Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Artigo| OS MAUS PERDEDORES

04 de julho de 2015 1

moises

MOISÉS MENDES
Jornalista
moises.mendes@zerohora.com.br

 

Eduardo Cunha é o mais assustador político brasileiro desde Fernando Collor. Seria, dizem, um exemplo de como a política pode ser deformada pela radicalização de  condutas religiosas. Outros o consideram mais uma imitação dos antigos coronéis. E há quem pense que é apenas um ressentido, investigado por corrupção, inconformado com o governo que não teria lhe dado cobertura para fugir das garras da Polícia Federal e do Ministério Público _ como se isso fosse possível.
O presidente da Câmara é mais do que tudo isso. É a cara com olheiras do Brasil dos maus perdedores. Cunha avisou, desde que chegou ao trono, que não admitiria derrotas e venceu tudo. Deu seu maior show agora, na votação da redução da maioridade penal.
Dizem que seria o líder da pauta conservadora que assombra o Brasil. Não é. Ele é o preposto. Estão na pauta dois temas que poderão ser votados logo pelo Congresso. Um é o chamado Estatuto da Família, que ameaça tirar dos casais homoafetivos o direito de serem reconhecidos como tal e de adotarem crianças (uma decisão de 2011 do Supremo).
O outro é a tentativa de fuzilamento do Estatuto do Desarmamento, em vigor há 12 anos, para que sejam facilitados o porte e a posse de armas. A turma que transformou religião em negócio lidera a primeira pauta, e a bancada da bala comanda a segunda. Cunha, sentado no trono, é o viabilizador desses anseios reacionários.
Maus perdedores são bem articulados. Vão tentar fazer com que o país retroceda ao tempo em que um casal era apenas o formado por um homem e uma mulher _ e em que qualquer um poderia andar com uma arma (legalmente) na cintura. O país idealizado por eles é o que poderá encarcerar adolescentes e legitimar em lei a discriminação de gays.
Os maus perdedores incomodam-se com a inclusão social de quem, além de micro-ondas e automóveis, passou a adquirir formação e conhecimento. O mau perdedor está desconfortável com a possibilidade de repartir espaços e privilégios de classe média com os que chegarão logo ao mercado com diplomas de doutor.
Zero Hora já mostrou quem são os maus perdedores nas universidades. Vergonhosamente, são também professores que se negam a admitir a afirmação social dos cotistas. Porque a universidade, dizem, seria o espaço das elites, e a elite, como diziam os aristocratas franceses do século 18, somente será elite se for sempre a mesma.
A aristocracia acadêmica decadente do século 21 incomoda-se com os cotistas, com nordestinos, haitianos, com beneficiados do Bolsa Família, bolsistas do ProUni. Os maus perdedores entusiasmaram-se com a possibilidade do golpe, poucos meses depois da eleição, planejam todos os dias o impeachment e continuam fazendo a escolha seletiva dos bons e dos maus corruptos. Quase todos aplaudem Cunha, alguns às escondidas.
Não nos enganemos. Eduardo Cunha não é manobrado pelo poder dos evangélicos. Cunha foi um dos que politizaram os púlpitos e se aproveitaram da estrutura das igrejas e de seus fieis. Empoderou-se para ser cúmplice de todos os maus perdedores e para eles trabalha.
Cunha não é o líder dos reacionários brasileiros. É o capataz a serviço deles, porque entendeu suas demandas. Mas será preposto somente até o dia em que cometer um erro e for deixado à deriva, como a direita já fez com Collor.

Comentários (1)

  • ANDRE diz: 4 de julho de 2015

    Leio algumas de suas colunas e ainda não entendo sua defesa aos petralhas. Enfim, cada qual faz suas escolhas, mas lamento que deixem escrever em defesa dessa corja.
    Acabaram, de fato, com o paí. Roubaram como nunca visto.
    Tuas colunas estão chatas.Fato este que deixarei de ler.

Envie seu Comentário