Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Artigo| O PESADELO DO DESEMPREGO

29 de junho de 2015 0

LUIZ CARLOS BUSATO
Deputado Federal (PTB), titular da Comissão de Trabalho, de Administração e Serviço Público da Câmara dos Deputados

 

Mensurar o impacto das paralisações da indústria de plataformas de petróleo na geração de desemprego no Brasil, depois da Operação Lava-Jato desencadeada pela Polícia Federal  é uma das tarefas da Comissão de Trabalho, de Administração e Serviço Público da Câmara dos Deputados. O investimento de quase R$ 3 bilhões na indústria naval que deveria gerar mais  de 20 mil empregos, direta e indiretamente já provocou, desde novembro do ano passado, cerca de sete mil demissões apenas no Estaleiro Enseada Paraguaçu, na Bahia.
No Polo Naval do Jacuí, em Charqueadas, no Rio Grande do Sul, mil trabalhadores foram demitidos. A indenização trabalhista foi de  R$ 23 milhões e está sendo paga devido a duas ações trabalhistas ingressadas pelo Sindicato dos Metalúrgicos. A Comissão, autoridades e entidades sindicais vão se reunir, no início do mês que vem, em Charqueadas, para diagnosticar a crítica situação, mas já  é certo que o esquema de corrupção da Lava-Jato acabou com o desenvolvimento e  com o sonho de muitos brasileiros! Os trabalhadores  “ainda”  tinham  esperança. E o pior, o desemprego cresce em todas as regiões, desde a suspensão do contrato da Petrobras, pois Estados e municípios ofereceram diversos incentivos.
Vale destacar que a Comissão do Trabalho é permanente e atua como mecanismo de controle dos programas e projetos do poder executivo. A Comissão também está discutindo se vai aceitar os acordos de leniência com as empresas envolvidas para que colaborem com o Estado e ressarçam os cofres públicos. Há uma dificuldade para os acordos de leniência, neste caso, devido a sobreposição e competências de diversos órgãos públicos envolvidos  como a Controladoria-Geral da União, Ministério Público e Tribunal de Contas da União. Audiências públicas estão sendo realizadas, pois quem defende o acordo argumenta que evitaria a demissão de mais 500 mil trabalhadores.
Os investimentos precisam ser retomados, com urgência! A geração de mão-de-obra não pode parar. A indústria naval brasileira não pode ser prejudicada. A bancada gaúcha na Câmara precisa  apoiar e trazer recursos para a região carbonífera do Rio Grande do Sul. É fundamental garantir as demandas desses municípios, uma vez que  o sonho acabou e ainda transformou alguns trabalhadores vítimas da corrupção com o desemprego.

Envie seu Comentário