Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

"É a coisa certa a fazer": a íntegra do discurso de Obama sobre Cuba

18 de dezembro de 2014 6

obamacuba

 

Leia a íntegra do discurso histórico no qual o presidente americano, Barack Obama, anunciou a maior mudança na política dos Estados Unidos em relação a Cuba em 53 anos:

 

“Boa tarde. Hoje, os Estados Unidos da América estão mudando sua relação com o povo de Cuba.

Na mais significativa mudança em nossa política em mais de 50 anos, vamos acabar com uma abordagem ultrapassada que, durante décadas, não conseguiu impulsionar nossos interesses, e em vez disso vamos começar a normalizar as relações entre os nossos dois países. Através destas mudanças, temos a intenção de criar mais oportunidades para os povos americano e cubano, e começar um novo capítulo entre as nações das Américas.

Há uma história complicada entre os Estados Unidos e Cuba. Eu nasci em 1961 – pouco mais de dois anos depois de Fidel Castro tomar o poder em Cuba, e poucos meses depois da invasão da Baía dos Porcos, que tentou derrubar o seu regime. Ao longo das próximas décadas, a relação entre nossos países desenvolveu-se sobre o pano de fundo da Guerra Fria e da oposição firme da América ao comunismo. Estamos separados por pouco mais de 144 quilômetros. Mas, ano após ano, uma barreira ideológica e econômica pesou entre os nossos dois países.

Enquanto isso, a comunidade de exilados cubanos nos Estados Unidos fez enormes contribuições para o nosso país – na política e nos negócios, cultura e esportes. Como os imigrantes antes, os cubanos ajudaram refazer a América, ainda que tenham sentido um anseio doloroso pela terra e as famílias que deixaram para trás. Tudo isso ligou os Estados Unidos e Cuba em uma relação única, ao mesmo tempo familiar e inimiga.

Orgulhosamente, os Estados Unidos apoiaram a democracia e os direitos humanos em Cuba ao longo destas cinco décadas. Fizemo-lo principalmente por meio de políticas que visam a isolar a ilha, impedindo a viagem mais básica e o comércio que os americanos podem desfrutar em qualquer outro lugar. E, embora esta política estivesse enraizada na melhor das intenções, nenhuma outra nação se junta a nós na imposição dessas sanções, e isso teve pouco efeito para além do fornecimento ao governo cubano de uma justificativa para as restrições a seu povo. Hoje, Cuba ainda é governada pelos Castro e pelo Partido Comunista, que chegaram ao poder há meio século.

Nem o povo americano, nem cubanos estão bem servidos por uma política rígida que está enraizada em acontecimentos que ocorreram antes que a maioria de nós tivesse nascido. Considere-se que, há mais de 35 anos, temos tido relações com a China – um país muito maior também governado por um Partido Comunista. Quase duas décadas atrás, restabelecemos relações com o Vietnã, onde se travou uma guerra que custou mais vidas americanas do que qualquer confronto da Guerra Fria.

> Leia mais: Valores compartilhados

É por isso que – quando assumi a presidência – prometi a reexaminar a nossa política de Cuba. Como ponto de partida, que levantou as restrições para os cubano-americanos viajarem e enviarem remessas para suas famílias em Cuba. Essas mudanças, uma vez controversas, agora parecem óbvias. Cubano-americanos foram reunidas com suas famílias e são os melhores embaixadores possíveis para os nossos valores. E através desses intercâmbios, uma nova geração de cubano-americanos tem questionado cada vez mais uma abordagem que faz mais para manter Cuba fechada diante de um mundo interconectado.

Embora eu tenha me preparado para tomar medidas adicionais para algum tempo, um grande obstáculo estava no nosso caminho – a prisão ilegal, em Cuba, de um cidadão dos EUA e subcontratado pela Usaid (Agência de Desenvolvimento dos Estados Unidos) Alan Gross por cinco anos. Ao longo de muitos meses, minha administração manteve conversações com o governo cubano sobre o caso de Alan, e outros aspectos do nosso relacionamento. Sua Santidade o papa Francisco emitiu um apelo pessoal para mim, e para o presidente de Cuba, Raúl Castro, exortando-nos a resolver o caso de Alan, e para abordar o interesse de Cuba na libertação de três agentes cubanos que foram presos nos Estados Unidos há mais de 15 anos.

Hoje, Alan voltou para casa – reuniu-se a sua família finalmente. Alan foi libertado pelo governo cubano por razões humanitárias. Separadamente, em troca dos três agentes cubanos, Cuba libertou hoje um dos agentes de inteligência mais importantes que os Estados Unidos já teve em Cuba, e que foi preso por quase duas décadas. Este homem, cujo sacrifício tem sido conhecido por poucos, deu aos Estados Unidos informações que nos permitiram deter a rede de agentes cubanos que incluíam os homens transferidos para Cuba hoje, assim como outros espiões nos Estados Unidos. Esse homem está agora em segurança em nosso solo.

Tendo recuperado esses dois homens que se sacrificaram pelo nosso país, eu tomo agora medidas para colocar os interesses dos povos dos dois países no centro da nossa política.

Em primeiro lugar, instruí o secretário Kerry (John Kerry, secretário de Estado) a começar imediatamente as discussões com Cuba para restabelecer relações diplomáticas cortadas desde janeiro de 1961. No futuro, os Estados Unidos vão restabelecer uma embaixada em Havana, e altos funcionários irão visitar Cuba.

Onde pudermos avançar os interesses compartilhados, vamos fazê-lo – em questões como saúde, migração, luta contra o terrorismo, tráfico de drogas e resposta a desastres. Na verdade, temos visto os benefícios da cooperação entre os nossos países antes. Foi um cubano, Carlos Finlay, que descobriu que os mosquitos carregam febre amarela; seu trabalho ajudou Walter Reed a combatê-la. Cuba enviou centenas de profissionais de saúde para a África para lutar contra o ebola, e eu acredito que os profissionais de saúde americanos e cubanos devem trabalhar lado a lado para deter a propagação desta doença mortal.

Agora, onde estamos em desacordo, vamos apresentar as diferenças diretamente – como vamos continuar a fazer sobre as questões relacionadas com a democracia e os direitos humanos em Cuba. Mas eu acredito que podemos fazer mais para apoiar o povo cubano e promover os nossos valores por meio do engajamento. Afinal de contas, estes 50 anos têm demonstrado que o isolamento não funcionou. É hora de uma nova abordagem.

Em segundo lugar, eu instruí o secretário Kerry a rever a designação de Cuba como um Estado patrocinador do terrorismo. Essa avaliação será guiada pelos fatos e da lei. O terrorismo tem mudado muito nas últimas décadas. Numa altura em que estamos focados em ameaças da Al-Qaeda ao Estado Islâmico, uma nação que atenda às nossas condições e renuncie ao uso do terrorismo não deve enfrentar essa sanção.

Em terceiro lugar, estamos tomando medidas para incremento de viagens, comércio e fluxo de informações de e para Cuba. Esta medida é, fundamentalmente, sobre liberdade e abertura, e também expressa a minha crença no poder do engajamento pessoal. Com as mudanças que estou anunciando hoje, será mais fácil para os americanos viajar a Cuba, e os americanos serão capazes de usar cartões de crédito e débito americanas na ilha. Ninguém representa os valores dos Estados Unidos melhor do que o povo americano, e eu acredito que esse contato acabará por fazer mais para capacitar o povo cubano.

Eu também acredito que mais recursos devem ser capazes de alcançar o povo cubano. Então, nós estamos aumentando significativamente a quantidade de dinheiro que pode ser enviado a Cuba e removendo limites sobre as remessas destinadas a projetos humanitários, ao povo cubano e ao setor privado cubano emergente.

Eu acredito que as empresas americanas não devem ser colocadas em desvantagem, e que o aumento do comércio é bom para os americanos e para os cubanos. Assim, vamos facilitar as transações autorizadas entre os Estados Unidos e Cuba. Instituições financeiras dos EUA serão autorizados a abrir contas em instituições financeiras cubanas. E vai ser mais fácil para os exportadores dos EUA vender bens em Cuba.

Acredito no livre fluxo de informações. Infelizmente, nossas sanções a Cuba têm negado o acesso à tecnologia que tem dado poderes a indivíduos ao redor do globo. Assim, autorizei o aumento de ligações de telecomunicações entre os Estados Unidos e Cuba. As empresas serão capazes de vender produtos que permitem que os cubanos se comuniquem com os Estados Unidos e outros países.

Estes são os passos que eu posso tomar como presidente para mudar essa política. O bloqueio econômico que foi imposto há décadas está agora previsto em lei. À medida que essas mudanças se desdobrarem, estou ansioso para envolver o Congresso em um debate honesto e sério sobre o fim do bloqueio econômico.

Ontem, falei com Raúl Castro para concluir o acerto da libertação de Alan Gross e a troca de prisioneiros e definir a forma como vamos avançar. Deixei clara a minha firme convicção de que a sociedade cubana é limitada por restrições aos seus cidadãos. Além do retorno de Alan Gross e a libertação do nosso agente de inteligência, congratulamo-nos com a decisão de Cuba de libertar um número substancial de presos cujos casos foram discutidos diretamente com o governo cubano pela minha equipe. Congratulamo-nos com a decisão de Cuba de fornecer mais acesso à internet para os seus cidadãos, e para continuar a aumentar o envolvimento com as instituições internacionais como as Nações Unidas e o Comitê Internacional da Cruz Vermelha a fim de promover os valores universais.

Mas não tenho nenhuma ilusão sobre as barreiras à liberdade que persistem para os cubanos comuns. Os Estados Unidos acreditam que cubanos não devem ser assediados, presos ou espancados, simplesmente porque eles estão exercendo um direito universal para ter suas vozes ouvidas, e vamos continuar a apoiar a sociedade civil lá. Enquanto Cuba tem feito reformas para abrir gradualmente a sua economia, continuamos a acreditar que os trabalhadores cubanos devem ser livres para formar sindicatos, assim como os seus cidadãos devem ser livres para participar do processo político.

Além disso, dada a história de Cuba, espero que o país continue a adotar políticas externas que estarão por vezes fortemente em desacordo com os interesses americanos. Eu não espero que as mudanças que estou anunciando hoje provoquem uma transformação da sociedade cubana da noite para o dia. Mas estou convencido de que, através de uma política de envolvimento, nós podemos mais efetivamente defender nossos valores e ajudar o povo cubano a ajudar a si mesmo a se mover para o século 21.

Para aqueles que se opõem os passos que eu estou anunciando hoje, deixe-me dizer que eu respeito a sua paixão e compartilho seu compromisso com a liberdade e democracia. A questão é como vamos defender esse compromisso. Eu não acredito que nós possamos continuar fazendo a mesma coisa há mais de cinco décadas e esperando um resultado diferente. Além disso, não serve aos interesses da América, nem do povo cubano, tentar empurrar Cuba para o colapso. Mesmo que tivesse funcionado – e não o tem por 50 anos –, sabemos por experiência suada que os países são mais propensos a desfrutar de transformação duradoura se o seu povo não é submetido ao caos. Estamos chamando Cuba a explorar o potencial de 11 milhões de cubanos, pondo fim às restrições desnecessárias a suas atividades políticas, sociais e econômicas. Nesse espírito, não devemos permitir que as sanções americanas aumentem o fardo sobre cidadãos cubanos que procuram ajudar.

Para o povo de Cuba, a América estende a mão da amizade. Alguns de vocês já olham para nós como uma fonte de esperança, e vamos continuar a fazer brilhar a luz da liberdade. Outros têm nos visto como um ex-colonizador interessado em controlar o seu futuro. José Martí disse certa vez: “A liberdade é o direito de cada homem de ser honesto”. Hoje, estou sendo honesto com vocês. Nós nunca podemos apagar a nossa história comum, mas nós acreditamos que vocês devem ter poderes para viver com dignidade e autodeterminação. Os cubanos têm um provérbio sobre a vida diária: “No es facil” – não é fácil. Hoje, os Estados Unidos querem ser parceiros no sentido de tornar a vida dos cubanos comuns um pouco mais fácil, mais livre, mais próspera.

Para aqueles que têm apoiado essas medidas, eu te agradeço por serem parceiros em nossos esforços. Em particular, quero agradecer a Sua Santidade o papa Francisco, cujo exemplo moral nos mostra a importância de buscar o mundo como ele deveria ser, em vez de simplesmente se conformar com o mundo como ele é; o governo do Canadá, que sediou nossas discussões com o governo cubano; e um grupo bipartidário de parlamentares que trabalharam incansavelmente para a libertação de Alan Gross, e para uma nova abordagem para avançar nossos interesses e valores em Cuba.

Finalmente, a nossa mudança na política em relação a Cuba acontece em um momento de liderança renovada nas Américas. Em abril do ano que vem, estamos preparados para ver Cuba se juntar às outras nações do hemisfério na Cúpula das Américas. Mas vamos insistir para que a sociedade civil se junte a nós para que os cidadãos, e não apenas os líderes, moldem o nosso futuro. E eu apelo a todos os meus colegas líderes para dar significado ao compromisso com a democracia e aos direitos humanos no centro da Carta Interamericana. Vamos deixar para trás o legado da colonização e do comunismo, a tirania dos cartéis de drogas, ditadores e eleições fraudulentas. Um futuro de maior paz, segurança e desenvolvimento democrático é possível se trabalharmos juntos – não para manter o poder, não para assegurar interesses, mas em vez de avançar os sonhos de nossos cidadãos.

Meus compatriotas americanos, a cidade de Miami fica a apenas 321 quilômetros ou algo assim de Havana. Milhares de cubanos têm vindo a Miami – em aviões e balsas improvisadas; alguns com pouco mais do que a roupa do corpo e esperança em seus corações. Hoje, Miami é muitas vezes referida como a capital da América Latina. Mas também é uma cidade profundamente americana – um lugar que nos lembra que os ideais são mais importantes do que a cor da nossa pele, ou as circunstâncias do nosso nascimento; uma demonstração do que o povo cubano pode conseguir, e a abertura dos Estados Unidos para a nossa família ao sul. Todos somos americanos.

Mudar é difícil – em nossas próprias vidas e na vida de nações. E a mudança é ainda mais difícil quando nós carregamos o peso pesado da história sobre os nossos ombros. Mas hoje estamos fazendo essas mudanças porque é a coisa certa a fazer. Hoje, a América escolhe se soltar das amarras do passado, de modo a alcançar um futuro melhor – para o povo cubano, para o povo americano, para todo nosso hemisfério, e para o mundo.

Obrigado. Deus os abençoe e Deus abençoe os Estados Unidos da América.”

Comentários (6)

  • Josemar Silva Dos Santos diz: 18 de dezembro de 2014

    A hyperinformação que vai chegar em ondas cada vez mais intensas na ilha, vai enterrar o regime cubano sob concreto grosso prá sempre,a abundância de comida e bens de consumo, vai mudar de vez a ilha, e expor as cruezas da ditadura maldita, será um PERFEITO CAVALO DE TRÓIA, recheado de wifi tvs, celulares, etc e vai matar o mito comunista em todo o continente.

  • Carlos Renato dos Santos Costa diz: 18 de dezembro de 2014

    “No es facil”! Ambos estão se libertando e eles a nós e como dizia o poetinha: Libertas que serás também… De acordo Obama: Não é a cor da pele, não é língua ou a posição geográfica, mas os ideais. Foi a coisa certa a fazer e mesmo que tenha demorado 50 anos, continua certa.
    Os Jornalista, grato pela fiel tradução.

  • Luiz Eduardo Baisi diz: 18 de dezembro de 2014

    Obama é homem de visão futura. Brigar com Cuba não gerou nenhum fato positivo. O povo cubano ficou no sacrificio. A pobreza tomou conta do país. O problema interno, a manutenção da politica comunista ficará entre o povo e o governo cubano. Com a abertura dada por Obama a democracia colocará um pé dentro de Cuba. Vai colocar na cabeça do povo as diferenças. Vai esperar aparecer um grande lider em Cuba para restabelecer a democracia. E… Obama virará lider entre os cubanos por ter dado a grande chance! Obama esta semeando a ideologia democrática para um dia colher! Nota 10 para Obama!

  • Felipe Alves diz: 18 de dezembro de 2014

    E com isso expande-se mais uma vez a fronteira de “possibilidade de produção” do capitalismo. Em pouco tempo veremos Cuba refém da economia americana, à exemplo do México… Não que isso seja ruim. Como dito no comentário anterior, wifi torna tudo melhor.

  • Augusto Conceição Sousa diz: 18 de dezembro de 2014

    É sem dúvida alguma, a melhor decisão política dessa década.

  • Mayk Alves diz: 6 de janeiro de 2015

    “Orgulhosamente, os Estados Unidos apoiaram a democracia e os direitos humanos em Cuba ao longo destas cinco décadas. Fizemo-lo principalmente por meio de políticas que visam a isolar a ilha, impedindo a viagem mais básica e o comércio que os americanos podem desfrutar em qualquer outro lugar. E, embora esta política estivesse enraizada na melhor das intenções…”

    Parei de ler em “melhor das intenções”. Quanta hipocrisia. Criticam tanto Cuba, mas os EUA não ficam para trás em vilania. Esse domínio hegemônico praticado pela potência norte-americana é uma afronta à soberania de todos os outros países. Estão sempre metendo o bedelho onde não são chamados sob o pretexto de garantir-lhes a segurança. O que eles querem, na verdade, é continuar à frente de todos os outros países e, para isso, usam um discurso ideológico muito forte para mascaras as ações nojentas que eles praticam.

Envie seu Comentário