Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Doc rastreia os anos loucos de Ronnie Von

01 de dezembro de 2013 1

divulgação
Em meados dos anos 60, Ronnie Von não era popular como Roberto Carlos nem integrou a Jovem Guarda, mas fazia ferver o sangue das meninas de tal modo que “Príncipe” foi o apelido que recebeu. Apesar disso, do berço de ouro no qual nasceu e de hits como A Praça e Meu Bem, o cantor rompeu com o trivial da época entre 1969 e 1970, quando gravou três discos recheados de pop sofisticado e psicodélico que revelavam total sintonia com o que faziam artistas gringos inovadores como os Beatles. Mas o descompasso com a gravadora tirou Ronnie momentaneamente de cena. Os álbuns venderam pouquíssimo e essa fase só foi reconhecida como marco do pop brasileiro muitos anos depois. Trajetória e influência se encontram, via imagens de arquivo e entrevistas, em Quando Éramos Príncipes, documentário do jornalista Ricardo Alexandre, dirigido por Caco Souza, que estreia nesta segunda-feira (2), às 19h30, no canal a cabo Bis. Imperdível, para dizer o mínimo.

Comentários (1)

  • rodrigo diz: 3 de dezembro de 2013

    O documentário foi sensacional. Muito bem feito, didático, com muitas boas histórias, uma puta banda tocando e o Ronnie Von cantando emocionado o que ele queria e que na época não podia direito pq a gravadora e o povo não entendia o gênio que ele era. Depois foi cantar as “músicas chatas” como ele mesmo disse, esse pop romântico açucarado que nunca levou ele a lugar nenhum, a não ser ser tachado de brega e de som de velho. Um cara a frente do seu tempo e que foi engolido por artistas sanguessugas que tão ai até hoje, como Caetano e Gil, que se agarraram aos Mutantes pq viram ali uma banda muito foda.. coisa que o Ronnie já tinha visto antes. Aliás, esses 2 sempre fazem isso: veem um artista que estourou no underground e vão lá sugar, vide Gil com Chico Science e o Caetano com o Crioulo, entre outros. Mas voltando ao Ronnie, o cara é um gênio.

Envie seu Comentário