Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Editorial| Falta de professores e de gestão

31 de março de 2014 2

O confronto entre o governo e dirigentes do Cpers em torno da portaria sobre a falta de professores na rede pública expõe mais um exemplo das carências de gestão na educação. Por determinação do setor público, as escolas têm 24 horas para informar o Estado sobre a falta de professores. A medida foi adotada como parte das tentativas de racionalizar a solução de um problema crônico. Para os sindicalistas, o que a portaria expressa é uma transferência de responsabilidade da Secretaria de Educação para as direções das escolas. Diz o Cpers que as escolas já informam às autoridades quando um professor se ausenta e isso provoca transtornos no cumprimento das tarefas previstas.
É óbvio que cabe à direção de uma escola informar aos seus superiores sobre a eventual falta de profissionais, para que as providências sejam tomadas. É assim em qualquer atividade e não há por que ser diferente na área do ensino. O que o Cpers alega é que tal providência já vem sendo tomada regularmente. Afirmam os líderes da categoria que, ao publicar a portaria, o governo tenta insinuar que os diretores não costumam comunicar suas chefias. Assim, no entendimento do sindicato, a versão do governo para a não reposição de professores é a de que as direções seriam relapsas.
É constrangedor que, com tantos problemas a resolver, um sindicato e a alta cúpula da Educação prolonguem um confronto em torno de um tema aparentemente banal. Se Estado e Cpers não conseguem se entender sobre a forma de melhor gerenciar, no cotidiano das escolas, ausências no corpo docente, certamente não chegarão a um acordo sobre questões bem mais complexas. Que o conflito reafirme uma lição às partes envolvidas. A mais elementar, mas nem sempre levada a sério, é a de que gerir a educação significa bem mais do que cumprir atribuições pedagógicas. Gestores são também os que administram carências de recursos e imprevistos com sabedoria.

Comentários (2)

  • Alcione Salete Dal Alba Pilger diz: 2 de abril de 2014

    A falta de professores está associada à adequada remuneração dos mesmos. Existem muitos interessados no Magistério, no entanto, a baixa remuneração, desestimula-os e enibe-os a exercer a profissão. Os reais prejudicados são os estudantes e em última instância a sociedade em geral.
    Pode-se mencionar os países que são menores do Brasil, mais pobres. Todavia, a educação supera a nossa. A educação é bem mais ampla do que o simples ato de ler, escrever e decodificar símbolos. É saber aplicar e aplicar.Ter noções de responsabilidades e formações não apenas oriundas de livros. Nem sempre o povo mais instruído vive melhor economicamente do que aquele menos instruídos, que sabem aproveitar as oportunidades pessoais e da comunidade em geral.

  • Alcione Salete Dal Alba Pilger diz: 3 de abril de 2014

    O que é fato em se tratando do Ensino no Brasil, segundo relatório da OCDE, “Brasil é 38º, na lista de 44 países, conforme resultado divulgado ontem, 2 de abril de 2014 colocado em teste de Lógica”. Decepcionou mais uma vez, no Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (Pisa). Apenas 2% dos alunos tiveram performance máxima na solução de problemas. Aplicado a cada três anos e voltado para Leitura, Matemática e Ciências, pela primeira vez o Pisa mediu a capacidade de estudantes de 15 anos de idade submetendo-os a testes complexos de Lógica e Raciocínio. No topo do ranking ficaram países asiáticos, como Cingapura, Coréia do Sul e Japão. Teoricamente confirma que nós estávamos vivendo em uma euforia, enquanto países destruídos pela guerra, em pouco tempo se sobressaem no campo financeiro e educacional. Já entre os últimos colocados estão Uruguai, Bulgária e Colômbia. O relatório confirma que o currículo das escolas e a formação dos professores são essenciais no desenvolvimento de competências e habilidades cognitivas, explorar, e compreender as informações, planejar e executar metas, ler informações gráficas, ser leitor funcional é preciso. Dados refletem que a Educação Brasileira carece de uma revisão na organização da gestão no que diz respeito aos governos municipais, estaduais e federal. Aumentar as contribuições na área da Educação, resolver os problemas estruturais, com certeza de 2% poderemos melhorar o desempenho dos alunos. Importante salientar que a situação socioeconômica do aluno, bem como do professor influencia no resultado. Se as meninas tiveram melhor desempenho que os meninos, certamente é porque leem mais livros, neste contexto dominado pelas TICs.

Envie seu Comentário