Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

A cada escala, uma doideira

01 de julho de 2016 0

DSC_0207
Na virada dos anos 90 para os 2000, Santa Catarina se orgulhou de ter uma banda chamada Pipodélica, bons garotos que tramaram uma revival de Mutantes e Pink Floyd com impressões indie rock em solo barriga-verde. Inconscientemente, um grupo de Mafra retoma a missão ao se embrenhar, com categoria, por paisagens psicodélicas semelhantes. O caso é que a nostalgia passa ao largo no disco de estreia da Relicários de São Tolosa, recém-lançado em vias eletrônicas (o vinil sai em agosto). Preocupada em soar contemporânea, a banda faz uma viagem com escalas no reggae (Venha), na eletrônica (Inaplicável Ideal), no classic rock (Pacto, Melhores Poemas) e em extravagâncias sonoras explicitadas no título (Insight Floydiasepínico). A amalucada e experimental Inspiração Ponto, entretanto, acrescenta a saudável impressão de que todo esse delírio deve ser encarado com bom humor.

Laços de família

01 de julho de 2016 0

cristiano prim, divulgação
Projeto contemplado no Prêmio Elisabete Anderle de 2014, a circulação da peça Chá Preto, do grupo A Lontra que Faz Teatro, de Florianópolis, chega a Joinville nesta sexta-feira (1º), às 20 horas, para ser apresentada no galpão da Ajote. Na trama, as irmãs Verônica e Isadora recebem convidados para um chá enquanto aguardam ansiosamente a chegada da prima Carmela. No desenrolar do pomposo encontro, os conflitos da família são expostos, assim como segredos e histórias um tanto constrangedoras. Beatriz Cripaldi, Juliana Riechel e Thaís Carli formam o elenco do espetáculo, que não tem cobrança de ingresso.

"Future Love" - Leo Dressel

30 de junho de 2016 0

Uma semana antes de seu primeiro show com uma produção profissional, o guitarrista, cantor e compositor catarinense Leo Dressel solta um novo single. Future Love – que será incluído num novo EP, a sair ainda em 2016 – vem acompanhado de um lyric video gravado na Estrada da Ilha, área rural de Joinville. E, claro, estará no repertório da apresentação do dia 8 de julho, na V12 Lounge (informações AQUI).

Força extra para o grafite

30 de junho de 2016 0

Longe de ser uma disputa com o projeto #Jllemaisarte, que tinha o ponto na mira (como o blog informa AQUI), a Fundação Cultural de Joinville bancará parte da grafitagem do muro da Celesc na esquina da rua Max Colin com a avenida Marquês de Olinda. A ação Energia das Ruas é uma parceria com a empresa de energia elétrica firmada em março de 2015, mas que só agora, vencida a burocracia, será colocada em prática. Muros de cinco subestações da cidade sofrerão intervenção artística, a começar pelo da avenida Procópio Gomes, já no próximo fim de semana. Um coletivo formado por 30 grafiteiros de Joinville, Curitiba e Florianópolis está encarregado da nobre missão.

"Piper", o curta antes de "Dory"

30 de junho de 2016 0

Os filmes da Pixel, normalmente ótimos, ainda trazem de lambuja um curta-metragem não menos atrativo. As sessões de Procurando Dory, que estreia nos cinemas nesta quinta-feira (30), serão abertas por Piper, filminho de seis minutos que mostra as primeiras e desajeitadas incursões à praia de um maçarico, pássaro comum no Hemisfério Norte. Eis o trailer:

Se foi o guitarrista do rei

29 de junho de 2016 0

825f55aa
Um pioneiro do rock se foi nesta terça-feira (29), aos 84 anos: Scotty Moore, guitarrista convocado por Sam Phillips nos idos de 1954 para acompanhar um tal de Elvis Presley, que dali a pouco seria coroado o rei do rock. Moore ladeou o cantor nessa primeira fase consagradora, tocando em clássicos essenciais como That’s all Right (Mama), Heartbreak Hotel e Hound Dog. Por isso, e por seu estilo, foi muito mais do que músico de apoio e virou lenda, influenciando uma penca de gente e sendo ídolo dos ídolos, tipo Keith Richards, Jeff Beck, Ron Wood e The Band, alguns dos que pagaram tributo a ele e ao baterista DJ Fontana no disco All the King’s Men (1997).


Vai para o trono?

29 de junho de 2016 0

Trono de Westeros - foto
Às vezes – pouquíssimas vezes, na verdade – me sinto um alien por nunca ter assistido a Game of Thrones. Mas sei que é a série mais comentada do mundo mundial, então imagino que muita gente vá se interessar em saber que uma réplica do tal trono de ferro de Westeros (espécie de símbolo da trama) será exposta a partir desta quinta (30) na Livrarias Curitiba do Shopping Mueller, em Joinville.A ação tem como parceira a Editora Leya, que publica os livros da saga no Brasil. No dia 7 de julho, ela segue para a Livrarias Catarinense do Continente Shopping, em São José.

Abrigo Nuclear Recs. joga lenha na cena jaraguaense

29 de junho de 2016 1

a0527812176_10
O incansável Edson Luís de Souza inaugurou a Abrigo Nuclear Records, selo que tem mais ligações com seu fanzine noventista do que com a loja de discos homônima que ele e alguns sócios tocaram em Jaraguá até 2002. O ponto de partida da empreitada é Cidades Fascistas, da Beijo de Puta. Nessa estreia, Emerson Santi e Nei Alves se valem do mínimo instrumental para rechear as nove faixas com referências à realidade joinvilense (mas não só). Sobre uma base ora punk, ora quase metal, a dupla se põe ao lado do trabalhador (Antes que seja Tarde, Diário de um Operário), bate na hipocrisia reinante (Festas de Outubro), requisita respeito aos de fora (A Europa não é Aqui) e tece críticas a igreja (Padre Pedro Ófilo). O disco sai oficialmente na sexta, mas já pode ser ouvido no BANDCAMP.
- Quando o Emerson gravou comigo em março passado, ele basicamente não sabia o que fazer com a gravação. Segundo ele, era mais para registrar mesmo. A ideia do selo surgiu nessa hora. Fazer pequenas prensagens artesanais que não iriam dispensar muita grana com produtos fabricados. Ajudar bandas iniciantes, ou não a alcançar seu lugar ao sol – conta Edson. – Jaraguá está fervilhando de bandas e quero aproveitar este bom momento.
O próximo lançamento da Abrigo Nuclear Records é Os Fritz da Puta, banda do próprio Edson, que, com a inclusão de um baixista, virou um trio. Um EP está garantido para sair nos próximos meses.

Arte maior

29 de junho de 2016 1

00bb7148
O último final de semana viu a segunda intervenção do #Jllemaisarte, movimento deflagrado no mês passado (leia AQUI) que pretende “dar um tampa” no visual da cidade por meio da arte de rua e, de quebra, valorizar os artistas locais. Dessa vez, a turma – que incluiu Rafael Moreno, Jonca, Bilbo, Marie Babinote, Luiz Pinto Ferreira, Jan MO, Epoca Mouco, Paulo Klein e Raul Luz – sacramentou o grafite no muro de um posto da avenida Marquês de Olinda que fica a poucos metros do Food Truck Park, onde a ação estreou, em maio. Assim, faltam ainda 48 dos 50 pontos mapeados para receber o #Jllemaisarte. Para a organização, o “santo graal” do movimento seria grafitar a o muro que rodeia a Celesc, no cruzamento da rua Max Colin com a Marquês de Olinda. Se a empresa deixar… (clique na foto para vê-la por inteiro)

As tardes com Bud Spencer

28 de junho de 2016 0

tumblr_mo0e46SvJz1suzmkmo1_500
Bud Spencer não foi um herói da minha infância. Quando fui saber de sua existência, o auge da parceria com o também italiano Terence Hill – em filmes como Meu Nome é Trinity, Dupla Explosiva, Nós Jogamos com os Hipopótamos e Dois Tiras Fora de Ordem, todos lançados nos anos 70 – já tinha passado. Nos que vieram depois, porém, repetia o papel do durão ameaçador, mas de bom coração. Nessa época, me fascinavam bem mais os super-heróis dos gibis e japoneses do tipo Ultraman, reprisados na TV.
Na real, Spencer (e Hill) simbolizou um tempo: o das sessões dominicais às 2 da tarde no extinto Cine Colon; o das tardes de sábado sem pelada no campinho de terra, em frente à TV. Um período da vida tão descomplicado e inocente quanto os bofetões que o grandão barbudo distribuía na tela.
Estrela de vários western spaghetti e comédias de ação ao lado de Terence Hill, Spencer morreu na noite desta segunda-feira (27), aos 86 anos, de causas naturais, em Roma.