Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Sem Tommy, o que seria dos Ramones?

13 de julho de 2014 0

divulgação
O último elo da corrente original dos Ramones se partiu na noite de sexta-feira (11). Aos 65 anos, Tommy Ramone foi mais uma vítima do maldito câncer (no ducto biliar, no seu caso) que levou seus ex-companheiros Joey e Johnny – Dee Dee se foi de overdose. Tommy tocou nos três primeiros discos da banda, além do It’s Alive, e quando cedeu o posto de baterista para Marc Bell, em 1978, seguiu como coprodutor e conselheiro. O mais importante de tudo, porém, é que sem ele não haveria Ramones e, muito provavelmente, o punk rock seria diferente. Isso porque Tommy foi o elo de ligação entre os componentes, incentivou Johnny e Dee a formarem uma banda e, ao final, foi a cereja que faltava para o personalíssimo som do grupo decolar.
Quem diz não sou eu, mas quem esteve lá para ver a história acontecer:

* Monte Melnick (gerente de turnê e faz-tudo, em Na Estrada com os Ramones) – “Eles não pareciam nada promissores para mim, mas o Tommy viu algo neles. Quando ele começou a tocar bateria, eu não podia acreditar, ele era um baterista, caramba! Naquele momento, não tinha palavras para isso. Porém, mais tarde, quando eles subiram ao palco pela primeira vez no GBGB e começaram sua primeira música, ’1-2-3-4′, havia algo ali. Eu os vi crescer e se desenvolver com as apresentações e os primeiros shows, e o público começando a aparecer. Eles tinhas suas ideias, mas elas ainda estavam me desenvolvimento. Era áspero e cru, mas ele viu algo ali. O Tommy estava certo”

* Johnny Ramone (na autobiografia Commando) – “…Então um dia não apareceu ninguém para os testes, e Tommy simplesmente assumiu a bateria. Ele nunca havia tocando antes, mas estava funcionando. Assim, convencemos Tommy a ficar na banda, na bateria, e as coisas começaram a tomar forma. Ali passamos a ensaiar pra valer. E foi a verdadeira formação da banda. Éramos os Ramones.”.

* Dee Ramone (na autobiografia Coração Envenenado) – “… Tommy completou a formação original. Depois de um dos nossos primeiros ensaios, Tommy e eu fomos conversar no escritório no estúdio. ‘Que nome você acha que a banda deve ter?’, ele perguntou. ‘Que tal Ramones?’, respondi. Eu não estava falando muito sério, mas o nome ficou”.

Aí eu pergunto: se os Ramones foram os pais do punk rock, como medir a importância de Tommy Ramone para o gênero?



Envie seu Comentário