Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Quando as máscaras caem

26 de novembro de 2012 0

Sem uma exibição decente em Santa Catarina, Deus da Carnificina foi para o DVD com um lastro de boas críticas atrás de si, e não é para menos. Roman Polanski, sempre um bom contador de histórias de carga dramática intensa, se prende aqui, nesta adaptação da peça de Yasmina Reza, a um único cenário e quatro personagens fixos para extrair, mais do que uma interessante narrativa de fatos, uma crítica cortante à sociedade – ou, se você quiser ser mais minucioso (e implicante), ao casamento. Após uma briga entre dois garotos, os pais deles se encontram num apartamento para resolver amigavelmente o problema. Mas, no decorrer da discussão, as personalidades de cada um vêm à tona e deixam amargura, hipocrisia, egoísmo e antigos rancores atropelarem a questão inicial. Ao manter a estrutura teatral original, com cortes discretíssimos, Polanski enfatiza a tensão crescente, então o desconforto e, por fim, o descontrole total. Uma revanche interna entre os casais que expõe com brilhantismo a hipocrisia do ser humano, e nisso o talento do elenco (Kate Winslet, Jodie Foster, Christoph Waltz e John C. Reilly) merece muitos créditos. Graças também a eles, Deus da Carnificina chega a ser claustrofóbico.

Envie seu Comentário