Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Chegando às prateleiras... 16/7

16 de julho de 2014 0

Ratos de Porão
divulgaçãoO 15º disco de João Gordo e cia. abre com o que parece ser uma manifestação, interrompida por tiros e sirenes, seguido de gritos e correria. É a senha atual para a banda – que não soltava disco desde 2006 – partir para cima de temas que fazem parte de seu ideário, como rebeldia, caos e repressão policial. A metralhadora também é apontada para o desamparo (Pra Fazer Pobre Chorar), o pão e circo da mídia (Sangue e Bunda), hipocrisia (Grande Bosta), a vida online (Viciado Digital), impunidade (Boiada pra Bandido, Puta, Viagra de Corrupção) e o apocalipse iminente (Prenúncio de Treta). Os anos passam, os nós da sociedade brasileira não desatam e cabe ao Ratos fazer a resenha dos fatos com a incansável porradaria thrash/hardcore/grind habitual.
Século Sinistro, Ratos de Porão. Voice Music, R$ 29,90.


Tony Babalu

divulgaçãoPara os fãs do rock brasileiro setentista, Tony Babalu é o guitarrista do primeiro disco do Made in Brazil (Pauliceira Desvairada), do qual é coautor de boa parte das faixas. De lá para cá, ele integrou várias outras formações, virou também produtor e imprimiu o ecletismo em sua obra autoral. Há uma brasilidade inerente, aliada a toques de jazz, blues e funk, em Live Sessions at Mosh, disco gravado ao vivo no mítico estúdio paulistano. Tirando Vecchione Brothers, um rock em homenagem à dupla de irmãos do Made, este é um disco para músicos e não músicos afeitos a sons suaves e guitarras elegantes.
Live Sessions at Mosh, Tony Babalu. Amellis Records, R$ 24,90.


Natalie Merchant

divulgaçãoA cantora americana quebra um jejum de 13 anos sem um disco plenamente autoral, e não poderia fazer isso de melhor modo. Não que haja novidades neste disco, auto-intitulado, lançado alguns meses antes de Natalie completar 50 anos, aparentando estar no auge de sua arte, seja cantando, seja compondo. É o álbum de uma artista madura se dirigindo a um público que abraça temas por vezes fúnebres (perda, arrependimento, negação), esparramados por folk, country e soul estilosos. Giving up Everything, com seu arranjo de cordas, é especialmente bonita, mas chamam a atenção o pop suave de Lady Bird, a severa Black Sheep e a “interiorana” Texas.
Natalie Merchant, Natalie Merchant. Warner, R$ 37,90.

Envie seu Comentário