Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Do Leitor

31 de julho de 2012 1

Analfabetismo funcional

Nos últimos anos muitos administradores públicos têm se vangloriado do número crescente de alunos nos bancos escolares, em todos os níveis do ensino, do Fundamental ao Superior. Diversas políticas governamentais, com destaque para o grandioso e bem sucedido Prouni, têm propiciado um incremento significativo no número de estudantes.
Tal quadro, embora revele o reconhecimento das autoridades públicas com relação à relevância da educação e consista em um efetivo movimento de democratização do acesso ao ensino, não esconde a outra face desta moeda, que é a relativa à questionável qualidade do ensino que vem sendo oferecido aos estudantes brasileiros.
Em pesquisa recentemente realizada e divulgada pela ONG Ação Educativa e pelo IPM – Instituto Paulo Montenegro restou constatado que trinta e oito por cento dos estudantes brasileiros de ensino Superior não sabem ler e escrever plenamente. São os chamados analfabetos funcionais, na medida em que têm a capacidade de ler e de escrever, porém não sabem interpretar e associar informações. A atual situação do ensino Superior no Brasil possibilita a formação de graduados com diploma na parede e que ao mesmo tempo têm grande dificuldade de interpretar o que diz um texto básico.
O Ministério da Educação se omite em implementar um sistema de acompanhamento efetivo da qualidade do ensino com vistas a se coibir que alunos sem a alfabetização completa galguem patamares mais elevados do estudo (ensinos Médio e, sobretudo, Superior). Num país onde a qualidade fosse mais relevante que as estatísticas nunca um aluno sem plena alfabetização poderia ser admitido a ascender ao ensino Médio, muito menos ao ensino Superior.
O sempre questionado, mas necessário, exame da Ordem dos Advogados do Brasil, ao qual os bacharéis em direito têm de se submeter para ascender à profissão de advogado, é um bom indicador objetivo da péssima qualidade do ensino Superior a que milhares de estudantes brasileiros têm sido submetidos na medida em que a reprovação na citada prova tem superado a casa dos oitenta por cento. Mas fica a dúvida sobre como está a situação dos demais cursos que não exigem de seus egressos um exame similar.
Embora não seja função do ensino Superior alfabetizar quem quer que seja, não deixa de ser reprovável esta leniência acadêmica com alunos com visíveis deficiências em sua formação educacional, os quais sequer deveriam ascender ao ensino Superior e, mais do que aceitos, são agraciados com um diploma ao final do curso, não obstante a sua alfabetização deficiente.
Nosso país nunca teve um comprometimento sério com a educação o que provavelmente justifique o fato de nunca termos formado sequer um cientista ganhador do Prêmio Nobel, ao passo que nossa vizinha Argentina já teve pelo menos dois laureados com a comenda máxima do meio científico e a nação mais desenvolvida do mundo (EUA), já soma mais de duas centenas de prêmios Nobel.
O progresso do Brasil passa indiscutivelmente pela educação, pois só com boas mentes um país pode produzir ciência, conhecimento e tecnologia, tão indispensáveis à evolução e ao desenvolvimento de nosso país. Mas é preciso, antes de tudo, que a educação oferecida prime pela qualidade, não apenas pela quantidade.

Hugo Cesar Amaral
Uberlândia/MG

Comentários (1)

  • Antonio Luiz Cisco Faccin diz: 3 de agosto de 2012

    No exercício do direito de greve contido nas normas constitucionais, tem os servidores respeitado a atual norma do qual tem o judiciário se utilizado como parâmetro, a Lei nº 7.783/89. Ademais, antecedendo sua decisão pela greve, através de sua entidade representativa, reiteraram os servidores das Agências Reguladoras, sucessivamente ao MPOG a negociação do um Plano de Carreira da Regulação, subsídios e o reconhecimento de suas atividades como típica de estado como de fato é, ainda pendentes desde a última negociação de 2008, face o Governo se quer, ter iniciado a sua elaboração de um texto como proposta oficial.
    Não pode agora depositar sobre os ombros destes servidores, a responsabilidade pelo longo período de greve que certamente se efetivará, já que não é do servidores, a decisão politica de apresentar ou não a desejada proposta oficial .
    Os servidores tem reiterado a negociação com Dilma, que com sua arrogância, pouco se importa com o alongamento deste movimento, portanto, não podendo este ônus, ser debitado aos servidores.
    Toda Greve, requer negociação, mas quando uma das partes se nega, a ela deve ser recair toda a responsabilidade, do seu alongamento. Aos servidores, cabe tão somente, o dever de defenderem seus direitos e sua dignidade funcional.

    Antonio Luiz C. Faccin

Envie seu Comentário