Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Posts de março 2016

Painel de aniversário

31 de março de 2016 0

Ronaldo Corrêa, divulgação
Isso que eu chamo de comemorar de forma grandiosa. Para marcar seus 60 anos de inauguração, a Scar, em Jaraguá, chamou cinco grafiteiros para fazer uma intervenção na área externa de sua sede. Rafael Sliks, Ricardo AKN, Mateus Bailon, Mauro Neri e Enivo começaram os trabalhos na terça-feira (29) e devem concluí-los no dia 8 de abril. Nesse meio tempo, o quinteto ministrará um workshop de expressão artística neste sábado, na própria Scar. A atividade é gratuita. (clique na foto para vê-la por completo)

Raulino Esbiteskoski assume interinamente a FCJ

31 de março de 2016 0

rodrigo philippsInterinamente, e por tempo indeterminado, o presidente da Fundação Turística de Joinville, José Raulino Esbiteskoski, é também a Fundação Cultural (FCJ). Ele assume hoje no lugar de Rodrigo Coelho, que deixou o cargo por causa das exigências da Lei Eleitoral, que obriga a saída de secretários e diretores-presidentes de fundações ligadas à Prefeitura interessados em concorrer às eleições municipais. Obviamente, a troca levantará a suspeita de que se trata de um ensaio para a tal junção de pastas (cultura, turismo e esporte) que agradaria ao prefeito Udo Döhler. Mas não é essa a ideia, garante o secretário de comunicação Marco Aurélio Braga. Segundo ele, a opção por Esbiteskoski tem a ver com praticidade e economia: como a estrutura do turismo é bastante enxuta, ele teria condições de abraçar as duas fundações e, assim, cumprir a ordem suprema de não aumentar gastos com a folha (que estão no limite). Outros secretários, como o próprio Braga, passaram a acumular funções. Na troca de guarda, na manhã desta quinta (31), no Teatro Juarez Machado, Döhler ainda sinalizou que, passada a interinidade de Esbiteskoski, o próximo presidente da FCJ será Guilherme Gassenferth, atual diretor executivo do órgão.

Nem sempre do mesmo lado

30 de março de 2016 0

svwbck
A primeira HQ da DC Comics que comprei na vida foi no final dos anos 70/início dos 80 e botava Superman e Mulher-Maravilha para se digladiarem de maneira épica (os motivos, não lembro agora). No cinema, atualmente, eles são aliados, mas, nos quadrinhos, a dupla já se pegou de jeito, nos dois sentidos, se é que você me entende. Só que nesta história aqui, que no Brasil saiu no formato das extintas edições gigantes, o quebra-pau entre os dois heróis chega a ser assustador de tão violento.

Edith Wetzel eternizada na biblioteca da Casa da Cultura

30 de março de 2016 0

diorgenes pandini
A biblioteca da Casa da Cultura de Joinville vira a chave com a entrega, na noite destas quarta (30), da revitalização do espaço. Reformas na estrutura física e no mobiliário e cerca de 200 novos livros custaram R$ 102 mil, conta repartida entre a Prefeitura, a Fundação Cultural, o Fórum e o Instituto Carlos Roberto Hansen. Além disso, a biblioteca agora leva o nome da artista plástica joinvilense Edith Wetzel (1920-2014, foto), que foi aluna do mestre Fritz Alt e ajudou a fundar a Escola de Artes Fritz Alt, onde lecionou por 18 anos, além de atuar por quase cinco décadas no Museu de Imigração.

Convulsão social em 11 faixas

29 de março de 2016 0

11034911_343698022501077_1382629026679075739_n
Jaraguá do Sul contribui com um retrato do momento de extrema ebulição do País com o terceiro disco da banda Estado Deplorável. Lançado na semana passada, Fogo Cruzado expõe desde o título uma sociedade se digladiando, ao mesmo tempo em que o quarteto e seus pares reagem com a atitude de se manterem fiéis à premissa do punk rock. “Somos brasileiros, cansados de apanhar / Chegou a nossa vez de bater”, diz Manifesto, sobre os protestos que ganharam as ruas de dois anos para cá. Outras faixas de pulso forte, como Cidade em Chamas, Classe Operária e Velha Escola, exprimem a convulsão destes tempos de forma crua, sem arestas. Fogo Cruzado está disponível em CD, mas também pode ser ouvido integralmente no YouTube.

Conversas ao pé do salão

29 de março de 2016 0

 Cleber Valerio, divulgação
A bela imagem acima pode ser um indicativo de que vale a pena esperar por Moebius, espetáculo da Gão Cia. de Dança. O grupo da Capital inicia no sábado (2), no Teatro Pedro Ivo, o projeto de circulação aprovado no Prêmio Elisabete Anderle, um benefício que fará o trabalho passar por Joinville em junho para duas apresentações e uma oficina (as datas e locais ainda serão confirmados). Em Moebius é mostrado o resultado do diálogo entre o universo do artista gráfico holandês Maurits Cornelis Escher e as danças contemporânea e de salão.

Suvenir punk brega

25 de março de 2016 0

Agora Wander Wildner tem uma espécie de suvenir para oferecer às plateias para as quais se apresenta: Wanclub: Música para Dançar – Volume 59, disco recém-lançado pela gravadora Deck. Ao lado dos Comancheros, ele regravou no estúdio as músicas mais pedidas em seus shows, da carreira solo, dos Replicantes e de outros autores. A crueza é a tônica das versões, mas ressoam o toque ska dado a Bebendo Vinho e o punkabilly de Um Lugar do Caralho (Júpiter Maçã). Outras cinco faixas estão ofertadas para download gratuito no site oficial do bardo gaúcho, entre elas a inédita Colonos em Chamas, parceria com o blumenauense Gustavo Kaly.


Manutenção à base de espetáculo

25 de março de 2016 0

Emanuele Mattiello, divuulgação
Repetindo o que fez em 2015, a Associação Joinvilense de Teatro (Ajote) abre as portas de seu galpão para grupos do Estado apresentarem seus trabalhos. O projeto de manutenção do espaço, com recursos do mecenato local, vai viabilizar cachê, hospedagem e alimentação às quatro companhias selecionadas, que se apresentarão entre junho e outubro. A curadoria será feita por dois integrantes da diretoria da Ajote e mais dois associados. Os grupos têm até 21 de abril para mandarem a ficha de inscrição, que encontra-se no site teatroemjoinville.com.br junto com outras informações. No ano passado, o projeto trouxe à Joinville Otelo, da Persona Cia. de Teatro (Florianópolis); Récita – Tudo Aquilo que Chama a Atenção, Atrai e Prende o Olho, da ilhoa Bárbara Biscaro; e duas peças de Itajaí, Esse Corpo Meu (foto acima), da Téspis Cia. de Teatro, e A Caixa, da Cia. Mútua.

Porradaria a quatro mãos

25 de março de 2016 0

O formato – cada vez mais comum – de duo chegou ao grindcore/death metal. De São Paulo, João Kombi (guitarra e vocal) e Barata (bateria) formam o Test, nome que ganha espaço crescente no underground com uma música agressiva e precisa, que já conta com seis registros de estúdio e shows de Norte a Sul. Hoje, a banda desembarca nesta sexta-feira (25) em Joinville, iniciando um tour pelo Estado que terá mais sete shows e terminará em Jaraguá, no dia 3. No Delinquents Bar, o Test terá a companhia de Hauser (Jaraguá), Hateful Warfare (Joinville) e Deadpan (Florianópolis), uma escalação que põe à prova a resistência auditiva.


Futuro da Orquestra Cidade de Joinville patina na burocracia

24 de março de 2016 0

paulo jr., divulgação
Neste sábado (26), vão se completar dois anos desde a estreia da Orquestra Cidade de Joinville, mas nem um acorde celebrativo será tocado. O motivo é simples: no presente momento, o grupo só existe no papel. As últimas apresentações ocorreram em janeiro, e em fevereiro venceram os contratos dos músicos. No lugar, ficaram a expectativa e uma leve incerteza sobre a continuidade do projeto. Em conversa com Orelhada, Guilherme Gassenferth, diretor executivo da Fundação Cultural, explicou que o processo da nova orquestra está na fase (demorada) de pré-licitação, tocada pela Secretaria de Administração e Planejamento. Antes, já havia passado por correções no regimento e no edital, que precisará voltar à Prefeitura para ser analisado. Entre idas e vindas, Gassenferth espera que o edital seja lançado por volta de maio. Passadas as inscrições, a seleção de músicos e os ensaios, é possível que em agosto a orquestra reestreie.
- Nós subestimados a burocracia. Em 2013, esse processo foi conduzido pela Fundação Cultural, e em 2014, foi centralizado na Secretaria de Administração – conta o diretor, que iniciou as tratativas em novembro, crente de que em março os acordes eruditos estariam soando.