Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Posts de agosto 2008

Uma noite memorável com os Pistoleiros na Célula

31 de agosto de 2008 16

Histórico. Daqui a alguns anos, é assim que será lembrada a madrugada deste domingo (31) na Célula Cultural, em Floripa. Casa cheia, som ótimo, astral lá em cima, tudo conspirou a favor pra que a volta aos palcos dos Pistoleiros fosse memorável – e foi. A banda tocou seu Ep na íntegra, apresentou músicas inéditas e arrematou a apresentação com um cover de “Rockin’ in the Free World”, de Neil Young. Calibrado e musculoso, o som nem dava sinal de que o quinteto estava há anos separado.

Quem também causou ótima impressão – pelo menos a mim, que ainda não tinha visto a banda – foi o WW Diablo, banda capitaneada pelo mesmo Galináceo que toca no Kratera. Alie a pegada violenta do Motörhead a letras em espanhol, quatro sujeitos com chapelões mexicanos, um baterista vestido de lutador de luta livre e refrões incandescentes e tenha um show pra fechar qualquer festival de porte no Brasil. Se você ainda não conhece, vale dar uma MySpace dos cabrones.

Enfim, uma noitada forte. A única exceção foi o “foda-se Santa Catarina” perpetrado por Jean Mafra – vocalista do Samambaia Sound Club e notório poser da cena ilhoa – pra enaltecer Florianópolis e seu Clube da Luta. Ao que parece, o rapaz acha que só na Capital os músicos independentes matam um leão por dia pra mostrar seu valor. A batalha se dá em outros campos também, Jean, só não tem ainda o (merecido) reconhecimento que a sua turma já conquistou.

 

PS: Um grande abraço a Luciano Carioca, Cudo (Verano), Xuxu, ao pessoal do Da Caverna (ótimo disco, moçada) e aos companheiros de jornada ilhoa Rafael Weiss e Paulo Cyka (vulgo PHC). Marquinhos, parabéns, mas a luta não termina nunca. Mutley, sorte em Sampa, velho.

 

Postado por rubensherbst

Os Pistoleiros voltam pra um último duelo

29 de agosto de 2008 1


Quando ganhei, anos atrás, o Ep “Não Contavam com Os Pistoleiros”, não imaginava que tinha nas mãos um diamante sonoro. Claro que imediatamente comecei a cantarolar a faixa-título e me encantei com a lépida cadência de folk, country, rock alternativo, gotas de faroeste e cândida poesia descomplicada, mas não supunha que aquele humilde cdzinho iria deixar marcas no underground brazuca, celebrado até por Fernando Rosa, um dos mais importantes nomes da cena independente nacional. Pois é, nada como o passar do tempo.

Tempo esse que redobra o valor daquele Ep de 2000 e de seus autores, Os Pistoleiros, esses mesmos que espanam o pó de guitarras, violões e do bandoneon pra, numa única (a princípio) noite, relembrar aquelas sete faixas redentoras e mostrar o que ficou inédito.

Mas um retorno tão esperado tinha que ser por um bom motivo: a festa de dois anos da Contracapa assinada por Marcos Espíndola no caderno de variedades do DC. O cara merece tamanho empenho. Jornalista antenado, brigador, texto primoroso e uma sede enorme pra defender os bons sons, principalmente os desta terrinha chamada Santa Catarina. Por tudo isso – e também por ser muito gente boa – que até um supergrupo de músicos do projeto Clube da Luta foi formado pra abrilhantar a celebração deste sábado (30) na Célula, em Floripa.

Como o Ep hoje é item de colecionador (o meu eu não vendo), Os Pistoleiros estão no MySpace só pra disponibilizar pra download as faixas do dito cujo. E aí embaixo está o vídeo do ensaio da banda feito pelo próprio Espíndola e que tem levado muito marmanjo saudoso a derramar lágrimas antes da hora. Vou estar lá pra ver como isso vai acabar.

Postado por rubensherbst

Sons novos do Metallica e do AC/DC tocando por aí

29 de agosto de 2008 0


Tem música nova do Metallica na área. A banda liberou uma música de seu novo disco “Death Magnetic”, que sai no próximo dia 12, pra audição no seu site. Vai lá dar uma conferida em “My Apocalypse”.

Outro que abre o apetite dos fãs é o AC/CD. Uma passadinha na página dos australianos vale uma escutada em “Rock n` Roll Train”, primeira faixa de “Black Ice”, que começa a ser vendido em 20 de outubro. É o AC/DC de sempre, mas com uma pegada que remete ao memorável “Back in Black” (1980).

Postado por rubensherbst

Até o FBI entrou na novela "Chinese Democracy"

28 de agosto de 2008 1

Axl Rose ameaça há 14 anos lançar o novo disco do Guns n`Roses/Divulgação

Mais um capítulo da novela “Chinese Democracy” foi escrito esta semana. Até o FBI, vê se pode, entrou na jogada e prendeu um sujeito de 27 anos que postou na internet nove músicas, supostamente finalizadas, do lenda em forma de disco novo do Guns n`Roses. Algumas, como “Better”, “The Blues”, “Chinese Democracy”, “IRS” e “Madagascar”, já eram conhecidas dos fãs. As faixas foram imediatamente retiradas do ar, mas claro que já foram parar em sites de troca de arquivos e logo estarão bem facinhas de ouvir nos quatro cantos do mundo virtual.

Meio que pra driblar esse tipo de espertinho, Axl Rose vai liberar a faixa “Shackler`s Revenge” no popular game “Rock band 2″, que sai em setembro. E comenta-se ainda que a “banda” está negociando com uma grande rede varejista dos EUA pra vender “Chinese Democracy” com exclusividade. Pra mim, Axl perdeu o timing do lançamento quando o último tambor soou em Pequim. Se bem que vem aí as Paraolimpíadas…

E não precisa ser fã do Guns pra saborear a biografia de Slash, que acaba de sair no Brasil. O guitar hero solta o verbo sobre a sua trajetória, pré e pós-Guns, não economiza nos podres – incluindo suas tretas com polícia, drogas e Axl – e revela histórias saborosas sobre a obra da banda e os bastidores do showbizz. Uma dica: domingo, no caderno “Idéias”, de A Notícia, o grande chapa e jornalista Rodrigo Schwarz disseca a obra pros leitores.

Postado por rubensherbst

Los Hermanos suficiente pra matar saudade dos fãs

27 de agosto de 2008 1


Eu imagino a quantas anda o coração dos fãs dos Los Hermanos. Há mais de um ano sem novidades da banda e vivendo das generosas migalhas solo de seus integrantes, eles finalmente vão sossegar com a investida tripla dos próximos dias. Começa nesta quinta (28), às 22h15, quando o Multishow vai exibir um compacto de duas horas dos três shows de “despedida” que o quarteto fez em junho de 2007 na Fundição Progresso, no Rio de Janeiro. As três noites reuniram 18 mil fãs em estado de graça e apreensão – afinal, ali ainda não se sabia o futuro do grupo; hoje, a volta, mais cedo ou mais tarde, parece óbvia.

O segundo golpe vem na sexta (29), quando chegará às lojas o DVD do programa, com todas as 26 faixas executadas pelos barbudos (“Anna Julia” inclusa). Um CD também estará à venda.

Pra fechar, Marcelo Camelo vai conceder um mimo aos seguidores, também na sexta. É quando 10 das 14 faixas de sua estréia solo, “Sou”, poderão ser baixadas de graça na página do sujeito no MySpace. Produzido pelo próprio Camelo, a bolachina tem participações de Clara Sverner, Dominguinhos, Mallu Magalhães e do grupo paulistano Hurtmold, e será lançada oficialmente em 8 de setembro.

Ou seja, gente, sem choro nem vela, porque tem Los Hermanos pra mais uns bons meses de férias. E se não for exagerar na dose, vai aí um videozinho amador bem animado de uma das apresentações do quarteto na Fundição Progresso.

f

Postado por rubensherbst

Velhos punks nunca morrem - eles vêm ao Brasil

26 de agosto de 2008 1

Com Keith Morris à frente, o Circle Jerks toca no País em novembro/stevehopson.com

O Brasil é escala de dois ícones do punk/hardcore neste segundo semestre. O primeiro a desembarcar é o Bad Religion, que visita o País pela sexta vez (!!) para ser a atração principal do GAS Festival, que rola na Chácara do Jockey, em São Paulo, no dia 6 de setembro. Por enquanto, é o único show por aqui dos caras, que estão turnê promovendo “New Maps from Hell”, disco lançado no ano passado. Não sei se interessa, mas o festival também terá Pitty, Charlie Brown Jr. e Strike e a presença de Danny Way, conhecido por saltar sobre a Muralha da China de skate. Os ingressos custam 60 pilas e estão à venda no site www.ticketmaster.com.br.

Em setembro, é a vez de outra banda californiana, o Circle Jerks, dar um “oi” pros fãs brasileiros. Formado em 1979, o Circle Jerks é uma das mais influentes bandas do punk/hardcore, tanto que já foi homenageda por um sem-número de outros grupos, entre eles o Ratos de Porão, que regravou “Red Tape” para seu disco de covers “Feijoada Acidente”. Com uma dúzia de álbuns na garagem – o primeirão, “Group Sex” (1980), tem 14 faixas em pouco mais de 14 minutos -, o CJ continua na ativa graças a Keith Morris (ex-vocalista do Black Flag) e Greg Hetson, que também toca no Bad Religion. O grupo tem agendado um show no Clash Club, em São Paulo, no dia 22, e outro no Goiânia Noise Festival, no dia 23.

E já que falamos de hardcore, os paulistas do Nitrominds, legenda do gênero no Brasil, retornam ao palco do Curupira Rock Club neste domingo (31). Junto com Arrogantes, de Jaraguá do Sul, os caras abrem pro Kaeng!, quarteto alemão que, diz o Kélson, combina rock alternativo, punk e metal. Foi difícil acessar a página do grupo no MySpace, mas pelo pouco que há dele no Youtube, é bem por aí. A festa em Guaramirim começa às 16 horas e o ingresso custa só 10 pilas.

Postado por rubensherbst

Dead Rocks mostra o valor da surf music brazuca

25 de agosto de 2008 0


Quem pensa que samba, Bossa Nova e heavy metal (e o CSS) são os nossos únicos produtos musicais de exportação, terá que rever os conceitos. Os gringos estão definitivamente consumindo, sem embargo comercial, a surf music brasileira, como demonstra The Dead Rocks, trio que foi até a França e a Itália, em maio, mostrar o tamanho das ondas produzidas no interior paulista (São Carlos, mais precisamente).

A deixa pra segunda turnê pelo Velho Continente foi “One Million Dollar Surf Band”, o segundo disco do grupo, que leva o selo da bravo Monstro Discos, de Goiânia. Pra comprovar que pretender surfar em outros oceanos, Marky Wildstone (bateria), Johnny Crash (guitarras) e Paul Punk (baixo) entregaram a mixagem do álbum a ninguém menos que Jack Endino, o quase brazuca que produziu Nirvana, Screaming Trees, L7, Mudhoney e, claro, os Titãs. Já a masterização foi feita na Califórnia por Phil Dirt e Adam Myers, dois experts americanos em surf music.

Tudo isso ajuda “One Million Dollar Surf Band” a não ter qualquer ranço de maresia, mas o repertório é que dá aquela sensação de feriado de sol no litoral. Sem fugir de sua praia, o trio rema por sonoridades distintas: acelera (“One Million Dollar Theme”, “A Song for the Future”), diminui (“Delirius Tremens”), pesa a mão (“Sonic Stars”) e se candidata a uma segunda edição da trilha de “Pulp Fiction” (“Nicotine”, “La Terrible Maldicion de Tutankamon”).

Os anos 60 marcam presença na emulação de Dick Dale e bandas clássicas da surf music, e no tributo direto (a versão de “O Milionário”, d`Os Incríveis) e indireto (“Um Broto Apaixonante”, o embalo de “Boogie Splash Crash”, que lembra “Banho de Lua”) a Jovem Guarda. Já o rockabilly bate ponto nas furiosas “Easy Job” e “Crazy Race Rock”, que lembra Stray Cats.

De cada faixa, o Dead Rocks arranca melodias inspiradas e não perde tempo com firulas instrumentais. Tudo é certeiro, divertido e refrescante como um banho de mar. Que grandes ondas levem a banda para ainda mais longe.

Pra confirmar o que eu disse, olhem a banda tocando “Nicotine” no programa do Jô Soares.

Postado por rubensherbst

Quem diria, velhinhos dos Sonics voltaram à ativa

24 de agosto de 2008 4

The Sonics na época em que era uma das bandas mais casca-grossa dos anos 60/Divulgação

O pessoal fala da longevidade dos Rolling Stones, mas qual não foi minha surpresa ao saber que The Sonics voltaram à ativa, e com mais da metade de sua formação original. A banda fez um revival pra tocar num festival novaiorquino, no final do ano passado, e voltou a se reunir em março para seus primeiros shows em Londres. No começo de agosto, os rapazes sexagenários andaram fazendo barulho pela Noruega.

Se você nunca (ou)viu mais gordo, fique sabendo que sem o Sonics o rock seria mais polido e bem comportado, o punk poderia ter uma cara mais bonitinha e o chamado rock de garagem seria gerado na sala de estar. Que sem graça! The Sonics foi um das bandas mais casca-grossa dos anos 60, que alimentava historinhas de carros, surfistas, festas, garotas, drogas e psicopatas com um som cru, seco, cheio de gritos, uivos lascivos e guitarras embebidas em distorção. Não é à toa que muita gente considera essa a primeira banda punk.

A trajetória do Sonics começou em 1960, em Tacoma, no Estado de Washington, mas só engatou em 64, quando Gerry Roslie assumiu os vocais. No ano seguinte saiu “Here Are the Sonics”, discoteca básica absoluta, que trazia clássicos garageiros como “Psycho”e “The Witch” e versões adrenalínicas para “Roll Over Beethoven” (Chuck Berry) e “Good Golly Miss Molly” (Little Richard). Outros dois discos se seguiram até a banda passar a régua em 68. Em 72, ela voltou para um único show, em Seattle. A história terminaria aí se não acontecesse o motivo de você estar lendo estas linhas: a volta dos Sonics – infelizmente, sem o mesmo oba-oba de outras bandas selvagens e seminais como Stooges e MC5.

Vejam aí o trio Gerry Roslie, Larry Parypa e Rob Lind mandando ver “Psycho” na moleira dos londrinos, em março passado.

Postado por rubensherbst

Capa, título, faixas... É o novo do AC/DC chegando

22 de agosto de 2008 2


Já estava mais do que na hora dos irmãos Young se mexerem e apresentarem novidades, afinal, lá se vão oito anos sem disco de inéditas do AC/DC. Não que a banda precise – basta botar o pé na estrada com seus velhos e bons clássicos pros estádios lotarem num piscar de olhos. Mas como um novo disco é sempre uma desculpa melhor, vem aí “Black Ice”, que sai dia 20 de outubro e cuja capa é essa aí do lado.

O site oficial da banda e as redes de lojas Wal-Mart e Sam`s Club serão as plataformas exclusivas de lançamento. Antes disso, em 28 de agosto, sai o primeiro aperitivo, a faixa “Rock`n`Roll Train”. E em 9 de setembro, o DVD “No Bull: The Director`s Cut” chega às lojas com uma nova versão do filme sobre um show dos australianos na Plaza de Toros de las Ventas, em Madri, em 1996 (tem um vídeo desse concerto láaaa embaixo).

Produzido por Brendan O`Brien (Pearl Jam, Stone Temple Pilots, Offspring, entre outros), “Black Ice” terá 15 faixas (!!) e, espera-se, seja melhor do que o fraquinho “Stiff Upper Lip”, de 2000. Oito anos, convenhamos, é tempo suficiente pra formar um bom repertório, né não?

Estas são as faixas do disco (repare que quatro delas têm rock no título):

“Rock`n`Roll Train”

“Skies on Fire”

“Big Jack”

“Anything Goes”

“War Machine”

“Smash`n`Grab”

“Spoilin` for a Fight”

“Wheels”

“Decibel”

“Stormy May Day”

“She Likes Rock`n`Roll”

“Money Made”

“Rock`n`Roll Dream”

“Rocking All the Way”

“Black Ice”

Postado por rubensherbst

DJ Marcios e Helliot Jr. unem seus vinis no Fritz

22 de agosto de 2008 1


Num final de semana morníssimo em Joinville, as carrapetas do DJ Marcios voltam a soar no Grosses Haus, vulgo Fritz, em frente ao Angeloni da Ministro Calógeras. Hoje à noite, o homem dos vinis clássicos faz sua própria versão do “fulano convida” e recebe Helliot Jr., responsável pelas baquetas da banda Blasè e exímio conhecedor do rock alternativo. As belas bolachinas dos anos 80 e 90 do sujeito farão par com as preciosidades já conhecidas de Marcios. Enquanto isso, a cerva rola…

Postado por rubensherbst