Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Artigo| Meu filho é gay e eu estou bem!

18 de novembro de 2012 277

Estar bem
com o
meu
filho gay
é saber
que criei
um ser
saudável

NEREIDA VERGARA*

A frase do título faz parte de uma brincadeira entre mim e o meu filho de 18 anos, que é gay. Ele sempre diz que vai mandar fazer uma camiseta com essa mensagem, para eu andar por aí, mostrando que se pode ter um filho gay e não ser infeliz. Chegamos a essa conversa depois de fazer uma generalização de que há um grupo grande de pessoas que sempre olha pra mim, a mãe, como alguém que deu à luz uma coisa de outro mundo. Não posso sair de braço com o meu filho, ou ir com ele ao shopping, ou sair para jantar sem que alguém observe e pense: bah, coitada, que esforço está fazendo. Pois aqui, sem nenhuma pretensão de pregar moral a quem quer que seja, digo, posso dizer: eu estou bem.
Há motivos, é claro, para eu ter essa visão. Como não sou cega, sempre vi no meu menino características que não eram comuns nos outros. Desde antes dos três anos, mostrava interesse pelos brinquedos da irmã, por roupas e coisas de menina. Sempre foi sorridente, faceiro e amigo. Na escolinha, fez aulas de balé junto com as meninas (o que me rendeu uma porção de caras feias de pais de outros meninos que achavam que o gosto dele podia “contaminar”). E eu fui assim desafiando a ordem, colocando meu filho em aulas de balé, de patinação artística, de desenho. Nunca proibi que brincasse de Barbie, da mesma forma que não proibi que a irmã brincasse de Power Rangers ou gostasse de álbuns de figurinhas de futebol.
Teve uma época, na pré-adolescência, que meu menino fez o papel do conquistador! Me contava de meninas que havia beijado, teve um grupo de amigos só de meninos (a maioria ainda amigos dele até hoje, e todos héteros, salvo alguma surpresa de que eu não tenha sido informada). Eu ouvia o que ele dizia, me divertia até, mas os meus olhos não me enganavam. Sempre vi a natureza dele, e amei essa natureza. Assim como amo a irmã dele, hétero, linda, rebelde, tatuada, de cabelo raspado, colorido. E eu nunca vi anormalidade em mim ao aceitar isso dentro do meu coração, porque pais aceitam filhos portadores de deficiências, aceitam filhos dependentes químicos, filhos mulherengos, alcoólatras, porque, enfim, são filhos, nasceram de nós.
Estar bem com o meu filho gay é saber que criei um ser saudável, que tem um bom coração, que vai ter respeito por quem amar, pelos filhos que tiver.
Acho que se a gente se preocupasse apenas em enxergar o que está na frente dos nossos olhos já seria um grande passo para que um filho homossexual fosse encarado como qualquer filho. Pois é o que ele é. Nasce assim. Como eu nasci cabeçuda e baixinha e sou muito grata por meu pai e minha mãe terem me amado mesmo assim. Enganar-se a respeito dos outros é uma escolha que a gente faz e a frustração decorrente disso atormenta muitos pais de homossexuais. Não adianta esperar o que não vai acontecer, nem querer que seu filho que gosta de menino case com uma linda moça para fazer a infelicidade de ambos e a sua felicidade.
Quem chegou até aqui na leitura deste texto pode estar pensando: o que essa mulher está pretendendo ao se expor assim e ao expor seu filho? Explico. Sou partidária da ideia de que dizer a verdade em voz alta nos liberta. Sempre tive a certeza de estar protegendo o meu menino, de estar dando a ele o direito de crescer e se desenvolver como a pessoa que ele nasceu. Seria hipócrita da minha parte dizer que o aceito da porta para dentro e ensinar que da porta pra fora deveria ser outro, com base naquilo que a sociedade convencionou como aceitável. Acredito que antes de a gente discutir as camadas de aceitação das pessoas ditas normais às pessoas gays (se são discretos, travestis ou transformistas) ou o direto das pessoas gays (a união homoafetiva, a adoção de crianças, a criminalização da homofobia) em relação aos nossos, os ditos normais, nós, os pais de gays, devemos, enfim, abandonar o tal do armário (estereótipo social dos mais revoltantes).
Quero muito que um dia essa minha visão predomine, que os meus filhos possam ser admirados pelo caráter, inteligência e originalidade, e que os filhos deles, os lindos netos que eu ainda vou ter, vivam num mundo em que a homossexualidade, entre outras milhares de diferenças que nós, humanos, temos, não precise ser uma causa.

*Jornalista

Comentários (277)

  • Tatiana Cruz diz: 18 de novembro de 2012

    Qualquer coisa que se diga é pequena diante de tanta luz no olhar. A Nereida arrasou. Arrasou no amor, que é o mais importante. Sempre.

  • André Da Silva Aguiar diz: 18 de novembro de 2012

    Estas certíssima!
    Parabéns, está aí uma MÃE de verdade!

  • Maicon Oliveira diz: 18 de novembro de 2012

    Respeito quem tem essa OPÇÃO sexual, em meus atendimento trato igulmente seja hetero ou homo, apesar de não concordar com esse comportamento. Bem interessante o artigo, mas tenho uma objeção quanto a frase “Pois é o que ele é. Nasce assim.” Queria saber qual a ordem cromossômica para definir um homosexual? que eu saiba só tem duas XX feminino e XY mascolino. Ou seja, homosexualidade é comportamento. Ninguem nasce homosexual, pode ser homossexual desde que se conheceu por gente, mas ou ele tem ordem cromossômica XX ou XY. Mas refrizo, respeito a ESCOLHA de cada um, apezar de não concordar com esse tipo de comortamento.

  • Helen Bandeira diz: 18 de novembro de 2012

    Parabéns a essa mãe, que apesar de ver seu filho ser discriminado dá a cara a bater e mostra todo seu amor. Amor de mãe, amiga, mulherão…quero ter o mínimo que seja da sua coragem para criar meu filhos.

  • MARIA DO CARMO COSTA RIBEIRO diz: 18 de novembro de 2012

    amo meu filho gay,percebo nele uma sabedoria,um carisma,um ser que no momento em que se encontrou e teve a coragem de me contar e partilha comigo seus anseios e expectativas me faz perceber o quanto ele cresceu como ser humano e o quanto meu apoio e compreensão fazem bem a ele.sou imensamente feliz com meu filho e estarei sempre pronta a defende-lo deste mundo hipócrita e preconceituoso.

  • Anderson Oliveira diz: 18 de novembro de 2012

    Nereida, sua linda, adorei!

  • Pedro Osório diz: 18 de novembro de 2012

    Um soco na boca do estômago daqueles que estão revestidos dos mais ignóbeis “princípios”. Que não seja em nome da cruz, em nome do próprio nome. Que seja em nome do amor. Não só de mãe, mas no amor humano. Parabéns, Nereida!

  • monica zandona diz: 18 de novembro de 2012

    Linda essa matéria… não vivo essa história… mas não tenho nada contra… admiro!

  • fabiano diz: 18 de novembro de 2012

    Puxa, ñ sei nem o que comentar. Mas agradeço por pensar assim.

  • Fernando diz: 18 de novembro de 2012

    Linda história! É realmente uma lição de vida. Parabéns pela tua postura e por colocar acima de tudo o AMOR que é tão falado e pouco utilizado, até mesmo dentro das famílias, acredito em Deus e por isso acredito no amor, fomos feitos de amor e apenas isso basta para termos um mundo melhor, que mais pessoas possam se espelhar no seu exemplo e que um dia possamos evoluir como seres humanos e seres espirituais!

  • Fabiano diz: 18 de novembro de 2012

    Que texto lindo. Parabéns por ser essa mãe linda que és! :)

  • Lucas diz: 18 de novembro de 2012

    Muito verdade, adorei o texto. a luta contra o preconceito começa com nós mesmos, em nos aceitarmos, nos respeitarmos e dizer a todas as pessoas o que somos e que não há nada de anormal ou ruim em ser homo\bisexual.

    sim, vamos colocar a cara a tapas, vamos sair em praça pública mostrando quem somos, até as pessoas entenderem que somos gente como todas as outras pessoas.

  • Stefani Vaz diz: 18 de novembro de 2012

    Coisa mais boa a sensação que dá ao ler este artigo! Que mãe linda, que ama e ama.
    Quero eu também que esta visão predomine, o amor deve sempre predominar.
    Parabéns Nereida!

  • Giovana diz: 18 de novembro de 2012

    Lindo texto e palavras perfeitamente traduzidas! Parabéns por ser abençoada de ter um filho lindo e saudável (só isso já é uma grande bênção). E que a cada dia venham pessoas diferentes capazes de inovar o mundo com ideias incríveis. Que olhar lindo!! Parabéns.

  • Diego Dama diz: 18 de novembro de 2012

    Nereida! Tu me calou! Nunca li algo

  • Léslie Zanetti diz: 18 de novembro de 2012

    A muito tempo não lia um texto com tanta sinceridade,escrito com a alma,e não com a alma de uma jornalista e sim com a alma de uma mãe que ama incondicionalmente.Parabéns pela atitude,coragem e amor.

  • Jandira Ramos diz: 18 de novembro de 2012

    A Preferencia Sexual cabe a cada um. ”Ninguém” é mais ou menos por esse motivo.E Sinceramente possuímos uma vasta gama de Problemas,neste Pais que precisam de soluções Urgentes . Educação, Saúde,Infra Estrutura como também a qualificação Profissional.Pois é no minimo Preocupante a declaração feita na Espanha pela Presidente Dilma.

  • Guto Macenna diz: 18 de novembro de 2012

    Gostaria que todas as mães tivessem esse amor e lucidez que você expressa no texto Nereida, meus parabéns de coração!

  • Joana Queiroz diz: 18 de novembro de 2012

    Estou estupefata com a grandeza dessa mulher. Um exemplo que deveria ser seguido por milhares de pais que discriminam e criam a infelicidade de seus próprios filhos, levados por um falso moralismo e religiões arcaicas que nao enxergam que o homossexualismo não é uma opção, mas está na biologia do próprio ser.

  • Márcia Berro diz: 18 de novembro de 2012

    Parabéns Nereida! Um posicionamento exemplar e a dar coragem a outras mãe e pais a mudarem seus comportamentos e deixarem de lado um posicionamento homofóbico ou simplesmente de sonhar com o que vai somente trazer felicidade a eles e não aos filhos…..

  • Rafaela Barboza diz: 18 de novembro de 2012

    Lindo! Me emocionei. Sábias palavras. Escrito com o coração, e assim nascem os mais belos textos. Palavras de uma mãe que ama não só o seu filho, mas ama muitos filhos de outras mães, não importando como eles sejam. DEMAIS!

  • Thales diz: 18 de novembro de 2012

    Mãe de verdade, sem mais.

  • Cássio Montagnani diz: 18 de novembro de 2012

    Parabéns pelo texto!! Adorei!

  • Bruno diz: 18 de novembro de 2012

    Maicon Oliveira, não leve a homossexualidade como opção, por favor!
    Mesmo que não tenham achado nada genético que explique o por quê disso.

    Mas eu, gay, te afirmo, isso não é minha escolha, é intrísico a mim. Se houvesse a OPÇÃO de escolher, você acha que haveria tantos gays reprimidos no armário por aí? Você não acha que todos esses enrustidos passariam a escolher a ser hetero simplesmente?

    Se eu tivesse a opção de escolher eu não seria gay, seria muito mais fácil, poderia trazer as namoradas pra casa sem o medo da reação dos meus pais, poderia andar na rua de mãos dadas sem o risco de ser atacado por um louco. Mas eu sou gay e tenho que aceitar, não tem o que fazer, não é ecolha!

    Ser gay é apenas UMA de milhares de caracteristicas que uma pessoa ter, ser gay não define ninguém.

  • Carlos Eduardo lando diz: 18 de novembro de 2012

    Lindo o artigo! Palavras de amor ditas com a mais pura sinceridade…. Parabéns pelo artigo e pela pessoa que és!

  • Neli Rosane Rosa Moraes diz: 18 de novembro de 2012

    Acho que não tem nada de diferençã,o amor que vale,o ser que pessõa,a importáncia é o carinho e o respeito que nós cobre de emoção por estar bem na vida,saude e paz,e o saber de disser eu te Amo?

  • Carlos diz: 18 de novembro de 2012

    Minha mãe abomina o homossexualismo e mal sabe ou finge que não sabe que tem um filho gay.

  • Amelie diz: 18 de novembro de 2012

    Lindo! Que sorte tem esse guri em ter uma mãe dessas!! Aaah, se todas fossem assim….

  • Teresinha Beatris da Silva diz: 18 de novembro de 2012

    Allan Kardec, com sabedoria escreveu: ” A pureza de coração é inseparável da simplicidade e da humildade.”, e para amar as pessoas como elas são temos que ser assim, puros de coração e humildes. Paz e Luz.!

  • Neli Rosane Rosa Moraes diz: 18 de novembro de 2012

    A diferença está na maldade,dos olhos maus, que se acham importantes não respeitando o proscimo,o poblema maior ainda quando utilisão a vida dos outros sem respeito para temtar transformar a atitude,que gera descaste que provoca lesões gravens de emoção piscológicas no ser Humano,certamente isto é questão de igninorancia não aseitando o proscimo como é?

  • Débora Sander diz: 18 de novembro de 2012

    Nereida, muito emocionante! Tendo participado, de perto e de longe da construção dessa relação tão bonita entre ti e o Tom, dá pra sentir que teu coração tava pertinho quando tu escreveu esse texto. Parabéns!

  • João diz: 18 de novembro de 2012

    Respeito a escolha de cada um, mas na minha opinião, a grande culpada de existirem homens gays e mulheres lésbicas é a própria mídia, que influência as pessoas mostrando parada gay, enfatizando os que aparecem nesse reality shows. Conforme li um comentário acima, essa história de dizer que nasceu assim é conversa pra boi dormir. Ninguém nasce assim, com o passar do tempo se torna assim, pois é manipulado. Sei que não sou o dono da verdade, e nem quero ser, mas porque a mídia não mostra coisas que vão acrescentar mais na vida do ser humano, como programas culturais, mostrem os adolescentes que ganham prêmios em olimpiadas escolares, para influenciar as crianças e adolescentes a serem mais cultos, inteligentes e sábios. Só quero reforçar que não sou preconceituoso, apenas tenho minha opinião.

  • Claudia diz: 18 de novembro de 2012

    Bruno,
    linda suas palavras, Concordo com você! Apesar de eu ser hétero, tenho amigos gays e sei como eles sofrem com toda a discriminação. Se fosse uma escolha, ou se fosse possível se fazer um esforço para mudar, seria muito mais fácil escolher ser hétero. Abraços

  • Rosélli Ortiz diz: 18 de novembro de 2012

    Gostei muito do que li, um texto com a simplicidade de quem sabe amar incondicionalmente.

  • Gabriel diz: 18 de novembro de 2012

    Belo texto, Nereida. Tu tens sorte de ter um filho que parece ser uma ótima pessoa… e ele, igualmente tem muita sorte por ter uma mãe que o educa, apoia e ama dessa forma.

    Muitas pessoas têm medo demais do julgamento alheio do que de fazer seus filhos pessoas infelizes. Essas pessoas, frequentemente, são elas próprias infelizes ou incompletas pelo mesmo motivo. Preocupem-se em educar boas pessoas e, aí sim, estarão contribuindo para uma sociedade melhor.

  • Kati diz: 18 de novembro de 2012

    Está cientificamente comprovado que homossexualidade não é uma opção, não é escolha.
    Parabéns pelo belo texto!

  • Lilian diz: 18 de novembro de 2012

    Lindo o texto,sou mãe de dois lindos meninos e pode ter certeza que lutaria pela mesma forma,defendendo e expressando o grande amor que sente pelo seu filho,e tentando abrir a mente dessas pessoas mesquinhas que encistem enxergar o preconceito, patético…Cada um faz a escolha que quiser.Respeitar é fato. Inteligente é não deixar despercebido da sociedade que ainda se tem o preconceito.FELIZES das mães que dão a mão para esses filhos e seguem junto com eles nessa batalha.

  • Vicky diz: 18 de novembro de 2012

    Maicon Oliveira, você para bom entendedor de genética está esquecido que existem mulheres XY e homens XX, não é mesmo? Existem alterações cromossômicas, acho que deverias ler mais sobre o assunto.
    E o nosso cariótipo não determina orientação sexual, assim como não existe UM gene gay, isto é besteira e falta de conhecimento de genética. São vários genes que determinam um montante de coisas em nossa vida. São pouquíssimas as coisas que dependem de apenas UM gene, e entre elas estão as doenças ou síndromes. A Síndrome de Down, por exemplo, é a existência de três cromossomos 21.
    Orientação sexual não tem nada a ver com o que falastes, então te sugiro estudar mais.

  • Alessandra Pacheco diz: 18 de novembro de 2012

    Amei o texto!Parabéns!Saiba que pessoas verdadeiras, humanas e do bem não vão questionar a tua opção de te expor e “ao teu menino” como tu tão lindamente colocas…Inspirador, muita felicidade para vocês.

  • alexandre machado diz: 18 de novembro de 2012

    Eneida,
    Que texto lindo e sensível. Quantos anos não te vejo e percebo que estás cada dia melhor. Fica com Deus.

  • Lúcia Streck diz: 18 de novembro de 2012

    Texto lindo, relato de alma aberta, transbordante de amor. Amor incondicional. Emocionante!

  • Renata diz: 18 de novembro de 2012

    João,

    quer dizer q antes da mídia não existiam pessoas homossexuais? Por favor…

    Parabéns pela mamãe deste texto. Lindo demais, me emocionei.

  • Wagner diz: 18 de novembro de 2012

    Maravilhoso texto, e mais maravilhosa ainda és tu Nereida, concordo contigo que a maioria dos pais prefere negar as diferenças que vê e apenas aceitar entre quatro paredes a orientação dos filhos, o que só acarreta em mágoa e frustrações para ambos os lados.
    À leitora Vicky, concordo plenamente com tua resposta. E a todos os outros que insistem que sexualidade é uma OPÇÃO, peço que deixem registrado aqui com que idade ESCOLHERAM sua sexualidade (vai ver dá tempo de voltar atrás na escolha né… riso irônico).

  • Larissa diz: 18 de novembro de 2012

    Caro João, qual midia influenciou Leonardo da Vinci a ser gay? ou Sócrates….alexandre o grande, maria antonieta, oscar wilde…

    Ser homossexual é sentir atração pelo mesmo sexo e ponto. se fosse escolha seria mais facil escolher ser hetero e aceito pela sociedade, se fosse influencia minhas amigas heteros teriam me influenciado a ser hetero.

    nao aguento mais ler besteiras de gente que nem pensa antes de escrever aq………

  • Mirrele Bulmini diz: 18 de novembro de 2012

    Ainda não sou mãe…mas quando eu for, terei exemplos lindos como esse para amar meus filhos, respeitando-os e entregando-os pro mundo, assim como deve ser. Entregando-os pro mundo da forma que eles decidiam ser, mas que junto com eles sempre, seja carregado todo amor que eles receberão de mim.

  • Ezequiel diz: 18 de novembro de 2012

    Nereida seu texto está impecável, gostaria que minha mãe pensasse assim…Quanto aos senhores que comentaram que “isso é conversa pra boi dormir” só tenho a dizer que não escolhi ser gay, ou vocês crêem que se eu pudesse não deixaria as coisas mais fáceis pra mim? O que vocês comentaram é ignorância, preconceito e falta de informação sobre genética. E o senhor acima que comentou sobre a influência da mídia como fator para “opção sexual”? O senhor não pode ter falado sério.

  • Emília diz: 18 de novembro de 2012

    que exemplo tu és. parabéns!

  • Valquiria diz: 18 de novembro de 2012

    Que prazer em ler um texto como o seu ,também sou mãe de gays(sim são dois) e suas palavras dizem exatamente o que gostaria de dizer. Parabéns a vc e ao seu filho que com certeza é feliz e bem resolvido.

  • Silvia Regina Macedo diz: 18 de novembro de 2012

    Como profissional da Educação, minha alma fica aliviada e feliz ao ver tão sincero depoimento e explico: tão bom ver nossos jovens sendo pessoas dotadas de liberdade, coisa que na nossa época não tínhamos. Alimentar e encaminhar essa liberdade é tudo que um país precisa. E se essa liberdade vem da família, da mãe ser tão especial a quem Deus deu o dom de receber anjos e encaminhá-los neste mundo tão perverso, é tudo que precisamos para a construção de um mundo melhor que com certeza passará pelas mão dos nosso jovens. Deus te abençoe sempre.

  • Jonas Tochieli diz: 18 de novembro de 2012

    Saudável até pegar aids na próxima balada

  • Marcio diz: 18 de novembro de 2012

    Nereida, parabéns pelo belíssimo depoimento! Quisera a sociedade fosse composta por mais pessoas com o teu caráter e inteligência!

    E caro leitor João, será mesmo possível, que em pleno século XXI, alguém venha “culpar” a mídia pela existência da homossexualidade? E pior, fazer uma associação como se nós, homossexuais, não fôssemos cultos o suficiente, e por isso o tornamos? POR FAVOR! É por pessoas como você que a nossa sociedade não evolui, infelizmente!

  • Francine Virote diz: 18 de novembro de 2012

    Enquanto alguns acharem que detém o poder de aceitar ou não a escolha e a condição do outro, o mundo vai ser assim… essa coisinha muito bem organizada e desrespeitosa que é. Com todo o meu respeito mas a escolha do verbo “aceitar” me parece incorreta. Não te parece que quem ama nem ao mesmo cogitaria aceitar ou não? Por fim, colocar a homossexualidade na mesma vala da dependência química e o alcoolismo é triste.

  • Gui diz: 18 de novembro de 2012

    Que sorte a dele. E que prazer de ler esse texto. Queria eu – como muitos outros – que minha mãe tivesse a capacidade de enxergar as coisas desse jeito, simples como são. Espero um dia poder ver mais mães por aí partilharem do teu ponto de vista, quem sabe um dia até a minha. ♥

  • Anderson Di’Marchi diz: 18 de novembro de 2012

    Quem leu o texto, do querido Guzzo, da revista Veja, edição de Novembro? Da uma lida la.

    A Nereida, em palavras simples, mostrou o que é ter cultura, mente aberta, amor.
    Ja nosso querido ( ironia ) Guzzo, mostrou como és pobre de sabedoria. Um perfeito jegue!

  • Julio diz: 18 de novembro de 2012

    Maicon Oliveira, ao invés de tentar saber o ”cromosso” que habita a homossexualidade, aprenda o Português, sua língua mãe. A quantidade de palavras escrita erroneamente mostra-nos que o preconceito está sempre ligado a baixa classe intelectual.

  • Anderson Oliveira diz: 18 de novembro de 2012

    Jonas Tochieli, larga a mão de ser burro. Eu não acredito que li isso antes de pegar no sono. HAHAHAH

    Só homossexuais pegam AIDS? como assim, é isso produção? Eu tenho q trocar meus óculos. Eles me fazem ler coisas de outro mundo.

  • Anderson Oliveira diz: 18 de novembro de 2012

    Li pela décima vez. É muito confortante.

    Ai que loucura!

  • Luis diz: 18 de novembro de 2012

    Perfeitas palavras. De fato, não é uma escolha. Se é assim e pronto, se nasce com gay ou hétero.
    Para um gay, a felicidade tem seu auge no momento em que não é mais necessário se esconder para pai e mãe. Se estes sabem, todo o peso das costas se foi… Qualquer um pode saber…
    Seja o que quiser, seja feliz.

  • Rosany Farias diz: 18 de novembro de 2012

    Jonas Tochieli: Podes ter certeza de que terás (se já não tens) filhos que só te trarão desgostos e vergonha por toda a tua vida miserável. E AIDS será pouco… Tua postura revela algo bem oculto lá no fundo da tua personalidade deformada.
    Nereida: este filho vai te dar tanta alegria e orgulho que superarás qualquer ignorância e boçalidade como a deste infeliz acima!

  • Rosany Farias diz: 18 de novembro de 2012

    Jonas Tochieli: podes ter certeza de que terás (se já não tens) filhos que só te trarão desgostos e vergonha para a tua vida miserável. E AIDS será pouco… Tua postura revela algo bem oculto lá no fundo da tua personalidade deformada.
    Nereida: este filho vai te dar tanta alegria e orgulho que superarás qualquer ignorância e boçalidade como a deste infeliz acima!

  • Otávio diz: 18 de novembro de 2012

    Bom, o que vejo muito, e aqui não é diferente, são pessoas confundindo a questão do sexo biológico (XX ou XY) com as questões de identidade de gênero e de identidade sexual. O gênero e as possibilidades de expressar a sexualidade são construídos socialmente a partir de experimentações ao longo da vida em uma determinada cultura, dessa forma, não concordar com a homossexualidade por “biologicamente” estar inscrito nos cromossomos masculinos as “letras” XY é reafirmar a visão naturalista da questão, na qual o nascer com um pênis deveria, naturalmente, conduzir o indivíduo a “práticas mais masculinas”. Boas leituras poderiam esclarecer melhor essas questões ainda tão confusas para muitos/as. Excelente texto!

  • Vera Ramos diz: 18 de novembro de 2012

    Como é bom ver uma mãe evoluída, amiga e corajosa como Nereida. O mundo seria bem melhor se existissem mais mães e pais dispostos a expressar o amor que sentem apoiando, defendendo e respeitando as escolhas desses seres a que chamamos de filhos e que são parte das nossas vidas.

  • Ana Cláudia diz: 18 de novembro de 2012

    Emocionante e engrandecedor uma mãe compartilhar seus sentimentos como Nereida fez. Um exemplo maravilhoso a ser seguido por muitos. E também congratulo-me com todos os felizes leitores de um jornal digno e correto como Zero Hora, onde este relato sincero e iluminado ganha não só publicação, mas um espaço especial dentro da sua edição dominical. Num momento atual em que tivemos a grande decepção de ler numa revista de projeção nacional um artigo escrito por um de seus colunistas regulares com conteúdo no mínimo constrangedor e perpetuador de preconceitos sobre a questão homossexual, encontrar este texto para mim foi um lenitivo. Obrigada, Nereida. Obrigada, Zero Hora.

  • Imara diz: 18 de novembro de 2012

    Amei quase todo o texto. Só não amei (ou não entendi) a frase: “E eu nunca vi anormalidade em mim ao aceitar isso dentro do meu coração, porque pais aceitam filhos portadores de deficiências, aceitam filhos dependentes químicos, filhos mulherengos, alcoólatras, porque, enfim, são filhos, nasceram de nós.”Acho que são condições incomparáveis umas com as outras e, no momento em que a autora as coloca lado a lado, deixa perceptível que, para ela, ser gay não é normal. Sinceramente, para mim não é questão de aceitar, como quem é resignado a uma condição (aceito ser mãe de um gay). É muito menos trágico e preconceituoso, acho que eu diria assim: “Este é MEU FILHO, que eu AMO. E ponto. Ah! Sim, ele é gay, e daí? Sem problemas. Ele gosta de pessoas do mesmo sexo. E seu filho? Gosta de quem, ou do quê? Você sabe o que faz ele feliz?”

  • Otávio diz: 18 de novembro de 2012

    Bom, o que vejo muito, e aqui não é diferente, são pessoas confundindo a questão do sexo biológico (XX ou XY) com as questões de identidade de gênero e de identidade sexual. O gênero e as possibilidades de expressar a sexualidade são construídos socialmente a partir de experimentações ao longo da vida em uma determinada cultura, dessa forma, não concordar com a homossexualidade por “biologicamente” estar inscrito nos cromossomos masculinos as “letras” XY é reafirmar a visão naturalista da questão, na qual o nascer com um pênis deveria, naturalmente, conduzir o indivíduo a “práticas mais masculinas”. Boas leituras poderiam esclarecer melhor essas questões ainda tão confusas para muitos/as. Excelente texto!!

  • Lucas diz: 18 de novembro de 2012

    Adorei seu texto
    É difícil para boa parte da massa popular aceitar que a homossexualidade, bissexualidade ou heterossexualidade (entre tantas outras) não vem a ser uma mera escolha, como o par de sapatos que usarei no jantar de hoje. Não é assim, não escolhemos a nossa orientação sexual assim como não escolhemos o timbre da nossa voz.
    O que você expôs confortou muitas pessoas, porém lutar contra uma sociedade machista é um desafio e tanto… acredito que seja sim possível acordar um dia e poder sair de mãos dadas com meu namorado na rua, sem olhares tortos de espíritos de porcos. Mas para esse dia chegar muita coisa terá que mudar ainda e o começo dessa mudança acontece na cabeça de cada um.

    Parabéns, tenho certeza que seu texto cativou muitas mães por ai, inclusive a minha, tão preocupada com o mundo lá fora, esquecendo que o importante é ser feliz, não importa com quem ^^
    Obrigado.

  • Sonny Monteiro diz: 18 de novembro de 2012

    Eu sou hétero. Eu tenho amigos gays. Muitos deles desejariam com toda a vontade do mundo ter tido mães como você foi pros seus filhos. Parabéns.

  • Rodrigo diz: 18 de novembro de 2012

    Lindas palavras!! Parabéns!!

    João e Maicon Oliveira!!!
    Em primeiro lugar, ser homossexual, não é opção, nem falta de carater, nem falta de “vergonha na cara”, nem influência da mídia!!!
    Quanto a opinião de vocês, beleza, respeito enquanto não levantarem bandeira contra já to no lucro!!
    Sou homossexual não por mídia: minha adolescência foi na década de 90, com muitas bundas na televisão e isso não me fez héterossexual… naquele tempo não tinham realities então garanto q eles não me influenciaram tb.. antes mais cazuza, renato russo, ney matogrosso nasceram e cresceram numa época que mal se tinha televisão…. Na Roma e Grécia antiga era normal isso.. ONDE ESTAVA A MÍDIA??
    SERÁ QUE NA ENTRADA DO PARTENON OU NOS INTERVALOS DAS LUTAS DOS GLADIADORES EXISTIAM COMERCIAIS PARA AS PESSOAS SEREM HOMOSSEXUAIS??
    Quanto a cultura… concordo plenamente que nossa mídia, principalmente aberta é apelativa e pouco cultural… mas poxa.. parem e pensem.. um noticiário falar sobre uma parada gay não vai fazer ninguém gay…
    Sou gay porque faz parte de mim.. Isso faz tão parte de mim quanto eu ter aptidões….

  • Marcelo diz: 18 de novembro de 2012

    Parabéns pelo texto!

    Maicon, certamente não é uma opção. Se eu tivesse a oportunidade de escolher, jamais escolheria ser gay. Seria tão bom poder escolher sentir atracão por mulheres. Namorar sem ser julgado, andar de mãos dadas sem temer ser agredido, fazer todos os programas que casais héteros fazem mas sem os olhares tortos, sem as fofocas, sem o preconceito, sem o constrangimento que atinge inclusive a família.

    Por um longo tempo da minha vida eu relutei e tentei ser hétero. Achava que poderia escolher. Ledo engano. Não é opção sexual, é condição sexual. E não conhedemos 99% do nosso código genético para você afirmar que não se nasce gay.

    Atender de forma igual não é respeitar, é cumprir obrigação legal. Respeitar de verdade é não julgar, é não supor que trata-se de mera escolha. É não negar que se trata de algo da natureza humana.

    E João, que piada essa de mídia hem!

  • Karla diz: 19 de novembro de 2012

    Importantíssima essa matéria, pois já ouvi falar em
    pai que se matou quando descobriu a homossexualidade do filho! Acho que o sucesso e felicidade dos pais retira do filho a projeção de realização pessoal que o próprio genitor cria pra refazer sua história! Parabéns! Que hajam mais pais como você, como minha mãe e todos que conseguem superar ou sequer ter preconceito com algo tão pouco importante pra formação do caráter: a orientação sexual!

  • Jean diz: 19 de novembro de 2012

    Sábias palávras, em tempos de tanta exposição sobre esse assunto, é maravilhoso ver uma pessoa usar um espaço de ideias, debates como um jornal desse porte para mostrar ao mundo como tudo é tão simples, e como é ridículo nos enganar e forçar os outros a se enganarem tão profundamente por puro egoísmo e ignorância…

  • Jean diz: 19 de novembro de 2012

    Jonas Tochieli, só gays que pegam AIDS, né? As mulheres dos caminhoneiros heteros pegam o quê? rsrsrs

  • Chel diz: 19 de novembro de 2012

    Lindas palavras, você disse em outras, que, aceitou ele antes mesmo da opção sexual ser vista por ele. Quando criança, não conseguimos definir o que somos exatamente, você o orientou corretamente, o que não acontece na maioria das familias. Seria interessante uma visão também da mãe que, passa a aceitar ou não o(a) filho(a) gay no momento em que descobre por ele mesmo após a sua aceitação pessoal. ‘ É importante o filho se aceitar primeiro e então se sentir amado pelas pessoas que ama”
    Parabéns pela sua opinião e por sua história de vida com seus dois filhos, que, se orgulham certamente em ter uma mãe como você.

  • Iuri Palma diz: 19 de novembro de 2012

    Nereida,

    parabéns pelo artigo. Sou gay perfeitamente incluído na pátria, família e sociedade. Mas a coisa nem sempre foi assim e, durante minha trajetória, sofri diversos preconceitos e discriminações. É deveras reconfortante saber que existem pessoas como tu, que estão aqui para fazer a diferença e fazer a vida mais bela.

    bjs

  • Elderson Gomes diz: 19 de novembro de 2012

    Texto fantástico!!!!!! não há o que retirar por estar equivocado. cada linha, cada palavra está mais que perfeita!!!!! parabéns!
    um parênteses: quem acha que a homossexualidade um COMPORTAMENTO pq só existe o XX e o XY está achando que tudo que define o ser humano está restrito ao cromossomo sexual e nada mais….. a homossexualidade não é adquirada tampouco ensinada pra ser um comportamento

  • Cássio Poerschke diz: 19 de novembro de 2012

    Estou impressionado não exatamente com o texto, mas com a quantidade muito maior de comentários de apoio e a favor, esclarecidos, do que foi escrito do que contrários, preconceituosos e ignorantes. Muito diferente do que já vi em relação a outros textos por aí. Parabéns, Nereide! E obrigado, gente. Ainda dá pra ter fé.

  • Dimitri diz: 19 de novembro de 2012

    Graças a Deus tenho uma mãe que me aceita como filho também, independente da minha orientação sexual, que me apoia e participa ativamente da causa e da minha vida. É bom saber que existem tantas outras espalhadas pelo mundo exercendo o verdadeiro papel de mãe e ajudando seus filhos a lidarem com as adversidades a que somos submetidos o tempo todo. Nereida, parabéns.

  • felipe diz: 19 de novembro de 2012

    Belíssimo texto, nota-se claramente o amor de uma mãe que não se importa com o que virá pela frente, desde que se tenha respeito um ao outro, o resto é o resto.
    Fiquei pasmo ao ver certos tipos de comentários por aqui em pleno 2012…quanta ignorância credo!!!
    Para os 3 desinformados, antes de publicarem qualquer bobagem, procurem se informar antes, ler, interagir do assunto para não falar coisas que não sabem.
    Simplesmente pessoas como essas não aceitam o fato de nós gays EVOLUIRMOS na vida, e somos bons em tudo que fizemos, somos inteligentes, intelectuais, sim lemos livros, nos formamos em ótimas faculdades, gostamos de viajar e muito, gastamos (gays são o público que mais gasta no mundo) onde faz girar o capital, como a maioria não tem filhos (devido a tamanha burocracia) se divertem das melhores maneiras possíveis.E como os héteros saem para baladas, bebem, dançam e flertam sim qual o problema?? não é por ficar com 2 caras na mesma noite que irei pegar aids, a diferença está em eu estar ciente dos riscos tendo relação se proteção, já alguns héteros ficam com 8 ou 10 gurias e acham que estão livres de pegar aids??ACORDEM!!!

  • Fabian diz: 19 de novembro de 2012

    Excelente texto sem duvida! Acredito que minha mae hoje tenha uma visão parecida com a tua!

    Uma coisa que eu na consigo entender é porque tem pessoas que não entendem nada do mundo gay (afinal, é muito mais do que uma simples Parada Gay) e querem vir aqui dar uma aula de ciencias, biologia, mídia, comunicação e seja la o que for. É realmente frustrante ler certos comentários acima. Na realidade eu me sinto revoltado com tamanho da ignorância do ser humano nos tempos de hoje. Acho que antes de comentar teriam que estudar muito sobre a historia toda pra saber que existe homossexuais antes de Jesus existir, e pelo que eu saiba nessa época a midia nao existia pra poder influencia-los…

    E também nao entendo porque essas pessoas vem até aqui, leem o texto e ainda querem comentar, sendo que o foco desse teu texto é principalmente o amor que uma mãe sente e que isso nunca vai mudar, independente da orientação sexual do seu filho.

    Digo mais uma vez, excelente texto, e quisera eu que a maioria das mães, pais, familiares pensassem assim como você!

  • Sergio Viula diz: 19 de novembro de 2012

    Que delícia de artigo! Obrigado por nos brindar com essa taça de equilíbrio e leveza!

    Abraço,
    Sergio Viula

  • Ana Rita diz: 19 de novembro de 2012

    Belíssimo, Nereida! Parabéns pela inciativa de se manifestar.

  • Flávio diz: 19 de novembro de 2012

    Fica claro no texto a falta de referencial simbólico masculino na criação do menino o que demostra mais uma vez que homossexualismo é comportamento.

  • Henrique diz: 19 de novembro de 2012

    Parabéns Nereida. Se mais mães como você se posicionassem dessa forma, viveríamos em um mundo mais fraterno.
    Maicon Oliveira: “em meus atendimento” significa o quê? Você por acaso é psiquiatra ou psicólogo? Nesse caso precisar repensar sua “opção” profissional.

  • Roberto diz: 19 de novembro de 2012

    Flavio, tu é homossexual pra dizer que é comportamento? Não né. Comentário sem nexo algum. Eu sou gay, tenho pai e um irmão, logo, tenho referencial simbólico masculino na familia, meu irmão é hetero, e eu sou gay, sempre fui e sempre soube desde criança, Agora me diz, o que o teu comentário tem a acrescentar alguma coisa?

  • Gabriele diz: 19 de novembro de 2012

    O mundo precisa de mais mães assim! Mães compreenssivas, mães corajosas, mães amorosas, mães que colocam a felicidade dos filhos na frente das opiniões vazias dos preconceituosos. Parabéns!

  • teodosio diz: 19 de novembro de 2012

    Nada de surpreendente, a menos que se compare com aqueles pais que expulsam os filhos de casa ou espancam por conta disso. Se o filho ou filha nasce homossexual, não deixa de ser um pedaço da gente ainda, nossos filhos! Normal…melhor ter um filho homossexual do que ter um assassino, bandido, estuprador, vagabundo, mensaleiro, etc…
    Mas, é bom que fique claro, o preferível era ele ter nascido hetero! Não é?

  • Vitor diz: 19 de novembro de 2012

    Parabéns pelo texto! O que você faz é lindo!
    Queria eu que minha mãe se comportasse assim, queria eu que todas as mães/pais de homossexuais se comportassem assim. Isso significa muito pra gente, muito!

  • Tiago Rech diz: 19 de novembro de 2012

    Teodosio, preferível para ti, né? Deixe claro isso da próxima vez, não generalize. Hétero, gay, bissexual, transexual, assexuado, qualquer decisão que meus filhos tomarem, terão meu apoio incondicional. O que eu quero é a felicidade deles.

  • Henrique Leal diz: 19 de novembro de 2012

    Nereida querida! O que posso dizer após ler tuas lindas palavras… A emoção neste momento toma conta do meu ser!
    Embora eu seja super tranquilo com minha homosexualidade, e de meus pais saberem e me aceitarem… estou imprimindo seu texto para oferecer esta saudável leitura aos mesmos e a quem poder interessar… Torço para que mais pessoas com a tua liberdade de pensamento e coragem tenha interesse pela escrita, que saia do anonimato e venha trazer suas colocações a todos, para que a partir disto possamos pluralizar a diversidade de ser!
    (sabes que me dispertou uma vontade imensa de te conhecer pessoalmente e conversar contigo, deves ter um papo maravillhoso hehehe).
    Forte abraço…
    Att, Henrique Leal.

  • Cláudio Coutinho da Silva diz: 19 de novembro de 2012

    Parabéns pelo seu texto, Nereida ! Fantástico ! Eu tenho fé que um dia, mães como você serão maioria e então não haverá a necessidade de se escrever um texto como esse, porque os conceitos serão intrínsecos à maioria das mães e dos seres humanos. Então, os adolescentes e/ou crianças gays não serão obrigados a passar muito do que a minha geração passou (e olha que a minha já foi melhor do que as anteriores). Muito provavelmente, eu não verei esse dia chegar (pelo menos não nessa encarnação), dada a estupidez, ignorância, preconceito e/ou homofobia internalizada de alguns comentários acima, bem como os verificados em algumas pessoas na vida real. Idéias como “a influência da mídia na homossexualidade”, “a homossexualidade como determinante no contágio pela AIDS” e “falta de referencial masculino na criação do menino gay” e coisas do gênero… O conceito de uma identidade, dotada de e definida a partir da sexualidade, que não é necessariamente a fisiológica, mas a que é baseada em conceitos como levar o nome da família adiante, com todos os rituais intrínsecos como o casamento, a geração da prole, só me leva a crer que, originalmente, todos somos bissexuais e que só a experimentação desperta o caminho real a ser seguido. Daí, se tem toda uma cultura da heterossexualidade compulsória. Mas esses conceitos são meio demais para o nível dos autores de determinados comentários aqui, né?

  • Eduardo diz: 19 de novembro de 2012

    Faço minhas às belas palavras do Gabriel: “O mundo precisa de mais mães assim! Mães compreenssivas, mães corajosas, mães amorosas, mães que colocam a felicidade dos filhos na frente das opiniões vazias dos preconceituosos. Parabéns!”

    Perfeito.

  • SIMONE diz: 19 de novembro de 2012

    Nereida quero parabenizá-la pelo excelente depoimento, o qual, me identifico plenamente. Parabéns pela sua coragem e determinação, que só uma mãe de verdade e de um grande caráter, seria capaz de fazer essa revelação.Parabéns!

  • Beatriz diz: 19 de novembro de 2012

    Ai, eu que mãezona! qeria uma assiim =P

  • Meu filho é gay e eu estou bem! « (Des)focalizando diz: 19 de novembro de 2012

    [...] originalmente publicado na coluna Opinião ZH, do jornal Zero Hora, no dia 18 de novembro de 2012.  Share this:TwitterFacebookGostar [...]

  • Bruno diz: 20 de novembro de 2012

    Nereida, sou seu fã! Ter o apoio dos pais é muitíssimo importante.

  • Augusto Riffel diz: 20 de novembro de 2012

    Realmente deve ser opção. Afinal a gente sempre escolhe ser dicriminado, esconder nosso namoro, correr o risco de perder emprego e casa. Essa nossa escolha deve ser acompanhada de muita teimosia porque desde que me lembro por gente, ou gentinha, devia ter uns 5 ou 6 anos no máximo, escolhi gostar de garotos, e hoje, quase 15 anos depois continuo com essa mesma opção. A maioria dos gays que conheço também reconhece que optou por ser homossexual desde muito cedo. Isso é viver intensamente. Só fico na dúvida. A partir de quê idade as pessoas costumam optar por ser héteros?

  • tadeu alsair costa alves diz: 20 de novembro de 2012

    mulher como esta eu quero é na minha cama, c/ certeza.

  • Ana Souza diz: 20 de novembro de 2012

    Comentário excelente!! Um grande serviço prestado à sociedade !!! à todos indistintamente..
    Uma observação à Parte: quando plantamos um gerânio azul em um vaso com grande quantidade de ferro (lata) o gerânio azul passa a adquirir a coloração rosa. Qual a coloração mais bonita? Depende do gosto de cada um !!!
    Na verdade a PUNIÇÃO devida a condição homossexual ainda CONTINUA MUITO ALTA!! Não para as pessoas que NÃO conhecemos ou que não são parte do nosso circulo social /familiar / PROFISSIONAL.. Na real, É MUITO DIFICIL COMPETIR PROFISSIONALMENTE na condição de homossexual. Os direitos são concedidos como FAVORES ou ATOS HERÓICOS.. Quanto menos desenvolvido o país MAIS CRUEL A RETALIAÇÃO INVISÍVEL, mas EFETIVA práticamente.. O Brasil eh um país sem ética em todos os níveis da atividade humana !!!
    Parabéns a esta mãe e muita força !!! Comprar esta causa eh para poucos!!! Tens toda a minha força e luz !!!!

  • Rodrigo diz: 20 de novembro de 2012

    Pô, ainda tem gente que chama de OPÇÃO? Vai estudar, tchê.

  • joao bal.camboriu diz: 20 de novembro de 2012

    parabens,nao te conheço + te dou todo apoio.

  • Andre diz: 20 de novembro de 2012

    Nereida parabéns pela coragem, pelo texto e principalmente por aceitar teus filhos do jeito que SÃO!!!

    E parabéns as pessoas que postaram mensagens de apoio. Isto demonstra – aqui – que há mais gente com mentalidade aberta do que gente ‘preconceituosa’.

    Maicon Oliveira, discordo em algumas partes do teu comentario. Mas fico feliz em saber que vc pelo menos respeita os Gays. Talvés o que te falte seja um pouco mais de entendimento sobre o assunto ‘homosexualidade’. Leia mais sobre o assunto para que sua mente se abra e possa refletir melhor sobre tal.

    Carlos, com certeza tua mãe apenas finge não saber a tua verdade. Qto ao termo ‘homossexualismo’ esta incorreto[ao meu ver]. Leia meu proximo post!

    João, discordo da tua posição em achar que mídia é a ‘culpada’ por existir Gays. Leia meu proximo post e veja o que acha dos escritos. Mas que bom saber que vc não é homofobico!!!

  • Andre diz: 20 de novembro de 2012

    Resolvi escrever este post pq acredito que o papel destes comentarios vão além de dizer ‘concordo’, ‘discordo’, etc. É preciso contribuir um pouco mais…. é preciso auxiliar trazendo pensamentos, palavras para todos. Assim as pessoas terão maior número de informações para fazer as devidas reflexoes. Lá vai…

    Por muito tempo, a atração de pessoas pelo mesmo sexo foi considerada uma doença. O termo que se usava era ‘homossexualismo’ (o sufixo ‘ismo’ é usado para palavras associadas a doenças). Hoje, o correto é usar ‘homossexualidade’, ou seja, com o sufixo ‘dade’ que, segundo o psicólogo João Batista Pedrosa, significa ‘maneira de ser’.

    Foi com médico alemão Magnus Hirschfeld que se começou a deixar de lado a terminologia ‘homossexualismo’. Hirschfeld, na década de 1920, divulgou a idéia de que a homossexualidade não é uma doença, mas sim tem origem biológica.

    Entretanto, o que podemos falar geneticamente sobre a homossexualidade? O que a ciência explica sobre o assunto que o torna ‘natural’? Boas respostas podem ser encontradas nos escritos de Allan e Barbara Pease (2000), autores de um dos livros mais vendidos sobre sexualidade no mundo. Eles nos dizem que o padrão básico de formação do corpo e do cérebro do feto é feminino.
    (…) entre seis e oito semanas depois da concepção, o feto do sexo masculino (XY) recebe uma dose maciça de hormônios chamados androgênios que, primeiro, formam os testículos e, num segundo momento, alteram o cérebro de um formato feminino para uma configuração masculina. Quando esse feto não recebe na época certa a quantidade suficiente de hormônio, duas coisas podem acontecer. Primeiro, nascer um menino com o cérebro estruturalmente mais feminino do que masculino e que, provavelmente, vai se descobrir gay na adolescência. Segundo, um bebê geneticamente do sexo masculino, com os genitais correspondentes e o funcionamento do cérebro inteiramente feminino um transexual.

    Ainda, a homossexualidade sempre existiu. Segundo Allan e Barbara, a homossexualidade masculina, na Grécia antiga, era não só permitida como altamente respeitada. O cristianismo veio condenar o relacionamento entre pessoas do mesmo sexo. “Na era vitoriana, até a existência da homossexualidade era negada. Se descoberta, era considerada obra do diabo e punida com severidade”.

    Para finalizar uma definição ‘mais correta’. Pedrosa escreve que gay é a pessoa homossexual que se sente atraída afetivamente e sexualmente por outra do mesmo sexo. Assim, o termo ‘gay’ deve referir-se tanto a homens quanto a mulheres, porém, em nosso país, ‘gay’ é costumeiramente usado para homens, e ‘lésbica’ é a palavra utilizada para definir mulheres homossexuais.

    Espero ter contribuido!

  • Karen Grein diz: 20 de novembro de 2012

    Lindo e sensível! Minha mãe e meus irmãos fazem parte desse seleto grupo de pessoas iluminadas que respeitam minha sexulidade. Não pedi para nascer gay, mas tive a alegria de ter pessoas que apoiam a minha felicidades e liberdade.

  • Cassio Lamb diz: 20 de novembro de 2012

    sou gay,casado e muito feliz,tenho pais ,irmãos,amigos e sogros maravilhosos que compartilham da mesma opinião que Nereida,esta mãe exemplar…
    O mundo esta evoluindo e percebo que existe mais tolerância e respeito entre as pessoas
    Parabéns Nereida
    Abraço a todos

    Cassio Lamb

  • Aline Gomez diz: 20 de novembro de 2012

    Li esta texto somente hoje, mas certamente meu dia vai terminar de uma forma diferente de como começou. Qualquer tipo de preconceito é burro demais para ser discutido. Mal sabem algumas pessoas que homens gays podem ser melhores amigos do que mulheres hétero. Incrível não conhecer alguém mas ter adimiração pela pessoa, esse é meu sentimento em relação a Nereida. Parabéns, lendo o que escreveu é possível ter certeza que seus filhos são formas que devem usadas como molde para um mundo melhor!

  • Karen Pereira diz: 20 de novembro de 2012

    Nereida, parabéns. Como muitos outros aqui que comentaram, eu também gostaria que minha mãe pensasse assim. Continue sendo o exemplo de mãe que és. Beijos.

  • Bruno diz: 20 de novembro de 2012

    Belo artigo! Infelizmente, pessoas ignorantes como o Maicon Oliveira sempre existirão… mas eu tenho esperança de que cada vez menos!

  • André diz: 20 de novembro de 2012

    Ser hetero ou homossexual não é opção/preferência!

  • Ana Souza diz: 20 de novembro de 2012

    Parabenizo a todos pelos comentários de excelente nível !!!
    Mas voltando à questão da ACEITAÇÃO DIÁRIA da condição do homossexual – o ‘dia-’-dia’, a convivência profissional / social e familiar: são QUESTÕES MUITO COMPLEXAS.
    No local de trabalho: o reconhecimento do talento e das capacidades de um indivíduo que se assume abertamente homossexual – SÃO MUITO MAIS RARAS e quando acontecem, tem CONOTAÇÃO POLITICA e não estão FUNDAMENTADOS NO MÉRITO PROFISSIONAL do indivíduo;
    Na família: a maioria das famílias – SEM COMENTÁRIOS – EH VERGONHA EM CIMA DE VERGONHA;
    Na vida Social: COMPLICADO!! Nas melhores festas: os homossexuais são convidados??
    Na Mídia / Pessoas Desconhecidas: ÓTIMO !!! NÃO HÁ DIFERENÇAS !!!
    COMO MUDAR O PRINCIPAL: a VIDA PROFISSIONAL, A FAMILIA E A SOCIEDADE PRÒXIMA (do dia-a-dia)/AMIGOS DE VERDADE (infância,etc..). Sem a aceitação destes três (03) elementos não há AUTO-ESTIMA QUE RESISTA…
    COMO MUDAR DE VERDADE ESTE QUADRO??

  • Fabrício Valverde diz: 20 de novembro de 2012

    Um texto lúcido, sincero, emocionante e simples, assim como deveria ser o tratamento dado aos gays. Espero que muitos pais de gays o leiam. Parabéns!

  • Luciano Rene diz: 20 de novembro de 2012

    Texto muito legal, comentários: alguns sim outros nem tanto.
    Ainda fico perplexo que no século 21 existem pessoas que achem que o homossexualismo é opção de vida, como também de pessoas que acreditam que para se ter sucesso tanto na vida profissional como na pessoal deva-se nascer branco e hétero. Meu Deus, abram a mente, evoluam.
    Sou gay, sou feliz, tenho inteligência e profissionalmente bem sucedido. Será que os que abominam ou até acreditam que não passa de uma simples opção, são assim, bem sucedidos e felizes, ou passam a maior parte do tempo julgando, ridicularizando o próximo.
    Sejam felizes, amem as pessoas como elas são: brancas, negras, orientais, ocidentais, pobres, ricos, gays, héteros, com dificuldades motoras. Amem, somente Amem.

  • Gabriel diz: 20 de novembro de 2012

    Queria que minha mãe fosse assim :(

  • Márnei diz: 20 de novembro de 2012

    Não creio que, ainda hoje, haja pessoas que não se esclareçam e ainda considerem a homossexualidade como uma opção. Trata-se de uma orientação, algo determinado durante a gestação. Mas vou deixar a “aula” para um outro texto em ZH.

  • angela diz: 20 de novembro de 2012

    Senhor maicom Oliveira – sugiro estudar um pouquinho antes de escrever sobre qualquer assunto, principalmente sobre esse.
    Parabéns,Nereida, pela maneira sincera com que abordas um assunto tão cheio de “mas”. Nota-se que é o coração que fala e a razão que orienta. Todos deveriam ler.

  • Eliana de Linhares diz: 21 de novembro de 2012

    Parabéns Nereida, pelo belo texto que expressa todo o seu sentimento de amor verdadeiro. Uma reflexão para as pessoas que ainda acham que gay é uma doença, ou opção sexual, nada disso. Li uma frase que dizia o seguinte : gosto de pessoas seja homem ou mulher. Vamos amar e ser feliz!!!!

  • Joana seidner diz: 21 de novembro de 2012

    Por favor Nereida, se você e o teu filho algum dia fizerem a camiseta eu também gostaria de vesti-la.

    Um abraço de uma mãe que, assim como você, ama o filho incondicionalmente.

  • Joana diz: 21 de novembro de 2012

    Parabéns!! O que importa é o amor, independente de quem se ama.
    Meu lema é: ” Não és obrigado aceitar, mas sim respeitar”.

  • Fernanda diz: 21 de novembro de 2012

    Mãe FABULOSA! MARAVILHOSA!
    Nunca li nada igual, que pessoa abençoada por Deus!

    Tenho repúdio daqueles que se dizem donos da razão, como é o caso dos ignorantes, infelizes, frustados, que escreveram um monte de bobagem, com o passar do tempo serão pais, se já não são, pobre filhos, esposas, conviverem com homens de tão pequeno coração, cheios de hipocrisia, amanhã ou quem sabe até hoje mesmo já pode estar acontecendo dentro das suas própria família, enquanto teu filho espera algo maravilhoso de ti, encontra este ser tão pequeno, tomado por tamanha ignorância.
    Deus foi generoso comigo, não tenho pais assim!

  • André M. diz: 21 de novembro de 2012

    Louvo o texto e a coragem da autora, porém, percebo que ela ainda luta com o seu preconceito. Ao elencar pessoas com dependencias quimícas ou alcolatras no mesmo grupo de filhos a serem amados como os filhos gays, de certa forma dá a entender que a homossexualidade é algo como um desvio ou doença, e não é. Tenho um filho de 22 anos e para mim pouco importa se ele é gay ou não, pois isso não fez ele melhor ou pior. A única coisa que me importa no meu filho é: Ele é feliz? Respondida positivamente essa questão, é o que me basta para me deixar feliz. A opção sexual que a pessoa faz não a transforma, e temos que agir dessa forma para enfrentar as pessoas que ainda tem preconceito com esse assunto. Infelizmente ainda vivemos numa sociedade pouco evoluída, que não respeita o diferente. No dia que esse assunto de filho gay não for mais pauta e não importar mais, estaremos mais próximos de sermos felizes.

  • Rafael Nazario diz: 21 de novembro de 2012

    Nossa!…..que mãe consciente!

  • Janilton Vargas diz: 21 de novembro de 2012

    Bem o que posso comentar sobre esta matéria, é que com mais garantia ainda sei que fiz a coisa certa, abri para a família a opção sexual do meu filho que eu já sabia, realmente estava me sentindo muito mal em saber que meu filho não poderia se sentir a vontade quando estavamos juntos, o quanto era dificil para ele estar naquela situação fingindo ser alguem que os outros gostariam que ele fosse. Como diz a Nereida em sua matéria, mais precisamente o texto de abertura, onde resume muito bem QUEM SOMOS E O QUE PODEREMOS DEIXAR DE SER…. ( Estar bem com meu filho gay, é saber que criei um filho saudável.). Estou muito feliz e muito orgulhoso do filho que tenho, amo ele da mesma forma que amo os outros meus dois filhos, sem diferença nenhuma. É uma pena que muitas pessoas não consigam chegar a esta conclusão de que ninguem é mais do que ninguem. Quem pensa desta forma infelizmente não é feliz, e tem muito que aprender nesta nossa pequena caminhada aqui nesta vida, sinto muito mesmo por saber que existe pessoas que não consigam conviver com diferenças.
    abraços a todos, que compartilham com esta matéria, e que todos sigam lutando pelas diferenças para que tenhamos um mundo melhor. Como diz a Nereida MEU FILHO É GAY E EU ESTOU BEM, E EU ACRESCENTO MAIS, EU ESTOU MUITO BEM…..

  • Jorge Gabriel Kuhn diz: 21 de novembro de 2012

    Acho legal uma família ter em seu meio um filho gay ou uma filha lésbica, e serem tratados como pessoas normais que são, Charlen Darwin disse que acreditar em Deus, talvez fosse a maior diferença entre nós humanos e os animais, mas não adianta acreditar em Deus e sair por ai rotulando isto ou aquilo, parto do principio de que a família é algo sagrado em nossas vidas, vivamos a vida como Deus nos concebeu sem preconceitos. PARABÉNS Nereida curta teu filho pois ele é uma graça e uma bença que o nosso Deus colocou a seu lada, seja feliz e que Deus abençoe você e sua família, com muita Paz,Saude e Amor. Assim Seja

  • José Agustoni diz: 21 de novembro de 2012

    Quem fala que ser homossexual é ‘opção’ ou ‘escolha’ é um ignorante do assunto. Ser homossexual não é uma opção, assim como ser heterossexual também não é uma opção: é a NATUREZA da pessoa, vem com ela desde a gestação. Por acaso as pessoas, quando entram na adolescência, param para pensar o que gostariam de ser? Os héteros alguma vez se viram diante dessas duas ‘opções’? Não, todos, homo e hétero, quando perceberam, já eram o que eram.
    Parabéns, Nereida.

  • Amilton Borrego diz: 21 de novembro de 2012

    Tenho um filho “namorador de meninas” e sou feliz!!!
    E dai?……………se tem filho Guei quer ganhar um prêmio nobel?
    Seres humanos nascem do sexo masculino e feminino..e se optarem por preferências sexuais é livre escolha, ou indução!..
    Uma criança é criada segundo a cultura recebida…experimente passar para seus filhos brincarem só de bonecas..fazer balet.etc..com certeza isto é Induzir comportamentos. Não sou contra escolha de opção sexual…mas balela não!!!

  • Lúcia Camargo diz: 21 de novembro de 2012

    Nossa amei este depoimento!! amar incondicionamente sem preconceitos, sem barreiras..apenas amar!!

  • Francisco diz: 21 de novembro de 2012

    Quem realmente acredita que ser homossexual é uma escolha, pare um pouco e pense. Quem em sã consciência escolheria sofrer preconceito da família, da igreja, e de todo o resto da sociedade?

  • andrade diz: 21 de novembro de 2012

    Ótimo muito bom mesmo homem com homem e mulher com mulher nada de filhos natalidade zero é o fim do mundo que se aproxima.

  • Hamilton diz: 21 de novembro de 2012

    Realmente inspirador, só podemos agradecer por pessoas, mães e jornalistas como a Nereida. Vocês fazem a diferença!

  • Giovana diz: 21 de novembro de 2012

    Parabéns pelo texto e pela mãe que você é! O que se espera dos filhos é que eles tenham saúde, sejam pessoas de caráter, pessoas do bem e que sejam felizes. A origem de todo preconceito está na ignorância.

  • Paulo Vicente Zolate diz: 21 de novembro de 2012

    Cara sra. Vergara, à que netos a sra. se refere? Netos adotados? Que futuramente sofrerão bullyng na escola, na vida adolescente, na clube… ; por favor, observe esta passagem bíblica| Por causa do essas pessoas fazem, Deus as entregou às entregou às paixóes vergonhosas(…) Homens tem relações vergonhosas uns com os outros e por isso recebem em si mesmos o castigo que merecem. (Rm 1,26)

  • Vitor diz: 21 de novembro de 2012

    Paulo Vicente, não tô sabendo em qual mundo você vive, mas no que eu vivo e no que a Nereide também vive, homens não têm relações vergonhosas uns com os outros não. Quanto ao bullying, acho que a forma mais efetiva de combater esse mal é educando aqueles que praticam, não concorda? Se ocupamos o mesmo espaço e temos nossas diferenças, o mínimo que devemos fazer é respeitar uns aos outros, não espalhar ignorância, desafeto e ódio. Posso apostar com você que no mesmo livro que você citou há uma passagem que diz exatamente isso que eu te digo.

  • Carlos Suhan diz: 21 de novembro de 2012

    NEREIDA, Seu dito é fundamental no acalanto a outros pais e mães que amam seus filhos e filhas e não sabem como agirem e também um exemplo aos que repelem suas crias como se bichos fossem.
    Meu caso é o oposto do seu. Sou atualmente casado com um homem e meu filho hétero, casado, pai de uma linda menina, me deu total apoio e não demonstrou nada que o inquietasse diante disso. O amor com que eduquei e a liberdade de seus passos me voltam hoje com todo carinho de um ser que não se incomoda com a diferença ou a diversidade de se ser quem se é. E mais lindo ainda, foi ver minha neta, pré adolescente, ver tudo como deve ser visto, normalmente, naturalmente. Essa alegria de ser feliz não tem preço.

  • Karina Marona diz: 21 de novembro de 2012

    Lindo artigo! Inteligente e sensível. Adorei!

  • Carlos diz: 21 de novembro de 2012

    Quero parabenizar a Nereida Vergara, não só pelo texto, mas por ela ser quem é e como é…PARABÉNS! Pretendia ler todos os comentários que foram escritos aqui, porém, um em particular me deixou cheio de nojo e pena por quem escreveu, pois é mais um comentário, de muitos que ouvimos, tentando abordar a homo orientação por um viés de doença, genética e afins. Sou gay e tenho não só uma “mãe de gay”, mas também um “pai de gay” e uma “família de gay”…isso quer dizer que são pessoas que me amam e me aceitam como sou, e, todos os dias, quando abro meus olhos ao acordar e antes de fechá-los para dormir, agradeço a Deus por isso. Minha mãe é como essa mãe, a Nereida, e como tantas outras que estão por aí, felizes com seus filhos, e, creio que a cada dia que se passa esse tipo de relacionamento e de relato tende a aumentar. Enfim, não vim me estender e nem ‘queimar’ ninguém, pois, ao contrário de outras pessoas, não estou aqui para julgar ninguém, pois, COMO QUALQUER UM DE NÓS, não sou digno de julgar ninguém ;) mais uma vez, PARABÉNS a autora do texto! Abrcs!

  • edison diz: 21 de novembro de 2012

    Em primeiro lugar, quero parabenizar a Sra. Nereida, pelo seu posicionamento diante da vida, simplesmente inteligente, afetuosa, como uma verdadeira mãe, áquela que como uma leo defende a sua cria. Para não ser reduntante, e não cair na mesmíssima, embora concordando com a maioria, sou gay, portando estou me pronunciando, pela minha própria vivência, acreditando ser consquência de um comportamento, acredito ser muito interessante também levar em consideração as experiências de seus próprios pais, e como consequência e/ou frequência, traumas, frustrações possam também contribuir na geração de um filho ou filha com sequelas em sua formação na sua identidade de gênero, não querendo atribuir culpas, mas não esqueçam que a fruta não cai longe do pé, sou filho de um pai machista e ignorante, e de uma mãe violentada, que desejou que eu nascesse homem para não ter que passar pelo que ela teve que passar em sua vida, portanto o assunto é bem mais complexo do que aparenta ser, existem casos e casos, não dá para generalisar, cada um têm a sua história, embora todos recaiam em uma mesma classificação, homossexuais, e por aí vai, emboram sejam classificados em outros subgrupos, tais como: travestis, drag’s, trans e etc…, confesso não ser nenhum desses, apenas homossexual, admito, que muito lutei para vencer, embora tenha saído do armário cedo, enfrentanto desde cedo os preconceitos, família e todas dificuldades inerentes a situação, tudo isso faz parte da evolução, não querendo dizer que apesar de toda essa luta, sejamos felizes, mas pelo menos, estaremos mais em paz, e menos frustrados diante da vida, diante dessa minha exposição, gostaria muito da aula que o Sr. Márnei possa contribuir para também esclarecer aos que se interessam pelo assunto, ou estejam enquadrados nele.

  • Carlos diz: 21 de novembro de 2012

    Amor de mãe não se discute! Têm diversas mães que seus filhos são presidiários que mataram os filhos de outras mães e continuam amando seus filhos. Eu não discuto o amor de mãe mas não concordo com anomalias.

  • Paulo Silas Barbosa diz: 21 de novembro de 2012

    Lindo posicionamento! Seu filho deve ter muito orgulho da mãe que tem. Eu tenho orgulho de você, por ele!
    Beijos pra você, mãe maravilhosa!!!

  • Leandro diz: 21 de novembro de 2012

    Linda declaração! São relatos assim que precisamos para entender que, independente da orientação sexual, somos seres humanos, com sentimentos, com direitos e deveres e, acima de tudo, carentes por um abraço, por um beijo, por um acolhimento afetivo. Temos, em todo o mundo, muitas desgraças que nos assolam constantemente, não necessitamos mais maldades como preconceitos, discriminações, desrespeitos, intolerâncias. Precisamos, sim!, de amor, muito amor, sendo heteros, homos, bi, travestis ou transexuais. Em relação a dependentes químicos, entre outros, citados pela jornalista, acredito que ela quis alertar para o fato de que se muitos pais toleram, ou até mesmo aceitam filhos com problemas físicos, psicólogicos, … por que não aceitariam filhos homossexuais, que não tem problema algum? Talvez o único problema que um filh@ gay poderá ter é psicológico, pois é muito complicado gostar de pessoas do mesmo sexo em um mundo bastante preconceituoso. Que aponta, ri, debocha. Estas atitudes, sim!, que são discriminatórias, anormais, muitas vezes letais. Entender a homossexualidade como algo natural, espontâneo, assim como a heterossexualidade, é uma questão de respeito às diferenças. Ah, que graça haveria se todos nós fôssemos iguais? Um beijo à jornalista, aos pais de homossexuais e a todos os homossexuais.

  • Elaine diz: 21 de novembro de 2012

    Meu filho é gay, e sou a mãe mais feliz do mundo, não me importo nem um pouco com oque os outros pensam …..

  • Eli diz: 21 de novembro de 2012

    Li seu texto no auge de discussões com meu filho de 18 anos , que é gay,e acalmei meu coração. Percebi o quão importante é estarmos por inteiro ao lado deles e conversar sobre todos os nossos anseios.Quero dizer que aceitar pode ser substituído por abraçar,acalentar pois não precisamos aceitar o que já é nosso por direito divino.E a resposta para todos é uma só:amor Obrigada Nereida por me permitir caminhar ao teu lado.

  • Saindo do Armário diz: 21 de novembro de 2012

    Ola!
    Falo em nome do site http://saindodoarmario.com
    Ótimo texto!
    Precisamos de mais pais e mãe com esta consciência.
    Parabéns!

  • Gerson Oliva diz: 21 de novembro de 2012

    Olhar de Mãe, perfeito!
    Aos mais desavisados ser gay não é uma opção e sim ORIENTAÇÃO da sexualidade.

  • gil diz: 21 de novembro de 2012

    Simplesmente…
    E S P E T A C U L A R !!!!
    lindo Nereida…tri lindo…

  • Maicn Oliveira diz: 21 de novembro de 2012

    Henrique, eu deveria responder com a mesma ignorancia do comentário q fizeste, mas vou ser educado.

    Sou funcionário público, gabaritei Portugues, pra outros que estão implicado com as palavras erradas que escrevo. Obviamente atendo inumeros tipos de pessoas, entre elas gays. Antes disso era vendedor, e também adendia gays. Sempre tratei com respeito igual a qualquer outra pessoa. Mas pra mim só se nasce MACHO ou FÊMEA, Depois disso cada um escolhe o que lhe convém.

  • Márnei Consul diz: 21 de novembro de 2012

    Edison, segue a “aula”, ou melhor, parte dela:

    (…) No entanto, mesmo sendo esclarecido pela ciência, muitas pessoas ainda referem-se ao tema como ‘opção sexual’. Pedrosa (2006) explica que não se trata de uma opção. “Optar significa escolher em ser ou não ser gay. Assim como o heterossexual não escolhe em ser ou não ser heterossexual, o mesmo acontece com o homossexual” (PEDROSA, 2006, p. 17). Sendo assim, o termo mais correto é ‘orientação sexual’, que pode ser explicada por fatores genéticos, ambientais e práticas culturais.

    O autor acima citado nos diz que orientação sexual “é a atração sexual da pessoa que é direcionada ao sexo anatômico de outra, ou seja, o seu objeto de desejo” (PEDROSA, 2006, p. 40). Segundo ele, existem três tipos de desejos: o heterossexual; o homossexual; e o bissexual. Continuando, Pedrosa escreve que gay é a pessoa homossexual que se sente atraída afetivamente e sexualmente por outra do mesmo sexo. Assim, o termo ‘gay’ deve referir-se tanto a homens quanto a mulheres, porém, em nosso país, ‘gay’ é costumeiramente usado para homens, e ‘lésbica’ é a palavra utilizada para definir mulheres homossexuais.

    Então, como se viu, ser homossexual não é uma doença, nem uma opção. Entretanto, o que podemos falar geneticamente sobre a homossexualidade? O que a ciência explica sobre o assunto que o torna ‘natural’?

    Boas respostas podem ser encontradas nos escritos de Allan e Barbara Pease (2000), autores de um dos livros mais vendidos sobre sexualidade no mundo (listado nas referências adiante). Eles nos dizem que o padrão básico de formação do corpo e do cérebro do feto é feminino.

    (…) entre seis e oito semanas depois da concepção, o feto do sexo masculino (XY) recebe uma dose maciça de hormônios chamados androgênios que, primeiro, formam os testículos e, num segundo momento, alteram o cérebro de um formato feminino para uma configuração masculina. Quando esse feto não recebe na época certa a quantidade suficiente de hormônio, duas coisas podem acontecer. Primeiro, nascer um menino com o cérebro estruturalmente mais feminino do que masculino e que, provavelmente, vai se descobrir gay na adolescência. Segundo, um bebê geneticamente do sexo masculino, com os genitais correspondentes e o funcionamento do cérebro inteiramente feminino – um transexual (PEASE, 2000, p. 115-116).

    A explicação não é tão difícil, depende das cargas genéticas dadas ao ser humano durante sua gestação. Assim sendo, Allan e Barbara Pease (2000) sintetizam a existência de gays e lésbicas da seguinte forma:

    (…) se durante o início da gestação de um feto do sexo masculino ocorrer uma baixa de testosterona, as chances de nascer um menino gay aumentam incrivelmente, já que os hormônios femininos é que vão configurar o cérebro (PEASE, 2000, p. 120).

    Com relação às lésbicas, “se o feto é geneticamente do sexo feminino (XX) e seu cérebro recebe hormônio masculino, o resultado é um corpo de mulher com estrutura cerebral de homem” (PEASE, 2000, p. 121).

    Desta forma, percebe-se que a ocorrência de homossexualidade depende das cargas hormonais enviadas da mãe ao feto. Por isso, fatores como estresse, fumo, álcool exercem forte influência durante uma gravidez.

    Lopes (2011) também fala do âmbito genético referente à homossexualidade. Ele também defende que ninguém escolhe ser homossexual ou heterossexual. “Os especialistas já não falam mais em opção sexual, e sim em orientação sexual” (LOPES, 2011). Ele continua: “A explicação científica ainda não é clara, mas, atualmente, sabemos que a homossexualidade é algo que faz parte da constituição do indivíduo, da mesma forma que a heterossexualidade” (LOPES, 2011). Como se nota, são dizeres que vão ao encontro dos de Pease (2000) e Pedrosa (2006).

    Pessoal, a explicação completa está aqui: http://terceiroolhar.com.br/biblioteca/livros/1/Marnei%20Consul.pdf Boa leitura!

  • Fabio diz: 21 de novembro de 2012

    Parabéns, acredito e confirmo que nos dias de hoje uma mãe vir até o mundo e abrir o peito e deixar que todos nós tenhamos o prazer de ouvir o grito de pedido de respeito que urra de dentro do seu peito. Não somos apenas seres gays, somos pessoas com sentimentos, com orgulho e determinação. Somos exemplos de amor, de carinho e de confiança, somos mais do que meros seres apontados na rua, ou até mesmo descriminados por uma sociedade que impoe sua vontade e determina o que parece certo ou errado.Não quero por nenhum momento defender a causa homossexual e sim defender o meu, o seu direito de ser humano, de ser recohecido profissionalmente, de ser entendindo como amante, de ser sabedor de uma igualdade, estou defendendo o dirento de amar e demonstrar esse afeto. Nesse momento de minha vida, sou homem, sou pai, sou tio, sou amigo, conselheiro, confidente, profissional e sou gay, mas nem por isso quero ser olhado e apontado como diferente e sim respeitado pelo simples fato de existir. Agradeço a essa mãe corajosa e verdadeira e sinta meu aperto de mão, meu abraço e minha gratidão, pois como sempre exigimos. “Não queremos ser amados por sermos minoria e sim respeitados por sermos corajosos dessa exposição…Beijos

  • Maria diz: 21 de novembro de 2012

    João e Maicon, parem de dizer e escrever besteiras. Estudem e leiam um pouco, só para variar. Quanto ao Jonas Tochieli confesso que não tive outra alternativa senão lhe rogar uma praga: indo a baladas ou não, desejo-lhe uma aids ou um câncer terminal para extirpar tanto veneno da terra.
    Parabéns à autora do texto e aos seus filhos. Deus continue iluminando-os sempre.

  • rogerio diz: 22 de novembro de 2012

    Atualmente, ser gay ou qualquer outra minoria discriminada é maravilhoso,é um orgulho pros pais; o mundo ta virado mesmo, ainda bem menos um concorrente.

  • Regina diz: 22 de novembro de 2012

    Parabéns a essa mãe maravilhosa, inteligente, culta, afetuosa, consciente e feliz, qualidades admiráveis. Eu também amaria o meu filho do mesmo modo se fosse gay. E parabéns a esse filho pela mãe maravilhosa.

  • paulo roberto diz: 22 de novembro de 2012

    Querida Nereida! Seu texto é muito bonito, penso que os pais que tem filhos homossexuais pensa da mesma forma que você, amam seus filhos não importando a preferencia sexual deles, isto é serem pais. O grande problema hoje em dia é a nossa sociedade homofóbica. Ela foi ensinada que só existe dois sexos, masculino e feminino, e rejeitam quem faz outra escolha. Parabéns a você e vaia a nossa sociedade ainda preconceituosa.

  • Mary Anete Scur Hans diz: 22 de novembro de 2012

    Parabéns!!!!

  • Maria diz: 22 de novembro de 2012

    Tenho quatro filhos, um deles é gay e eu o amo, como aliás toda a família o ama, com a mesma intensidade como amo os outros três. Ninguém duvide que ser gay não é uma opção pessoal. Quem gostaria de sofrer com as aberrações que o preconceito gera em pessoas mal informadas e mal amadas? Também ninguém duvide que toda pessoa é merecedora do amor Divino e do amor do próximo, inclusive os que com sua intolerância tentam fazer deste mundo um lugar difícil de ser vivido. Felizmente isto está mudando, e não é porque “o mundo ta virado”, Sr. Rogério, é porque a ordem natural das coisas é a evolução das pessoas e quem não consegue sempre vai ter medo da concorrência.

  • Fernanda diz: 22 de novembro de 2012

    Lindo texto e concordo em altíssimo grau sobre dizer a verdade em alto e bom som. E assim como ela citou o fato dos pais saírem do armário, nós gays também devemos nos esforçar para fazê-lo. Não adianta tentar se esconder atrás das mais diversas desculpas. Acho importantíssimo pararmos de nos marginalizarmos, de demonstrarmos afeto e carinho aos nossos parceiros (sempre com respeito) apenas em locais “gays”. A sociedade precisa aprender a conviver e saber que estamos em todos os lugares.

  • João Henrique diz: 22 de novembro de 2012

    Nossa, excelente artigo.
    Exemplo de uma mulher sábia, que ama o seu próximo na sua essência, como realmente deve ser o amor.
    Amor traz junto o respeito e a compreensão, coisas que ela tem de sobra.
    Quiçá se a maioria das pessoas fossem assim, mas é com exemplos assim que o resto da população aos poucos vai se “contaminando”, principalmente nossos novos habitantes que virão pela frente.
    Mais uma vez: parabéns!

  • everton macedo diz: 22 de novembro de 2012

    A ignorância é motivo pra ser preconceituoso. PARABÉNS pelo texto e pela demonstração de amor..puro e simplesmente amor pelo seu filho.

  • wagner machado diz: 22 de novembro de 2012

    A grande declaração: ” O mundo está evoluindo”, a maior ignorancia que já houvi, se o mundo estivesse evoluindo não teria tanta injustiça, guerra, fome,violencia,corrupção e indices estatisticos tão negativos sendo divulgados, esse tipo de argumento é fraco demais, meu DEUS!! a humanidade esta perdendo a noção, argumentar sem provas cientificas que ser gay é algo nato é mais ridiculo ainda, depois falam que os religiosos é que não se apoiam na RAZÃO somente na fé, cade a o estudo cientifico provando tal absurdo rsrsrsrsrs não existe!!! tem um grupo aí agora também dizendo que as pessoas que partem para a criminalidade tem esse coportamento na genetica, bom agora vamos ter que aceitar, amar e permitir tal comportamento como algo normal, isso é o genero humano cada vez mais deturpado levando o propio homem para sua autodestruição, contrariar a natureza tem suas consequenscias AIDS e doenças fruto da promisquidade que é provado cientificamente mas ignorado pela mídia, existem estudos de grandes universidades no mundo que falam sobre pedofilia e sua origem em desvios de coportamentos relacionados a suposta orientação sexual é chocante!!! vamos ver o que a RAZÃO fala sobre o assunto!!! eu não estou falando de argumento fraco mas sim de ciência!!! rsrsrsrs

  • wagner machado diz: 22 de novembro de 2012

    A Homossexualidade é Natural?

    Os ativistas homossexuais declaram que “a homossexualidade é natural.”[7] Os grupos gays, e todas as pesquisas modernas que defendem a conduta homossexual, se baseiam direta ou indiretamente no Relatório Kinsey de 1948, o qual afirma que 10% da população são exclusivamente homossexuais.

    As alegadas “descobertas” básicas de Kinsey são:

    • Todos os orgasmos são meios de vazão e iguais entre marido e esposa, menino e cão, homem e menino, menina ou bebê — pois não há normalidade e anormalidade.

    • O objetivo da relação sexual é o orgasmo…

    • Os tabus sexuais e as leis envolvendo questões sexuais são rotineiramente quebrados. Portanto, todos esses tabus e leis têm de ser eliminados, inclusive na área de estupro de mulheres e crianças, a menos que haja o uso de “força” excessiva e sejam comprovados graves danos.

    • Todo contato sexual antes do casamento aumentará a probabilidade de um casamento duradouro e bem-sucedido…

    • Os seres humanos são por natureza bissexuais. O fanatismo e o preconceito religioso forçam as pessoas a viver na castidade, heterossexualidade e monogamia.

    • As crianças são sexuais e podem ter orgasmos a partir do nascimento. Elas não sofrem nenhum dano quando têm relações sexuais com indivíduos da família e com adultos…

    • Não há nenhuma razão médica para se proibir o incesto e o sexo entre adultos e crianças.

    • Todas as formas de sodomia são naturais e saudáveis.

    • Os homossexuais representam de 10 a 37% da população ou mais.[8]

    Um ativista gay, que usou a pesquisa de Kinsey para avançar o movimento homossexual nos EUA, declarou:

    “Eu fiz campanha com os grupos gays, nos meios de comunicação em todo o país, para promover a descoberta que Kinsey fez, de que os homossexuais estão em todos os lugares. E as questões que vieram por causa das implicações dos dados de Kinsey se tornaram as chaves para as campanhas políticas, educacionais e legislativas nacionais durante meus anos na Aliança Ativista Gay de Nova Iorque e na Força Tarefa Gay Nacional. Depois de anos trabalhando para educar os meios de comunicação e os legisladores, o conceito de que 10 por cento da população são gays se tornou um fato aceito pela maioria. Embora seja necessário continuar citando esse dado, o número de 10 por cento é regularmente utilizado por estudiosos, pela imprensa e pelas estatísticas do governo. Contar repetidas vezes um mito ou informação faz com que pareça realidade.”[9]

    Os homossexuais são realmente 10% da população? De acordo com uma pesquisa nacional realizada nos EUA, só 1% dos entrevistados se declarou exclusivamente homossexual.[10] Então por que a pesquisa de Kinsey não conseguiu refletir a realidade?

    Kinsey e os Pedófilos

    Dois excelentes livros escritos pela Drª Judith Reisman revelam não só a metodologia fraudulenta de Kinsey, mas também o envolvimento dele com estupradores de crianças.[11]

    Wardell Pomeroy, co-autor do Relatório Kinsey, conta a reação de Kinsey à preocupação (que Kinsey chamava de histeria) da sociedade com o grave problema de adultos que têm relações sexuais com crianças da família:

    Kinsey zombava da idéia… Kinsey… afirmou, com relação ao abuso sexual de crianças, que a criança sofre mais danos com a histeria dos adultos [do que com o próprio estupro].[12]

    Essa revelação deixa de ser estranha pelo fato de que Kinsey colaborava e mantinha amizade com o filósofo francês Rene Guyon, que era pedófilo. Ele também era amigo do Dr. Harry Benjamin, inglês que apoiava a pedofilia.[13] Pedofilia é o termo geral que define a relação sexual, hetero ou homo, entre adultos e crianças. Pederastia só se aplica à relação homossexual entre homens e meninos.

    Guyon, que era jurista, propunha leis para defender o relacionamento sexual de adultos com crianças como necessidade tão normal quanto a alimentação e a respiração.[14] No livro A Ética dos Atos Sexuais, de Guyon, há menções ao Relatório Kinsey e a introdução foi escrita pelo próprio Kinsey.[15]

    Notas:

    [1] Dr. Gerard van den Aardweg, The Battle for Normality (Ignatius Press: San Francisco-EUA, 1997), p. 29.

    [2] Drª Judith Reisman, Kinsey, Sex & Fraud (Huntington House Publishers: Lafayette-EUA, 1990), p. 212.

    [3] QUESTIONS I’M ASKED MOST ABOUT HOMOSEXUALITY, An Interview with Sinclair Rogers (Choices: Singapura, 1993), p. 4.

    [4] ‘Sexologist’ Alfred Kinsey, quoted in Wardell B. Pomeroy. Dr. Kinsey and the Institute for Sex Research. New York: Harper & Row, 1972, pages 247 and 273.

    [5] Dez Verdades sobre a Homossexualidade, folheto sem data publicado pelo Grupo Gay da Bahia e guardado no arquivo do autor.

    [6] Julio Severo, O Movimento Homossexual (Editora Betânia, 1998), pp. 78,79.

    [7] Dez Verdades sobre a Homossexualidade, folheto sem data publicado pelo Grupo Gay da Bahia e guardado no arquivo do autor.

    [8] Dr. Judith Reisman, Kinsey: Crimes & Consequences (The Institute for Media Education: Arlington-EUA, 1998), p. 170,171.

    [9] Bruce Voeller. “Some Uses and Abuses of the Kinsey Scale.” Concepts of Sexual Orientation>. The Kinsey Institute Series, June Machover Reinisch (general editor), Oxford University Press, 1990, pages 35 and 36.

    [10] J. Gordon Muir, Homosexuals and the 10% Fallacy, The Wall Street Journal, 31 de março de 1993.

    [11] Veja os livros Kinsey, Sex & Fraud (Huntington House Publishers: Lafayette-EUA, 1990) e Kinsey: Crimes & Consequences (The Institute for Media Education: Arlington-EUA, 1998).

    [12] Dr. Judith Reisman, Kinsey: Crimes & Consequences (The Institute for Media Education: Arlington-EUA, 1998), p. 234.

    [13] Dr. Judith Reisman, Kinsey: Crimes & Consequences (The Institute for Media Education: Arlington-EUA, 1998), p. 313.

    [14] Dr. Judith Reisman, Kinsey: Crimes & Consequences (The Institute for Media Education: Arlington-EUA, 1998), p. 221.

    [15] Dr. Judith Reisman, Kinsey: Crimes & Consequences (The Institute for Media Education: Arlington-EUA, 1998), p. 222.

    Fonte: E-book As Ilusões do Movimento Gay,

    escrito por Julio Severo e disponível gratuitamente

    no JesusSite: http://www.jesussite.com.br

  • André diz: 22 de novembro de 2012

    Sábias palavras. Parabéns pelo excelente texto! Parabéns pela coragem!
    Sou gay, sim. E quando se fala em opção, a única escolha que fizemos é assumir ou não nosso verdadeiro “eu”.
    Louco e ignorante é aquele que pensa que as pessoas optam em ser ou não ser gay. Louco sim eu seria em querer optar por ser gay e viver num mundo ainda resistente a certas normalidades que se tem conhecimento desde a existência do homem e que são ignoradas ou tratadas como “aberrações”, já que fogem as padrões “normais”da sociedade e com muito preconceito.
    Não quero que me “aceitem”, apenas que me respeitem como indivíduo.
    Sou muito feliz, porque sou eu mesmo, sem esconder minha verdadeira identidade pra ninguém.

  • ricardo da costa poetsch diz: 22 de novembro de 2012

    sou pai de cinco filhos,meu segundo filho e gay,tenho muito orgulho dele,e um filho maravilhoso.sempre falei,o dia que tiveres um namorado fixo,traz ele para fazermos uma janta.vejo os homens serem cabeça duras para aceitarem seus filhos gays.adorei o que li hoje.parabens pela liçao de vida descrita aqui.muitas felicidades pra vcs.

  • Amanda Batista diz: 22 de novembro de 2012

    Eu também, tenho câncer e estou bem.

    E dai?

  • Raphael diz: 23 de novembro de 2012

    Nereida, que belo texto. Eu sou um sortudo por ter uma mãe como você, que sempre me aceitou e se orgulhou de mim, que é interessada sobre meus assuntos e amiga do meu namorado.

    Várias pessoas já disseram que não optam por sua orientação sexual, e isso é tanto uma realidade que já se usa “ORIENTAÇÃO SEXUAL”, ao invés de “OPÇÃO SEXUAL”, eu espero que ninguém entenda isso como alguém o orientando a ser homossexual, ou a falta de um personagem masculino (viver em meio de homens não me tornou hétero).

    É simplesmente inerente ao meu ser, faz parte da minha essência, é o que eu sou. Infelizmente eu preciso viver com medo graças ao discurso de ódio, que aqui é feito com palavras “educadas”, mas não passa de incentivo para a ignorância.
    Alguém acima citou que não aceita anormais, comentário engraçado, pois nós vivemos ao redor de várias anormais, como esse ar condicionado ligado aí no seu quarto.

    Enfim, obrigado por um texto tão bonito, Nereida.
    Felicidades para você e sua família.

    Att,
    Raphael

  • Adnael diz: 23 de novembro de 2012

    A sociedade ter gays é vergonhoso, falta d pulso forte de mães e pais, mães porque não sabem educar e pais pq evitam dar umas palmadas. É uma péssima opção, uma vergonha mesmo. Hj temos que aturar ver estes seres de mãos dadas, se beijando, fazendo carnaval chamando de passeata. Tomem vergonhana cara, achem um trabalho digno, vão para a igreja, rezem.
    Ainda bem que meus filhos são machos.

  • fabricio pretto diz: 23 de novembro de 2012

    Meu Deus do céu, você tem um filho menino que brinca de Barbie, brinca com coisa de menina. E vc não explica ” meu filho isso é coisa de menina, menino não brinca com isso”, não vai e matricula ele na aula de balé…Vc espera que vai sair o que disso, só pode ser homossesual. Ai a menina brinca de power rangers, coleciona figurinha de futebol, e vc tbm aceita isso, agora esta de cabelo raspado, colorido e tatuada e vc acha normal. Eles são fruto da criação e convivio que tiverem.

  • Andre diz: 23 de novembro de 2012

    Adnael…. ainda bem que não tem filhos Gays! Pois, com certeza, iriam comer ‘o pão que o diabo amaçou’ e vc ainda levaria eles para exorcizar…. Lamentável teu pensamento!

    Fabricio Pretto…. é inacreditável que ainda hoje existe alguem que ache que tatuagem, cabelo colorido, etc seja coisa errada…. absurdo! Só falta dizer que quem tem tatuagem é bandido… quem tem cabelo colorido é ‘pica-pau”…

  • Ezequiel diz: 23 de novembro de 2012

    Li comentários tão vergonhosos acima que me causam certo desconforto, não sei se chamo de ignorância, estupidez…Parabéns a Nereida

    Sinto muito por quem não concorda, não gosta. Algumas coisas coexistem sem que precisemos gostar ou não delas e não cabe a vocês dizer o que é certo e errado.

  • Leandro diz: 23 de novembro de 2012

    Dizem que devemos respeitar as opiniões alheias, mas muitos comentários já feitos são lamentáveis, inconcebíveis. A partir do momento em que há preconceito, discriminação tem, sim!, que haver interferência jurídica, paradas gays, visibilidade gay. Se muitos não sabem viver, de forma sadia, sem regras, então, o judiciário, obrigatoriamente, deve estabelecê-las. Muitas lutas foram conquistadas de forma árdua, infelizmente as dos homossexuais não foi, é ou será diferente. Apesar de muitas mentes serem quadradas, provavelmente não entenderão o termo, digo que o termo mais coreto a ser utilizado é: HOMOAFETIDADE. Pois os gays não se limitam, apenas, a sexo, mas, também, a um relacionamento regado a afetos, carinhos, cumplicidades. Quem não sabe o que é isto provavelmente teve estímulos muito negativos na infância. E, lamentavelmente, estão reproduzindo tudo isso agora. Seja ofendendo, criticando, …, nós gays que, acima de tudo, somos, também, seres humanos. Seres estes que nascem, crescem e morrem.

  • Jeferson Eloi Haag / Jeferson Poter diz: 23 de novembro de 2012

    Sem muito o que lhes dizer, mas são raras as pessoas que tem a coragem que você tem!! Tenho orgulho de saber que existem pessoas assim como você, que apoiam nossa orientação sexual !! Assim como dou os parabéns a minha mãe e minha irmã, que a cada dia compreendem mais e mais a minha orientação, lhe parabenizo pela sua atitude tomada. Abração !!

  • Clelia Moraes diz: 23 de novembro de 2012

    Ser mãe ou pai como deve ser é isso: amar os filhos como eles são, e não como idealizamos que eles seriam ou serão. Pais que precisam ter o que exibir ‘de bonito’ dos filhos para se sentirem realizados deveriam rever todos os seus conceitos de vida. Não é preciso carregar bandeiras para amar o menos majoritário, basta saber que ser amado, respeitado e aceito pelos nossos pais é o bem maior que podemos ter, o que irá nos aquecer o coração e dar coragem perante os desafios da vida. Viva o amor incondicional de ser mãe ou pai!

  • Amilton diz: 23 de novembro de 2012

    Com certeza voce seria mais feliz se ele não fosse gay, afinal voce só é feliz porque sabe que é culpada pela situação em que ele se encontra.

  • Jonse diz: 23 de novembro de 2012

    Só sei que não adianta ficar batendo o pé. Os gays estão aí e vão ficar, pq não são covardes e nem enrustidos. Não adiantou matá-los ao longo da história e não vai adiantar matá-los agora. Eles são mais machos e machas do que muito macho.

  • Age diz: 23 de novembro de 2012

    Muita ignorância…
    Quero ver o que vão dizer no dia do Juízo de Deus

  • Idalia Martins diz: 23 de novembro de 2012

    Sou solidária com essa mãe que vem a público dar seu testemunho em favor de seu filho gay. Depoimentos assim são necessários para estancar a crescente onda de intolerância plantada por seitas religiosas ou por filosofias que se aproximam perigosamente do nazismo. Sou mãe de cinco filhos, um deles é gay. Orgulho-me de minha prole e em especial daquele que teve que lutar contra o preconceito. Orgulho-me do meu filho, n-ao porque ele seja gay, esta é apenas a sua condição de gênero, mas porque meu filho é um homem honrado, sério, honesto,amável e reconhecido no seu trabalho como uma pessoa da mais alta competência, assim como me orgulho dos meus outros filhos, não por serem homem ou mulheres, mas porque são pessoas dignas e respeitadas na sua trajetória. Meu filho gay é casado, feliz e amo meu genro.
    São uma família exemplar, respeitados por seus familiares de ambos os lados, vizinhos e colegas de trabalho.Meus filhos receberam a mesma educação e o mesmo amor em um lar hetero mas que sempre respeitou as diferenças. Lamento que ainda haja pessoas que precisem mascaram sua homossexualidade por intolerância dos que o cercam ou por valores que lhes foram impingidos. O receio de que o respeito aos homossexuais possa influenciar outras pessoas, não procede. Podemos lançar um grão de milho em um campo de trigo e dali apenas nascerá um pé de milho. Via de regra, as pessoas que tem tanto medo da influência gay, são pessoas com tendências gay. Pessoas bem resolvidas com sua sexualidade não se deixam levar por exemplos, sedução ou propaganda, nem por castigos ou discriminação. Se assim fosse, não haveriam homossexuais no mundo. Parabéns à Nereida e seu filho e registro aqui minhas homenagens a Dra. Berenice Dias, grande e incansável batalhadora da causa pelos direitos homoafetivos.

  • joao diz: 23 de novembro de 2012

    olha meus parabems,adorei essa mae.Olha pra esses babacas que achao que ser gay e comportamento como vcs explicao as pessoas xxy? ser gay e genetico feito por deus assim…e esses babacas que nao andao no sapado de uma pessoa gay nao sabem de nada nem quantos km o brazil (8544)o mundo ums 40000 seguindo em linha reta….

  • Otávio diz: 23 de novembro de 2012

    Meuuu Deus, quanta ignorância nesses comentários. Se fosse por incentivo materno e paterno eu deveria ser o heterossexual mais heterossexual de todos. Sempre fui apresentado a atividades “mais masculinas” e ainda assim minhas preferências eram “mais femininas”. Apanhei, fui castigado, entre outras coisas e do que adiantou? Segui firme acreditando naquilo que gostava e hoje sou respeitado e amado pela minha família que lutou tanto para que eu não fosse homossexual. Estes “heteros” rebeldes que comentaram em relação ao texto só podem ter sua sexualidade mal resolvida. Soltem a franga que tem dentro de vocês seus lindos! Serão bem mais felizes e bem menos amargurados. Além disso, sugiro leitura, muita leitura para que escrevam melhor e saibam sustentar suas opiniões não apenas com argumentos comuns. Esse ódio de vocês é porque enxergam “na gente” o que vocês poderiam ser. QUE MEDÃO, HEIN?

  • Ana Carolina diz: 23 de novembro de 2012

    Só uma palavra resume: PERFEITO. É por pessoas como essas que o mundo ainda vale a pena.

  • Gustavo Lopes diz: 23 de novembro de 2012

    Obrigado por dizer o que todos os filhos gays esperam ouvir de uma mãe! :)
    Parabéns pelo artigo.

  • Jaqueline Boff diz: 24 de novembro de 2012

    Nereida, parabéns.. Teria tanto a dizer, mas às vezes a ignorância é tamanha que penso que existem seres tão coitados que não merecem o melhor de nós..devem ficar na ignorância mesquinha em que vivem.

  • Paulo Cabral diz: 24 de novembro de 2012

    Eis uma mãe que sabe escrever bem, mas que não soube ajudar seu filho a construir sua verdadeira identidade. Uma mãe que fracassou na tarefa de ajudar seu filho a ser quem ele nasceu para ser.

  • Luciana Frazão diz: 24 de novembro de 2012

    Texto maravilhoso! Apoiadíssima! Uma mãe de VERDADE!
    Parabéns!!!

  • Mauricio Teodoro diz: 24 de novembro de 2012

    parabens pelo belo texto.. exemplo a ser seguido por muitos pais..

  • Carlos diz: 24 de novembro de 2012

    Amor de mãe não se discute. Porem hoje em dia existe um certo exagero e diria até uma certa glamorização pelo fato de ser gay, tal cantor famoso é gay.. tal atriz famosa é gay.., então idolos são gays! Em uma mente em formação, como a de um adolecente isto pode confundir e despertar um caminho que normalmente não tomaria. Afinal de contas.. que sociedades queremos ? eu quero ter meus netos biológicos, nada de netos adotados ou cachorrinhos para suprir carencias.

  • Evandro diz: 24 de novembro de 2012

    Parabéns Nereida por sua iniciativa!
    Que todas as mães e pais possam se inspirar em seu exemplo aceitando seus filhos como eles são, independente da orientação sexual desses. Sou gay e infelizmente não tive a mesma sorte que seu filho, sendo que eu e minha mãe não nos falamos mais. Agora fico no aguardo pelo dia em que eu possa estar em família e me sentir bem, sendo eu mesmo, a única forma que sei ser.

  • Carlos diz: 24 de novembro de 2012

    Porque todo veado não suporta o contraditario, vem logo dizendo que é para soltar a franga que existe dentro de voce, como se existisse? Não existe repressão nenhuma, hoje em dia quem é gay é gay e não precisa sair por ai gritando aos sete ventos, não há guerra nenhuma para tanta gritaria e reafirmação sob a sua opção. Agora… respeitem quem não é gay, nem todos tem uma franga dentro de si como vcs supõe.

  • Ana Souza diz: 24 de novembro de 2012

    VEJA um exemplo:
    - (a) FESTA predominantemente gay: os CASAIS HETERO são bem vindos. NINGUÉM faz: bullying, olhares de reprovação, punição /retaliação subjetiva, pré-julgamentos, etc.. etc… etc…. etc…
    - (b) FESTA predominantemente heterossexual: os CASAIS GAY NÃO são bem vindos. A maioria faz bullying, olhares de reprovação, punição/ retaliação subjetiva, pré-julgamentos, etc.. etc… etc…. etc…
    Responda já: AONDE MORA O NEGATIVSMO? em (a) ou em (b) ??

  • Virgílio Melhado Passoni diz: 24 de novembro de 2012

    Nereida,escreveste com a alma.Se tu realmente pensas da forma que escrevestes, tu és uma iluminada.

  • Décio diz: 24 de novembro de 2012

    Você afirma que está bem.
    E ele?

    Décio

  • José Inácio Borges Quintana diz: 24 de novembro de 2012

    Parabéns essa Linda história! É realmente uma lição de vida. Parabéns pela tua postura e por colocar acima de tudo o AMOR que é tão falado e pouco utilizado, até mesmo dentro das famílias, acredito em Deus e por isso acredito no amor, fomos feitos de amor e apenas isso basta para termos um mundo melhor, que mais pessoas possam se espelhar no seu exemplo e que um dia possamos evoluir como seres humanos e seres espirituais!

  • Ioda diz: 24 de novembro de 2012

    não concordo…sou contra os bixas…HOMEM É HOMEM E MULHER É MULHER

  • Fernando Guimaraes diz: 24 de novembro de 2012

    Como artigo simplesmente fantástico, a muito não lia algo tão inteligente.A mãe , obrigado por Deus ter te feito assim, linda e assumida é belo demais. Como ser humano , uma aula de amor ao próximo.
    Obrigado ,nobre colega , pessoalmente não lhe conheço, mas como , filho, pai e avo e temente a Deus tenho por ti, um orgulho e respeito do tamanho da imaginação de todos.Meu carinho e respeito, estou longe aqui no litoral sul capixaba , em Marataízes
    -ES – e pedindo sua autorização para reproduzir este artigo com todos os créditos.

  • Zambarda diz: 24 de novembro de 2012

    Sem palavaras…isso é ser mãe! Parabéns.

  • Izane diz: 24 de novembro de 2012

    A questão da discriminação não está na sua maioria na família, mas infelizmente, nos outros. Tenho uma colega, que sabe da discriminação, sofrida pelo filho, que é homossexual. Ela quer, organizar uma associação ou algo do tipo para mães com filhos gays. Dessa forma, pensa em combater a discriminação e a homofobia.

  • Claudio diz: 25 de novembro de 2012

    Quando meu filho Bruno assumiu sua opção, foi como se o ” meu ” mundo acabasse de cair sobre mim mesmo. Sempre soube da verdade, mas nunca quis aceitar, hoje estamos resolvidos, sem mais traumas.
    Quando falo ” meu mundo” quero dizer tudo aquilo que a Nereida escreveu com tanta lucidez, os meus proprios preconceitos, medos e desconhecimento. Assumir e aceitar ter um filho gay é dificil, alguns pais simplesmente não aceitam nunca, outros procuram ignorar, porem isto é impossivel.
    A verdade está ali, dentro de voce mesmo, voce é o pai, aceite ou não.
    Nada vai mudar, seu filho não vai mudar, resta aprender, conversar mais, entender e principalmente amar seu filho (a).

    Pais/mães, continuem a amar seus filhos(a), descubram o quanto são especiais e mais ainda, o quanto necessitam de seu carinho, de seu amor e principalmente de sua proteção.

    Um beijo a todos…

  • Jorge Luis Silva diz: 25 de novembro de 2012

    Vejo que pegaram no pé do Maicon Oliveira;
    coisa de gente que ‘se acha’ intelectual, acima de todos,
    bem típico de gaúcho : Minha opinião é a correta e o mundo está errado.
    Se vocês são os ‘donos da verdade’, então acabem com os problemas no mundo.
    Pois bem, eu não aprovo o homossexualismo e daê ?
    sou obrigado agora a aceitar senão serei tachado de homofóbico ?
    homofobia diz respeito a desprezo, ódio, antipatia, preconceito, discriminação
    e eu não tenho nenhum sentimento deste tipo, somente não aprovo e daê ?
    cadê a minha liberdade de expressão ? penso o que eu quero e a mesma coisa o
    Maicon Oliveira postou e vem gente chamar o cara de ignorante porque ele não
    tem a mesma opinião. Ignorante e com baixo nível de educação é quem vem na
    internet falar dos outros. Não sou contra homossexuais, igualmente o Maicon
    escreveu, mas não aprovo e ponto, porque acho nojento um homem ser penetrado por
    outro, esta é a minha opinião que tem que ser respeitada como todas as outras,
    pois estamos vivendo num estado de direito.
    Muito mais ignorante é quem vem querer botar na minha cabeça que ser homossexual
    é bom, é legal, ou querer vir falar mal de mim porque penso assim.
    No mais, não me interessa se a pessoa é homo ou não, tenho amigos(as) homo e não
    os julgo pela sua opção sexual, mas pela pessoa que são e eles sabem o que penso
    sobre o assunto, porém não tenho preconceito somente desaprovação.
    Pra mim homossexualismo é desvio de carater, troca, confusão ou crise de
    personalidade. Dizer que a pessoa nasce homossexual é ridículo, pois somente os
    animais nascem com instinto, o ser humano é muito mais complexo.
    Esta mãe está correta, filho a gente tem que amar de qualquer jeito.

  • Roberta diz: 26 de novembro de 2012

    Somos todos espiritos de luz enviados a Terra e, como tal, em nosso intimo, nao temos genero (masculino/feminino). O nosso corpo eh apenas uma roupagem que nos eh emprestada nessa existencia, com o objetivo de evoluirmos no CONHECIMENTO, na ACEITACAO, no AMOR. Ja dizia Allan Kardec (pai da doutrina espirita) ha muitos anos.
    Que esses espiritos pouco evoluidos cheios de razao em seus comentarios maldosos sejam envoltos de energias positivas e possam se esclarecer. O planeta precisa de mais amor e menos julgamento.
    Parabens Nereida, tua missao esta sendo cumprida aqui na Terra, vens trazer esclarecimento e amor, assim como Jesus Cristo.

  • Cristina Monteiro diz: 26 de novembro de 2012

    Que família linda…. coisa rara e bonita de se ver uma família sem preconceitos, e feliz! Isso sim é amor de mãe… é o chamado amor incondicional…. pena q nem todos vivem a mesma situação que vcs….Parabéns!

  • Leandro diz: 26 de novembro de 2012

    Quando se escreve algo devemos cuidar para não sermos contraditórios. Ou tu aceitas a homoafetividade, ou não! Como, por exemplo: “(…) não tenho preconceito somente desaprovação.” Uma coisa ou outra. Além disso, acredito que se alguém penetra, ou é penetrado, só diz respeito a duas pessoas, os demais devem, apenas, respeitar as orientações sexuais, as escolhas profissionais dos filhos, por exemplo, a cor da camiseta, do esporte a ser praticado, …

  • Jorge Luis diz: 26 de novembro de 2012

    Como eu disse, sempre tem um metido a inteligente se metendo nas postagens alheias para criticar. Preconceito é uma coisa, desaprovação é outra bem diferente Leandro, vai pegar um dicionário o ignorante e tem mais: Eu falei sobre penetração para especificar o porque de eu não aprovar, eu sei que qualquer um faz o que bem entender da sua vida.
    Este é um caso que eu comentei na minha postagem anterior: O metido a intelectual! Se tu ‘se acha’ tão inteligente, culto, vai presidir a ONU o mané, mas primeiro faça aulas de interpretação e dicernimento que te falta muito quando lê postagens alheias para criticar babaca.

  • Amilton diz: 26 de novembro de 2012

    ESCUTEM: Ser homossexual é uma opção sexual induzida pela cultura familiar, a falta de referencia (homem mulher) e quando essa referencia é ruim(Ex: um pai ou padrasto abusador ou uma mãe ou madrasta abusadora) leva a criança a uma opção fora das caracteristicas genéticas. Não existe um terceiro sexo, existe uma opção por ter relação sexual com pessoas do mesmo sexo. PRESTEM ATENÇÃO E NÃO VENHAM COM LOROTAS

  • Jean diz: 26 de novembro de 2012

    Sabe, é esquisito ficar se defendendo, se explicando, mas a verdade é que ser gay é dificílimo pra maioria das pessoas que nascem assim! Uma coisa que eu nunca concordei e nunca vou concordar é achar que ser gay/homossexual só diz respeito a sexo… isso é simplesmente ridículo, enquanto a maioria dos meus amigos hetero de escola já tinham suas experiências sexuais consumadas no Ensino Fundamental eu só perdi a virgindade com 21 anos, e mesmo assim eu nem queria fazer isso, só saí de casa porque tava de saco cheio de não poder namorar; todo mundo namora, gay fica se escondendo, no meu caso quase fiquei doido de me esconder, inventei ser outra pessoa, deixei de fazer coisas que eu amava fazer, fiquei depressivo, perdido, com ódio e pena de mim mesmo, num ciclo vicioso e maluco que me levou à uma frustrada – ainda bem – tentativa de suicídio… e aliás, nunca fui numa balada e nem gosto, não tenho tatuagem e só usei um brinco na orelha esquerda na época que fazia dança de rua, porque eu era adolescente…

    Jorge Luis Silva, você não tem que ter pena de seus amigos gays… dizer que HOMOSSEXUALIDADE (por favor, aprenda o termo correto, pois você não é pesquisador sobre o tema pra inventar termos errôneos!!!) é uma doença ou desvio psicológico não tem nada a ver com sua cabeça, porque você é heterossexual, eu sou homossexual e não entendo a cabeça de um hetero (por exemplo: olhar qualquer mulher/menina e sentir vontade de transar, ter tara por mulher, mesmo que seja uma sobrinha ou prima mais nova), assim como um heterossexual não consegue entender a cabeça de um homossexual!!! Isso é fato, compreender é uma coisa, entender não existe nesse caso!!! Agora, assim como eu acho bizarro eu ficar imaginando como meus pais, minhas tias casadas fazem sexo, de que forma eles se penetram, quem chupa quem, se gostam de fio-terra ou de swing… isso pra mim é bizarro!!!, assim como você precisa entender que é igualmente bizarro você enquanto um homem heterossexual ficar imaginando um casal gay transando, isso é esquisito, é desagradável, pois casais gays não fazem sexo 24h, não pensam só em sexo, aliás, todo mundo sabe que os mais safados num relacionamento hetero são os homens, que estão com uma mulher maravilhosa do lado mas ficam tendo sonhos pervertidos com qualquer rabo de saia na rua, shopping, faculdade, isso todo mundo sabe… os homens em geral são seres visuais, mais visuais que as mulheres…

    Eu me chateio sabe, porque a sexualidade de uma pessoa é extremamente íntima, dentro de cada pessoa existem taras, perversões, desejos reprimidos ou não… mas que se dane, isso é de cada um… e gays não são exceções, são seres humanos que pensam, sentem, tanto quanto qualquer outro ser vivo do planeta, nem melhores nem piores…

    Sobre um gay ser feminino: alguns nascem com essa necessidade, assim como existem os travestis, transsexuais, transgêneros… se eu te falar a verdade, mesmo sendo gay, não entendo essas outras maneiras de ser… eu entendo o meu tipo, mas compreendo os outros (assim como existem casais heterossexuais onde quem manda é a mulher e o homem parece um cachorrinho com o rabo entre as pernas, totalmente o oposto que um casal normal deve aparentar ser, com a mulher mais frágil e o homem forte e poderoso)… não preciso me rebaixar e vir aqui ou em algum blog de travestis e dizer que eles são nojentos porque não sabem se querem ser mulher ou homem… porque se vestem, agem, falam femininamente, porém não cortam o pinto e até os usam em suas relações… eu não preciso disso, porque a vida é dele, ele quem nasceu assim e não eu, agora, o tipo de pessoa que ele vai ser ele quem escolhe, se vai ser prostituta ou médica, porque existe… e meu pai já foi numa médica travesti…
    Resumindo, eu já ouvi de uma tia minha, a quem admiro, respeito e amo, já ouvi ela dizer que não conseguia ver dois homens transando, que era nojento… mas ela precisa imaginar dois homens transando? É tão necessário assim pras pessoas imaginar todo mundo transando com todo mundo? Abraço.

  • Leandro diz: 26 de novembro de 2012

    Jean, parabéns pelo seu post, incrível!

    Sou homossexual também, tenho 27 anos. E lembro que na época do colégio, a partir dos 11 anos sempre fui motivo de chacota na turma (apelidos e risadas). Isso que eu não era totalmente afeminado, ao menos acho que não era nada gritante, pois minha família nunca falou nada e não era algo generalizado, mas sempre ouvia de vez em quando somente. Mas esse de vez em quando me acompanhou durante anos.
    Só eu sabia o quão mal aquilo me fazia, me aniquilava, me deixou literalmente depressivo.
    Com 14 e 16 anos entrei em depressão, a de 16 anos me fez parar num psiquiatra me tratando por um bom tempo com remédios, minha família queria saber por que eu estava depressivo, eu simplesmente falava que “não sabia”.
    Lembrar do meu colégio é lembrar de tragédias, é lembrar que nunca tive amigos, é lembrar que eu tinha que me cuidar para não dar “bandeira” e alguém falar algo. Portanto, sempre me “fechei” para a maioria das pessoas, falando o estritamente necessário. Sempre solitário e muito pensativo.
    E sempre perguntava para Deus (isso com 14 anos de idade) o porquê de ele ter me feito àquela maneira.
    Na minha cabeça eu era o único gay do mundo e jamais seria feliz, não via felicidade em nada. Lembro que a minha felicidade aos 14 anos foi achar um livro na biblioteca que falava que a “homossexualidade tinha cura”. (tamanha era a minha inocência).
    A pior coisa que alguém poderia me fazer, muito pior que me bater, roubar, etc, era me chamar de veadinho. Ninguém sabe o quanto isso dói.
    Claro, existem vários tipos de homossexuais, existem os “porra louca” que desde novinhos não tem papas na língua e partem pra cima, não tão nem aí. O meu caso era o contrário.
    Sou filho de uma família extremamente conservadora, tive um pai totalmente presente, mãe, irmãos e avôs.
    Bom, mas eu cresci e só eu sei o quão complicado foi eu me tornar um adulto.
    Apenas aos 22 anos de idade que encontrei um ótimo psicoterapeuta em Porto Alegre, o qual, depois de várias sessões, pareceu abrir minha cabeça e como num passe de mágica tudo mudar em mim.
    Minha família não sabe, amigos héteros tb não.
    Isso hoje não me perturba, pois vivo escondido, não posso ser eu mesmo, mas vai chegar um tempo que não estarei mais nem aí.
    Pois afinal, eu sofri muito, aguentei anos isso dentro de mim, tive que procurar terapia, achar que eu era uma aberração, fazer tratamento por um longo tempo e já não bastasse isso ainda tenho que aturar os humanos?

    Ninguém é obrigado a aceitar nada. Agora, ninguém sabe o que tem por trás do meu rosto pra poder me julgar.

  • Leandro diz: 26 de novembro de 2012

    Só pra complementar, hoje com 27 anos não sou NADA afeminado.
    Não sou nada fashion.
    Tenho a voz extremamente masculina.
    E recebo várias cantadas de garotas.

  • Jorge Luis Silva diz: 26 de novembro de 2012

    Caro Jean, pegue o dicionário antes de repreender alguém e aprenda, antes de jogar a tua arrogância :
    Homossexualidade, também chamada de homossexualismo (do grego antigo (homos), igual + latim sexus = sexo), refere-se ao atributo, característica ou qualidade de um ser, humano ou não, que sente atração física, estética e/ou emocional por outro ser do mesmo sexo ou género.
    Veja bem, você acabou de escrever que os héteros são tarados por sobrinhas, eu tenho lindas sobrinhas e elas são pra mim como filhas, isto que você falou é ofensivo e se você pensar melhor, veja quem faz ponto na farrapos.

  • Vitor diz: 26 de novembro de 2012

    Tem gente que ainda não entende, cisma em rotular o homossexual como um “terceiro sexo” e eles mesmo depois se contradizem dizendo que não existe “terceiro sexo”.
    Eu sou gay e sou homem. Me sinto homem, tenho características masculinas, me identifico com o masculino e pronto!
    Sexo biológico é uma coisa, identificação sexual e identificação de gênero é outra!
    Não existe terceiro sexo. Existem homens heterossexuais. Existem homens homossexuais. Existem mulheres heterossexuais e existem mulheres homossexuais.

  • Jean diz: 26 de novembro de 2012

    Obrigado, Leandro… pouca gente sabe o quanto é difícil ouvir besteira a seu respeito durante a vida escolar, um período importantíssimo de consolidação da personalidade, do caráter e da segurança emocional… e ainda, depois de adulto, continuar a ler absurdos de gente sem ciência alguma sobre o que está falando, divulgando barbaridades e inverdades sujas de um assunto que nem de longe lhes diz respeito!

  • Marcelo Motta diz: 26 de novembro de 2012

    Querida Nereida, acho que atitudes como a tua, são louvaveis, e tantos comentários (mesmo os mais fervorosos discordando) mostram que você tocou, mexeu, incomodou, e acho que tem que serem ressaltadas…
    tenho 25 anos de idade, psicólogo, e gay… Minha família aprendeu a respeitar, aceita, e sou muito feliz…
    E meu desejo é que assim como você, mãe se manifestem porque assim o preconceito vai diminuir, o grande preconceito começa dentro de casa…
    Eu to encantado e emocionado com esse texto que mexeu muito comigo, e fez eu refletir demais em pessoas que diferente de mim ou do seu sortudo filho, não tem a sorte de ter exemplos…
    Parabéns… Parabéns… Parabéns… :)

  • Jorge Luis Silva diz: 26 de novembro de 2012

    Agora Jean vc conseguiu mostrar quem realmente vcs são e o que pensam :
    Quem não aprova o comportamento homossexual, para vcs, é bárbaro, mentiroso, preconceituoso, homofóbico, sem ciência, etc…
    Vocês se acham os modernos, querem ser aceitos mas não aceitam, querem ser ouvidos mas não ouvem, querem impôr mas não possuem aceitação nenhuma.
    Não interessa para uma pessoa normal o que vcs fazem, mas vocês querem influênciar e dominar o mundo, os nossos filhos. Antigamente não existia tantos gays assim, hoje em dia, com influências sujas e inverdades que as crianças olham na TV elas optam por ser homo até por curiosidade, ou moda, sei lá. Vocês se fazem vítimas, acham que a maioria dos homens tem que ‘sair do armário’ porque querem ser aceitos e, para serem melhor aceitos querem que seu mundo paralelo seja o único mundo existente, mas amigos vocês se enganam : Eu sou pai de 2 meninos e quero que eles sejam felizes com suas esposas e meus netos, não importa se a mulher vai mandar neles ou não, já que isto te incomoda Jean, por isto este assunto me diz respeito SIM.
    Vocês tem desvio de caráter, sinto muito amigo, mas esta é a pura realidade, aceite ou não. Mas se vocês são tão felizes porque tanta amargura aqui no post ? vocês não são pessoas felizes não, dá para ver a amargura de vcs preocupados com o que os outros pensam, postei aqui que desaprovo apenas, não disse que tenho repúdio e muito menos ódio, postei que tenho amigos homo e, mesmo assim, vcs atacam com acusações e insinuações porque vcs é que são preconceituosos. Sejam mais felizes amigos.

  • Alexandre Borin diz: 26 de novembro de 2012

    Primeiramente parabéns a esta mãe, que pelo jeito é uma Mãe que ama, e de verdade. Não prepondera seu desejo e expectativa à identidade de seu filho. Ama sem o egoísmo de que o filho pertence a ela e foi criado por ela, mas com o sentimento de entrega e aceitação. E aqui não entra só a homossexualidade, mas toda a identidade do filho(a), como o humor, a cor dos olhos, as preferências musicais, culinárias, a voz, a altura de seu filho e tantas outras particularidades. O que ela ama é seu filho e ponto. Assim como amaria um filho hétero, como também é o caso. Não vou entrar na questão da “genética sexual” e sinceramente acho que isso não importa. Não vou expressar minha opinião a respeito do quê a pessoa escolhe ou não escolhe. ISSO REALMENTE NÃO IMPORTA! (Caro João Sem Sobrenome que escreveu mais acima, atenção: NÃO IMPORTA, ok?) E agora é aqui que quero chegar. o comentário do João fala que a homossexualidade é influenciada pela mídia. Tudo bem, tu foste até educado em tua colocação caro amigo, pois se tratando de uma pessoa sem a informação adequada até acho que tu escreveu bonito. Mas pense, e pensem todos: Será que existe um reality show canino? Felino? Existe a mídia dos animais selvagens? Pois sim caro João: a homossexualidade é encontrada em centenas de espécies ou até mais! ( ultrapassam as 600 espécies). Ou será que são os humanos os responsáveis pela “contaminação homossexual” desses animais?? Bom, não nos estendemos, pois a informação é acessível ( a boa e a má informação) e cabe a nós fazermos o esforço de mudar, mudar pensando, agindo. Informação inadequada e preconceituosa, isso sim é fruto da mídia e não só dela, da religião e da hipocrisia. Boa noite caro amigo João e ótima noite querida mãe!

  • Alexandre Borin diz: 26 de novembro de 2012

    Ahh e outra coisa: como não descobriram antes que já existia a televisão e a mídia na Idade Média??? Sim, pq certamente os gays daquela época foram influenciados por alguma coisa… Ihhhh pegou caro João.. que fiasco companheiro!!
    hehehhehehehehhehehehhehehehehehehehhehehehehehehe….

  • Para: Jorge Luis Silva diz: 26 de novembro de 2012

    Meu amigo, se vc quer dar lição de moral que pelo menos vc tenha conhecimento para tal. Falar de algo que a gente desconhece é ignorância.
    E é isso que vc é, um ignorante sobre o tema homossexualidade.
    Caráter é outra coisa que não tem nada a ver com orientação sexual.

    A questão é que vc aceitando ou não, homossexuais continuarão a existir e a sociedade aos poucos terá que engolir ”guela abaixo”.

  • Para: Jorge Luis Silva diz: 26 de novembro de 2012

    Já que vc acha isso tão horrível toma cuidado com as tuas palavras, talvez seu filho seja um homossexual no futuro.

  • Jean diz: 26 de novembro de 2012

    Jorge Luis Silva, você está levando a conversa prum nível elevadíssimo que meu cérebro não consegue entender! [rs]

    Ninguém tá falando de aprovar ou desaprovar o sexo anal homossexual… sexo é sexo, eu quis tirar esse rótulo do assunto…
    Cara, entende de uma vez por todas… os homens sempre tiveram sua cultura, as mulheres resgataram sua imagem, na revolução sexual, hoje elas estudam como os homens estudavam, possuem carreiras muitas vezes maiores e mais remuneradas que os seus homens, também criaram sua cultura feminina, do poder feminino e hoje o espaço delas existe… nós, os homossexuais, também precisamos da nossa cultura, do nosso espaço, é uma questão de sobrevivência ter referências, é natural do ser humano ver um semelhante bem sucedido na vida, em todos os sentidos, e se incluir na lista dos seres humanos normais, aceitos pela sociedade, com seus direitos garantidos…

    O que a sociedade fez e hoje está mudando foi tentar esconder isso, criminalizando, rebaixando, tratando o nosso tipo como doença, não garantindo direitos, excluindo da sociedade… mas isso é recorrente na história… os judeus sofreram o que sofreram no Nazismo, foram perseguidos, rebaixados… os negros foram escravizados, foram tirados de seus países, das suas tribos e hoje ainda são maioria nos bolsões de miséria e pobreza de muitos países, inclusive o Brasil… onde os pretos ainda são confundidos como pobres… e isso também aconteceu e acontece com os homossexuais!

    Procure no Google a história de um gay brilhante: ALAN TURING, o CARA QUE INVENTOU O COMPUTADOR QUE TU TÁ USANDO, ele era inglês e viveu numa época em que, no seu país, homossexualidade era considerada crime/doença… quando descobriram, o forçaram a abandonar suas pesquisas, seu trabalho, foi preso e obrigado a tomar hormônios para fins de “tratamento”, ele ficou com o físico deformado (e com certeza o psicológico também…=/); depressivo e atormentado, suicidou-se com uma maçã mergulhada em cianeto…

    Por favor, todos os discursos que leio ou ouço de pessoas como você são gerados por medo, medo de o filho ser gay, medo de ter netos gays, medo de ter algum gay que descenda do teu sangue… ou medo irracional como esse de achar que homossexualidade pega por assistir um artista gay, por ver um gay na rua dando pinta… o que é A COISA MAIS IDIOTA E SEM FUNDAMENTO QUE SÓ UMA PESSOA SEM CULTURA PODERIA PENSAR…¬¬

    Você fala que a gente não aceita mas é uma questão de honra e respeito a nós mesmos repudiar discursos BURROS como o seu… é como se, num blog sobre violência contra a mulher um bando de homens machistas começassem a deixar comentários dizendo que não aprovavam o fato de elas irem na delegacia denunciar, ou brigar com o marido, porque elas deveriam ser as culpadas se o marido bate nelas, tipo, porque são vagabundas mesmo ou porque não acatam tudo o que o marido manda elas fazerem para eles não baterem nelas… compreende o quanto seu comentário nesse post, maravilhosamente escrito pela Nereida Vergara é irritante? é desnecessário? é revoltante e sei lá mais o quê?!

    Cara, isso aqui é uma mensagem de apoio, talvez um marco de apoio pra um determinado grupo de pessoas que tem seu moral prejudicado, você não entende que vir aqui comentar as besteiras que você acha que tem que comentar é uma afronta pra mim, com certeza eu não vou aceitar…

    Sobre modernidade… existem gays que gostam de coisas de gay… cabelo com franja, roupas de gay, sei lá mais o quê… e tem gay que é mais masculino e sério que você, por exemplo… mas com certeza, se você considera um ato moderno um homem se esfregar em outro homem, dar carinho, ser meigo, como um casal de namorados normal… sim, nós somos “homens modernos”… justamente porque somos outra raça de homem… nós somos gays, simples assim, um cara que consegue amar e dar carinho e sexo pra outro cara, uma mulher que consegue amar e dar carinho e sexo pra outra mulher…

    Sobre o fato de existirem tantos gays hoje… é muito simples: só ter informação… A pirâmide etária do Brasil é típica de países em desenvolvimento: predominância de jovens, portanto, com mais liberdade mundial os gays jovens, ao invés de se esconderem como os jovens gays faziam antigamente, assumem sua homossexualidade numa boa… entendeu?

    E sobre meu caráter… pffff, você não conhece minha história de vida e meus princípios pra falar sobre isso, só sei que todo mundo que me conhece reconhece minha inteligência e que eu fui criado numa família com valores corretos e pensamento sadio… meu pai é sargento da Brigada, ele já sabe que sou gay e ele sempre me elogiou como ser humano… Abraço.

  • Ricardo diz: 26 de novembro de 2012

    Agora sim, Jorge Luis. Assim é que se faz! Deve ser difícil ficar tentando fazer um post comedido, dizendo que não tem preconceito, que não é homofóbico, etc.

    Mas tem uma hora que não dá para segurar, não é? Então chega esse post recheado com “gays querendo dominar nossos filhos”, “influências sujas”, “desvio de caráter”, etc.

    Deve ser bacana um “amigo gay” teu te ouvindo dizer que ele tem desvio de caráter. Na mesma hora ele percebe que tu não tens nada contra homossexuais.

    Pensanso bem, tu tens esse estranho hábito de ficar imaginando a penetração masculina…

  • Grace diz: 27 de novembro de 2012

    Nao sou homofobica, mas nao gosto da maneira exibicioista dos homossexuais. Se querem ser respeitados devem respeitar os outros tambem. Nao vejo nada de tao maravilhoso sobre o depoimento desta mae. Pois qualquer mae sempre ira ficar ao lado de seus filhos. E na minha opiniao quando se comeca a tentar dar muita explicacao e se fazer de vitima, e porque o assunto nao e bem resolvido. E posso dizer que hoje a sociedade faz que aceita , muitas vezes por interesse. Pois sabem que a categoria esta crescendo, e e muito rentavel. E so ver o que a Globo fez com o tal personagem Clo.

  • Inacio Dami diz: 27 de novembro de 2012

    Ser Gay é comportamento!!! Discursos , frases prontas, frases de efeito, só servem para articulação dos Gays entre eles mesmos e para “seduzir” mais simpatizantes para o comportamento deles. Comportamento, se dentro da lei e liberdade pessoal,deve ser respeitado, mas querer status especial por ser Gay é o CÚMULO!!! Quem deve ter Status especial deve ter pelas suas CONDIÇÕES: deficientes em todas as suas esferas, doentes crônicos(câncer,etc),pobres, etc. agora ..exigir que Gays sejam especiais é o FIM.
    Com essa daqui a pouco o PEDÓFILO,o maniático sexual, também irão requisitar espaço pelo seus “desejos” e direito de livre manifestação sexual.
    Gays devem ser livres sim, mas respeitar também quem não concorde com seus pensamentos. Mas para FINALIZAR: Qualquer( mas qualquer mesmo) pessoa consegue entender que se criar um filho, entregando bonecas, fazendo aulas de balett, vestindo roupas de menina, estará criando comportamento de menina nesta criança, e o inverso também é verdadeiro. O que não pode é pais ou mães afetados psicologicamente repassarem para seus filhos sequelas de suas vidas, pois desta forma certamente estarão criando a “corrente comportamental”.

  • Jean diz: 27 de novembro de 2012

    TERRA – 2100 (2009)

    Tema: crescimento populacional e meio ambiente

    Sinopse: cientistas alertam que as degradações ambientais só vão piorar, a ponto de, até o ano 2100, a civilização moderna entrar em colapso e a humanidade será mergulhada em modo de subsistência feudal. O documentário da ABC News faz uma projeção desse mundo cataclísmico e traz entrevistas com renomados cientistas e especialistas.

    Por que assistir: o tema do filme é o crescimento populacional e o meio ambiente, ou seja, como é o impacto ambiental trazido pela ações do ser humano no planeta, associado ao modo de vida contemporâneo.

  • Leandro diz: 27 de novembro de 2012

    Antes de muitos comentários, infelizes!, serem gerados, seus autores deveriam ler sobre o assunto e não ficarem supondo o que é, como é, ser gay. Pessoas promíscuas, cruéis, …, generosas, honestas, …, podem ser tanto heterossexuais como homossexuais, ou, até mesmo bissexuais. O comportamento de um ser humano deve estar dissociado da orientação sexual. A orientação é natural, espontânea. O comportamento é, a partir dos estímulos, desenvolvido. Ora optamos por isto, ora por aquilo. Optar por ser gay é irreal, não existe, simplesmente se é, mas optar em ser ignorante é real, insustentável e lastimável.

  • Jean diz: 27 de novembro de 2012

    Não sou ginofóbico, tão pouco misógino, mas não gosto da maneira exibicionista das mulheres. Se querem ser respeitadas, devem respeitar os outros também. Não vejo nada de tão maravilhoso sobre o depoimento de mulheres que são espancadas, perseguidas ou assassinadas por seus companheiros violentos, em casos de violência contra a mulher. Pois qualquer mulher sempre vai ficar do lado de seus maridos, com quem se casaram. E na minha opinião, quando se começa a fazer campanhas contra isso ou contra aquilo e se fazer de vítimas, é porque o assunto não é bem resolvido. E posso dizer que hoje a sociedade correta faz que aceita mulheres exibicionistas e com comportamento de puta – chamadas de “piriguetes” (porque representam perigo de dar chifres para mulheres casadas e decentes), muitas vezes por interesse. Pois sabem que a categoria esta crescendo, e e muito rentavel. É só ver o que a Globo fez com a tal personagem Suelen.

  • Jean diz: 27 de novembro de 2012

    A mensagem acima foi uma resposta para “Grace” e seu veredicto sócio-antropológico sobre comportamento homossexual na contemporaneidade… além de uma ótima visão retrógrada sobre a rentabilidade da manipulação pejorativa da imagem do homossexual caricaturizado, fortemente alimentada pela “categoria”, que só cresce e está cada vez mais rica (segundo a autora)…

    Obs.: me diz onde é o final do arco-íris, porque eu ainda não encontrei o pote de ouro, tá amiga?! =***

    Ó, dica de bichinha agora, porque bichinha adora ser amiga de mulherzinha… hahahaha: argila francesa no rosto… lava o rosto bem, passa a argila diluída em água com um pincel, daí deixa secar o dia inteiro, depois lava com água fervente… obrigado! o/

  • Milena diz: 27 de novembro de 2012

    Gente, quanta baboseira. O pessoal usa o espaço dos comentários para ficar se agredindo, provando quem está certo e errado. Parem com isso. Ninguém precisa provar nada pra ninguém, nem precisa de “aceitação”… assim como nenhum gay quer status diferenciado, só respeito, só o direito de não ser criticado, julgado por amar alguém do mesmo sexo. Sim, AMAR, não simplesmente “penetrar” a pessoa. O que vocês não conseguem entender, na verdade, é que ser gay define somente o fato da pessoa gostar de alguém do mesmo sexo, ponto final. Não define caráter, não define se a pessoa será masculina, feminina, pervertida, fashion, boa ou ruim… o que define isso são outras questões sociais, comportamentais, etc. Não existe nenhuma característica atrelada ao fato da pessoa ser gay, o que existem são esteriótipos.

    Sou gay, ao contrário do que o outro cidadão disse, não tive más influências de ninguém, nem da mídia, nem da sociedade, nem falta da presença da figura ou masculina. Meus pais são muito bem casados há 30 anos, são muito presentes, amorosos, figuras essenciais e fortes na minha vida… e criaram duas filhas gays, nos amando incondicionalmente. Simplesmente amo alguém do mesmo sexo, assim como prefiro azul a verde, peixe a carne vermelha, português ao invés de matemática, rock ao invés de funk… e por aí vai, só para demonstrar que essa é somente uma preferência minha, como qualquer outra.

    Só o que me importa, portanto, é que eu seja vista como qualquer outra pessoa pela sociedade. Não quero ser mais, mas também não admito ser menos, como qualquer hetero não admitira se fosse julgado por sua preferência, de cor, de etnia, de sexo, de comida, de música, que seja. Entendam isso, de uma vez por todas. Gays não vivem só de sexo, somos pessoas normais e só queremos ser tratados assim… como esse maravilhoso texto diz: também somos normais e merecemos sermos vistos assim, tratados, criados e amados assim. Obrigada, Nereida.

  • Alexandre Borin diz: 27 de novembro de 2012

    hahahahahahahahahah!! Eu to rindo muito aqui com a resposta do Jean para a Grace (talvez Kelly). Muito boa pra vítimas da cultura machista, homofóbica e conservadora que pensam ser livres, ( e no entanto e infelizmente ninguém é livre), mas os comentários homofóbicos mostram uma triste realidade social. Nada engraçada. É… Pra frente meu povo. cuidar mais de si e procurar ser mais feliz. ( vou dar finalizar minha participação aqui com uma mensagem de auto ajuda, ‘Ana Maria Braguiana”) Se todos estivessem livres, amando, fazendo o que amam, não vinculados a sentimentos de culpa oriundos da religião, respeitando as diferenças, as escolhas, as identidades, as mulheres, os homens, as crianças, a natureza, as pedras… enfim. Se todos estivessem de bem consigo mesmo, e se um dia isso acontecer e mesmo assim um homossexual incomodar a alguém, ou parecer um indivíduo de caráter distorcido, ou mesmo alguém precisando de ajuda para se curar de sua sexualidade monstra (como alegam os evangélicos), se um dia isso acontecer enquanto todos estiveres 100% seguros de si e felizes… bom se isso acontecer um dia, ainda assim não lhes dou razão, caros ( baratos) homofóbicos, machistas e até os sexistas ( dentre eles muitos gays tb). Prefiro me considerar um louco do que pensar que isso é um problema enquanto não vemos problemas reais e somos usurpados constantemente. Num país onde quem rouba um pote de margarina ou uma galinha fica 2 meses na cadeia, enquanto quem rouba milhões dos cofres públicos fica livre e ainda é reeleito, num país onde índios são sujos, pobres e passam fome, num país onde o futebol ( que é muito bom enquanto esporte) tem mais importância do que o saneamento básico (basta ver as condições de vida de milhares de brasileiros, miseráveis, paupérrimos e dar uma verificada nos gastos com a Copa)… num país da diversidade, da alegria e do carnaval. Se num país assim, um dia todos estiverem bem e a homossexualidade ainda for pauta como sendo um problema ou defeito, só me restará estar louco. Bjo Grace!

  • Lucas diz: 27 de novembro de 2012

    Eu não creio que ainda leio comentários dizendo que a homossexualidade é um desvio de conduta, ou a falta da figura masculina ou qualquer figura que seja, ou é INCETIVADA pela mídia (poor favor).
    Legal é que esse pessoal, que para maquiar o egocentrismo e sim se achar o mais sábio, conhece muitoo de comportamento. Começando:
    Então se somos homossexuais por falta de figura masculina, logo todos os filhos de mãe solteira seriam gays (não né ¬¬’).
    Se é algo imposto pela mídia, os romanos seriam os mais machos da história, visto que não havia “mídia” naquela época (tbm não) .
    Se é algo antiquado, anormal ou tudo aquilo de ruim que tacharam nos comentários acima, como o pior dizendo que nós temos desvios de caráter; (Jorge Luis Silva NUNCA GENERALIZE!) o acontece, então, com os animais com sexualidades diferentes?! Vai dizer que eles tbm têm desvio de caráter, ou foram incentivados pela mídia?! (acho que não)

    Jorge Luis Silva, não sou preconceituoso e, com toda certeza, eu respeito seu posicionamento, PORÉM não me venha dar justificativas pela sua reprovação quanto aos homossexuais, porque NÃO HÁ UMA JUSTIFICATIVA PLAUSÍVEL PARA TAL REPROVAÇÃO, apenas diga: “eu sou contra, não sei pq… mas sou contra.”
    Fica menos feio.

  • Leandro diz: 28 de novembro de 2012

    Adorei o teu comentário Milena, exceto uma passagem: “rock ao invés de funk… e por aí vai, só para demonstrar que essa é somente uma preferência minha, como qualquer outra.” Antes eu acreditava que a homoafetividade era uma opção, escolhi e pronto. Mas, a partir de várias leituras, concluí que esta orientação sexual é, assim como a hetero, espontânea, natural. Simplesmente se é! Não há preferência, não há opção, escolha, … Simplesmente se é e ponto! Abraços.

  • Jean diz: 28 de novembro de 2012

    Exatamente por saber como as pessoas confundem as coisas, e ainda vem dar opiniões “formadas” sem conhecer o assunto, que eu tenho essa maneira combativa e sardônica de responder… e sempre vou ter.

    Obs.: ODEIO EVANGÉLICOS/”crentes de qualquer coisa que venda a salvação” QUE SE ACHAM AS PESSOAS MAIS CORRETAS E PURAS DO MUNDO… tive um professor na faculdade que era evangélico, ele usava mais da metade da aula pra ficar pregando sua religião e falava mal de homossexuais com os mesmo discursos que essa gente usa pra sujar esse espaço de debates aqui!!! Com certeza ele percebeu que eu era gay, porque gosto de me vestir bem (a minha família toda naturalmente é assim, e gaúchos são super vaidosos e lindos), e penteio meu cabelo com um topetinho bonito, sou super lindo, neném, humilde, etc… então ele pegou no meu pé e só faltava fazer uma sessão de descarrego de diabo com minha pessoa na sala de aula, todo mundo percebia meu nervosismo quando ele entrava na aula, mas eu sempre me mantive firme, sem me rebaixar… até mesmo em apresentações de trabalhos, coisa que eu sempre odiei por ser tímido e também por saber que sempre fui mais inteligente que as pessoas que estavam me assistindo…

    Ele era muito nojento, ficava passando a mão nas meninas (maioria esmagadora na turma), elogiando de uma maneira tendenciosa, e além de tudo muito burro… pois acreditava que foi o ingresso das mulheres no mercado de trabalho e o “aumento do número de gays no mundo, especialmente na turbulenta Europa” que estava criando a crise no mundo… que as famílias estavam em crise… num blá blá blá tão emburrecedor que meu estômago ficava cada semana mais revoltado quando eu o via…

    Ele era tão nojento que dizia às meninas que achava feio as mulheres saírem com suas amigas depois do trabalho para comer carne e beber nos bares/restaurantes/pubs da cidade, num happy hour tão normal quanto necessário pra quem estuda e trabalha ao mesmo tempo e é dono de si… e ainda ficava batendo na tecla de que as mulheres gastavam muito dinheiro com roupas e sapatos… muito intrometido, machista e sexista, totalmente perturbador pra minha mente livre, pensante e contestadora!!!

    Ele tinha o mesmo discurso maniqueísta e evangélico de que “os gays estavam muito na mídia”, que “isso só acontecia porque os gays são rentáveis”… blá blá blá ¬¬… e eu com uma super vontade de ir embora, largar a faculdade, porque sabia que se eu começasse a contestar ele viraria literalmente um demônio… e o pior é que ele daria aula em outra matéria do próximo semestre…

    Resumindo: óbvio que isso me ajudou a largar a faculdade, porque eu não vou pagar um curso do meu próprio bolso pra ouvir tais discursos emburrecedores e sujos e além do mais pra ser diminuído por alguém que sabe exatamente o que está fazendo, isso tudo numa “Universidade”… e o pior de tudo é que eu via muita gente concordando com ele só porque ele era rico e professor de faculdade, pfffffffffffffffffffffffffffffffffffffff = GRANDE BOSTA…

    Apesar de tudo, um grupo de alunas acabou reclamando das aulas dele pros superiores, e eu nem mesmo fui convidado!!!… talvez porque todo mundo se sentia incomodado com suas mãos lascivas no cabelo, queixo, braços… ou seus elogios incessantemente galanteadores… sério, percebia mesmo que todos ficavam tensos com suas “aulas”…

  • Jorge Luis diz: 28 de novembro de 2012

    “PORÉM não me venha dar justificativas” Lucas QUEM VEIO TE DAR JUSTIFICATIVAS ? vai te catar o idiota.
    Animais homossexuais ? o computador que eu estou foi um gay que fez? hahahahahahahaha e daí se fosse ? mas não foi o inglês.
    a primeira máquina quem inventou foi o alemão Wilhelm Schickard, e quem inventou o primeiro computador pessoal PC foram Steve Jobs e Steve Wozniak. se informa melhor..ahaa vc não estudou né, não conclui a faculdade, desculpa foi eu e os héteros do mundo que não deixaram vc estudar.
    Vcs se acham donos da razão e possuem a mesma filosofia de Hitler que queria a Raça ariana pura monopolizada no mundo, vcs querem que todo mundo seja igual a vcs, como eu disse : Não aprovo as atitudes, agora vem um monte de viado filósofo encher o saco neste post se achando os donos do universo, vão se catar !
    Por isto que tem gente que é homofóbica, porque vcs são muito chatos querendo se sobrepor sobre as opiniões dos outros, dizendo que os homens são tarados até pelas sobrinhas, não ví um de vcs repreender este absurdo escrito aqui.
    Vocês, em sua grande maioria, não são aceitos não é pelo caso de serem gays, mas sim por serem chatos e arrogantes…Saiam do meu pé viadagem e Jean: você nem concluiu a faculdade e vem dar uma de Einstein aqui com filosofias baratas. Se tu não tens uma graduação amigo, quem não possui ciência aqui é tu que desistiu e pôs a culpa no teu professor, é assim que vcs agem : colocam a culpa nos outros e não se enchergam…
    por que tu Jean, não gravou o assédio do cara e não entrou na justiça por danos morais ? Agora vem cheio de raiva colocar a culpa no mundo porque vc não estudou? Vai estudar rapaz, depois conversa comigo !

  • Milena diz: 28 de novembro de 2012

    Obrigada, Leandro.

    Só uma observação, quando disse “preferência” não quis dizer que acho que ser gay seja opção. Só quis dizer que prefiro pessoas do mesmo sexo, mas não que eu tenha escolhido ser assim. Concordo com você, a orientação simplesmente é, não se escolhe. Sou gay desde que me conheço por gente, e já me via assim com 3 anos de idade, na minha primeira lembrança infantil. Se fosse, de fato, opção, eu teria optado por ser hetero, como tentei tantas vezes, em vão. Nesse sentido, somos o que somos, o que também prova que a homossexualidade não é contagiosa, como muitos pregam. Isso porque há a percepção errônea de que as pessoas “viram” gays. O que acontece, na verdade, é que a pessoa sempre foi assim, só negava até então, até que um dia resolveu se aceitar. Quem duvida, é só se perguntar: Algum hereto aqui escolheu ser hetero? Não. Assim como não escolhi ser gay, escolhi apenas aceitar quem eu sou e ser feliz assim.

  • Jean diz: 28 de novembro de 2012

    Caro Jorge Luis, o senhor me desculpe se eu passei dos limites… mas, continuemos… o curso que eu comentei era ruim e não era o que eu queria no momento, pra mim não servia; hoje tenho muitos planos em minha vida e os estou conquistando… o que não interessa a ninguém aqui além de mim mesmo… só sei que meu português é rico e incontestavelmente correto… o que significa que desde pequeno sou apaixonado por leitura e, além do mais, não concordo mais uma vez com uma de suas opiniões: a de que para ser inteligente seja preciso ter terminado uma graduação… exemplifico isso com o caso da:

    #1-desembargadora do Paraná Joeci Machado Camargo: “O meu pai nos abandonou. Abandonou a mulher com quatro filhas. Nós passamos muita fome, mas muita fome mesmo. Nós não tínhamos o que comer”, ela foi diarista mas se formou em Direito e hoje tem um dos cargos mais altos do Judiciário; ela julga as decisões já tomadas por outros colegas juízes…

    #2- professora de História Marina Silva, candidata à Presidência da República pelo PV em 2010, ministra do Meio Ambiente (2003-2008) e senadora pelo Acre (1995-2011): É negra. Foi analfabeta até os 16 anos. Quando criança, vivia no meio da floresta amazônica. Foi empregada doméstica.

    #3- Ubirajara Gomes da Silva: ex-morador de rua de Recife, passou quase um ano carregando pelas ruas do Recife uma folha de papel dobrada com o comprovante de classificação no concurso do Banco do Brasil. “As pessoas me diziam para prestar para cargos de nível fundamental, mas eu sabia que podia tentar para nível médio”…

    Pergunta: você acha que essas pessoas eram burras por não terem graduação?!?!?!

    Mas cada um pensa do jeito que quiser, não é mesmo?

    Desculpe-me também por ter mencionado de forma intempestiva e aparentemente generalizadora o fato de que alguns homens heterossexuais sentem atração por quase todos os espécimes do sexo feminino… só escrevi isso para demonstrar o quão errado e equivocado é dizer que nós, gays, somos “chamativos”, ou “queremos que todo mundo se revele”, como se fôssemos muito atraentes para todos os homens que nos olhem… Ora, se um rapaz que sempre foi heterossexual, tem namorada ou é casado, de repente se interessa por outro indivíduo do sexo masculino, isso pode significar que ele é bissexual ou “homossexual enrustido”… e é óbvio que ele vai ter que lidar com isso dentro dele por toda sua vida! Assumindo ou não.

    E sobre Alan Turing: http://www.nature.com/news/specials/turing/index.html

    “ALAN TURING AT 100 (cem anos de seu nascimento: 23 June 1912 – ele também era canceriano!!!)

    Alan Turing, born a century ago this year, is best known for his wartime code-breaking and for inventing the ‘Turing machine’ – the concept at the heart of every computer today. But his legacy extends much further: he founded the field of artificial intelligence, proposed a theory of biological pattern formation and speculated about the limits of computation in physics. In this collection of features and opinion pieces, Nature celebrates the mind that, in a handful of papers over a tragically short lifetime, shaped many of the hottest fields in science today.”

    ::::::::::::::translation::::::::::::::::::::::::::::::

    “ALAN TURING AOS 100

    Alan Turing, nascido há um século este ano, é mais conhecido por sua quebra de código em tempos de guerra e por inventar a “máquina de Turing” – O CONCEITO NO CORAÇÃO DE CADA COMPUTADOR HOJE. Mas seu legado se estende muito além: ELE FUNDOU O CAMPO DA INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL, propôs uma teoria de formação de padrão biológico e especulou sobre os limites da computação em física. Nesta coletânia de características e artigos de opinião, NATURE celebra a mente que, EM UM PUNHADO DE PAPÉIS DURANTE A VIDA TRAGICAMENTE CURTA, FORMOU MUITOS DOS MELHORES CAMPOS DA CIÊNCIA HOJE.”

    De forma alguma estou me fazendo de coitadinho ou querendo colocar culpa em alguém ou alguma “categoria”!!! Culpa de quê?! Estou falando sobre experiências de vida, gostaria que pessoas que passaram ou ainda passam por coisas pelas quais eu passei lessem, não o senhor!!!

    Aliás, não sei o que ainda está fazendo aqui, a cada novo comentário seu sua homofobia e insegurança se tornam mais evidentes… Abraço.

  • Jean diz: 28 de novembro de 2012

    2012 – ANIVERSÁRIO DE CEM ANOS DO NASCIMENTO DE

    “Alan Turing

    Alan Mathison Turing (1912–1954) was an extremely gifted man, who was influential in the development of computer science and providing a formalization of the concept of the algorithm and computation with his famous Turing machine, playing a significant role in the creation of the modern computer. Turing discovered something that would have delighted Leibniz—he found that it was possible, in principle, to devise one single universal machine that, all by itself, could carry out any possible computation.

    Turing first described the Turing machine in his 1936 article On Computable Numbers, with an Application to the Entscheidungsproblem.

    The Turing machine is an idealized computing device, consisting of a read/write head (or scanner) with a paper tape passing through it. The tape is divided into squares, each square bearing a single symbol (0 or 1, for example). This tape is the machine’s general purpose storage medium, serving both as the vehicle for input and output and as a working memory for storing the results of intermediate steps of the computation. In the original article of 1936, Turing actually imagines not a mechanical machine, but a person whom he calls the computer, who executes these deterministic mechanical rules in a desultory manner.

    The input that is inscribed on the tape before the computation starts must consist of a finite number of symbols. However, the tape is of unbounded length, for Turing’s aim was to show that there are tasks that these machines are unable to perform, even given unlimited working memory and unlimited time. The read/write head is programmable. To compute with the device, you program it, inscribe the input on the tape, place the head over the square containing the left most input symbol, and set the machine in motion. Once the computation is completed, the machine will come to a halt with the head positioned over the square containing the left most symbol of the output (or elsewhere if so programmed).

    The Turing machine can perform six types of fundamental operations—read, write, move left, move right, change state and halt. A complicated computation may consist of hundreds of thousands, or even millions such operations. Despite the Turing machine’s simplicity, it is capable of computing anything that any modern computer can compute.

    A short definition of the thought experiment was given by Turing in his 1948 essay, Intelligent Machinery. Referring back to his 1936 publication, he writes that the Turing machine, here called a Logical Computing Machine, consisted of:
    …an infinite memory capacity obtained in the form of an infinite tape marked out into squares on each of which a symbol could be printed. At any moment there is one symbol in the machine; it is called the scanned symbol. The machine can alter the scanned symbol and its behavior is in part determined by that symbol, but the symbols on the tape elsewhere do not affect the behavior of the machine. However, the tape can be moved back and forth through the machine, this being one of the elementary operations of the machine. Any symbol on the tape may therefore eventually have an innings.

    Turing played an important role in the creation of first english electronic computers. During the WWII, he worked for the Britain’s codebreaking centre (Government Code and Cypher School at Bletchley Park). He devised a number of techniques for breaking German ciphers, and together with Gordon Welchman developed an improved version of the Bomb—an electromechanical machine, that could find settings for the german Enigma coding machine. Later Turing devised a technique for use against the Lorenz cipher, used in the Germans’ new Geheimschreiber machine.

    Turing’s greatest contribution to the development of the digital computer are:
    1. The idea of controlling the function of a computing machine by storing a program of symbolically, or numerically, encoded instructions in the machine’s memory.
    2. His proof that, by this means, a single machine (a universal machine), is able to carry out every computation that can be carried out by any other Turing machine whatsoever.

    Turing was a homosexual, and this resulted in a criminal prosecution in 1952 (homosexual acts were illegal in the UK at that time), and he accepted treatment with female hormones (chemical castration), as an alternative to prison. He died in 1954, several weeks before his 42nd birthday, from an apparently self-administered cyanide poisoning. On 10 September 2009, following an Internet campaign, British Prime Minister Gordon Brown made an official public apology on behalf of the British government for the way in which Turing was treated after the war.”

  • Jorge Luis Silva diz: 29 de novembro de 2012

    Então Jean,
    Eu realmente não me considero homofóbico, até porque nunca tive problemas de convívio com os gays e já postei que tenho amigos gays, mas apenas disse que não aprovo a atitude já mencionada, não disse que odiava ou repudiava, acredito que vocês não me entenderam ou eu não soube me expressar. Assim como não concordo com os skinheads que atacam os homossexuais em SP, na minha opinião estes sim são animais e homofóbicos. O fato de eu não concordar com alguma coisa não quer dizer que eu odeie aquela coisa, de maneira nenhuma; meu pai era gremista doente e eu sou colorado doente, não concordo com os gremistas, porém tenho vários amigos gremistas que tenho como irmãos de sangue, apesar de serem gremistas…
    Sobre Alan Turing, realmente ele foi muito importante na programação, no desenvolvimento, mas não foi ele quem criou o PC, como vc já deve saber ele é o pai da ciência da computação. Prova que já existiam computadores foi Ada Lovelance: a primeira programadora do mundo que morreu em 1852, bem antes do inglês nascer. Ele aprimorou e muito a parte de software, foi um idealizador.
    Não te chamei de burro, apenas não gostei muito do jeito que vc coloca as palavras, vc postou que eu e outros não tínhamos ciência, mas tudo bem…
    Também não concordo com seu ex-professor, se foi isto mesmo que vc relatou, mas vc tem que saber que estamos num estado de direito, então vc pode e deve procurar os seus, e com novas tecnologias à disposição colete provas e procure a defensoria ou um advogado particular.
    Saiba que evangélico de verdade não odeia gays, não adianta a pessoa ir numa igreja se julgar cristão e sair dando ‘porrada no mundo’. A bíblia ‘fala’ que não devemos julgar, pois seremos julgamos com a mesma medida que julgamos e nos chama, nós humanos, de hipócritas, pois julgamos os outros, mas estamos cheios de pecados até piores.
    Eu entendo um lado dos homossexuais, que são discriminados pela maioria e acabam ficando com raiva, foi o que aconteceu aqui no post eu também fiquei magoado qdo vc falou das sobrinhas, pois tenho sobrinhas lindas e as vejo como filhas, talvez por isto os ânimos se exaltaram.
    Um obstáculo que vc vai ter que superar é voltar as suas atividades de graduando, porque se você ficar ‘encucando’ com o que os outros pensam ou deixam de pensar vc não vive.
    No mais peço perdão por ofender vc e outras pessoas aqui e desejo sucesso a todos, sejam felizes.
    Obs.: Eu sou péssimo em português, acho que já deu p/ perceber…

  • Jean diz: 29 de novembro de 2012

    Feliz Natal e um Ótimo Ano Novo! s2

  • Lucas diz: 29 de novembro de 2012

    Jorge Luis Silva diz
    25 de novembro de 2012:
    “(…) Pra mim homossexualismo é desvio de carater, troca, confusão ou crise de
    personalidade. Dizer que a pessoa nasce homossexual é ridículo, pois somente os
    animais nascem com instinto, o ser humano é muito mais complexo.”

    Quando me referi para não dar justificativas estava falando sobre o comentário a cima.
    E para lhe situar, copiei alguns sites sobre a homossexualidade no mundo animal, já que pelo que percebi nem se deu ao trabalho de pesquisar antes de criticar e sair chamando os outros de idiota.

    http://atilassauro.blogspot.com.br/2011/06/homossexualidade-animal.html
    http://noticias.terra.com.br/educacao/vocesabia/noticias/0,,OI3409049-EI8399,00-Existem+animais+homossexuais.html
    http://www.estadao.com.br/noticias/vidae,homossexualidade-no-reino-animal,763657,0.htm
    http://www.conscienciacomciencia.com.br/2010/07/22/a-homossexualidade-no-reino-animal-e-natural/

  • Adriani Charão Dias diz: 1 de dezembro de 2012

    Querida jornalista, me emocionei ao ler tuas palavras!!!É muito dificil enfrentar a sociedade num todo, principalmente na Região Sul do Brasil. Aqui o gaúchos discriminam muito, e com isso a família é a base para que nossos filhos se sintam fortalecidos para enfrentar a VIDA (PRECONCEITO). O amor que temos por nossos filhos faz com que queiramos vê-los FELIZES seja de qual forma for heteros ou homossexuais. Parabéns,

  • Leandro diz: 2 de dezembro de 2012

    Lindo comentário, Adriani! Livre de preconceitos e, acima de tudo, repleto de amor, independente das, possíveis e legítimas, diferenças humanas. Abraços.

  • Daysi Camargo Marques diz: 6 de dezembro de 2012

    Maicon, não acho que nascemos héteros e depois ‘escolhemos’ tornar-nos gays. Acho que nascemos todos bissexuais e nossos pais e a sociedade, tornam-nos héteros, sem nos dar, na maioria das vezes, o direito ou a consciência para a escolha. A criança, quando é pequena, não se sente atraída só pelo sexo oposto. O despertar da sexualidade na criança é direcionado para qualquer um dos sexos. Nós é que desde nascem nossos filhos, entoamos um mantra para cada sexo. Para os guris, perguntamos das namoradas; para as gurias, dos namorados…e isto vai criando uma ‘escolha’ inconsciente. Ai um dia, lá na frente, nosso(a) filho(a) se descobre atraído pelo mesmo sexo ao invés de pelo sexo oposto e aí começa a luta dele(a). Ser fiel a sim mesmo(a) ou ao que os pais esperam dele(a)? Decepcionar os pais ou a si mesmo? Sem prestar atenção, criamos este hiato nas vidas de nossos(as) filhos(as) e os deixamos entregues a este dilema. Já errei desta forma com meus filhos mais velhos, hoje falo com o mais novo sobre parceria de vida, sobre amar outro ser humano. Não tento direcionar suas escolhas, ou fazê-lo sentir-se assim ou assado. A escolha sexual é deles(as). Eu só quero mesmo é que, sejam SERES HUMANOS do bem e FELIZES!

  • Leandro diz: 7 de dezembro de 2012

    Lavagem cerebral para a orientação sexual não acredito ser uma explicação convincente para a homo, bi, ou heterossexualidade. Acho, sim, que o ser humano é orientado, desde o nascimento, pela homossexualidade, por exemplo, e, na fase adulta, quando há a oportunidade em sentir o prazer carnal esta orientação é aflorada.

  • Daysi Camargo Marques diz: 10 de dezembro de 2012

    Apenas complementando o meu comentário acima, eu tenho quatro filhos homens, dois deles hetero, um homo e o outro que tem aparentemente é hetero, mas ainda não teve vivência sexual alguma para embasar suas escolhas. Só que acho muito estranha esta classificação. Sempre achei estranho, classificar as pessoas por suas cores, raças, credo ou opção sexual. Pela sua forma de vestir-se, pelas músicas que gosta de ouvir…eu vejo em todos apenas o ser humano, o Deus interno que tão prontamente manifesta-se, desde que haja espaço para sua expressão. Não tive e não tenho nenhum problema com as escolhas dos meus filhos. Me dou bem com namorada e namorado, com a mãe da namorada, com a mãe do namorado…não vejo onde o problema. Além disso, meus filhos todos são motivos de muito orgulho para mim, em todos os sentidos possíveis e imagináveis. =)

  • Leandro diz: 10 de dezembro de 2012

    Daysi, é muito bom ler o teu comentário!!! Esta atitude que tu tens com os teus filhos é o que chamamos de amor incondicional. Amor sem sexo (se é homo, hetero ou bi), raça (negra, branca, …), status social (rico, pobre, …), … Todos deveríamos possuí-lo ou, ao menos, tentar alcançá-lo. Só um pequeno comentário: atualmente usa-se o termo orientação sexual e não opção sexual.
    Abraços e felicidades junto aos filhos.

  • Ana Souza diz: 10 de dezembro de 2012

    Daisy e Leandro, parabéns pelos comentários!! Na verdade, um pai /uma mãe que ama o seu filho mesmo ‘fora do esquadro’ social, gerou A SUA CRIA POR AMOR e NÃO PARA MOSTRAR À SOCIEDADE que é BOM reprodutor, capaz de gerar seres perfeitos e IGUALMENTE bons reprodutores. Um pai / uma mãe que fundamenta as suas ações baseadas no modismo comportamental vigente, JAMAIS AMARA O SEU FILHO, seja ele heterossexual ou homossexual, uma vez que as suas ações são movidas por fatores EXTERNOS. Os gestos de amor são únicos e peculiares e objetivam ‘saciar’ desejos / vontades INTERNAS, sem necessidade do consentimento / aplauso do mundo exterior.
    Com licença, um pai ‘machão’ que olha para o seu filho – bebê recém nascido e já procura nele um inveterado garanhão, jamais deveria copular com a finalidade de gerar um ser, pois amor para isto DEFINITIVAMENTE NÃO EXISTE..

  • Jean diz: 10 de dezembro de 2012

    Ana Souza, que lindo seu comentário! <3

  • Marcos diz: 11 de janeiro de 2013

    Parabéns pela força, mãezona! Amar é amar e p(r)onto. Mas me convença, linda, que quando chegou a gazela saltitante e anunciou: mami, sou gay! Aposto que foram umas noites sem sono. Paciência! A verdade liberta, como você disse, mas dói… Espero que ele seja uma pessoa visualmente normal porque ninguém merece um “macho de saia” ou uma moça “cabelo exército” com camisa de botão. Mantenha-o na linha. Não o deixe ser travesti de esquina!

  • Leandro diz: 11 de janeiro de 2013

    Meu Deus!, ilumine esta mente desprovida de bom senso!!! Marcos, achas correto ofender um ser humano que tu nem conheces? Gazela saltitante não define este homossexual, afinal ele é um ser humano, logo racional. Infelizmente não posso dizer o mesmo de ti, pois com este teu comentário demonstraste que é, ou está abaixo, de um ser irracional, quem sabe um microorganismo nocivo à saúde dos animais. Antes de criticar, ofender um gay, vá em busca do conhecimento, procure saber o que é ser um homossexual, entre outras coisas. Descobrirá que GLBTs são seres comuns, com deveres, direitos, brancos, negros, …, Que, independente da orientação sexual, merecem respeito como qualquer outro ser humano! Obs.: depois a bancada evangélica, políticos com “p” extra-minúsculo, alegam que não deve haver leis contra a homofobia. Atitudes e comentários lamentáveis!!!!!

  • Marcos diz: 14 de janeiro de 2013

    Leandro, apaixonante racional iluminado. Solicito que refaça a leitura do meu comentário e me indique aonde consta os detalhes que caracterizam minha homofobia ou ofensa de qualquer natureza. Escrevi com clareza que um pai (ou mãe) aceita, por amor, um filho homossexual. Mas observei que ninguém, nem homossexuais, querem ter filhos homossexuais naquele modelo “parada gay”. Não sei sua idade ou características físicas mas, os meu amigos homossexuais masculinos não vestem minissaias e as femininas tem cabelos longos e hidratados. E eu os adoro! Vou desconsiderar sua argumentação intempestiva sobre política, religião e raça!

  • Jean diz: 14 de janeiro de 2013

    Também não concordo com esses gays que ficam mostrando tudo de errado como se fosse uma coisa que todo gay faz: ser promíscuo, afetado, exibido e fútil… Essa não é a realidade, infelizmente esses gays passam a imagem que todo gay é assim, mas também só acredita nisso a pessoa que não é culta e não conhece o mundo como ele é… É como se todo mundo achasse que todos os homens heteros são promíscuos e traem suas parceiras e também que todas as mulheres são fúteis e um objeto vazio da sociedade de consumo, um mero pedaço de carne que é usado pra vender uma marca/roupa… etc etc etc!!!

  • Jean diz: 14 de janeiro de 2013

    Agora, Marcos… você não é dono da verdade pra ficar criticando o estilo dos outros… estilo e gosto é pessoal, você tem que ter o teu e deixar o dos outros em paz… Eu também gostava de brincar de boneca na infância, mas era uma coisa normal, inclusive hoje em dia é interessante pensar que os homens também precisam aprender a cuidar da casa e da família/filhos, e não só a mulher, até porque não é todo homem que consegue ou quer bancar uma mulher dona-de-casa como antigamente, como algumas mulheres/famílias gostam que seja ainda hoje… E deixar seu filho brincar com bonecas, aquelas de bebê, panelinhas de comida etc… é algo necessário para ele desenvolver essa sensibilidade pra ser um adulto maduro e não um bostão machista e infantil que explora a mulher, fazendo-a aguentar sozinha uma jornada tripla: casa, trabalho e filhos…

    Agora o que um casal usa ou faz dentro de 4 paredes, não diz respeito a ninguém…

  • Marcos diz: 14 de janeiro de 2013

    Isso mesmo, Jean. O homossexual que mais sente os efeitos do preconceito, é uma espécie de ativista que, infelizmente, quer colocar todos os homossexuais num mesmo “balaio”. Fico preocupado quando vejo uma manifestação pedindo segurança, porquê um travesti de esquina foi agredido ou até morto. Ninguém lembra que eles não gostam da presença da Polícia (porquê afasta os clientes) e que, uma grande parte deles são distribuidores de drogas e/ou usuários, assaltantes, fazem ameaças e etc…

  • Marcos diz: 14 de janeiro de 2013

    Entre quatro paredes vale tudo o que gera prazer e alegria. Não critico esse tipo de coisa que citou. Minha filha mais nova adorava brincar de carrinhos e jogava futebol com os amigos da idade dela quando criança. Hoje tem 17 anos, continua no Karatê e Basquete e nem sinal de homossexualismo e essa possibilidade nunca me preocupou. Minha preocupação seria ela querer se vestir como homem. E ela é hétero e linda. Se fosse homossexual, seria igualmente linda.

  • Jean diz: 14 de janeiro de 2013

    Os verdadeiros ativistas não sobem num trio-elétrico seminu dançando qualquer porcaria pra mostrar que também precisam de liberdade… infelizmente muita gente acha ou ainda diz que gays são pessoas alegres que adoram dançar e se vestir de maneira “glamourosa”… como acontece na parada gay… realmente, muitos bailarinos, cabeleireiros, estilistas, artistas, são sim homossexuais, e gostam dessas profissões porque sua natureza os levam a gostar mais de certas coisas do que de outras…

    Só que isso é o grupinho deles, a ideia de se conquistar liberdade e ter seus direitos reconhecidos e concedidos pela sociedade é necessária e real… Existe crime de homofobia, sim, infelizmente existe… e o Brasil é um dos piores países quando tocamos nesse assunto, só lembrar do caso do estudante de Direito de Pinheiros que ouviu xingamentos de dois babacas bombados dentro de um carro, revidou e acabou sendo espancado por não ter “ficado calado e seguido seu caminho”… isso infelizmente é homofobia e esses caras fizeram isso porque não entendem o que é respeitar as diferenças… além de não serem seguros da sua própria sexualidade, mas tudo bem… foi só mais um caso…

    Sobre travestis, eu como homossexual masculino e discreto não os entendo, assim como muitos heteros não entendem os gays, assim como eu mais uma vez não entendo os crossdressers… A vida inteira é um entende-desentende… compreende-descompreende… apoia-desapoia… gosta-desgosta… Agora, RESPEITAR deve ser sempre só essa palavra mesmo…

    Travestis, sim, estão numa profissão perigosa, sim, são promíscuos, sim, correm perigo, sim, se envolvem com drogas, vivem mal, se envolvem em crimes, espancamentos… vivem outra realidade que um cidadão considerado decente vive… SIM, inclusive um amigo meu já deu carona pra uma travesti e ela tentou suborná-lo e assaltá-lo… e no facebook eu li um comentário ridículo de uma travesti sobre esse caso de Pinheiros, dizendo e insinuando que o estudante tinha dado em cima dos caras bombados no carro, o que é uma inverdade e só mostra como esses seres são ridículos e vazios, ratos podres de uma sociedade doente e irreal… suja.

    Agora, tem gente decente, uma sociedade moderna e desenvolvida precisa mostrar pra todo mundo que todo mundo pode ter seu espaço, só fazer as coisas direito, estudar, trabalhar, ser feliz do jeito que você nasceu… eu já li relatos de travestis que disseram que só viraram travestis porque foram colocados pra fora de casa, normalmente vindos do nordeste, pobres… daí aprenderam a ser daquele jeito porque sem base nenhuma né, a gente sabe o que um ser humano perdido pode virar, haja vista a violência que grassa nas ruas… colocando medo e revolta em todo mundo!!!

    Há pessoas homossexuais mais esclarecidas que não concordam com essa vida de baladas, promiscuidade, parada-gay… até aquela bandeira com o arco-íris já ta ficando demodé… inclusive é algo roubado do movimento hippie… etc…

    Mas fazer o quê?!? Todo grupo da sociedade tenta se encontrar enquanto ser humano, que precisa do seu espaço, da sua cultura… não vou dizer que não existe uma cultura gay, claro que existe, assim como existe a cultura dos homens, das mulheres, etc etc…

    Leio absurdos como por exemplo no último livro da Danuza Leão, um capítulo sobre o Mundo Gay… no final do texto ela se pergunta: “E fico pensando: se as mulheres e os gays querem os homens, com certeza vai faltar homem no mercado, certo?”

    Ela foi muito infeliz e inclusive pretendo mandar um e-mail quando tiver tempo… Os gays não precisam e nem fazem esse negócio de tentar fazer todos os homens virarem gays!!! Se algum homem considerado hetero faz sexo com outro homem, gay assumido ou não, isso significa que ele é ou curioso, ou bissexual ou homossexual reprimido, e mesmo assim tem gente que não gosta de rótulos, acontece!!!

    Os gays não precisam “roubar” os homens heteros das mulheres… isso é absurdamente ridículo, e eu pensei que ela fosse mais culta com relação a isso… mas só uma pessoa que é ou vive algo pode dizer a verdade… no “mundo gay” existem gays afeminados, gays andróginos, gays masculinos, gays mais macho que heteros… nenhum gay precisa roubar o homem de mulher nenhuma, e mesmo assim, também existem as lésbicas que ela esqueceu de citar no texto… sendo assim, as mulheres lésbicas também roubariam as mulheres hetero dos homens hetero? Claro que não… além do quê gays na sociedade são minoria… isso não vai afetar em nada a sociedade… até porque nunca afetou até hoje e homossexualidade sempre existiu… ¬¬ Bom, fim de monólogo… o/

  • Leandro diz: 14 de janeiro de 2013

    A homossexualidade deve ser encarada com naturalidade, da mesma forma que a baixaria hetero, quando, por exemplo, dois atores (homem e mulher) de novela quase transam em pleno “horário nobre”, sob os olhares de crianças, adultos e idosos. Se a homo for considerada espontânea, natural, ninguém irá se importar com dois homens de mãos dadas, ou um guri rebolando, ou, até mesmo, um selinho entre dois homens apaixonados. Citei o exemplo da novela não para igualar os homos a estas atitudes heteros depravadas, mas para comparar as situações. Dois homens de mãos dadas, por exemplo, é motivo para discriminação, mas dois heteros insinuando uma transa na TV não. Lamentável.

  • Jean diz: 14 de janeiro de 2013

    Verdade, mas isso não vai mudar de uma hora pra outra… e namoro se faz em casa, nem gays nem heteros devem ficar se agarrando e beijando de forma explícita na rua, num parque, na escola… Isso é etiqueta social… todo mundo deve ter… direitos e deveres iguais por favor… o/

  • vera diz: 3 de fevereiro de 2013

    O assunto rendeu muuuuuuitos comentarios, não li todos, sinceramente. Também tenho um filho gay e há poucos dias conversamos(eu e o pai dele, e ele) quando nos revelou que queria já há um bom tempo, revelar tudo que passou de ruim, de preconceituoso e a gente aguardando o tempo dele. Nao sei se fizemos a coisa certa mas procuramos fazer o que a nossa intuição nos dirigia. Enfim, o mais importante é que estamos bem e ele também, muito bem, por sinal. Pais, observem, e procurem conduzir seus filhos pra verdade. É algo diferente, mas, ajudem!!! Eles precisam muito da família. Procurem reforçar seus valores mais importantes. Amem seus filhos gays sem preconceito. São pessoas muito especiais.

  • Leandro diz: 3 de fevereiro de 2013

    Realmente, a Vera, a meu ver, está correta, esperar do filho a revelação de ser homossexual é viável, pois respeitasse, assim, a privacidade dele. Se houvesse nas escolas uma educação para a paz, para a diversidade, muitos sofrimentos poderiam ser diminuídos ou, até mesmo, eliminados. Entender o que é a homossexualidade e demais aspectos científicos, não religiosos, proporciona ao conhecedor estar preparado para, quem sabe, ter um filho, um neto, um irmão, etc, homossexual. Ser gay não é anormal, anormal é ser preconceituosos, discriminar, agredir, … Antes de ir contra algo temos que aprender sobre o assunto para emitir um juízo de valor. Condenar por condenar é irracional, não faz parte, ou não deveria fazer, do ser humano. Que bom que há pais que entendem esta orientação sexual e aceitam seus filhos incondicionalmente.

  • Jean diz: 5 de fevereiro de 2013

    RESPOSTA DE UMA PESSOA ESCLARECIDA, UM CIENTISTA, AO PASTOR SILAS MALAFAIA, DEVIDO À ENTREVISTA DO MESMO NO PROGRAMA “DE FRENTE COM GABI”

    http://youtu.be/3wx3fdnOEos

  • Marcos diz: 5 de fevereiro de 2013

    As conjecturas do Malafaia são quase desprezíveis e completamente desprezáveis. Ele tem um radicalismo que incomoda (nesse contexto) até heterossexuais. Porém, na minha humilde opinião pessoal, o Eli tem uma imparcialidade suspeita também na compilação dos dados expostos. A minha verdadeira preocupação é que se essas “pesquisas” são financiadas pelo governo ou é uma vaquinha entre homossexuais para gerar argumentos! Acabei preferindo a letra do poeta Falcão no poema musicado “Homem é Homem”.

    http://youtu.be/3wx3fdnOEos

  • Leandro diz: 5 de fevereiro de 2013

    Independente da ciência, da religião, …, acredito na Edith Modesto, fundadora do grupo GPH, que foi até os homossexuais para os escutar. Não é “x” ou “y” que determinarão o ser e agir de um homossexual, mas, sim, ele prórpio. Ela deu voz aos homossexuais, não a um pastor sem noção, que se embasa na bíblia, muitas vezes analisada para benefícios específicos, e no anti-amor para propagar ódio, intolerância, homofobia nas pessoas desintelectualizadas, alienadas. Homossexuais são cantores, atores, médicos, advogados, psicólogos, entre tantas outras profissões, são seres humanos iguais a outros humanos, nascem, crescem e morrem. Já em relação a pastores, que vivem, também, neste mundo plural, repleto de diversidades, contribuem com que? Receber dízimo, alienar uma manada e desfrutar o reino do céu na terra.

  • Leandro diz: 5 de fevereiro de 2013

    Marcos, homem é homem? Homem homossexual é homem, porém, na grande maioria, com a sensibilidade, na grande maioria, de uma mulher, impedindo-o de ser este homem citado por ti e cria da sociedade que pratica guerras, trabalha exaustivamente e unicamente por dinheiro, agride mulheres, afinal existe a Lei Maria da Penha, espanca gays, pratica corrupção, entre tantas outras atrocidades. Se os homens que são homens herdassem, ao menos um ppouco, a sensibilidade de uma mulher, ou de um homossexual, a vida seria bem diferente e, com certeza, para melhor.

  • Marcos diz: 5 de fevereiro de 2013

    Ah, tá, Leandro! Vai ver é por isso que o Exército Americano está incorporando os gays aos montes… Bem que o Talibã e a Al-qaeda pudessem fazer om mesmo !

  • Leandro diz: 5 de fevereiro de 2013

    Ok, concordo contigo. E os primeiros vitimados poderiam ser todos os teus familiares, inclusive tu.

  • Jean diz: 5 de fevereiro de 2013

    Não tem que discutir imparcialidade do Eli… ele é um profissional, está estudando atualmente essas coisas de genética… ou seja, está com tudo muito fresco na cabeça!

    Marcos, você não tem que questionar a veracidade dessas pesquisas, e pra esclarecer tua cabeça, essas pesquisas não foram patrocinadas por governo nenhum, são de vários países, vários cientistas, e com certeza ser gay ou não não fez diferença nenhuma pra eles uma vez que pessoas comprometidas com a verdade divulgam apenas o que pode ser comprovado…

    Que papinho mais cansativo ficar discutindo tudo o que é VERDADE, como se não fosse, rsrs!!!

    Homem é homem, com certeza…

    Mulher é mulher, com certeza (e mulher é um ser lindo, que por natureza consegue se doar pra outras questões que não suas próprias! são os seres menos egoístas, ao meu ver, cuidam do lar, um lugar onde todos gostam e precisam se sentir protegidos, queridos, amados! enfim, ser sensível pra mulher não é uma escolha, ela é porque gosta de ser e nasceu assim… e no entanto sua sensibilidade nata a fez mais forte para muitas questões onde os machões baixam a cabeça e se desesperam, por fingir que não tem nenhuma sensibilidade e nunca podem ser seres emocionais!)

    Homossexuais, tanto homens gays quanto mulheres gays… são seres muito diferentes no sentido de se definir, pois unem coisas do sexo oposto dentro de si, precisam lidar com isso, e ao mesmo tempo aprendem com a vida que devem pensar e se comportar de acordo com o sexo físico, com o qual nasceram… o que pode ser uma coisa ruim e opressora também tem seu lado bom, eu por exemplo não gostaria de nascer afeminado como alguns gays nascem, eu acho confuso, porém é uma coisa natural para gays lidar com isso, que já vem conosco desde pequenos… até os machões ativos se sentem confortáveis num ambiente mais delicado, sendo uma pessoa mais carinhosa, romântica e sensível… enfim:

    SER HUMANO É UM ANIMAL INCRÍVEL!!! NASCEMOS PARA VENCER E ADORAMOS
    SER INTELIGENTES, POR ISSO TEMOS QUE HONRAR O QUE NOS TORNOU DONOS DESSA CASA CHAMADA TERRA, É OU NÃO É?!?!

    QUERO PARABENIZAR TODOS AQUI POR TEREM NASCIDOS HUMANOS

    PARABÉNS PARA NÓS! E QUE POSSAMOS ENTENDER NOSSOS DESAFIOS DESTE SÉCULO

    QUE POSSAMOS ENTENDER NOSSO PASSADO, CORRIGIR PROBLEMAS

    ENTENDER DIFERENÇAS, AGREGAR UNIÃO PARA UM FUTURO MELHOR PARA TODOS

    QUE OS JOVENS NÃO ACHEM OS VELHOS CHATOS

    QUE OS VELHOS NÃO ACHEM OS JOVENS FÚTEIS DEMAIS E VAZIOS

    QUE AS MULHERES SE SINTAM AMADAS E CONFORTÁVEIS EM SEU SEXO

    QUE OS HOMENS POSSAM VIVER MAIS EM FAMÍLIA, COM MAIS TEMPO PARA OS FILHOS

    PARA FICAR AO LADO DA SUA MULHER E COMPREENDER MAIS DE PERTO O QUE SIGNIFICA UMA FAMÍLIA, FICANDO MAIS DISTANTE DE TODO O STRESS DO TRABALHO FORA DE CASA

    QUE OS HOMOSSEXUAIS SEJAM O QUE ELES JÁ SÃO: CIDADÃOS QUE PAGAM IMPOSTOS E PRECISAM DAR SATISFAÇÕES À VIDA, À FAMÍLIA, AOS COMPANHEIROS/AS, COMO TODOS OS OUTROS SERES…

    ENFIM, UM BRINDE À VIDA, QUE POSSAMOS APROVEITAR SEM DESPERDIÇÁ-LA COM COISAS BOBAS

    COISAS QUE SABEMOS QUE NO FUTURO IRÃO MUDAR INEVITAVELMENTE, PRA MELHOR!!!

    UM BRINDE À TODOS QUE ESTÃO VIVOS E PODEM ABRIR O E-MAIL E ENTRAR NUMA DISCUSSÃO GOSTOSA COMO ESSA NOSSA AQUI NO ARTIGO DA NEREIDA VERGARA

    UM BRINDE À INTELIGÊNCIA HUMANA, UM VIVA ÀS MUDANÇAS TECNOLÓGICAS
    QUE NOS TROUXERAM CONFORTO, MAIS SEGURANÇA, DIVERSÃO

    SMARTPHONES (AINDA EXISTE CELULAR NORMAL??? rsrsrs O/)

    TABLETS, QUE ATÉ ONTEM NÃO ERAM NADA E HOJE TODO MUNDO PRECISA TER!!!

    ENFIM…

    QUE USEMOS NOSSA VIDA, DADA POR NOSSOS PAIS, DA MELHOR E MAIS INTELIGENTE DAS MANEIRAS POSSÍVEIS

    QUE TENHAMOS MEDO DE ACORDAR E NÃO APRENDER ALGO NOVO, NÃO COMPREENDER ALGO DIFERENTE…

    ABRAÇO A TODOS

    E UM GRANDE BEIJO NOS CORAÇÕES DOS QUE SOFRERAM BEM DE PERTO ESSA TRAGÉDIA SEM IGUAL EM SANTA MARIA, ONDE EU JÁ VIVI, E DE ONDE VIERAM MEUS PAIS, MINHAS DUAS FAMÍLIAS…

    GRANDE ABRAÇO

  • Ana Souza diz: 5 de fevereiro de 2013

    OS FATORES DA IMAGEM SOCIAL DE UM INDIVÍDUO
    M: masculino ; F: feminino
    O que pude aprender através da discussão iniciada pela Sra. Nereida Vergara, está sumáriamente ilustrado no diagrama acima ilustrado: a IMAGEM SOCIAL de um indivíduo num determinado corpo físico (M ou F) está correlacionada com a sua ‘auto identificação subjetiva’(M ou F) e sua orientação ‘afetivo-sexual’ (M ou F).
    TIPOS
    Exemplo: Corpo Físico: M (homem) ; Auto Identificação Subjetiva: F (gosta do mundo feminino e se identifica) e Orientação Afetivo Sexual: F (ama mulheres) – são os homens que as mulheres ‘adooooram’..

  • Ana Souza diz: 5 de fevereiro de 2013

    .. e assim sucessivamente, individuos com diferentes combinações: Fisiologia (M ou F) X Auto-Identificação (M ou F) X Orientação Afetivo-Sexual (M ou F), apresentarão diferentes IMAGENS SOCIAIS.. Eh uma pena não poder anexar o diagrama (o site não aceita)… Poderia resumir a (s) discussão (ões) !!!

  • Ana Souza diz: 5 de fevereiro de 2013

    Resumindo os comentários, alguém poderá escrever um livro… Sugiro!!!

  • Marcos diz: 6 de fevereiro de 2013

    Leandro, não sou nem norteamericano, nem muçulmano e nem gay. E duvido que eu ou meus familiares sejam vitimados por essa guerra pink que você sonha. Você fala e se contraria em seguida. Vou desconsiderar seus próximos comentários porquê você rasgou a seda e não está mais tratando do assunto que gerou esse blog. Dirija-se ao Jean, já que ele se encontra em um estágio que você nunca vai alcançar.

  • Marcos diz: 6 de fevereiro de 2013

    Jean, fora da minha capacidade discutir a imparcialidade do Eli, mas é de se considerar que, da mesma forma que ele cita que o Malafaia puxa somente os dados que lhe interessam, ele também fez o mesmo. É claro que dados científicos são muito mais palpáveis que as conjecturas da bíblica Sodoma. Não consegui manter um assunto saudável com o Leandro, pedi que se dirigisse a você para ver se ele volta ao assunto do presente blog, rsss. Na verdade, estou abandonando esses comentários. Já desvirtuou! Boa sorte a todos que comentaram, ao site e á autora.

  • Leandro diz: 6 de fevereiro de 2013

    Marcos, anti-intelectual, se pensasses antes de atirar as pedras lerias e entenderias que eu não estou falando em “guerra pink”, mas nas atrocidades citadas por ti: Talibã e Al-Qaeda. Foram por estes grupos de extermínio que eu me referi. Quis entrar no teu jogo medíocre e, infelizmente, citei tu e a tua família. Qual a relação direta que há entre estes grupos e os homossexuais? Sou eu, mesmo, quem fugiu ao tema? Não tenta sair pela tangente e não fica desqualificando as pessoas sem conhecê-las. Ah, tu disseste que a tua família não será vitimada pela “guerra pink”, mas, “tenha cuidado”!!!, quando a gente menos espera poderemos ter um irmão, um sobrinho, o pai, a mãe, …, homossexual. Antes de falar alguma besteira, leia sobre o assunto, se quiseres, afinal, como tu mesmo disseste, não és gay.

  • Marcos diz: 6 de fevereiro de 2013

    Leandro, falou sim! Releia seus comentários! E eu não relacionei grupos de extermínio com homossexuais, observei que você escreveu que, com a sensibilidade feminina e/ou homossexual, estaríamos livres de guerras e outras atrocidades. E você foi infeliz mesmo ao citar minha família. E foi mais ainda ao dizer que, se em minha família “surgisse” um homossexual, em vários níveis de parentesco, inclusive, seria a maior desgraça da minha vida. Pelo jeito , você é a desgraça da sua família. Em vários momentos, deve ter sentido que envergonhou sua mãe, sua(seu) irmã(o), seu(sua) primo(a). Lamentável se sentir assim. Se tiver tido sorte (ou revisto seus conceitos), hoje tentam sentir orgulho de você, como a autora do blog e seu filho. Não levante a voz, melhore seus argumentos!

  • Leandro diz: 6 de fevereiro de 2013

    Bah, Marcos, como tu gostas de destorcer os argumentos alheios. Li há pouco tempo que quando uma pessoa não tem argumentos ela pode agir de diferentes maneiras. Acredito que uma destas é a tua interpretação conveniente, a ti, dos fatos. Longe de mim falar que se tu tivesses algum parentesco homossexual seria a tua desgraça, realmente és um equivocado ao quadrado, pois, de forma alguma, a homossexualidade é espontânea, natural, faz parte da diversidade sexual e, jamais!, motivo de se sentir inferior, ou anormal. Citei isto pois há um ditado que diz: “Quem tem (poderá ter) telhado de vidro, não atira pedra no telhado do vizinho”. Pelo simples fato de a homossexualidade ser natural, não uma opção, qualquer ser humano pode estar suscetível, no melhor uso desta palavra, a ela. Não tenho vergonha da minha família e se tivesse seria devido ao simples fato do preconceito introjetado em nós desde pequenos. Menino brinca de carrinho, menina de boneca, entre tantas outras imbecilidades. Ah, meus argumentos são flexíveis, se ajustam ao nível do interlocutor.

  • Jean diz: 6 de fevereiro de 2013

    CLAUDIA – DEIXA EU DIZER

    http://youtu.be/sUFOF7GCfSg

  • Marcos diz: 7 de fevereiro de 2013

    Que música, hein, Jean. Bom gosto e isso aí!

  • Erivaldo salles diz: 14 de fevereiro de 2013

    gostei muito do texto…
    sou homossexual e adorei a descrição, graças a Deus tbm tenho uma mae assim…
    são mães como a minha e como a Nereida q vão mudar o mundo.

  • Ana Souza diz: 14 de fevereiro de 2013

    OS FATORES DA IMAGEM SOCIAL DE UM INDIVÍDUO – (50% são HETEROSSEXUAIS e 50% são HOMOSSEXUAIS)
    M: masculino ; F: feminino
    O que pude aprender através da discussão iniciada pela Sra. Nereida Vergara, está sumáriamente ilustrado no diagrama acima ilustrado: a IMAGEM SOCIAL de um indivíduo num determinado corpo físico (M ou F) está correlacionada com a sua ‘auto identificação subjetiva’ e a sua orientação ‘afetivo-sexual’, logo :
    Obs.: Pelo diagrama, basicamente existem 08 (oito) tipos ou possibilidades de indivíduos, sendo que 50% são heterossexuais e 50% são homossexuais. Cabe estudar ou verificar se os dados estatísticos concordam com este ‘preview’.
    TIPOS
    Exemplo para Indivíduo M (masculino)
    (1) Corpo Físico: M (homem) ; Auto Identificação Subjetiva: F (gosta do mundo feminino e se identifica com) e Orientação Afetivo Sexual: F (ama mulheres) ; (rótulo social: heterossexual).
    (2) Corpo Físico: M (homem) ; Auto Identificação Subjetiva: F (gosta do mundo feminino e se identifica com) e Orientação Afetivo Sexual: M (ama homens) ; (rótulo social: homossexual).
    (3) Corpo Físico: M (homem) ; Auto Identificação Subjetiva: M (gosta do mundo masculino e se identifica) e Orientação Afetivo Sexual: M (ama homens) ; (rótulo social: homossexual).
    (4) Corpo Físico: M (homem) ; Auto Identificação Subjetiva: M (gosta do mundo masculino e se identifica com) e Orientação Afetivo Sexual: F (ama mulheres) ; (rótulo social: heterossexual).

    Exemplo para Indivíduo F (feminino)
    (5) Corpo Físico: F (mulher ) ; Auto Identificação Subjetiva: F (gosta do mundo feminino e se identifica com) e Orientação Afetivo Sexual: M (ama homens) ; (rótulo social: heterossexual).
    (6) Corpo Físico: F (mulher ) ; Auto Identificação Subjetiva: F (gosta do mundo feminino e se identifica com) e Orientação Afetivo Sexual: F (ama mulheres) ; (rótulo social: homossexual).
    (7) Corpo Físico: F (mulher ) ; Auto Identificação Subjetiva: M (gosta do mundo masculino e se identifica) e Orientação Afetivo Sexual: M (ama homens) ; (rótulo social: heterossexual).
    (8) Corpo Físico: F (mulher) ; Auto Identificação Subjetiva: M (gosta do mundo masculino e se identifica com) e Orientação Afetivo Sexual: F (ama mulheres) ; (rótulo social: homossexual).
    14.02.2013

  • Leonardo de Oliveira diz: 18 de fevereiro de 2013

    Sou gay e evangélico.
    Sou membro de uma igreja inclusiva que vem crescendo no Brasil e que tem acolhido com amor, todos aqueles que precisam de esperança, que necessitam recuperar a dignidade, o respeito… a honra.
    Para a maioria, gay é sinônimo de prosmicuidade, prostituição, doenças. Profissão de gay = cabeleireiro (não desmerecendo a profissão) e religião? Macumba, espiritismo (não julgando ou pré-conceituando este seguimento religioso). Esquecendo, a sociedade, que prosmicuidade, prostituição, doenças; existem nas 2 facetas sexuais na população. Homens e mulheres casados que traem seus namorados, companheiros e/ou cônjuges, existem aos montes. Sem comentar que, a maioria dos que se previnem, são gays. É quase, como a estória do homem pegador (é o garanhão!) e a mulher que sai com muitos (ela não é a pegadora ou “garanhona”, mas sim, a piran…). Ou seja, o hétero pode fazer à vontade, mas se for um gay…
    Por anos, encarou-se a HOMOSSEXUALIDADE como doença – o dito HOMOSSEXUALISMO. Porém, dia 17 de maio de 1990, ou seja, há quase 23 anos, a Organização Mundial de Saúde (OMS) retirou o homossexualismo da lista internacional de doenças. Não há muito tempo o mundo todo, até os países mais liberais, lidava com a questão da opção sexual como caso de saúde pública. E, por esta retirada, o dia 17 de maio ficou marcado como Dia Internacional contra a Homofobia.
    Minha mãe não sabe lidar, ainda, com isto em sua cabeça. Mas, ela está bem melhor em relação aos seus pensamentos e sentimentos. Ter um filho(a) que é visto pela sociedade de forma repulsiva, causa preocupações alarmantes nos pais. No entanto, para nós, gays, a sociedade não é a maior ou não é a nossa preocupação psicólogica, física, sentimental ou emocional. Mas, sim, nossos pais, nossa família. Estes são os pontos importantíssimos nas nossas vidas, quando, nos atormenta o receio/medo de revelar o que eles não querem ter. A palavra GAY significa ALEGRE. Mas, pesquisas, reportagens, testemunhas revelam, tantos e tantos, que se matam (suicidam), simplesmente, porque são rejeitados, expulsos, renegados pelos seus. Nenhuma alegria é páreo para o monstro preconceito. Creio que, muitos pais, pela ignorância, por não conhecer, por não buscar saber; acabam matando seus filhos psicologicamente, emocionalmente. Há a necessidade de frentes informativas para revelar ao mundo que HOMOSSEXUALIDADE sempre existiu, desde o início do mundo. Deus deu aos seres vivos 2 IDENTIDADES SEXUAIS: HOMOSSELIDADE E HETEROSSEXUALIDADE. Não existe na “minha cabeça”, opção ou orientação sexual. Enquanto embrião ou feto, nenhum anjo apareceu na placenta e me disse:

    - Leo, no mundo existe:
    a). homem que gosta de homem e
    b). homem que gosta de mulher.

    Qual opção você escolhe?

    E eu não tive nenhum parente ou professor me orientando em ser hétero ou homossexual.

    Ninguém que nasce hétero, se tornará gay e, vice e versa. Não considero aqui, os esforços ou condicionamentos psicológicos (SUBLIMAÇÃO), dos quais, o ser humano pode realizar para mudança do desejo em relação a algo ou alguma coisa.

    NEREIDA VERGARA, você é o anjo que o Senhor Deus colocou na vida do seu filho, para ele crescer o mais saudável possível. Livre de todo e qualquer olhar preconceituoso e/ou discriminativo. E, com certeza, ele é e ainda será, alguém muito melhor, simplesmente por que recebeu de você, esta criação/educação abençoada que você se permitiu dar.

    Parabéns e que Deus continue te abençoando!

  • Leandro diz: 19 de fevereiro de 2013

    Acredito na ciência e na declaração dos envolvidos, ou seja, os gays. Religião deve servir apenas para confortar, gerar amor entre os seres, nada mais. Cruzar ideologias religiosas a políticas ou científicas é inviável. A religião pode, assim como a psicologia, curar os males emocionais, nada mais. Por que razão sempre que muitas pessoas chegam ao fundo do poço resolvem apelar para a Igreja? Insistência dos pastores? Afinal estes vivem do dízimo! Ou o quê?

  • Elvis Vishnu Súllivan diz: 28 de fevereiro de 2013

    Texto emocionante, meus pais são assim comigo, me amam incondicionalmente, e eu retribuo isso, com o meu carácter, e amor que sinto por eles……..

  • Bodocó diz: 15 de março de 2013

    A escolha é pessoal dele, a mãe fez bem em apoiá-lo. isso vem de muito cedo como ela mesma viu. É uma questão de preferência e no intimo ele sempre teve pensamento de menina, então é natural então ele gostar de meninos. Há pessoas que até julgam ter sido um erro biológico, e que teriam de ter nascidos meninas e veio menino. E isso vai se transformar em sua realidade até que por vezes eles fazem a cirurgia de mudança de sexo. Após essa fase em suas vidas depois de corrigidos só vai ser felicidades em suas vidas e se sentindo totalmente mulheres. Nas meninas a mudança de sexo é praticamente impossível, tudo o que se pode fazer nelas hoje em dia é uma cirurgia que coloca os seus clitóris quase que todo pra fora, porque ele é quase dodo dentro do corpo ficando só o grilinho de fora e assim criando um penizinho e com irrigações de corpos cavernosos possibilitando uma ereção. E Também existe a questão do estímulo sexual, os meninos gay’s eles tem o mesmo tesão que as meninas tem ou seja: eles sentem prazer em receber o pênis dos meninos e sendo que nos meninos já sentem prazer em empurrar o pênis e nada mais normal do que isto. O que a sociedade deve entender é parar com a homofobia e respeitar as preferências deles.

  • Hélvia diz: 1 de dezembro de 2013

    Parabéns pelo texto NEREIDA VERGARA, realmente ótimo. Porém observando os comentários, venho comentar o post do Maicon Oliveira; seguinte: em 1º lugar não se trata de OPÇÃO sexual e sim ORIENTAÇÃO sexual, até porque ninguém opta sofrer e passar por várias situações de pré-conceito. 2º, ordens cromossômicas ( as que você definiu com xx e xy) definem gênero masculino e feminino, homossexualidade e outras coisas que desenvolvemos ou somos vai muito além do que uma simples definição de gênero (físico) , portanto não confunda!!!! E sim, as pessoas nascem homossexuais/ bissexuais/ heterossexuais (homem ou mulher) , tanto que muitas crianças que nem sabem nada sobre sua sexualidade (pois sequer entraram na adolescência), já demonstram o que são inocentemente. No mundo animal também acontece bastante isso, ainda bem que eles não tem pré-conceitos como nós seres humanos que carregamos vícios sociais. Então, Maicon, isto não é uma ESCOLHA!! Assim como não se escolhe ser negro ou loiro, ter olho azul ou preto, ser alto ou baixo, são coisas que você não pode mudar, pode até disfarçar, mas não mudar ;)

  • Leo diz: 2 de dezembro de 2013

    Nereida, como dantes já te parabenizei; venho congratular o comentário da HÉLVIA e, se me permitirem, acrescentar:

    A heterossexualidade, bem como, a homossexualidade não são OPÇÕES ou ORIENTAÇÕES SEXUAIS. Nenhum ser ao nascer ou, enquanto criança, OPTA/escolhe ser um ou outro. Assim, como também, não é ORIENTADO à ser hétero ou gay. Relamente, cargas cromossomais e outros hormônios, ditam, apenas, o sexo e alguns detalhes deste ser. Mas, em relação sua sexualidade, não! Portanto, costumo dizer que HETEROSSEXUALIDADE e HOMOSSEXUALIDADE ou, como gosto de chamar, HOMO-AFETIVIDADE… são IDÊNTIDADES SEXUAIS – é a essência sexual de cada ser. Não é escolhida ou optada; não é pensada ou organizada. É, simplesmente, o sexo daquela pessoa. Aprouve Deus dá-la diferente, um do outro. Posso discorrer tranquilamente sobre isto, pois, sou gay e o sei, desde que era muito novo. E minha sexualidade não tem que incomodar o outro. E, porque, escrevo isto? Por que, minha vida sexual, não diz respeito à ninguém. A não ser, eu e meu companheiro. É claro que, há pessoas e pessoas. E a postura de alguns, acabam por generalizar um grande grupo. No entanto, não me permito ser apontado. Respeito o próximo como a mim mesmo e, assim, meu próximo tem em mim, exatamente, o reflexo do que ele deve fazer.

  • The Jewelry Store diz: 23 de abril de 2015

    The Jewelry Store

    Cool article, It was inspiring.

  • Alexsander – o de nome grande diz: 12 de agosto de 2015

    Esse texto na verdade é mais uma maneira de tentar enganar-se, ou um desabafo. Ninguém na verdade, está bem com isso.

Envie seu Comentário