Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.

Silvio de Abreu decreta fim de inovações nas novelas: "Não dá certo"

19 de novembro de 2014 18
Luciano Vicioni, TV Globo

Luciano Vicioni, TV Globo

A área de Entretenimento da Globo passará por grandes mudanças nos próximos meses. A emissora anunciou que terá diretores responsáveis por cada tipo de atração: Silvio de Abreu comandará as novelas, Guel Arraes assume o comando dos seriados, Boninho cuida dos programas diários de variedades, incluindo reality shows e Ricardo Waddington fica responsável pela programação do final de semana.

Com Silvio de Abreu à frente da teledramaturgia, algumas regras serão impostas para as próximas novelas. Segundo o colunista Maurício Stycer, a principal delas é o fim das “invencionices”:

- Eu acho que novela tem que voltar a ser novela. Essa história de fazer novela para ficar parecida com seriado, não dá certo – ressalta o autor.

Ou seja, é um recado claro para as últimas produções que fracassaram no horário das 19h, como Além do Horizonte e Geração Brasil. Cheias de inovações, as tramas não decolaram e acabaram confundindo a cabeça do grande público. Já o clássico “novelão”, como Boogie Oogie e Império, ganha cada vez mais força.

Silvio não poupou críticas nem a Meu Pedacinho de Chão, sucesso entre os críticos, mas com pouca repercussão diante do público:

- Não sei se funcionou. A novela foi prestigiada, um trabalho muito bem feito, mas não era o que o público espera de uma novela, por isso é uma experiência.

Como explicar, então, o fracasso do último trabalho de Silvio de Abreu, o remake de Guerra dos Sexos. Ele tenta justificar:

- A novela não caiu nas graças do público porque foi muito mal lançada, em uma época ruim. Em vez de estrear 19h30 estreou 18h45, em cima do horário político e no horário de verão. Nem ‘Romeu e Julieta’ de Shakespeare da primeira vez ia dar certo.

Silvio de Abreu será responsável por aprovar as sinopses das próximas novelas, além de decidir sobre elenco, direção e horário de cada uma delas.

Experiente, Silvio de Abreu deve saber o que está fazendo, mas não concordo com a proibição de novelas mais inovadoras. Fracassos existem, mas é preciso tentar para saber se vai dar certo. E vocês, o que pensam disso?

LEIA TAMBÉM:

>>> Silvio de Abreu recebe o desafio de salvar novelas da Globo

>>> Cansado de escrever novelas, Sílvio de Abreu se dedica à supervisão de novos autores

Bookmark and Share

Comentários (18)

  • Larissa diz: 19 de novembro de 2014

    Acho que as novelas deveriam ser extintas, afinal é sempre a mesma coisa, enrolação por meses e na última semana correm pra dar final pra meia dúzia de personagens. Isso com ou sem inovações.

  • Ana diz: 19 de novembro de 2014

    Em Familia era uma novela “classica” e ainda sim foi um fracasso. N vejo sentido nisso de nao inovar, nao evoluir so gera atraso, mantem publico antigo, mas nao chama o novo. Ai do que adianta?

  • Na a diz: 19 de novembro de 2014

    Concordo com voçe Michele quando disse que se precisa de novelas inovadoras (e autores novos). Os anos se passaram e mudou, o publico ficou mais exigente, têm opniao. Muita gente diz que as novelas antigas eram melhor em algumas eu concordo, mas era tudo novo, tinha muita historia a contar. Agora todas essas historias ja foram contadas, e é claro que o autor tem que inovar as vezes dá certo as vezes nāo.

  • Priscila Santos diz: 19 de novembro de 2014

    Amei Meu Pedacinho de Chão (gostaria até de comprar se sair em DVD) e Geração Brasil!!!
    Acho essa ideia de um homem só definir tudo, muito chata! Vai ficar tudo uma mesmice!!

  • joana diz: 19 de novembro de 2014

    Depende da inovaçao. Na minha opiniao nao pode ser de extremos como foi Alem do horizonte. E quanto á guerra dos sexos.. a novela não tinha um protagonista definido e as tramas estavam muito mal formadas. A novela fracassou porque não prestava e não por causa do horario.

  • Mauricio diz: 19 de novembro de 2014

    Quero ver o Silvio tentar dar palpite na novela de Aguinaldo Silva e outros autores de temperamentos fortes ,,,,,kkkkkk,,,,, se continuar assim a Globo vai ficar sem autores ……cada vez mais aumentam as palhaçadas …..gosto de inovação ….as novelas que ja passaram tiveram cada uma o seu tempo e algumas foram boas e outras não tiveram sorte …..mas tem que exisir sempre inovações pra poder resistir ainda esse formato de novela …..

  • Carlos diz: 19 de novembro de 2014

    Não estou acompanhando nenhuma novela as vezes por curiosidade vejo alguma cena quando esse blog anuncia antes. O grande problema das novelas é a falta de ousadia e isso é culpa do público que quando tenta-se coisas novas com histórias diferentes começam a criticar. Os textos dos escritores também não está de acordo com o mundo atual com textos muitas vezes extremamente careta e retrogrado com pensamentos dos anos 50. Parte do público não sabe a diferença entre uma história a ser seguida e um manual de bom comportamento onde esse mesmo público sempre acha um absurdo determinadas coisas fora que apesar do mundo ter mudado muitas mentes não evoluiram

  • Carlos diz: 19 de novembro de 2014

    Vai ser cada vez mais difícil de assistir como o rebu por exemplo

  • Glaucio Antunes diz: 19 de novembro de 2014

    Com essa decisão futurística a R. Globis lança o sensor, repressor, função essa bem parecida e adotada na época da ditadura militar. inovador, fabuloso, por não dizer maldosa. e se ainda o cara fosse realmente o cara.. Geração Brasil show, Pedacinho do Céu melhor ainda. “Eu vejo o futuro repetir o passado, vejo um museu de grandes novidades o tempo não para.”

  • Rudnei diz: 20 de novembro de 2014

    As novelas da Globo se resumiram em: casais gays o que acaba vulgarizando o movimento, e sub-celebridades nuas para poder aparecer na playboy, os horários não condizem, com isso as crianças estão acordadas até as 22:00 ou mais, por isso o crescimento das assinaturas de tv a cabo.

  • Thyago Moura diz: 20 de novembro de 2014

    Ok, Sílvio de Abreu sendo radical demais.
    Se não tivermos inovações, não teremos mais Avenida Brasil, Cheias de Charme…
    Claro que o folhetim clássico é bom, mas se não for dado espaço para novas ideias e novos formatos, esqueçam o público novo. Até mesmo Sangue Bom, que foi a novela mais gostosa de acompanhar no ano passado, tinha um “quê” seriado, com o uso de múltiplos protagonistas que em muito lembrava Gossip Girl.
    O grande problema é realmente um público pouco aberto às mudanças, tanto da narrativa, quanto da realidade do mundo. Vide alguns comentários aqui mesmo.

  • Carlos diz: 20 de novembro de 2014

    Já li diversas criticas por exemplo que o cinema americano está ficando careta e que os seriados estão ficando melhor só que na maioria dos seriados americanos que vale apena assistir tem gays na maioria das vezes com cenas de sexo, ou durante as temporadas eles colocam gays ou eles fazem cenas homo afetivas com seus personagens mesmo sem serem gay como foi o caso de THE BIG BANG THEORY onde já brincaram com a sexualidade de Howard e Raj no auge do programa e Two and a Half Men vive brincando com a sexualidade de Alan desdo começo já tendo beijo diversas vezes. Seriados como Masters of sexy , spartacus e etc vivem colocando personagens pelados, fazendo sexo e fazem muito sucesso pela sua história no mundo inteiro. Já cansei de assistir beijo gay ou lésbico pela parte da tarde na tv por assinatura mostrado normalmente.

  • Lilica Maria diz: 20 de novembro de 2014

    O problema é que a inovação nunca existiu. No fundo é sempre a mesma trama. Um casalzinho apaixonado (independente do sexo) que não consegue ficar junto durante toda a novela porque tem alguém invejoso querendo estragar a felicidade deles (sem motivo nenhum). E nos últimos dois capítulos tudo se resolve, esquecendo metade da trama, sempre com uma ou mais grávidas. O bandido morre ou vira um anjo, e desde o primeiro capítulo já dá pra saber como vai terminar.Tédio total.

  • Felipe diz: 21 de novembro de 2014

    Pra mim isso é péssimo! Tirando A Vida da Gente, as únicas novelas que eu realmente acompanhei nos últimos anos foram inovadoras: Além do Horizonte e O Rebu.

    Acho injusto demais com a parte do público que quer ver alguma coisa de diferente (mesmo que essa parte do público não seja a maioria), até porque não vejo a menor graça em nenhum dos “novelões clássicos” que estão no ar atualmente…

  • Lola diz: 27 de novembro de 2014

    O Silvio de Abreu é experiente, mas discordo completamente dessa ideia de evitar inovações. Muito radical. Geração Brasil foi um fracasso também porque não souberam desenvolver as histórias dos núcleos paralelos e os romances. A novela tinha a pegada inovadora da tecnologia sim, mas isso não foi o maior motivo para a baixa audiência. Se priorizou muito concursos desnecessários e se esqueceu de dar uma maior consistência a personagens e histórias.

    Além do Horizonte apostou em algo nunca antes feito, e talvez por isso, tenha causado um certo estranhamento. Mesmo assim, o Gustavo Fernandez que assinava a direção da novela, mostrou um excelente trabalho na minha opinião, tomadas aéreas muito boas, novos ângulos, um outro jeito de produzir uma cena, eu gostei muito.

    Colocar a culpa da incompetência de certos autores em criar e sustentar a própria novela em invencionices, é ridículo. Claro, novelas sempre terão clichês, a essência de um bom folhetim passa pelo clichê, mas inovar é preciso, traz frescor e ânimo novo para acompanhar uma nova história. Acho Boogie Oogie uma novela totalmente clichê, não a acho um novelão, pra mim é limitada no texto, mas se mostra ágil, as coisas acontecem, o autor consegue manter o fôlego com um ótimo elenco, e isso hoje em dia é um achado no meio de tantas novelas arrastadas que vemos.

    E também tem a parte que cabe ao público. Critica-se muito o clichê, mas quando se propõe algo novo, diferente, surge uma multidão reclamando disso ou daquilo.

    Particularmente, não tenho nada contra novelas serem escritas em ritmo de seriado, e se for inspirado em A ou B estrangeiros, qual o problema?? Me desculpem, mas tem muita gente chata, que parece vitrola quebrada, exalando um ufanismo barato, repetindo mil vezes o mesmo discursinho de que tudo o que se faz por aqui é cópia e de que precisamos valorizar o nacionalZzzZzzzZ. E se for uma ‘cópia’ bem feita, qual o problema?? Novelas são o exemplo máximo de cópia, autores vivem copiando uns aos outros, talvez há alguns anos atrás se produzisse novelas ditas mais “originais”, mas o que vemos hoje é cópia da cópia da cópia.

    Daí, fico pensando, o que será que agrada esse público? Acho que tem muita gente que não sabe o limite tênue entre a crítica e a chatice. Sou sempre a favor da mudança, o que não muda, não evolui. Simples assim

  • Gabriel diz: 30 de novembro de 2014

    O problema não são as novelas inovadoras e sim as novelas que repetem sempre as mesmas histórias, tipo essa das filhas (ou filhos) abandonadas(os) que saem em busca de suas raízes (as novelas recentes vivem contando essas mesmas histórias) e também o péssimo elenco jovem… Só alguns se salvam, a maioria não atua com emoção, diferente de antigamente (anos 70 e 80) que tinha um ótimo elenco. A novela inovadora será sempre bem vinda se tiver uma boa história com drama, comédia, romance, suspense, ação e outras gamas de emoções, personagens fortes, um bom elenco, uma boa direção e uma boa produção.

  • Gabriel diz: 30 de novembro de 2014

    E Geração Brasil foi uma porcaria, não por ser inovadora, mas por não ter uma boa história. Os autores focaram demais em tecnologia e fizeram uma novela para um público muito restrito. A novela tem que ter elementos para todos os públicos.

  • Walmir Wisnick Ribeiro (O Mago) diz: 3 de abril de 2015

    Caro Silvio de Abreu, sou apreciador das suas novelas. sou um ator de Cinema, teatro, tenho um personagem (O Mago), meu ultimo trabalho como ator foi no Castelo dos Horrores. atualmente encontro-me livre, e gostara muito da fazer parte da sua História, que seja nas novelas ou nas mini sere. desde já agradeço pela oportunidade. meus fones (16) 3336-1557-9.9606-7147

Envie seu Comentário