Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts de janeiro 2016

Rex Johnson: vários sons de vários tempos

29 de janeiro de 2016 0

1004647_10151792259979341_2056705695_n
Rex Johnson, o bluesman. A partir de agora, faça o favor de apagar o rótulo. No novíssimo disco Prime Time Life, o americano – que há duas décadas vive em Joinville – mostra sua real faceta musical, muita mais diversificada do que a maioria supõe. Nas dez faixas produzidas pelo multi-instrumentista Ed Rossi, Rex vai ao encontro de folk, country, swing jazz, soft rock e até molejos latinos, um caldeirão sonoro que resplandece melodias, bons arranjos e polaroides de fases da vida do septuagenário músico. Metade delas foi  composta nos últimos anos, mas outras remontam à década de 70, como Rainbows e Sleeping Spoons. Por enquanto, o álbum está à venda apenas em CD (por este perfil AQUI), mas logo será encontra na web, para download. Abaixo, um depoimento de Rex para Orelhada, dois dias antes de embarcar rumo aos EUA.

12573752_10154137533239341_5835795566704232610_nAs pessoas sempre se referem a você como bluesman, mas estas novas músicas são mais folk, country…
Rex Johnson – Eu sempre tive interesse em world music. As bandas nas quais toquei eram interessadas em todo tipo de música. Quando cheguei aqui, as pessoas estavam procurando por categorias, então, me tornei um bluesman para elas simplesmente porque eu tocava harmônica. Para continuar tocando e ganhando dinheiro, preenchi o que elas queriam. Mas, você sabe, somos multidimensionais. Não quero excluir minhas outras expressões musicais. Então, quando Ed Rossi e eu descobrimos um ao outro e nossos gostos ecléticos semelhantes, viramos uma equipe e decidimos fazer este projeto com músicos de Joinville. Eu sempre quis fazer algo transcultural, e ele é a realização desse desejo.


Simdec tenta corrigir a rota

29 de janeiro de 2016 0

Como era de se esperar, o 2015 terrível do Simdec teve desdobramentos. O presidente da Fundação Cultural de Joinville (FCJ), Rodrigo Coelho, instituiu um grupo de trabalho interno para analisar, alterar e atualizar o decreto que regulamenta o Sistema Municipal de Desenvolvimento pela Cultural, que é de 2006. A primeira reunião aconteceu nesta quinta (28) e agora a comissão tem 60 dias para apresentar providências.
- As coisas funcionaram mal em 2015, mas a gente já tinha interesse em mudar antes. Só que 2015 mostrou os problemas – comenta o diretor executivo da FCJ, Guilherme Gassenferth, que cita critérios de avaliação do projetos, prestação de contas dos proponentes e tempo de execução das propostas como pontos a serem revistos. Esse rascunho será analisado pela comissão especial do Simdec do Conselho Municipal de Política Cultural, que se reuniu algumas vezes no ano passado.

Dona Francisca de Fritz Alt pode reaparecer em março

28 de janeiro de 2016 1

nilson bastian, divulgação
Pode não levar mais que algumas para o busto de Dona Francisca esculpido por Fritz Alt estar novo em folha e poder ser visto no museu-casa que leva seu nome. A proposta do jornalista, escritor e editor Joel Gehlen, aceita pela Fundação Cultural de Joinville, é que isso aconteça no dia 9 de março, junto com a instalação do original post mortem da obra na rua das Palmeiras, onde seu modelo foi vandalizado em junho de 2015. Dali, partiu para ser recuperada em uma oficina de confecção de moldes em silicone, bancada pelo Simdec, na qual foram tirados moldes de outras quatro esculturas de Fritz Alt. Todas ganharam réplicas (ou original post mortem). Se o plano for cumprido, será uma boa maneira de comemorar os 90 anos do busto de Dona Francisca, produzida pelo artista em 1926.

"Semblante Distante" - Ricardo Ledoux

28 de janeiro de 2016 0

12631187_10204135489586435_1161012314_o
Após um 2015 nos palcos e experimentando novas formações musicais, o cantor e compositor joinvilense Ricardo Ledoux deu o primeiro passo para mostrar ao mundo Caos da Manhã, seu disco de estreia, cuja a capa é essa de cima, uma arte do músico em cima da foto de Fabio Moreira. Trata-se da faixa Distante Semblante, que chegou junto com um registro ao vivo no teatro do Sesc ao lado de Lucas Baumer (bateria) e Marcos Archetti (contrabaixo). Caos da Manhã está em processo de edição e mixagem no Araruna Estúdio Móvel, do músico Gabriel Vieira, e a ideia é que ele ganhe versão física por meio do sempre salvador financiamento coletivo.

Ska punk gringo em Joinville e Florianópolis

27 de janeiro de 2016 0

12553070_1542428506068898_5408036313179305293_n
Nada mais compatível com o título do segundo Ep da banda, Before Summer Ends: antes que o verão termine, os caras da Behind Deadlines, americanos da Filadélfia, passarão por Santa Catarina destilando seu ska punk trinca-pista. O quinteto – cuja curta discografia pode ser ouvida e baixada AQUI - tocará em Florianópolis e Joinville em março, como mostra o cartaz acima. Ele será acompanhado pela Abraskadabra, de Curitiba, onde encerra o tour.

"The D Beat" - Leo Dressel

27 de janeiro de 2016 0

Depois de Change my Mind (veja AQUI), The D Beat é a segunda faixa do Ep Relax, Leo, do músico joinvilense Leo Dressel, a virar clipe – veranil e litorâneo, como a estação pede. Dentro de duas semanas, ele promete um novo vídeo, que já está filmado (de Goin’ Home). Audiovisuais para as outras duas canções do disquinho estão nos planos de Dressel.

"Intacto" - Maquinários

26 de janeiro de 2016 0

Maquinários é uma banda catarinense a não se perder de vista, especialmente quem gosta de um hard/heavy com toques modernos e produção reluzente. Dono do bom disco Intacto, lançado em 2015, o trio de Chapecó agora solta o segundo clipe vindo desse trabalho, justamente da faixa-título. O vídeo captura o grupo ao vivo, no palco do teatro municipal da cidade do Oeste.

Coletivo gentileza

26 de janeiro de 2016 0

Arte do cartunista Benett para a capa da coletânea
“O desejo do outro não é coisa de doente/O outro não é burro porque pensa diferente”. A frase de O Outro, canção da paraense Camila Barbalho que abre Temperança – um Manifesto Contra o Ódio, resume à perfeição o intento da coletânea: rebater com música, poesia e atitude gentil a cultura fascista e intolerante que se projeta sobre a sociedade nos dias de hoje, dentro e fora das internet. Compilada por Dary Jr (ex-Terminal Guadalupe), masterizada pelo catarinense Fábio Della (do Aerocirco) e abrigada no site screamyell.com.br (AQUI), o disco virtual reúne 13 cantautores do rock independente nacional, entre eles Diogo Soares (Los Porongas), Habacuque Lima (Ludov), Dee Dietrich (Pelebrói Não Sei) e Beto Cupertino (ex-Violins), além dos próprios Dary e Della. Em suas maioria intimistas, os registros exalam melodia apurada e toques de melancolia e até raiva diante da crosta de intransigência que se vê por aí, seja na política, seja nas redes sociais, seja no terrorismo que vitimou Paris, temas abordados nas faixas. A uma só voz, todos os envolvidos gritam “mais amor, por favor!”.



Poderiam ter sido flores

26 de janeiro de 2016 0

12540584_10154557295377846_5434456827099846612_n
A Festa das Flores de 2015 poderia ter tido um desenho de Juarez Machado em seu cartaz de divulgação. O artista estava em Paris e, ao voltar à Joinville, teve a ideia da peça, mas não havia mais tempo hábil para produzi-la e emplacá-la no grande evento paisagístico. Mesmo assim, tocou o projeto e terminou a ilustração – esse acima, que reúne uma gama de imagens e referências bem joinvilenses -, agora à venda no Instituto Juarez Machado.

Afinal, quem é Fredda Buttler?

26 de janeiro de 2016 0

CRMANSKEbook2
Na semana passada, um livro chamado Fredda Buttler and the Left-Handed People (Fredda Buttler e as Pessoas Canhotas) chegou ao nono lugar dos mais vendidos no site Amazon.com.br,disputando ranking com obras sobre Star Wars, por exemplo. O feito é de uma joinvilense: Claudia R. Manske, que há 28 anos mora nos Estados Unidos (Fort Lauderdale, atualmente). Nessa estreia, lançada em outubro de 2012, ela conta a saga da personagem-título, uma adolescente que mora com a tia-avó numa grande escola tradicional, onde sofre nas mãos dos colegas por ser canhota. Um dia,surge uma figura misteriosa que a leva a um dimensão mágica, o que poderá lhe dar respostas a respeito de suas origens e do sumiço dos pais.A ideia de Claudia é que Fredda Buttler seja uma trilogia, mas, no momento, ela se dedica à tradução do texto para o português – o livro deve chegar ao Brasil até o final do ano.