Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

O que esperar da estreia de Sete Vidas?

08 de março de 2015 7
Joâo Miguel Júnior, TV Globo

Joâo Miguel Júnior, TV Globo

Adoro essa expectativa pela estreia de uma novela! Para o primeiro capítulo de Sete Vidas, novela das 18h que começa nesta segunda-feira, estou ainda mais ansiosa só pelo que já vi das primeiras imagens e da sinopse. Espero não me decepcionar…

Lícia Manzo teve um início bem promissor como autora titular, com A Vida da Gente. A trama, gravada em Porto Alegre, agradou em cheio o Brasil inteiro, apesar de não ter sido um estrondo de audiência.

Em Sete Vidas, a autora parece continuar com seu estilo “drama familiar”, muito parecido com o de Manoel Carlos na década de 90. Sete Vidas promete apostar em várias polêmicas, algumas até dignas de horário nobre e não de um horário tão ingrato como o das 18h.

O elenco também promete! Domingos Montagner, elogiadíssimo desde seus primeiros trabalhos na Globo, encara o desafio de ser protagonista. Ao lado dele, está a sempre ótima Débora Bloch, com quem mostrou uma boa química em Cordel Encantado. O casal tem tudo para agradar.

Mas quem deve conquistar o coração do público, principalmente dos mais jovens, é o romance proibido entre Pedro (Jayme Matarazzo) e Júlia (Isabelle Drummond). Os dois pensam que são meio-irmãos, fruto da doação de sêmen de Miguel (Domingos Montagner). Na verdade, a mocinha é filha de uma relação extra-conjugal de sua mãe. Mas é claro que durante um bom tempo eles acharão que se trata de um incesto e viverão os conflitos desse amor impossível.

As belas imagens da Patagônia serão o cenário mais que perfeito para as aventuras de Miguel. Além das belas paisagens, os primeiros capítulos terão muita ação, já que Pedro e Júlia se conhecem em meio às manifestações do centro da cidade.

Tudo isso e muito mais é motivo mais do que suficiente para acompanhar essa estreia. Eu não vou perder, e vocês?

Bookmark and Share

Comentários (7)

  • Anamika diz: 8 de março de 2015

    O que esperar de uma novela que retrata a paixão entre meios irmãos? Filhos de duas mães, que crescem sem uma referência paterna, adultério e lar desfeito?
    Eu fico impressionada com a rapidez com que os valores familiares vêm se deteriorando.
    Isso se deve ao Marxismo cultural, que luta abertamente contra os chamados “valores burgueses”; matrimônio, igreja e economia. A base da sociedade é a família bem estruturada. Será que tantos casais rejeitariam seus filhos se tivessem uma boa referência familiar?
    Algumas pessoas têm a ilusão que o Marxismo e o Socialismo proposto por ele funciona na prática. Pesquisem sobre a grande fome chinesa. O que o socialismo fez por Cuba? Sabem onde, hoje em dia, ainda existe escravidão? Em países africanos socialistas.

  • Yvette Turco diz: 8 de março de 2015

    Promete, vou curtir!

  • Clau diz: 8 de março de 2015

    Peço POR FAVOR! que meu comentário seja publicado, para que de uma vez por todas, se saiba que não há incesto algum no romance dos jovens. Eles PENSAM que são irmão e se AFASTAM um do outro. Depois a verdade aparece e enfim eles se reencontram, mas há outros problemas, o que vai impedi-los de se unir. Adorei teu comentário Michele Vaz Pradella. Porém creio que este aqui, explica bem mais a situação. Porque com certeza, muita gente vai entender tudo errado.

    “Por MÁRCIA PEREIRA, no Rio de Janeiro, em 08/03/2015

    Sete Vidas estreia nesta segunda-feira (9) trazendo uma forte carga dramática. Os protagonistas da nova novela das seis da Globo sofrem muito por amor. Os principais conflitos são interpretados por Débora Bloch (Lígia), Domingos Montagner (Miguel), Isabelle Drummond (Júlia) e Jayme Matarazzo (Pedro). Lígia é abandonada por Miguel, que sofre um acidente e é dado como morto enquanto ela descobre que está grávida. Júlia e Pedro se apaixonam sem saber que são supostamente meios-irmãos. Pelo tabu do incesto, eles vão lutar contra essa paixão, derramar baldes de lágrimas, mas no final descobrirão que não são filhos do mesmo pai.

    A trama de Lícia Manzo, a mesma autora de A Vida da Gente (2011), aborda a polêmica de incesto. Porém, após Júlia e Pedro fugirem um do outro, a jovem vai descobrir que sua mãe, Marta (Gisele Fróes), mentiu. Ela não é filha do doador de sêmen número 251, como pensava. A estudante de medicina é fruto de uma traição de Marta, que era casada. A personagem inventou que tinha feito uma fertilização artificial para o marido e mantém a história para a filha.

    Prestes a se casar com Edgard (Fernando Belo), a loira vai romper o noivado quando ficar sabendo que não é irmã do homem que ama, mas Pedro não vai poder ficar com ela. Taís (Maria Flor), namorada dele, terá acabado de contar que está grávida quando isso acontecer.

    “A gente começa a contar a história desse menino a partir de um momento de autoconhecimento dele. Ele cria novos laços familiares, o que lhe causa um amadurecimento, mas Pedro acaba tendo de se afastar dos irmãos. Vai viver em Fernando de Noronha, onde se apaixona e cresce muito quando descobre que vai ser pai. É um personagem que sai crescendo, deixa de ser menino e vira homem”, diz Jayme Matarazzo.

    O grande protagonista da trama é o amor. Esse sentimento vai mover os personagens. Matarazzo diz que não teme rejeição ao seu personagem por causa do suposto incesto. “Não tenho medo de forma alguma. Acho que todos os assuntos novos, que a sociedade ainda não parou para discutir são realmente importantes”, comenta o ator.

    Isabelle Drummond também não acredita que a paixão entre os dois personagens que pensam ser irmãos no começo da novela seja rejeitada. Ao contrário, ela diz acreditar que o público vai se identificar com Júlia, pois ela tem características muito reais. “Eu acredito em coisas que vão além da razão. O amor deles ultrapassa tudo. É uma ligação espiritual, é um amor divino”, observa.

    Famílias diferentes

    O foco do folhetim é apresentar as novas famílias, que vem surgindo ultimamente, como as que são formadas por duas mães. “Pai, mãe e filhos deixam de ser maioria nos lares brasileiros, dando lugar ao que se chama família mosaico, com infinitas e impensáveis configurações”, diz a novelista Lícia Manzo.

    Sete Vidas gira em torno de Miguel, um homem que por opção deseja se manter sozinho e que nem imagina encontrar os filhos gerados por meio de fertilização in vitro. Na juventude, quando morou fora do país, ele fez doações de sêmen para uma clínica de Los Angeles (EUA) em troca de gratificações financeiras.

    Ele parte em uma aventura solitária, após ver que sua postura está magoando a amada, Lígia. Ela quer formar uma família, e ele não. Sem imaginar que tem seis filhos, jovens que se encontrarão em uma busca por suas origens, o ambientalista parte em seu barco, sofre um acidente e é dado como morto. Grávida, Lígia sofre muito. O bebê que ela terá é sétimo filho de Miguel. Essas sete vidas é que geraram o nome da novela.

    Cerca de dois meses após ele sumir da vida de Lígia, a embarcação de Miguel enfrenta uma tempestade e ele é lançado ao mar inconsciente, enquanto o barco segue à deriva. A notícia de um trágico acidente chega a Lígia, que trabalha em um importante jornal.

    Semanas depois é feito um funeral simbólico de Miguel, pois o corpo do aventureiro não será encontrado. Lígia recebe o telefonema de uma clínica de fertilização atrás dele para falar a respeito de uma doação feita há três décadas. Dois jovens, supostamente filhos biológicos do aventureiro, estão à procura do pai. Tratam-se de Pedro e Júlia.

    Encontros

    Lígia resolve conhecer os herdeiros de Miguel, que são meios-irmãos de seu bebê. Vicente (Ângelo Antonio), viúvo e padrasto de Pedro, encanta-se por Lígia. Há uma passagem e os dois estão juntos. A criança que ela esperava, Joaquim, já está com seis meses.

    Uma reportagem sobre a história dos três meio-irmãos, Joaquim (o bebê), Júlia e Pedro é publicada. Depois, uma mulher envia um e-mail dizendo ser mãe de um rapaz de 15 anos, que também é filho do doador número 251. Assim, os filhos de Miguel e Lígia vão conhecendo os outros herdeiros do ambientalista: Bernardo (Guilherme Lobo), os gêmeos Laila (Maria Eduarda de Carvalho) e Luís (Thiago Rodrigues), e Felipe (Michel Noher), jovem argentino, portador de uma doença autoimune. Será por causa dele, para poder ajudar o filho, que Miguel revelará que está vivo e a trama se desenvolverá.”

    Fonte: ntv – Notícias da TV

  • Fabio diz: 8 de março de 2015

    Penso que esse guri é muito fraco e só aparece nas novelas e séries que o parente dirige.

  • Leandro diz: 8 de março de 2015

    O que é essa pessoa do comentário(Anamika) surtada no socialismo e no marxismo, ehhehe, enfim, sobre a novela, muita expectativa.

  • Ionara diz: 9 de março de 2015

    Gente, adultério e incesto já existia antes de Cristo nascer. Parem com essa bobagem de achar que televisão destrói famílias. Eu hein!

    Sobre a novela, claro que isso não vai acontecer, mas seria corajoso se fossem irmãos biológicos mesmo, rs.

  • Joao diz: 12 de fevereiro de 2016

    Leandro, não é por nada não, mas acho que o surtado é você. Não vê o que essas novelas fazem? Estude mais.

Envie seu Comentário