Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Artigo| ANTIAMERICANISMO, UMA DOENÇA LETAL

19 de agosto de 2014 17

ABRAHÃO FINKELSTEIN
Empresário de turismo

 

Essa doença ataca a área cognitiva do sistema nervoso de pessoas expostas ao contágio, principalmente as que já apresentavam uma pronunciada predisposição ao ódio e ao rancor. Caracteriza-se por agressividade crescente e rejeição a tudo o que for americano, com exceção de tênis Nike, aparelhos eletrônicos da Apple, roupas de grife produzidas a preços reduzidos nos Estados Unidos e inúmeros outros itens que caracterizam aquela civilização consumista. Os casos mais graves vêm acompanhados por acessos de ódio incontrolável, sem causa aparente. Geralmente, essas pessoas não tiveram contato anterior com cidadãos daquele país mas os consideram responsáveis por todas as desgraças do mundo. Encontram breve alívio de seus sintomas queimando bandeiras dos Estados Unidos e de outras nações que considerem inimigas de povos “progressistas”, não alinhados.
O contágio se dá em universidades, sindicatos, movimentos sociais e também através de jornais em que viceja um largo contingente de portadores do mal que utilizam seus espaços midiáticos e suas cátedras para disseminar a doença. Os primeiros sintomas dos infectados se traduz por uma espécie de euforia e prazeroso sentimento de pertencer a um seleto grupo de pessoas esclarecidas, humanas e sensíveis, bem diferentes desses reacionários, gente de direita, divorciados da realidade de um mundo dominado pela cobiça. Do sentimento à ação, os iluminados se sentem no direito a ajudar a humanidade a alcançar “um novo mundo é possível” através de palavras de ordem e atos violentos.
Contando com a indiferença da maioria da população, estendem sua agressividade sobre as instituições democráticas que dizem defender e, na ausência de uma reação adequada dessas instituições e dos partidos tradicionais, podem chegar ao poder, com todas as consequências que isto pode acarretar à nação. Para eles, tudo é explicado pela geopolítica dos interesses escusos dos imperialistas e assim podem dormir tranquilos, certos de que entendem o mundo como poucos.
A doença é letal, porque não há vacina contra ela e os indivíduos são levados a um estado progressivo de embrutecimento de tal ordem que não terão mais condição de voltar à razoabilidade e à compaixão. É uma morte por dentro que não há como estancar.

Comentários (17)

  • eloi beneduzi diz: 19 de agosto de 2014

    bullshit

  • Luis diz: 19 de agosto de 2014

    “Contando com a indiferença da maioria da população, estendem sua agressividade sobre as instituições democráticas que dizem defender e, na ausência de uma reação adequada dessas instituições e dos partidos tradicionais, podem chegar ao poder, com todas as consequências que isto pode acarretar à nação”

    Democracia é uma droga mesmo. Coisa mais chata ter que aturar esse antiamericanismo. Bom mesmo era na época da ditadura, não é, Finkelstein?. Naquele tempo opiniões contrárias eram rebatidas com “reações adequadas” , isto é, com a tortura e com a morte de quem pensasse diferente. Ai que saudades daquela época.!!! Quem sabe o autor do artigo não organiza uma nova Marcha da Família com Deus pela Liberdade?

  • flavio diz: 19 de agosto de 2014

    Vou denunciar o autor por exercício ilegal da medicina. Diz-se “empresário do turismo” e faz diagnóstico de doença mental, como pode? Menos mal que não prescreveu o tratamento (mas que todos sabemos qual é e que será aplicado em outubro).

  • Luis Paulo diz: 19 de agosto de 2014

    Eu acrescentaria que a esquerda de grife ouve musica americana, assiste filmes e seriados americanos, bebe Coca-Cola, tem tempo de passar o dia inteiro na Internet (outra criação americana) e consome tudo mais que eh produzido pela “decadente sociedade americana”. Mas eles precisam de um inimigo externo para justificar as nossas mazelas (assim como fazem os governos na Venezuela, Bolívia, Coreia do Norte, Cuba, etc). Enquanto isto o mundo segue em frente se desenvolvendo e nos ficamos para tras. Estas pessoas são caso perdido, são doentes em caso terminal. Podem tentar tratamento alternativo em Cuba, como escutar 8 horas diárias de discurso de Fidel .

  • Clailton Kitter Ferreira diz: 19 de agosto de 2014

    Primeiro Abraham Lincoln: Que instituições democráticas o senhor a sua sapiência vê no Brasil a mil? vivemos uma democracia NÃO-PLENA onde o abusos de ordem geral são a regra. Dados da Zero Hora a tempos divulgados para as pessoas verem o país que vivem. O Uruguai é plena, claro, com 6,5 – em torno, que é baixa. Mas é.
    Por exemplo, a CIA e fiscalizada de perto. Missões passam pelo Congresso para serem chanceladas. No Brasil a mil o SNI( Abin – com cara nova e atos velhos) comete uma crimes contra a mais alta corte – STF – e um ai se ouve. PF comete abusos, pois Gilmar Bastos declarou em entrevistas. Antes mais, atualmente quem sabe. De acordo com o Transparência Brasil são 86 bi consumidos pela corrupção; mas 2 tri em impostos.
    Doze anos com PT para quê? Recentemente FHC afirmou com jamais as instituições estiveram tão ruins. E é verdade. E ser bruto ou embrutecimento não se resume ao anti-americanismo ou a compaixão. É ser por demais reducionista.
    Para ter uma ideia da hipocrisia geral, a Venezuela fala dos EUA e venda seu petróleo para os ianques. Discurso para bois ouvirem, como a Dilma que critica a espionagem dos EUA e a Abin faz o que faz.
    Um conselho não leve tal gente a sério. Estamos perto das Eleições 2014. Faça campanha para mudar o quadro. Pois no final o que impera é a economia. O povo com comida na mesa, trabalho e saúde é o que importa.
    Paz.

  • é diz: 19 de agosto de 2014

    Ok sr. jornalista gostaria de saber o que você sabe da plena democracia dos EUA, que usa um sistema arcaico que se beneficia de doações anônimas de grandes empresas pra financiar campanhas(brasil, alguém?) de amneira totalmente legal, onde partidos independentes não tem a mínima chance de se eleger devido as doções sempre serem destinadas aos republicanos ou democratas, onde a abstinência do voto é uma doença crônica. Um país onde se pode comprar eleição é um baita exemplo de tudo que uma democracia liberal poderia ser né? Um país onde não existe nenhum aparato legal para se defender de manifestações racistas ou homofóbicas é um ótimo exemplo de sistema legal eficiente, especialmente quando várias dessas demonstrações de preconceito partem dos que deveriam servir a lei? Acho que mais problemático é quem ignora todos os problemas dos EUA e acredita que lá é um paraíso na terra(pode até ser pra ti) mas acho que todo americano que não tem dinheiro suficiente pra pagar um plano de saúde, todo muçulmano que que é estigmatizado como terrorista pelos que o rodeiam, todos os negros que veem o kkk andar livre por aí, enquanto seus irmãos morrem nas mãos da polícia não acham o mesmo. Eu aconselho vocês procurar alguma maneira de falar com americanos outros americanos, não só os que podem vir pro “brazil” ver copa, ou os disseminadores da cultura de ódio que boa parte dos americanos adota contra qualquer grupo minoritário, e ouçam as histórias deles. Acho que idolatrar os estados unidos como a última fortaleza da democracia no mundo não serve, não acho que deve odia-lo, se gostar, por favor se informe e goste criticamente.

  • Clailton Kitter Ferreira diz: 19 de agosto de 2014

    Primeiro se identifique para verificar com quem lido. Olha, tens razão em vários itens. Mas LÁ SECRETOLOIDES SÃO ENQUADRADOS, como foram pelo simples fato de querer praticar cabanal e ainda quererem explorar as profissionais do sexo. Ninguém fica aplaudindo como focas infantis o que os malucos fazem de banditismo. Só isso de exemplo positivo merece minha consideração.
    Se tu é homem se identifique, não seja como os agentes do terror falando atrás dum proxy, se escondendo sempre no anonimato

  • Mauro Moreira diz: 19 de agosto de 2014

    Pela reação à crônica, nos comentários, percebo porque Dilma tem maioria nas intenções de voto no Rio Grande do Sul.

  • O TRATAMENTO diz: 19 de agosto de 2014

    Um ano vivendo em Cuba ou Coreia do Norte …não como turista, mas como parte do povo subjugado pelo regime que tem ódio visceral à liberdade e à democracia. Com certeza, sem água, sem luz e vivendo sem dinheiro talvez se curem da doença originária no país mais democrático do mundo e que defende a liberdade a ponto de ter uma Estátua em homenagem a ela; sem contar que este mesmo país acolhe raças e credos de cidadãos de todo mundo e ainda lhes dá oportunidades que Cuba ou Coreia jamais darão a qualquer ser humano.

  • LUIZ ERNESTO LAUENSTEIN diz: 19 de agosto de 2014

    Bom que a internet e o GPS são coisas dos americanos, porque se fossem de brasileiros seriam caríssimos e de péssimo funcionamento.

  • pedro azevedo nunes de carvalho diz: 19 de agosto de 2014

    A civilização ocidental precisa dos Estados Unidos, assim como precisa da liberdade, da democracia e de bens de consumo! Vamos torcer para que o país Americano se ‘endireite’ mais nas próximas eleições naquele país!
    Os vagabundos da esquerda tupiniquim devem ser combatidos assim como se combatem os terroristas! TOLERÂNCIA ZERO!

  • mauricio filho diz: 19 de agosto de 2014

    parabéns a lavagem cerebral é irreversível o tripé deles gritando a torto e direita desculpe para eles tem que ser a torto e esquerda são midía golpista,imperialismo americano,elite burguesa se ficar nessas três vertentes pode saber que é um zumbi vermelho que vai passar cem anos e eles vão estar falando do regime militar para eles era ditadura pobres cabeças de vento tão fácil de manipular.

  • Ricardo Porto Alegre diz: 20 de agosto de 2014

    Aprendi muitas coisas com os norte americanos, a democracia deles é realmente autêntica, mais por iniciativa popular que vem desde a independência do que pelos políticos. Agora fica claro que ao atravessar as suas fronteiras eles viram criminosos!

  • Joel Robinson diz: 20 de agosto de 2014

    Já dizia o filósofo; ” Se você não é socialista e anti-americano até os 20 anos, você é mau, mas se continua depois dos 24 anos é um imbecil”

  • Edilar Meneghini diz: 20 de agosto de 2014

    Como o Brasil, os EUA são vítimas de pessoas pertencentes a grupos e comunidades ou sociedades muito influentes e poderosas, as quais dominam a imprensa, a mídia, os bancos etc. Usados por estes, os EUA se meteram em guerras e conflitos causados pelos donos do $$$, arranhando, assim, uma boa imagem. Não servindo de braço armado aos interesses deste ou aquele grupo, desta ou aquela comunidade. Como esses grupos e comunidades ou sociedades são internacionalistas, eles usarão os EUA até ele não ser mais útil, usando a nova nação hegemônica que aparecer no horizonte! Os EUA devem deixar de ser capachos da comunidade judaica sionista na América, a qual só meteu e continua metendo os EUA em coisas erradas, logo condenáveis, como, por exemplo, o lançamento de bombas atômicas em cidades japonesas, bem como o seu suicida apoio e ajuda financeira e militar e tecnológica ao estado de Israel, um estado fomentador, desde a sua origem, de uma política de beligerância com os palestinos, os verdadeiros e legítimos donos da Palestina. A exemplo das pessoas, não é através de belas palavras de paz e amor que se conhece uma pessoa, da mesma forma sucede com as nações e seus mandatários corruptos, vendidos ou comprados por este ou aquele grupo, por esta ou aquele comunidade ou sociedade internacionalistas. Por tudo isso e mais, nenhuma pessoa equilibrada e centrada na razão e em valores e princípios cristãos vê e verá com bom olhos os EUA.

  • Edilar Meneghini diz: 20 de agosto de 2014

    Como o Brasil, os EUA são vítimas de pessoas pertencentes a grupos e comunidades ou sociedades muito influentes e poderosas, as quais dominam a imprensa, a mídia, os bancos etc. Usados por estes, os EUA se meteram em guerras e conflitos produzaidas ou fomentads por estes, arranhando, assim, uma possível boa imagem. Enquanto tiverem algum poder, os EUA continuarão sendo usados como braço armado por este ou aquele grupo, por esta ou aquela comunidade ou sociedade internacionalistas. Depois, quando não servirem mais, os donos do mundo ( donos da imprensa, mídia, TVs, rádios, bancos, mercado financeiro etc. ) usarão a nova potência que surgir no horizonte. Até lá, os EUA continuarão a ser odiados pelo mundo civilizado, caso não deixarem de ser usados como capachos da comunidade judaica sionista na América, a qual só meteu e continua metendo os EUA em coisas erradas, logo condenáveis, como, por exemplo, o lançamento de bombas atômicas em cidades japonesas, bem como o seu suicida apoio e ajuda financeira e militar e tecnológica ao estado de Israel, um estado fomentador, desde a sua origem, de uma política de beligerância com os palestinos, os verdadeiros e legítimos donos da Palestina. A exemplo das pessoas, não é através de belas palavras de paz e amor que se conhece uma pessoa, da mesma forma sucede com as nações e seus mandatários corruptos, vendidos ou comprados por este ou aquele grupo, por esta ou aquele comunidade ou sociedade internacionalistas. Por tudo isso e mais, nenhuma pessoa equilibrada e centrada na razão e em valores e princípios cristãos vê e verá com bom olhos os EUA.

  • Clailton Kitter Ferreira diz: 21 de agosto de 2014

    Edilar Meneghini

    Edilar concordo contigo plenamente; é a que as pessoas não se dão conta que são manipuladas por poderosos e fazem o que fazem gratuitamente sem perceberem que são meras marionetes. Ou tais para vendas de armamentos, ou aumento do orçamento para mais perseguição e destruição, ou para tornar como o Brasil um Estado estritamente POLICIAL – fato que o ilustre jornalista Marcos Rolim concorda comigo.

Envie seu Comentário