Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Editorial| Paralisação absurda

30 de janeiro de 2014 3

140130princQui_webOs porto-alegrenses ficaram ontem sem um serviço considerado essencial pela legislação, num evidente abuso do direito de greve assegurado pela Constituição. Ao impedir que a totalidade da frota de ônibus da Capital saísse às ruas, as lideranças do Sindicato dos Rodoviários, respaldadas pela categoria, incorreram em infração à lei e em desobediência judicial, uma vez que o Tribunal Regional do Trabalho havia determinado que 70% dos veículos circulassem nos horários de maior demanda. Essa atitude de confrontação, somada à omissão dos empresários do transporte e à leniência das autoridades, deixou a população desassistida e refém de uma situação verdadeiramente angustiante. Milhares de pessoas não puderam se deslocar para o trabalho e para outros compromissos, muitos tiveram que pagar tarifas mais elevadas para andar de lotação ou táxi, e a economia contabilizou prejuízos variados.
Todos perderam com o impasse. Até mesmo os trabalhadores rodoviários, que aparentemente alcançaram o objetivo de não deixar os ônibus circularem. Eles perderam, principalmente, o apoio da população para a sua causa e agora vão para a negociação com a imagem de descumpridores de acordo, como estão sendo considerados pelo tribunal mediador.
A greve é um instrumento legítimo dos trabalhadores para ser utilizado na busca de melhores salários e de condições dignas para o exercício de qualquer profissão.
Mas o serviço de transporte público, como o de fornecimento de água, energia elétrica, assistência à saúde e outros mais, constitui um direito essencial da coletividade _ portanto, um direito maior do que as prerrogativas de uma categoria profissional. Não pode ser negado totalmente, como foi ontem e como tende a ser hoje novamente, antes da nova rodada de negociações.
A paralisação absurda e insensata tem ainda um outro componente que precisa ser debatido pela sociedade. Os proprietários de empresas de ônibus e o próprio prefeito de Porto Alegre, que em última análise é o responsável pela Carris, alegam que não tiraram os ônibus das garagens por medo de depredação _ o que, efetivamente, aconteceu com alguns veículos na noite de terça-feira. Trata-se de outra rendição inaceitável. Jogar pedra em ônibus, além de covardia, é um crime. E crimes precisam ser coibidos pelas forças de segurança. Não há como transigir em relação a isso.
Sem a restauração da lei e da ordem, fica difícil defender o diálogo, a livre manifestação e o respeito às reivindicações dos trabalhadores, que são os caminhos adequados numa democracia. Como dispensar consideração a quem desconsidera o sofrimento e as necessidades dos usuários do serviço de transportes?

Comentários (3)

  • José Fernandes diz: 30 de janeiro de 2014

    sou rodoviário, e teu texto esta incorreto, o trt já havia sinalizado que deveríamos colocar 30% da frota para trabalhar, pois foi feito, o sr. prefeito então entrou em ação tentando desqualificar a greve dizendo que greve sem piquete não existe,pois bem , não é necessário trancar uma empresa quando “todos” os funcionários estão engajados pelo mesmo ideal, se tivessemos trancando as empresas, ele seria o primeiro a nos chamar de marginais.

  • Plínio diz: 30 de janeiro de 2014

    Absurda não é a paralisação e sim ter que fazer ela.
    NÃO dá pra dizer que a greve perdeu o apoio da população, parte da população sabe que é dever apoiar o trabalhador.
    Esta greve, assim como outras manifestações, podem ser um mal necessário.

  • Jonathan diz: 31 de janeiro de 2014

    Os rodoviários estão no direito de fazer esta greve, a população só pensa em si mesma e não vê o outro lado da situação, tudo individualista.Quem não está ajudando é o governo,e esses tribunais estão do lado dos políticos, se querem que termine a greve, de uma solução que beneficie a todos, não fiquem criticando.

Envie seu Comentário