu tambem adorei o trabalho de Marjorie, claro que uma novela precisa de um vilão pra ter um heroi. Mas que as pessoas vibrão com a maldade e não com o amor, mesmo de duas pessoas do mesmo sexso. Não intendo.

  • Jussara Fontes diz: 27 de julho de 2014

    Michele, a sua birra com Clara e Marina ainda não passou?! rsrsrs. Alfineta as meninas, mesmo agora… A audiência aumentou depois da relação das moças, inclusive o maior pico foi no dia do casório delas! Bem, foi tudo muito lindo, mas a novela terminou; bola pra frente!
    Os protestos dos puritanos contra a nova novela já começaram.
    Interessante como as queixas só se voltam pra os personagens de José Mayer e Kleber Toledo. Esquecem dos outros gays, os caricatos sempre presentes nas novelas, os homossexuais que provocam risos e não incomodam nem ameaçam.
    Vamos ver como a relação será conduzida. A julgar pelo carinho do cerimonialista com o garoto, já posso imaginar as queixas da família brasileira. Aguardemos…

  • Jussara Fontes diz: 28 de julho de 2014

    Michele, concordo com você! Valeu pelo retorno! :)

Envie seu Comentário