Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Artigo| A PROPÓSITO DA SEGURANÇA NAS ESCOLAS

23 de maio de 2014 1

CLECI MARIA JURACH
Secretária de Educação de Porto Alegre

É um equívoco atribuir a falta de segurança nas escolas à não nomeação de guardas municipais. As escolas não estão isoladas da sociedade e refletem, portanto, toda a intolerância e os conflitos característicos dos tempos em que vivemos. Das situações de violência predominantes nos pátios e salas de aula, a grande maioria é consequência da violência estrutural _ doméstica ou da comunidade _ e de situações envolvendo drogadição.
Dar como causa ou origem da violência a falta de estrutura e de planejamento da prefeitura de Porto Alegre é outro engano. O trabalho da gestão educacional realizado na Capital é referência nacional e vem sendo construído dia a dia para resgatar e promover relações de respeito mútuo e boa convivência. A prefeitura, por intermédio da Secretaria Municipal de Educação (Smed) e demais órgãos do município, não admite na rede qualquer tipo de violência, seja ela dentro ou fora da escola.
Os investimentos em gestão e nos profissionais que atendem os alunos não cessam. A Smed realiza sistematicamente formações de gestores e de professores para qualificar o acolhimento de crianças e de jovens e para intensificar os cuidados sobre os riscos que cercam os alunos. A ampliação da jornada escolar dos estudantes desde a Educação Infantil, inclusive nos fins de semana, através dos programas Cidade Escola e Escola Aberta, é outra importante ferramenta da administração municipal contra a violência.
Entendemos, entretanto, que mesmo equipada com os melhores instrumentos de segurança _ uma realidade que se constrói no município por meio do videomonitoramento _ e trabalhando com gestores e professores qualificados, a instituição escola não dará conta sozinha de uma problemática social. É fundamental uma ação de segurança pública, com a presença da Brigada Militar nas proximidades dos colégios para coibir o tráfico e os ilícitos. Temos que incluir a sociedade como um todo na luta pelo enfrentamento à violência, pois nenhuma instituição responde sozinha a uma problemática social. O desconhecimento do todo reduz e exclui as possibilidades de atenção, com ações desarticuladas e inócuas.

Comentários (1)

  • Waneza Vieira diz: 23 de maio de 2014

    Não há dúvida que há um grande esforço por parte da Prefeitura Municipal de Porto Alegre na prevenção e tratamento da violência. Este trabalho não exclui a sociedade de suas responsabilidades diante dos problemas sociais. Pelo contrário. As comunidades são chamadas para participar da discussão e buscar alternativas que façam diminuir a insegurança e riscos nos arredores das escolas. Sejam elas municipais, estaduais ou particulares. O objetivo é a formação de uma rede com a participação dos entes públicos e a sociedade civil. Porém, a manutenção da proteção dos alunos cabe aos órgãos competentes e não ao cidadão comum.
    A participação das comunidades é de extrema importância. Cada uma possui peculiaridades, realidades muito próprias. Portanto, a comunidade contribui muito positivamente na construção e direcionamento de ações que tornam-se mais eficientes e podem valer-se da utilização dos recursos disponibilizados aos cidadãos através de programas Comunitários Municipais, Estaduais e Federais.
    Quando o desafio é mobilizar as comunidades para que participem na resolução dos problemas da cidade, proposições positivas não podem ser consideradas inócuas, tão pouco desarticuladas. Deveriam ser estimuladas e multiplicadas.

Envie seu Comentário