Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Balé desenhado

23 de agosto de 2016 0

14100396_10154138263842740_2271076341950982213_n
O blog registra o lançamento nesta terça (23), em São Paulo, de Rumor, livro do artista Pedro Franz nascido de um projeto do Grupo Cena 11, de Florianópolis, aprovado pelo Itaú Rumos Cultural. A proposta consistia na criação de um novo espetáculo, cujo processo incluía períodos de isolamento de cada um dos dez integrantes para reflexão e autodescoberta. Os registros e anotações de cada bailarino foram traduzidos em HQs, desenhos e textos de Franz, num misto de documento e ficção. Já o espetáculo Protocolo Elefante estreia sexta (26), no Auditório Ibirapuera, na capital paulista.

Cópia

Por uma causa nobre

23 de agosto de 2016 0

De hino da rebeldia dos anos anos 80 para uma canção cheia de sentimentos de resistência e apoio. Assim ficou a tocante versão ao piano de We’re Not Gonna Take it, do Twisted Sister, providenciada pelo vocalista Dee Snider para ajudar crianças hospitalizadas que lutam contra o câncer. Além de chamar a a atenção para a boa causa da Criss Angel’s HELP (veja AQUI), Snider cedeu os direitos do clássico para a fundação.

Pérola escondida

23 de agosto de 2016 0

A quarta faixa de um disco de 2005 de uma banda sueca que meia dúzia lembra que existe. Tesouros nem sempre estão facilmente a vista.

Feira do Livro de Joinville terá mudanças em 2017

22 de agosto de 2016 1

Ainda falta um bom tempo, mas a 14ª Feira do Livro de Joinville já começou a ser desenhada, e com traços diferentes, é bom que se diga. A grande mudança definida para a próxima é a época de realização: ao invés de abril, o evento passará para junho, entre os dias 8 a 18. As temperaturas suaves tornarão mais agradáveis as visitas ao pavilhão do Edmundo Dobrawa, principalmente de estudantes, um dos públicos-alvo da feira. Além de mais tempo para trabalhá-la nas escolas, é de se supor que a organização ganhará fôlego para buscar apoiadores. Segundo a presidente do Instituto de Cultura e Educação, Sueli Brandão, será feito um esforço extra para atrair os moradores das cidades vizinhas. Além disso, um seminário irá discutir leitura e novas tecnologias.

Álbum de viagem

22 de agosto de 2016 0

79f8e913-697f-4311-95a8-4bfb6cb1802d
A revista digital Lens Culture, com sede em Paris, colocou a joinvilense Juliana Stamm Faria entre os concorrentes da segunda edição do concurso Lens Culture Street Photography, que agrega todos os tipos de fotos de rua, feitas por profissionais e amadores. Juliana participa com uma série de cinco registros feitos durante uma viagem à Índia, em 2014. O júri – que inclui representantes do jornal The Washing Post e da Agência Magnum – divulgará em aproximadamente um mês os vencedores das duas categorias, que receberão prêmios entre US$ 1 mil e US$ 5 mil. Confira todas as fotos AQUI.

Sons da floresta

20 de agosto de 2016 0

AURÍLIO-SANTOS, divulgação
Poeta, compositora, intérprete, instrumentista e difusora da cultura nordestina. Com essas credenciais, a paraibana Socorro Lira apresenta neste sábado (21), às 20 horas, no galpão da Ajote, o repertório do CD/DVD Amazônia – Entre Águas e Desertos. Nas 14 faixas do disco, a floresta surge exuberante e farta, coexistindo poeticamente com o rico e, por vezes, desértico interior humano. Os ingressos, a R$ 30 (inteira), estão à venda no site enjoyevents.com.br ou na bilheteria, antes da apresentação.

Sábado de stand-up em Joinville

20 de agosto de 2016 0

download
Noite de sábado (21) com opcionais de comédia stand-up em Joinville. Às 21 horas, no Teatro da Liga de Sociedade, a veterana Grace Gianoukas (a Teodora Abdala da novela Haja Coração) comanda um talk show no qual recebe outros humoristas (Darwin Demarch, Rita Murai e Eraldo Fontiny) e uma celebridade local. Os ingressos estão à venda na Target Idiomas e no site Ticketcenter, com 20% de desconto para membros do Clube do Assinante (sócio e acompanhante).
Também às 21 horas, a Marlene Muito Prazer – famosa casa de “entretenimento adulto” de Joinville – vira a chave para receber a peça Humor à Primeira Vista (foto acima), na qual Davi Mansour e Criss Paiva trazem à tona as dores e alegrias da vida a dois. Ingressos no Ticketcenter, Sussurra Boutique e Target Idiomas.

O paciente francês

20 de agosto de 2016 0

13886458_1342531492441187_7053421421672234652_n
Derradeira obra escrita por Molière (em 1673), O Doente Imaginário ganha montagem pela Cia. de Teatro da Univille, com direção de Ângela Finardi. A estreia acontece neste domingo (21), às 19 horas, no galpão da Ajote. No ácido texto do dramaturgo francês, o rico, carente e ciumento Argan vive enfurnado na cama, às voltas com médicos e uma segunda esposa interesseira. Ingressos no site enjoyevents.com.br e na bilheteria, antes da apresentação.

Que venha Antígona!

19 de agosto de 2016 0

IMG_7860
Os joinvilenses finalmente conhecerão O Aquário de Antígona, curta banhado em poesia e delírio que Alceu Bett produziu via Mecenato do Simdec. O diretor e roteirista (junto com Fernando José Karl), equipe técnica e elenco estarão a postos neste sábado (20), às 11 horas, para a estreia definitiva do filme, e em grande estilo: a telona do GNC Cinemas do Shopping Mueller. Ou seja, uma janela monumental para uma produção que levou cinco meses, envolveu cem pessoas e tem nos figurinos e nas locações – São Chico, Joinville, Nova Veneza e Curitiba – elementos destacáveis. Com apuro, certo luxo e clima de sonho, Bett orquestrou uma fábula quixotesca no qual figura, ao centro, o ator ilhéu Severo Cruz, intérprete de um homem que, cansado de tudo, resolve levar um aquário a uma deusa chamada Antígona. A entrada é gratuita para assistir a essa peça que dialoga com temas atuais por meio do invulgar e inesperado.

Ira! Folk chega à Joinville e Jaraguá

19 de agosto de 2016 0

© Lening Abdal (15)
Os que quiserem ter um breve vislumbre dos primeiros dias da parceria entre Nasi e Edgard Scandurra, ainda adolescentes e ensaiando canções no pátio do colégio, serão atendidos nos shows que a dupla faz no Norte catarinense. Sob o nome Ira! Folk, eles vão ao cerne da maioria dos clássicos da banda, como Dias de Luta, Flores em Você, Núcleo Base, Tolices e Envelheço na Cidade, executados na simplicidade do “voz e violão”. O mesmo formato é aplicado a hits posteriores e faixas menos conhecidas do vasto repertório do Ira!. Em Joinville, a apresentação será no teatro da Liga de Sociedade, nesta sexta (19), às 21 horas;  em Jaraguá, no domingo (21), na Scar, às 20 horas. Abaixo, Nasi, com exclusividade para Orelhada, fala sobre a nova aventura acústica do grupo e de planos futuros.

O que vocês dois perceberam de novo nesse mergulho folk na obra da banda?
Nasi - Não vou dizer o que percebemos de novo. Diria que a gente lembrou novamente que muitas das nossas músicas têm uma delicadeza melódica que comove as pessoas. Quando elas são transferidas para um formato de banda de rock n’ roll, a própria rudeza dele talvez deixe em coisas mais agressivas. Nesse formato (acústico), a gente vê a delicadeza de muitas das canções. Outra coisa fica que fica clara, que acho única dentro do rock nacional, é o dueto de voz entre mim e o Edgard. Isso fica muito mais claro só com o violão.

Que grandes surpresas vocês desencavaram do repertório do Ira! para os fãs de longa data?
Nasi - Trazemos também algumas coisas que chamamos de lado B, que não foram para as rádios como singles, mas que ficam muito bonitas neste formato, como Boneca de Cera, Mesmo Distante, Um Dia Como Hoje, Mariana foi pro Mar – que, na verdade, surgiu como single, mas foi abortado quando o Ira! rompeu -, além de Receita pra se Fazer um Herói, que foi um sucesso, mas há mais de 20 anos não tocávamos.

Vocês têm conseguido variar o set list a cada show?
Nasi - A gente quer trabalhar com set list fixo, porque não seria justo que o público de Joinville visse um show diferente do de São Paulo, Porto Alegre ou Belo Horizonte. O show foi bem pensado, o set list numa ordem que valorizasse as músicas, uma seleção entre coisas que o público quer ouvir e outras que vão surpreendê-lo.É óbvio que num bis a gente até pode puxar algo da manga. Por exemplo, agora que vamos tocar no Sul, no bis costumamos tocar Bebendo Vinho, que fez sucesso com o Ira! mas é de um compositor gaúcho muito legal, o Wander Wildner. Ela é muito popular em Santa Catarina e, principalmente, no Rio Grande do sul. Então, essa é uma música que tocamos quando vamos para o Sul.

Para você, foi mais desafiador adaptar-se ao formato “voz e violão” do que foi no Acústico MTV?
Nasi – Realmente, num formato como esse, a voz fica mais “na frente” do que num show de rock ou mesmo num acústico onde há muitos instrumentos. Você tem mais responsabilidade de ser afiado. Por outro lado, ela me possibilita ter mais sutileza na voz. Por acaso, voltei a estudar canto, com um regente que conheci há dois anos. Isso está me fazendo muito bem, muito bem para a qualidade da minha voz, para a minha afinação. Estou super-satisfeito e acredito que o público que está comparecendo aos shows está notando essa qualidade vocal, não só minha, mas também do Edgard.

O que você pode contar sobre o DVD que será gravado ainda neste ano?
Nasi – Olha, ainda está numa fase bem embrionária. Estamos conversando com gravadoras, fazendo reuniões para definir ideias, apesar de o Edgard já ter surgido com alguns temas. Mas eu diria que, de uma forma geral, será um disco com músicas novas e o resgate de músicas do passado (lados B), que talvez ganhem uma nova chance de sucesso, e aí eu cito Girassol e Eu Quero Sempre Mais, os grandes sucessos do Acústico, que foram resgatadas de um álbum de 1995 e nem foram single de rádio na época. E não fica descartado uma versão de algum compositor da música popular brasileira ou do rock nacional.

Vivendo e Não Aprendendo é um clássico do rock nacional e fará 30 anos no final do mês. Como ele marcou a banda e como vocês o veem hoje, tanto tempo depois?
Nasi - O Vivendo e Não Aprendendo foi uma evolução do Mudança de Comportamento (1985), nosso disco de estreia. Foi a consagração do estilo mod, que o Ira! resgatou e faz da banda um expoente primordial nesse gênero no Brasil; um disco que reuniu vários sucessos que, mesmo 30 anos depois, são cantados por pessoas de várias gerações, um disco que colocou o Ira! definitivamente no mainstream da música brasileira.