Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Editorial| Pacto pela alfabetização

30 de agosto de 2012 0

Abandonados na infância, aqueles que ultrapassam os oito anos de idade sem saber ler e fazer as quatro operações dificilmente encontrarão, mais tarde, um cenário mais favorável para a aprendizagem.

Longe de ser um diagnóstico assimilável apenas por especialistas, a ideia de que o desenvolvimento brasileiro exige atenção especial à educação tornou-se, com o passar dos anos, voz corrente nas ruas. Nos últimos 30 anos, obedecendo a um movimento que não se deve a este ou àquele governo, mas acompanha o ritmo de modernização de nossa sociedade, houve avanços significativos nesse terreno. Em relação ao analfabetismo, por exemplo, o Censo de 2010 revela uma redução de 29% em relação aos números de 2000. Apesar disso, ainda somos (e o emprego da primeira pessoa do plural nesta sentença é plenamente justificado pela gravidade do problema social) 14 milhões de analfabetos, conforme o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A fim de se encontrarem soluções, cumpre, antes de tudo, encarar o problema de frente.
Consciente de que o combate ao analfabetismo passa por uma abordagem totalizante e não parcial ou acessória, o ministro Aloizio Mercadante disse na terça-feira, durante o Painel RBS de lançamento da campanha A Educação Precisa de Respostas, que a prioridade nacional é a alfabetização na idade certa. Ora, sabe-se que o mapa do analfabetismo coincide, em muitos aspectos, com o da pobreza e do baixo acesso a serviços básicos. Lembrou o ministro que, na Região Sul, o índice de crianças que não se alfabetizam até os oito anos é baixo, ficando entre 6% e 7%. No Norte e no Nordeste, onde se localizam os grandes bolsões de miséria e concentração de renda, esses percentuais sobem para até 35%. Ao completar oito anos sem saber ler nem fazer contas elementares, esses contingentes se tornam fortes candidatos a reforçar a legião de deserdados sociais que povoa o lado sombrio da vida brasileira. Se não for concretizada em tenra idade, a alfabetização se torna mais difícil, uma vez que passa a concorrer com a  maratona pela sobrevivência. Some-se a isso o fato de que, em regra, os cursos de magistério existentes no país não enfatizam alfabetização de adultos. Abandonados na infância, aqueles que ultrapassam os oito anos de idade sem saber ler e fazer as quatro operações dificilmente encontrarão, mais tarde, um cenário mais favorável para a aprendizagem.
É com o intuito de buscar remédio para esses males que o governo federal planeja lançar em setembro, ainda segundo as palavras do ministro, um pacto nacional pela alfabetização na idade adequada. Uma ajuda de custo será oferecida a 315 mil professores alfabetizadores que terão seu trabalho monitorado pelas autoridades na área da educação. Note-se que um dos calcanhares de aquiles históricos dos programas de alfabetização em nosso país está justamente no fato de que não costumam ser aproveitados professores nas atividades, bastando, na maioria das vezes, ter Ensino Médio completo para ser admitido como responsável por turmas de alunos. Essa iniciativa já recebeu o apoio de todos os secretários estaduais e de mais de 4,5 mil prefeituras. O Ministério da Educação fornecerá gestores e monitores para acompanhar as ações, que serão submetidas a avaliação externa, que terá também a participação das melhores universidades brasileiras. Merece apoio e comprometimento uma iniciativa dessa monta, indissociável da construção de um Brasil socialmente justo e desenvolvido.

Envie seu Comentário