Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Artigo| BANHO DE SANGUE NUM PORTO NÃO TÃO ALEGRE

30 de abril de 2015 0

HUMBERTO TREZZI
Jornalista, repórter especial de ZH
humberto.trezzi@ zerohora.com

 

Esta semana foi no bairro Sarandi, coração da Zona Norte, dois sujeitos liquidados a tiros dentro de um caminhão, em frente a outros motoristas. Alguns dias atrás foi um rapaz, executado com mais de 20 tiros dentro de um ônibus cheio de passageiros, na movimentada esquina da Ramiro Barcelos com a Farrapos. Ontem foi na Restinga, um menino com antecedentes por assalto  assassinado em seus tenros 12 anos de idade. Tudo à luz do dia, repleto de testemunhas. Os assassinos definitivamente perderam o pudor e o temor em Porto Alegre, que vive uma orgia de homicídios.
Não só a Capital. Os homicídios aumentaram 68,6% em uma década no Rio Grande do Sul como um todo. Crescem quase que ano a ano. O curioso é que esse banho de sangue vem na contramão de grandes metrópoles brasileira, como São Paulo e Rio. As duas deixaram há muito de ser as capitais mais violentas do país. Os paulistas, aliás, convivem há 15 anos com redução nos homicídios (excetuados ligeiros aumentos pontuais).
A subida nos homicídios no Rio Grande do Sul é algum reflexo da crise econômica? Não. Até porque estávamos em pleno emprego quando começou essa ascensão mortífera. E fatores econômicos também teriam afetado outros Estados, que no entanto recuaram no volume de assassinatos.
Parte da explicação parece estar numa espécie de falência moral: a ideia de que crime compensa e a melhor resposta aos inimigos é a bala. O economista Cristiano Aguiar de Oliveira abordou o assunto, no excelente artigo Análise Espacial da Criminalidade do Rio Grande do Sul, publicado pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Problemas na estrutura familiar e a ineficiência do ensino no Estado ajudam a aumentar a criminalidade, pondera o estudioso. Faz sentido. Escola e família são fundamentais no processo de desenvolvimento moral do indivíduo. Quando falham na sua missão de garantir a inserção no mercado trabalho lícito e passar valores aos jovens, a coisa se agrava.
Um agravante, no RS, é a carência no número de policiais. O contingente diminui desde os Anos 80. São Paulo e Rio, por exemplo, são proporcionalmente muito mais policiados. Sem investimentos à vista, nos resta a esperança de que o homicídio sature. Alguns experts acreditam nessa exaustão: em algum momento, a bandidagem gaúcha vai cansar de acertar contas a tiros (e nos acertar). Será? Amém.

Envie seu Comentário