Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Adeus!

24 de July de 2014 6

“O tempo voa quando você se diverte” diz um velho ditado, com o qual eu concordo plenamente. Meus primeiros três meses no Brasil já acabaram, assim como meu estágio na Zero Hora. Ainda tenho mais dois meses no Brasil, mas irei viajar bastante e dificilmente ficarei em Porto Alegre. O Brasil é grande e há tantos lugares que quero descobrir. Começando por Florianópolis e Salvador, seguido por outras cidades turísticas típicas, como Rio de Janeiro, Fortaleza, entre outras. Talvez eu ouse também ir à Argentina visitar Buenos Aires. E no fim de setembro eu volto para a Alemanha, mas tenho certeza que essa não é minha última estada no Brasil e que ainda voltarei.

Passei por um ótimo período na Zero Hora e pude ganhar muita experiência. Era muito interessante ver a copa do Mundo acontencendo, especialmente do ponto de vista de um jornal. Mesmo com o trabalho diário no veículo, pude ter um insight da área de marketing do Grupo RBS, fiz o experimento de uma semana turística para ver se Porto Alegre estava pronta para o Mundial e tive minha noite de prenda. Todas as minhas experiências e observações foram compartilhadas em meu blog, onde tive muito feedback. Fora estas experiências, eu descobri que realmente gosto de jornalismo e trabalhar para um veículo diário. E isso é algo que consigo imaginar para meu futuro.

Estou realmente grata pelo meu tempo na Zero Hora, a experiência que tive e as pessoas que conheci. Obrigado a todos que trabalharam comigo e também a todos que seguiram meu blog. Desejo o melhor a todos vocês.

Tchau!

Read it in English!

O que posso dizer sobre brasileiros e porto-alegrenses

22 de July de 2014 27

Em outubro voltarei para a Alemanha e já posso me imaginar junto com a família e amigos, contando minhas experiências e observações. Haverá muito a lembrar, especialmente a respeito das diferenças culturais e de hábitos. Escrevi em outros textos a respeito do transporte público, os beijos e a cultura das festas e a simpatia e abertura daqui. Mas há muito mais coisas a mencionar.

Começa com o primeiro encontro com as pessoas. No início, era muito confuso para mim. Na Alemanha, você aperta a mão quando é apresentado a alguém. Aqui, depende. Acho que a forma mais comum é um beijo na bochecha. Algumas vezes com abraço, outras sem. Às vezes só um abraço. Outras com dois beijos, um em cada bochecha. E às vezes o “jeito alemão” de dar apenas um aperto de mão. Outra coisa que me chamou a atenção é a despedida ao telefone, quando você diz “um beijo”, ou “um abraço”, mesmo que você não conheça a pessoa.

Todos sabem que o Brasil é o país do futebol e da música. No momento, o futebol não é o melhor dos assuntos por aqui, mas a música sempre é. Porto Alegre é uma cidade mais do rock que do samba e do carnaval. Os porto-alegrenses gostam muito da música local, bandas daqui e também do funk, que é muito engraçado e eu não conhecia antes de vir. Difícil de achar são boates com música eletrônica, House, Hip Hop, etc. Na Alemanha, é o oposto: temos várias boates com esse tipo de música e poucas que tocam rock.

Os brasileiros não são apenas simpáticos e de mente aberta, a maioria também é muito emotiva e não tem problemas em mostrar os sentimentos. Fazem isso para mostrar afeição aos que amam, e também chorando em público. A maior diferença para os alemães neste quesito é no choro. Aqui, muitas pessoas choram em público – mesmo os homens. É normal, seja por causa do futebol ou de um filme triste. Eu também sou uma pessoa que choro facilmente, mas até agora não vi um homem alemão chorando por coisas triviais como um filme. E aqui, no cinema, você pode ouvir as pessoas chorando alto e soluçando. Para mim, é tranquilo estar cercada de pessoas emotivas, mesmo que eu não saiba o que fazer ao lado de um homem que chora.

Comparados aos alemães, os brasileiros não são organizados e estruturados, mas muito relaxados e fáceis de lidar. Protelam tudo até o último minuto, mas, de forma divertida, quase tudo dá certo no final. Eu ouvi falar que deve ser bem pior no norte do Brasil, onde o sol sempre brilha. Os brasileiros estão sempre atrasados, mas na verdade, não dá para dizer que estão realmente atrasados, aqui é simplesmente diferente. É normal estar atrasado e os brasileiros esperam que você se atrase. Na Alemanha, se você tem um compromisso, há uma tolerância de mais ou menos 10 minutos.

Outro hábito que me chamou a atenção foi o gesto de mostrar o polegar. Não sei se é uma coisa dos brasileiros ou específica dos porto-alegrenses, mas aqui você vê todo o dia, em todas as situações, as pessoas mostrando o polegar. Para cumprimentar alguém, para agradecer, para expressar que a pessoa gostou de algo e assim por diante. Percebi que já estou seguindo o costume. Talvez eu o carregue comigo para a Alemanha.


Read it in English!

Meu primeiro jogo do Grêmio

17 de July de 2014 92

10488206_10203519719947596_2137099273505056809_n

O Brasil é conhecido como o país do futebol. E Porto Alegre é a cidade de dois grandes clubes, que jogam a primeira divisão. E eu aprendi, logo nos meus primeiros dias aqui, que você tem que escolher um deles. Simplesmente não é possível que você seja neutro. Quando você conhece e conversa com alguém, não leva muito tempo até que façam uma pergunta essencial e óbvia por aqui: você é do Grêmio ou do Inter?

Todo mundo aqui é torcedor. Na Alemanha, futebol não é um dos principais assuntos das conversas, especialmente entre as mulheres; você não é forçado a escolher um lado. Mas, aqui, não me pareceu ser nada sério ou ruim, como se todos os torcedores do Grêmio odiassem todos os torcedores do Inter. Até agora, eu não fui confrontada com uma rivalidade séria entre os dois. Quando outra pessoa é do time oposto, é alvo de brincadeiras, de uma gozação divertida.

Então, para responder à pergunta essencial: eu sou gremista. Toda a amável família que me hospeda é torcedora do Grêmio e então nunca houve nenhuma dúvida desde o início para qual time eu torceria – e o fato de Zé Roberto jogar no Grêmio incentivou minha decisão. Ele é muito famoso na Alemanha porque jogou muitos anos lá. O conheci quando atuava no Bayern de Munique e fiquei muito surpresa em vê-lo ainda jogando bem aqui. Desde a minha chegada aqui, eu também ouvi e li sobre o Pirata, Hernán Barcos, e o conheci um pouco antes do meu primeiro jogo do Grêmio. Também porque o Grêmio foi fundado por alemães e ainda tem uma certa relação com a Alemanha que tornou mais fácil para mim.

E, desde ontem, virei absolutamente gremista. Foi ao atender a um convite do clube para ir ao jogo contra o Goiás, na Arena. Ganhei uma camiseta com meu nome às costas, então podia mostrar para quem torcia. Foi minha primeira vez na Arena, e fiquei maravilhada com sua beleza. De fora, já parece realmente bonita, com as luzes azuis. Mas, por dentro, é ainda melhor. É um novo e moderno estádio, enorme, com capacidade para 60 mil pessoas. Também, é realmente fantástica a acústica e o som da Arena, que cria uma grande atmosfera.

f840f368b838c62dc6d58ee7588fda37_l

No intervalo, conheci o vice-presidente Adalberto Preis, que fala muito bem alemão, então batemos um bom papo em minha língua. Ele me disse das relações do clube com a Alemanha – dos seis vice-presidentes, três são de descendência alemã, o que você já percebe pelos nomes, Preis, Hein e Herrmann. Por conta do convite, pude conhecer mais do que se fosse ao jogo sozinha. Vi a partida de vários pontos diferentes, a área de imprensa e pude até ir ao gramado depois do jogo.

Infelizmente, não consegui ver um gol do Grêmio, porque o jogo terminou em zero a zero. Mas o ponto alto, para mim, foi depois, na área de imprensa. Primeiro, conheci o capitão, o pirata Hernán Barcos, e tirei uma foto com ele. Depois, melhor ainda: tive a chance de bater um retrato com o meu favorito, Zé Roberto, e conversamos em alemão também. Ele foi muito legal, como todos os que conheci ontem. Depois dessa experiência, sou, sem dúvida, completa e verdadeiramente gremista.

Read it in English!

O primeiro título mundial que testemunhei

14 de July de 2014 6

Vinte e quatro anos se passaram desde o último título mundial. Há 24 anos, a Alemanha conseguiu a terceira estrela. Eu não era nascida. Passaram-se oito anos desde a Copa de 2006 na Alemanha. Pelo menos desde 2006, a Alemanha espera pela quarta estrela. E agora, finalmente, é campeã pela quarta vez.

Eu mal posso acreditar. É o primeiro título mundial que eu testemunho. E testemunhei no Brasil, país-sede. Estou tão feliz por meu time e meu país! A família brasileira que me hospeda me presenteou, quando cheguei, com uma taça da Copa do Mundo feita de chocolate. Não me considero uma pessoa pessimista, mas sempre pensei que aquele chocolate serviria para me consolar quando a Alemanha fosse eliminada. Por sorte, eu estava errada e aproveitamos o troféu com felicidade e satisfação.

Assistimos ao jogo na lotada fan fest. O clima estava muito bom e havia vários torcedores alemães. Para mim foi um jogo tenso, e aí Götze finalmente me aliviou. Ele ganhou status de herói e, rapidamente, a frase “Götze sei Dank” se espalhou pelas redes sociais. “Götze sei Dank” é uma brincadeira com a expressão “Gott sei Dank”, que significa “graças a Deus”.

É claro que não apenas ele, mas todos os jogadores viraram heróis. Para mim, eles são. E como eles são ativos nas redes sociais, são mais acessíveis, o que os torna mais carismáticos. É tão bom ver os vídeos e fotos da alegria e da celebração da última noite. Estou apaixonada por todos eles.

Na Alemanha a festa atravessou a noite. Gostei muito de ver as fotos do portão de Bradenburgo, em Berlim, e também da festa na minha cidade, Nuremberg. Todos se reuniram em um lugar no centro da cidade e comemoraram a noite toda. Eu recebi mensagens de meus amigos quando estava indo dormir, e olha que a Alemanha está cinco horas na frente do Brasil no fuso-horário.

Na fan fest, aqui em Porto Alegre, também tivemos festa com música típica de carnaval. Foi como um sonho: estar em uma fan fest no Brasil, com os brasileiros dançando ao seu redor e olhando a cerimônia em que sua seleção nacional recebeu o troféu. É difícil para mim encontrar palavras para descrever o que aconteceu. Ainda estou atônita.

Read it in English!

"Wikipédia alemã" para a final da Copa

12 de July de 2014 1


Foto: Júlio Cordeiro

Já que a final entre Alemanha e Argentina é neste domingo, decidi fazer uma “wikipédia alemã”. E o fato de que Brasil e Argentina têm uma certa rivalidade me leva a crer que muitos brasileiros vão torcer pela Alemanha.

Então, se você quer torcer pela Alemanha de um jeito verdadeiramente alemão, confira abaixo alguns fatos básicos, sugestões de comida, exemplos de música alemã (as que estão bombando no país durante a Copa), expressões úteis e alguns cânticos de torcida:

Fatos

Cores: schwarz, rot, gold (preto, vermelho e dourado)
Títulos mundiais: 1954, 1974, 1990
Capitão: Philipp Lahm
Seleção nacional de futebol: Die deutsche Fußballnationalmannschaft
Time: Mannschaft
“Schland” = abreviação de “Deutschland”. É uma expressão muito popular na Alemanha desde a Copa de 2006.

Comida

Quando as condições meteorológicas são boas, é bem comum fazer festa com churrasco em dia de jogo.
Mas não é nem parecido com o churrasco gaúcho. Normalmente, cada um leva um prato ou algo parecido para a festa e nós grelhamos salsichas e bifes. Mas, como estamos no Brasil, eu recomendaria fazer pretzels com salschas. Na Bavária, é bem comum e perfeito para petiscar duranta a partida.

— Brezen mit Weißwurst / Bockwurst / Bierwurst (Pretzels com salsicha)

Bem, eu pretendia explicar aqui como se prepara um pretzel tipicamente alemão, mas vocês podem achar isso facilmente na internet em português. Também há muitas opções de salsicha no supermercado. Eles também têm salsichas da Bavária, como a bierwurst e a bock, além da salsicha branca, que é muito parecida com a alemã weißwurst. Para combinar, nada melhor do que uma (duas, três, quatro…) cervejas.

Se você quer ser bem, bem alemão e ter as cores do país na comida, pode usar a sua criatividade e tentar algo preto, vermelho e dourado. Por exemplo, dá para fazer um “pudim alemão”. Dá até para fazer uma bandeira alemã de pudim. É bem simples, você só precisa de corante alimentício de chocolate (preto), morango (vermelho) e baunilha (dourado). Depois, coloque um por um em uma tigela: primeiro baunilha, depois morango e, por fim, chocolate. Pronto!

Música
Abaixo, algumas músicas alemãs que são relacionadas à Copa do Mundo ou futebol em geral. Claro, existem muitas outras, a maioria em inglês, mas esta seleção deve ser perfeita para uma noite alemã.

Andreas Bourani – Ein Hoch auf uns
Deichkind feat. Das Bo – Ich hab eine Fahne
Mister Santos – Das dicke, dicke Ding
Fettes Brot – Fussballgott
Fettes Brot – An Tagen wie Diesen
Boehse Onkelz – Mexico
Sportfreunde Stiller – 54, 74, 90 – 2010

Palavras úteis

Aqui estão algumas palavras que você ouvirá os alemães falando durante qualquer partida da Alemanha. A maioria é gritada de forma passional e algumas vão soar apenas como “eeeeeeeeeei” e “uuuuuuhhhhh”. Frequentemente, você também pode usar um “eeeiii Schiriii” quando for reclamar de uma falta ou decisão ruim do juiz.

Scheiße = Merda
Verdammt = diminutivo de “Scheiße”
Mist = outro diminutivo de “Scheiße”
Auf geht’s, Deutschland! = Vamos, Alemanha!
Tor! = Gol!
Faul! = Falta!
Juhu! = grito de alegria
Ey! = grito de reclamação
Schiri! = diminutivo de “Schiedsrichter” (juiz)
Weltmeister = Campeão do Mundo

Cânticos

Para entender melhor o que os torcedores alemães cantam nos estádio e nas fan fests:

- Deutschlaaand, Deutschlaaand (ênfase no “a”)
- Wer nicht hüpft, der ist kein Deutscher. HEY HEY (“quem não pula, não é alemão”)
- HURRA HURRA, die Deutschen, die sind da! (“Urra, Urra, os alemães estão lá!”)
- Auf geht’s Deutschland, schieß ein Tor. (“Vamos lá, Alemanha, faça um gol”)
Essa última você ouvirá muito nos estádios assim: “Auf geht’s Deutschland, schieß ein Tooor, schieß ein Tooor, schieß ein Tooo-ooor!”

Read in English!

Não foi legal ver a tristeza e a decepção dos brasileiros

09 de July de 2014 9

Mauro Vieira
Foto: Mauro Vieira

Eu estava com muito medo dessa semifinal porque, nos últimos anos, era normalmente onde acabava o sonho do título para a Alemanha. E o fato de eu estar no Brasil e a minha seleção nacional jogar contra o meu segundo time favorito fez com que esse fosse o jogo mais importante e emocionante de todos. Isso era o que eu pensava antes do início. Eu estava preparada para uma partida exasperante, cheia de brigas e decidida apenas no fim. Mas o que aconteceu de verdade eu não consigo nem explicar. Eu não acredito que alguém tenha imaginado jogo como aquele, principalmente o resultado. Falar que eu fiquei surpresa não chega nem perto de descrever o que eu senti. E eu tenho certeza de que não estava sozinha.

Por sorte, eu assisti ao jogo em casa, com a família brasileira que me hospeda e os seus amigos. Todos eles têm alguma relação com a Alemanha (falam alemão, visitam a Alemanha com frequência e adoram o país), mas, é claro, estavam torcendo para o Brasil. A sala estava toda decorada com balões verde e amarelo e a minha “mãe” fez um bolo com decoração brasileira. Mas, apesar disso, também tinha uma “atmosfera alemã” e eu me senti bem confortável (talvez fosse o único lugar no Brasil onde eu poderia me sentir bem durante aquele jogo). Um dos motivos — sem falar da ótima hospitalidade — é que eu e a minha “mãe” tínhamos feito Bavarian Pretzels antes do jogo. Pretzels, salsicha bock e cerveja — não tinha como ser mais alemão.

Durante o jogo inteiro, eu mantive contato com a minha família e amigos da Alemanha. Todos estavam com muito medo do confronto e preparados para uma noite empolgante. Foi empolgante, mas de um jeito que ninguém esperava. Depois do primeiro gol, todo mundo estava, tipo, “GOOOOOOL!!!”, mas ainda não estávamos convencidos. Após o segundo gol, todo mundo ficou, tipo, “GOOOOOL!!!”, e um pouco mais confiante. No terceiro gol, já era só “GOL!!”. Depois do quarto gol, eu já não estava mais acreditando e, com o quinto acontecendo em tão pouco tempo, eu comecei a ficar preocupada, como se a Alemanha tivesse que ficar com pena dos brasileiros e parar com aquilo de uma vez por todas. Estava ficando meio ridículo e simplesmente inacreditável. E, pra mim, como uma pessoa empática, que tem muita simpatia pelo país e pelas pessoas, não foi legal ver a tristeza e a decepção dos brasileiros. Foi muito triste ver fotos de crianças chorando, daquele senhor agarrado na taça e a emocionante entrevista de David Luiz depois do jogo.

Depois dos 7 a 1 vergonhosos para os brasileiros, eu só esperava que o time alemão não fosse arrogante, pois assim eles poderiam, ao menos, manter a simpatia dos cidadãos. Foi muito interessante perceber como piadas, fotos e vídeos sobre a partida se espalharam rápido pelas redes sociais (e não eram postadas apenas por alemães). Mas, apesar disso, também havia muitos posts respeitosos. Os alemães não ficaram felizes com a derrota do Brasil, eles estão, compreensivelmente, satisfeitos com a vitória da Alemanha. A Seleção Brasileira tem muita simpatia na Alemanha. E os alemães sabem muito bem o quão doloroso é perder nas semifinais em seu próprio país (2006!). E eu digo, do fundo do meu coração, que o Brasil não merecia uma humilhação tão grande. Tal humilhação que talvez seja mais aceitável caso tenha sido diante da futura seleção CAMPEÃ DO MUNDO, então vamos apoiar a Alemanha domingo! VAMOS, ALEMANHA!

Read it in English!

E a Alemanha veio a Porto Alegre!

01 de July de 2014 1

Carlos Macedo
Foto: Carlos Macedo

Ontem foi o dia que eu esperava desde o início da Copa do Mundo. Não porque foi o último dia de Copa em Porto Alegre, mas porque meu time jogou aqui. Pela manhã, tentei ainda comprar ingressos, mas infelizmente não deu. Então, pelo meio-dia, fui com duas amigas para o Mercado Público, ver a Oktoberfest que eles organizaram para os alemães.

Havia um grande caminhão com pessoas vestindo roupas típicas da Bavária e tocando música alemã. Foi muito legal e, de certa forma, muito germânico: um amplo espaço público tocando música alemã com alemães bebendo cerveja.

Então todos eles começaram a caminhar juntos na via de quatro quilômetros chamada Caminho do Gol, até o estádio. No começo da parada havia um caminhão com um DJ e música alta, que guiava a torcida. Foi muito legal caminhar em uma multidão cheia de compatriotas, cantando e torcendo por seu time. Porto Alegre e os responsáveis por isso fizeram um grande trabalho em juntar todos os fãs antes do jogo e criar uma atmosfera tão legal. Os alemães com quem conversei me confirmaram que não haviam visto algo assim em nenhuma outra cidade-sede. Um deles até disse que as finais deveriam ser em Porto Alegre.

Depois da caminhada, fomos à fan fest, mas não havia muita gente. Por causa da chuva, resolvemos ir ao Goethe Institut para assistir ao jogo protegidas do mau tempo, mas ainda assim com torcedores alemães. O Goethe Institut estava cheio e bem legal – também porque vendiam Pretzels. Foi um jogo de acabar com os nervos, mas no fim é só a vitória que conta.

Para comemorar, fomos à Cidade Baixa com a expectativa de que haveria algo parecido à festa que se seguiu ao jogo entre Austrália e Holanda, mas ficamos desapontadas. Tinha muita gente, mas nem de perto como naquela noite. E uma pena: só alguns alemães. Os poucos com quem conversamos disseram que a maioria dos alemães foram embora depois do jogo.

Uma das razões para isso era, obviamente, a chuva constante durante toda a noite, e também porque o jogo terminou muito tarde. Mesmo assim, especialmente por causa da Oktoberfest durante o jogo, acho que foi um grande dia para todos os alemães.

Read it in English!

Reiseführer für Deutsche

28 de June de 2014 3

Am Sonntag veröffentlicht die Zeitung Zero Hora einen Leitfaden mit meinen Tipps für die Fans, die aus Deutschland für die Weltmeisterschaft kommen.

(Este post está em alemão para dar uma forcinha aos compatriotas que chegam segunda. A versão em português está aqui.)

Wie kommt man am besten von A nach B?

In Porto Alegre ist es nicht gerade einfach öffentliche Verkehrsmittel zu nutzen und eigentlich gibt es in der Stadt auch nur Busse. Davon gibt es viele und sie sind alle sicher und schnell, aber sei auf den verrückten Fahrstil der Busfahrer vorbereitet. An den Bushaltestellen gibt es keine Fahrpläne, Schilder oder sonstige Auskunft über die Buslinien, die Zeiten und die Fahrtstrecke. Im Bus gibt es ebenfalls keinerlei Information – weder eine Karte über die Fahrtstrecke noch Ansagen über die nächste Haltestelle. Man muss sich in vornherein gut über das Internet informieren und nach Hilfe von Einheimischen fragen. Brasilianer versuchen ihr Bestes, dir auf irgendeine Weise zu helfen und irgendwie kommt man auf jeden Fall immer an sein Ziel. Achja, vergesse nicht dem Busfahrer ein Signal in Form von Winken zu geben, dass du diesen Bus nehmen möchtest. Ohne Signal, halten die Busse hier nicht.
Eine andere und weitaus bequemere Möglichkeit ist einfach ein Taxi zu nehmen. Im Vergleich zu den deutschen Taxipreisen, sind sie hier ca. dreimal billiger, deswegen lohnt es sich manchmal mehr mit einem Taxi zu fahren.

Interessante Orte

Ein Ort, der ein Besuch wert ist, ist der “Public Market”, welcher aus vielen kleinen Ständen besteht. Es gibt ein großes Essensangebot von Früchten, Gemüse, Käse, Fleisch, Fisch, Nüsse etc. Abgesehen von Essen, kann man hier auch viele andere Sachen (Schmuck, typische Dinge aus Porto Alegre, etc.) kaufen, welche meist recht billig sind. Ein Besuch lohnt sich, weil es echt ein großer Markt ist. Und wenn du in etwa in der Mitte des Marktes einige Münzen auf den Boden liegen siehst, heb sie nicht auf. Es hat sie keiner verloren, sie liegen da mit Absicht. Es hat einen religiösen Hintergrund, dass manche Menschen da Münzen hinlegen, aber meistens nehmen sie sich einfach Mitarbeiter aus nahegelegenen Ständen. Ebenfalls gibt es im Public Market ein Touristencenter, wo man viele Informationen über die Stadt, Karten etc. bekommt.
Beim guten Wetter, ist es auch sehr schön einen der Pärke in Porto Alegre zu besuchen, wie zum Beispiel die Pärke, “Redenção” und “Parcão”.

Essen

Man kann hier jede Art von europäischen Essen finden, aber man sollte sich die Gelegenheit nicht entgehen lassen, mal einheimisches Essen zu probieren, da es wirklich leckere Sachen gibt, die man in Europa nicht finden kann. Wenn du hier in der Hauptstadt von Brasiliens Gaucho Land bist, musst du in eine “Churrascaria” (Steak Haus) gehen. Es ist ihre besondere Art des Grillens, welches meist sonntags stattfindet. Man kann es nicht mit dem deutschen Grillen vergleichen. Das Fleisch wird auf Schwert-ähnlichen Spießen gegrillt und man hat meist nicht so viele Beilagen wie in Deutschland, es ist mehr nur aufs Fleisch ausgerichtet. Hier ist es übrigens auch sehr üblich beim Grillen Hühnerherzen zu essen, also sei darauf gefasst, dass es dir jemand anbietet. Und wenn du schon mal in einer Churrascaria bist, solltest du auch gleich frittierte “Polenta” und “Aipim” probieren, denn das gibt es nicht in Deutschland.
Hier gibt es auch ganz viele verschiedene Früchte (verschiedene Arten von Bananen, Papaya, Mangos, Ananas, etc.), welche in Vergleich zu Deutschland sehr süß sind und einen besonders guten Geschmack haben und deswegen sollte man diese auch probieren.
Und wenn du schon mal in Brasilien bist, gibt es da natürlich auch viele andere Dinge, die du probieren solltest wie “Pão de Queijo”, “Pinhão” und “Brigadeiro”. Pão de Queijo ist einfach gesagt ein Käsebrötchen. Pinhão ist eine Art von Nuss oder Samen, welche es in Deutschland überhaupt nicht gibt. Brigadeiro ist eine Art brasilianische Schokopraline und sehr beliebt als Nachspeise.

Getränke

Bezüglich Getränke, gibt es eine Sache, die man probieren muss und das ist “Chimarrão”. Chimarrão ist das tägliche Getränk in Porto Alegre. Es ist Mate Tee in einem meist hölzernen Krug und man sieht überall Menschen damit. Es ist so essentiell im täglichen Leben, dass man auch überall Maschinen für heißes Wasser sieht, sogar in den Pärken.
Abgesehen davon, kann man alle üblichen Getränke aus Deutschland auch hier finden. Porto Alegren lieben es ebenfalls Bier zu trinken, deswegen ist es leicht hier gutes Bier zu bekommen und ebenfalls auch deutsche Biermarken.

Nachtleben

Porto Alegre bietet eine große Bannbreite an verschiedenen Bars, Kneipen, Discos und Restaurants für jeden Geschmack und Geldbeutel. Es gibt zwei Nachbarschaften, wo man einfach eine guten Platz für die Abendgestaltung findet: “Moinhos do Vento” und “Cidade Baixa”
Cidade Baixa ist das wichtigste Viertel in der Stadt betreffend Bars und Discos. In Cidade Baixa findet man Partys mit Livemusik oder DJs, große oder kleine Bars und auch etwas teurere Geschäfte, die auch Essen servieren. Bars und Restaurants haben in Cidade Baixa meist bis 02:00 Uhr nachts geöffnet.
In der bekannten Straße “Rua João Alfredo” findet man verschiedene Partys mit allen möglichen Musikrichtungen. Cidade Baixa ist ein eher alternatives und legeres Viertel.
Wenn man nach etwas moderneren Plätzen für den Abend sucht, sollte man es im Viertel Moinhos do Vento in der “Rua Padre Chagas” Straße probieren. In dieser Straße findet man eine große Auswahl an Bars und Kneipen. Hier gibt es auch eine deutsche Bar, namens “Bier Markt” und viele andere schöne Kneipen, die man alle zu Fuß erreicht. Moinhos zieht eher Personen der oberen Mittelschicht an.

Beziehungen

Brasilianer sind sehr offene, freundliche und liebe Menschen. Man kann sich auf ihre Liebenswürdigkeit verlassen, wenn man Hilfe braucht. Besonders Porto Alegren sind sehr offen in Bezug auf unterschiedliche sexuelle Orientierung, soziale Schichten und Lebensstil im Allgemeinen.
In Porto Alegre schauen viele Menschen sehr europäisch aus und wenn man sich seine Umgebung im Bus, Büro, Einkaufszentrum, etc. anschaut, würde niemand dich als Ausländer identifizierten. Das liegt daran, dass im späten 19. Jahrhundert viele Immigranten in die Stadt kamen, besonders aus Deutschland, Italien und Polen. Das macht Porto Alegre zu einer weltoffenen und multikulturellen Stadt und manchmal trifft man sogar Personen, die noch Deutsch sprechen.

Kuriositäten

Küssen und öffentliche Darstellung von Zuneigung sind hier sehr normal. In Brasilien ist es üblich sich zur Begrüßung auf die Backe zu Küsse, auch wenn man sich überhaupt nicht kennt. Brasilianer macht es auch nichts aus, ihre Zuneigung zueinander in der Öffentlichkeit zu zeigen, was bedeutet, dass man sehr viele Paare küssend sieht. Öffentliche Darstellung von Zuneigung ist in Brasilien eine kulturelle Sache. Es ist ein Land, in dem Liebe und Familie vor Arbeit und Hobbies kommt, deswegen braucht man nicht verlegen zu sein, wenn man damit konfrontiert wird. Aber sei auch darauf gefasst, dass es zum Beispiel in einer Disco passieren könnte, dass dich ein Brasilianer nach kurzer Zeit versucht zu küssen.

Was man in Porto Alegre nicht tun sollte

Überquere keine Straße an einem Zebrastreifen wie in Deutschland und sei allgemein sehr vorsichtig beim Überqueren der Straße. In Porto Alegre haben die Zebrastreifen eine andere Beachtung als in Deutschland. Hier hält kein Auto an, um dich über die Straße zu lassen, deswegen kann man hier nicht unachtsam die Straße überqueren.

Nützliche Sätze in Portugiesisch

Hallo, wie geht’s? - Oi, tudo bem?
Sprichst du Englisch / Spanisch? - Você fala Inglês / Espanhol?
Ich spreche kein Portugiesisch. - Eu não falo Português.
Ich bin aus Deutschland. - Eu sou de Alemanha
Ein Bier, bitte. - Uma cerveja, por favor.
Nein, danke. - Não, obrigado.

Minha seleção vem aí!

26 de June de 2014 5
Nelson Almeida - AFP

Nelson Almeida – AFP

 

Uhu! A Alemanha virá jogar em Porto Alegre segunda-feira. A cidade estará cheia de alemães. Estou realmente animada e não posso esperar por este dia. Desde que fui na Cidade Baixa, depois do jogo entre Austrália e Holanda, e senti a atmosfera, não consigo parar de imaginar que a cidade vai estar cheia de alemães de poderei celebrar com eles a vitória e a passagem para as quartas-de-final – esse, pelo menos é esse o sonho.

Agora, a hora chegou: a Alemanha venceu os Estados Unidos e chegou em primeiro lugar em seu grupo. Meu primeiro desejo se realizou, e agora eles só precisam vencer na segunda-feira e estarei totalmente feliz.
Na verdade, já sou uma sortuda: meu time vai jogar as oitavas nesta cidade, estou vivendo o momento. Especialmente em Porto Alegre, por conta dos muitos descendentes de alemães, muitos brasileiros vão torcer pela Alemanha – vai ser quase um jogo em casa para eles.

Eu achava que seria meio óbvio eles virem para cá depois do segundo jogo, mas eles tornaram isso realmente excitante. Eu estava mesmo com medo do jogo contra os americanos porque ninguém conhece o time alemão melhor do que o treinador dos Estados Unidos, Jürgen Klinsmann – em suas fraquezas e pontos fortes. Por conta disso, do fato de Klinsmann ter sido técnico alemão e ser amigo de Joachim Löw, nosso técnico atual, os dois times têm de lidar com um monte de rumores sobre um empate combinado. Eu não acreditava em algo assim, e do jeito que foi o jogo, parece não ter havido um. Faltaram gols no primeiro tempo, mas, no segundo, Thomas Müller não me decepcionou.

Porto Alegre, agora é hora de receber bem a minha seleção!

 

Read it in English!

A cultura brasileira de festas – e beijos

25 de June de 2014 169

009007ae

Tenho de admitir: estou mesmo chocada com a cultura de beijos e pegação no Brasil, especialmente em festas. É claro que não se pode generalizar: estou escrevendo a partir do que observei nas festas a que fui por aqui.

Minha primeira impressão: é muito fácil – até demais – ficar nas festas. Os homens andam pelas boates como animais à procura de uma presa fácil. Na noite, os brasileiros têm um jeito de chegar agressivo e direto. Há aqueles que te pegam pelo braço, ou colocam seus braços em torno de você, ou ainda vão direto beijar. E isso acontece em todas as festas, não importa em qual faixa etária.

Em comparação, os alemães são muito tímidos. Homens alemães em geral têm de juntar muita coragem só para falar com uma garota. Por isso é normal ficar bêbado nas festas para conseguir chegar em meninas – não que seja uma boa solução. O jeito mais normal de conhecer um cara ou uma garota na Alemanha é, por exemplo, um amigo em comum te apresentar alguém.

Leia a visão feminina sobre a noite de Porto Alegre tomada por estrangeiros

Leia a visão masculina sobre a noite de Porto Alegre tomada por estrangeiros

Em festas brasileiras com um grupo mais jovem do que eu, presenciei um comportamento totalmente novo: um guri começa a falar com uma guria, se apresenta ou só diz algo como “oi, tudo bem?” e, se ela continua falando e sorrindo, eles começam a ficar. Fiquei pasma com esse jeito de agir, e não entendo como as garotas aceitam participar disso tudo. É claro que tem gente que faz isso na Alemanha, mas lá isso é mal visto. Aqui, parece ser normal e não rebaixa ninguém, de forma alguma.

Em festas com um grupo mais velho, não vi tanto a situação de muitos parceiros na mesma noite, mas algo diferente. O cara e a menina que passam a noite juntos agem como se estivessem realmente a sério e apaixonados. Eles se conhecem por apenas alguns minutos e já estão agindo como um casal romântico e apaixonado. O amor brasileiro é ágil, mas não duradouro… O menino com quem você ficou pode desaparecer na noite seguinte. Por aqui há até verbos para isso: “ficar” ou “pegar”. E aqui é absolutamente normal se agarrar de uma forma que não se faria em público. Na Alemanha não é comum ficar na primeira vez em que um casal se conhece – e quando você o faz, é de um jeito mais contido. Ao contrário de lá, aqui você vê muitos beijos nas festas, na pista de dança, nos shoppings, simplesmente por toda a parte.

Para os solteiros no Brasil, é normal ter mais de um parceiro. Você não está namorando, está só “ficando”. Só de existir um verbo para diferenciar as situações já me surpreendeu. Entendi assim: quando você está ficando, age como se estivesse em um relacionamento, em algumas coisas. Parece sério em alguns momentos com aquela pessoa – e talvez no dia seguinte esteja fazendo o mesmo com outra. Na verdade, você está livre para fazer o que quiser com quem quiser.

Para mim, isso é uma grande mentira, e uma perda de tempo. Na Alemanha, também há situações parecidas com essa. Quando você não está em uma relação e não está apaixonada, em geral tem apenas um caso com alguém. A diferença é que ninguém age como um casal.

E quando você conhece alguém, e imagina que pode se transformar em um relacionamento, por um tempo também temos lá a situação do “ficando” – muita conversa para se conhecer melhor – mas em geral há exclusividade. Ou seja: não pode beijar mais outras pessoas. É claro que isso não é uma regra pétrea, mas em geral a gente para de sair com alguém se descobre que não é a única pessoa naquele momento.

Falei sobre isso com brasileiros. Perguntei para meninas como elas topam essa situação – não consigo imaginar como é gostar de um cara, passar tempo com ele, saber que ele também fica com outras meninas e achar isso ok. Elas concordaram comigo e, disseram que em geral não gostam dessa situação, mas que é algo com que têm de se acostumar. Mas talvez possa mudar um dia, não?

Read it in English!