Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts de março 2009

Empate turbinado em Criciúma

31 de março de 2009 4

O zero a zero não teve nada de xoxo no Sul do Estado. O Time da casa tomou a iniciativa, muito mais que o Verdão. Marcelinho martelou, mas não conseguiu. E a dupla Thoni/Cazagol não teve chances.

O Tigre fez o que deveria e o que podia. Mas faltou sorte mesmo. Sorte que sobrou ao Verdão. Ficou evidente o cansaço do time a partir da metade do segundo tempo. Jogo em Joinville, quatro dias depois em Chapecó, três dias depois em Criciúma. E tudo de ônibus, que a Bufunfa por lá não anda sobrando.

Para o Verdão, um ponto importante arrancado fora de casa. Até porque deixa em vantagem momentânea na briga pela Série D com o JEC. E o Tigre deve até agora estar lamentando aquele pênalti (bem marcado) para o JEC, com o jogo na Arena já no apagar das Luzes.

Na próxima rodada, é jogo de líderes: Avaí e Criciúma jogaram duas vezes, com uma goleada para cada lado (4 a 2 Tigre, e 4 a 0 Avaí)

Chapecoense e JEC vale o confronto diretíssimo pela série D. Uma vitória de qualquer lado pode desequilibrar. Mesmo para a partida de volta. Empate deve matar os dois no catarinense, mas deve deixar a briga pela D ainda mais emocionante. Vale lembrar: nos dois confrontos do ano, duas vitórias do time do oeste por 1 a 0.

Postado por Stüpp

O erro de Gelson em Avaí x JEC

31 de março de 2009 38

Dois lances foram tão decisivos quanto os gols, na vitória do Avaí por 3 a 1 contra o Joinville, agora a pouco:

1 – A expulsão de Muçamba
2 – A saída de Lima

O Joinville fazia uma partida aplicada taticamente contra o Leão da Ilha. Tomou gol de bola cruzada, numa jogada bem feita no buraco da lateral do JEC. Mas empatou logo depois, com Lima vencendo Martini na categoria e na bola bem batida.

A expulsão de Muçamba, por incrível que pareça, não desarrumou o JEC.O Time voltou para o segundo tempo concentrado, tomando um sufoquinho básico, muito mais fruto de bolas alçadas que de jogadas bem trabalhadas do Avaí.

O jogo tava com 20 minutos e a maior cara de empate. Mas aí Gelson resolve tirar o artilheiro Lima e colocar mais um volante: Thiago Matos. Era muito cedo para retrancar. O JEC não sofria pressão desmedida e tinha chance de contra-ataque.

O estranho é que o Avaí nem atacante a mais tinha colocado. Aí, já que Gelson “deu a ideia”, lá foi Odair para o jogo.

Pimba, gol do Avaí. Desespero Jequeano sem ataque. E cabrum, mais gol do Avaí de Contra-ataque.

Deu no que deu. O Joinville fazia uma boa partida contra um Avaí bem aplicado taticamente e disposto a ganhar o jogo. Conseguiu, sem brilhantismo, mas com seu futebol organizado, com Marquinhos razoavelmente bem, com a zaga sem dar sustos.

Agora o JEC soma três jogos e um ponto contra o Avaí em todo o Campeonato. Tem a chance de fazer tudo difernente na Arena, no returno. É bom que faça, se quiser chegar à final. Mas, como a gente sempre diz. Tem mesmo é que ficar na frente da Chapecoense. O resto é lucro.

É, jequeano, seis partidas sem ganhar
É, avaiano, mais de um ano sem perder na Ressacada.

Taí um retrospecto que fala bem da partida de hoje.

Postado por Stüpp

JEC lidera em público e renda, mas perde força

31 de março de 2009 7

Na derrota do JEC para a Chapecoense na Arena, só 2.803 pessoas pagaram ingresso/Jessé Giotti

Demorou um pouco por causa das férias desse blogueiro, mas estão aí os números consolidados da primeira fase de classificação do Campeonato Catarinense. O Joinville confirmou a liderança, com sobras, em público e renda – as médias só não foram melhores para o Tricolor porque a torcida, assim como o time, decepcionou nas últimas rodadas. Mesmo com um jogo a mais em casa no returno, o JEC levou 1,5 mil pessoas a menos à Arena.

No mais, algumas observações:

- No returno, o Metrô voltou para casa, melhorou a campanha e aumentou o público médio quatro vezes. É só uma suposição: tivesse a possibilidade de jogar o turno em Blumenau talvez estivesse no quadrangular;

- O Criciúma teve no segundo turno quase a metade do público do primeiro. Como estava classificado, talvez a torcida tenha perdido o interesse em ir ao Heriberto Hülse;

- A Chapecoense dobrou o número de pagantes de um turno para outro;

- O Marcílio decepcionou não só em campo. Nas arquibancadas, o Marinheiro teve cinco vezes menos público no turno do que no returno.

Os números

Público pagante

Time              Total     Turno     Returno     Média
Joinville         81.035    41.233     39.802     9.003
Avaí              50.554    23.440     27.114     5.617
Figueirense       42.455    25.505     16.950     4.717
Criciúma          39.097    26.029     13.068     3.267
Chapecoense       22.482     7.719     14.763     2.498
Metrô             20.119     4.130     18.699     2.236
Brusque           12.403     5.980      6.423     1.378
Atlético/IB        8.915     4.232      4.683       990 
Marcílio           6.188     5.206        982       687
Atlético/TU        5.141     4.109      1.032       571

A arrecadação dos clubes no Catarinense (o declarado)
Clube                 Em R$

Joinville             436.156,00
Avaí                  307.535,00
Figueirense           293.831,00
Criciúma              201.776,00
Metrô                 176.936,00
Chapecoense           149.823,00
Brusque                79.714,50
Atlético/IB            52.447,00
Marcílio               42.592.50
Atlético/TU            34.595,23

 

Público total: 288.389 (média 3.204)
Maior público: 13.746 (Joinville 3 x 0 Figueirense)
Menor público: 34 pagantes (Atlético/IB 1 x 1 Marcílio)
Renda total declarada): R$ 1.775.406,23
Maior renda: R$ 121.774,00 (Figueirense x Avaí)
Menor renda: R$ 686 (Atlético/IB 1 x 1 Marcílio Dias)

Postado por Cioatto

Criciúma a 10 jogos da B. Que baba o JEC perdeu

30 de março de 2009 14

Criciúma faz 3 a 0 no Tupi/MG pela Copa do Brasil. Experiência em mata-mata, como a do título da Copa do Brasil de 1991, será fundamental para voltar à Série B/Ulisses Job

Os candidatos a uma vaga na Série B do Brasileirão de 2010 vão precisar correr menos que se corria até o ano passado.

Sim, bastarão dez jogos para se subir de divisão. Oito para cair (os últimos de cada grupo caem para a D). Isso quer dizer que não dá para vacilar. Competição de tiro curto não dá margens para erros. No ano passado, cada um dos times que chegaram ao octogonal final jogou 32 vezes.

O Criciúma teve uma sorte do cão com essa história. Vejam, impedidos: o Tigre ficou no grupo D onde estão Marcílio Dias (rebaixado em SC), Brasil, de Pelotas (rebaixado em RS), Marília (brigando para não cair em SP) e Caxias, talvez o que dê um pouco de trabalho ao Tigre.

Terminando em primeiro ou segundo, garante vaga nas quartas-de-final. Aí, cruza com um desses: América/MG, Gama/DF, Guaratinguetá/SP, Ituiutaba/MG ou Mixto/MT. E é só passar por essa fase que volta à Série B. Como se vê, o futuro do Criciúma parece ser bom.

Comentário pertinente do impedido Stupp: tivesse o JEC no lugar do Marcílio, estaria ele também pertinho da Série B. A péssima campanha no Estadual do ano passado, como se vê agora, custou caro, muito caro.

Originalmente, a Série C seria um torneio de 20 times, todos contra todos, turno e returno, com os quatro primeiros se classificando. Aí veio a crise. Pensaram em dois grupos de 10 times, classificando os quatro melhores de cada um para um octogonal.

Mas aí a crise apertou ainda mais e resolverem regionalisar de vez. Então ficaram quatro grupos de cinco times, classificando-se os dois primeiros de cada um para o mata.

Uma curiosidade. A final da Série C será, quase com certeza absoluta, entre um clube do Norte/Nordeste contra um do Sul/Sudeste. Isso só não acontece se o Luverdense/MT chegar à decisão contra Gama/DF ou Mixto/MT.

Os grupos:

Grupo A
Águia de Marabá/PA
Luverdense/MT
Paysandu/PA
Rio Branco/AC
Sampaio Corrêa/MA

 
Grupo B
ASA/AL
Confiança/SE
CRB/AL
Icasa/CE
Salgueiro/PE

Grupo C
América/MG
Gama/DF
Guaratinguetá/SP
Ituiutaba/MG
Mixto/MT

  
Grupo D
Brasil/RS
Caxias/RS
Criciúma/SC
Marcílio Dias/SC
Marília/SP

Quartas-de-final
1)1º A x 2º B
2) 1º B x 2º A
3) 1º C x 2º D
4) 1º D x 2º C

Semifinais (todos classificados para Série B)
e) Clas. 1 x Clas. 2
f) Clas. 3 x Clas. 4

Final
Classificado E x Classificado F

Postado por Cioatto

Júlios salvam o Brasil no bombardeio equatoriano

29 de março de 2009 1

Júlio Baptista após a bola ter entrado no gol de Júlio Cesar. Os únicos que se salvaram na partida contra o Equador/Dolores Ochoa, AP

Num dos resultados mais injustos do futebol, o Brasil empatou com o Equador por 1 a 1. Merecia ter sido goleado. 5 a 1 para os fabricantes das balas Tic-Tac seria mais adequado.

A Seleção deve o pontinho conseguido ao goleiro Júlio César, que evitou uma dezena de gols equatorianos, e ao esforçado Júlio Baptista, autor do gol brasileiro.

A partida deixa alguns ensinamentos:

1) Ronaldinho teve todas as chances do mundo e não aproveitou. Não acho, ao contrário de Dunga, que a Seleção é lugar de “recuperar” jogadores. Na Seleção devem estar os melhores. É preciso abrir vaga para alguém mais útil;

2) Kaká é imprescindível. Sem ele em campo, o Brasil vira o irmão do Dunga, o Soneca. Kaká com uma perna só joga mais que Ronaldinho. Faz o jogo andar. Deve ser porque nos treinos fica treinando fundamentos em vez de malabariusmos circenses;

3) Jogador de seleção, presume-se, sabe o que fazer. Mas parte daqueles que estão servindo ao Brasil agora precisam voltar para a escola do futebol. Se o armador pega a bola, os atacantes precisam correr para receber o passe. Aconteceu só uma vez, no lance do gol. Se eu marco um adversário, assim que ele corre, a cartilha manda o acompanhar. SEMPRE! Foram raras as vezes que isso ocorreu.

O Brasil teve muita sorte. Benitez, o Carlinhos Bala deles, se jogasse o mesmo que aquele que está no Náutico, teria marcado pelo menos três vezes, duas delas de cabeça. Talvez o corte de cabelo tenha atrapalhado.

Aliás, pode ter sido este o problema com o Luis Fabiano na partida. Sabe como é. Foi a primeira vez do penteado “O Predador” numa partida oficial. Com um monte de câmeras transmitindo para o mundo inteiro, o inimigo do Alien só aparceu no fim da partida.

Postado por Cioatto

Paradinhas, ameaçadinhas e afins...

29 de março de 2009 6

Tá virando palhaçada. E pior, perdendo a graça. A cobrança de pênalti do atacante Maicosuel, do Botafogo, na partida contra o Fluminense, deveria ser proibida. Isso (clique aqui para ver o lance) é passar o adversário para trás, picaretear. Nem de longe é uma “paradinha”. Dá até para dizer que já está se permitindo a “ameçadinha”.

A “paradinha”, apesar de haver quem ache que ela também deva ser proibida, ainda dá para aturar. O goleiro tem chance de defesa. Basta fazer como o Dida, que só se jogava na bola depois da batida do adversário, ou saber como o batedor (toda a equipe tem um principal) irá fazer a cobrança. O goleiro do Tigre só não defendeu o pênalti cobrado pelo Lima porque não fez o dever de casa. Todos, menos ele, que chegou há pouco no Tigre, sabem que o Lima faz a “paradinha” e bate no canto direito.

E você, impedido, o que achou da cobrança do Maicosuel?

Postado por Cioatto

JEC, um time de sorte

28 de março de 2009 15

Não, impedidos, esse não é um post “pra frente”. O empate aos 48 do segundo tempo, de pênalti, apesar de ter salvo o JEC de um desastre, não pode ser tomado como referência. O Joinville deveria ter largado nesse quadrangular com uma vitória. Bater o Criciúma na Arena significaria não só a liderança, mas a volta da confiança. Aos jogadores e aos torcedores.

Os tricolores ainda têm na cabeça a campanha recente do JEC. Na conta, dois pontos nos últimos 15 disputados. É pouco. O torcedor do Joinville passou a não saber se o time que entre em campo é o que liderou quase tudo na fase de classificação ou o que anda patinando.

O gol contra o Criciúma deve ser comemorado até a descida para o vestiário. Escadaria abaixo, o assunto tem de ser o Avaí. E não tem essa história de que empate na Ressacada é bom resultado. Bom, mesmo, só a vitória. Ela vai dar tranquilidade, além de pontos, e vai deixar a equipe com os nervos em dia para os jogos de mais valia para o JEC: os confrontos contra a Chapecoense, a primeira no Índio Condá, a segunda na Arena.

São as partidas que valem a vaga na Série D e, por consequência, calendário no segundo semestre. Quatro pontos nesses seis a serem disputados contra o Verdão podem ser suficientes. O JEC dependeria de mais uma vitória para chegar ao grande objetivo do ano. O resto, é lucro.

O mesmo raciocínio vale para a Chapecoense. Ainda mais se der a lógica no meio de semana, com vitórias de Avaí e Criciúma (sim, o futebol é legal porque nem sempre a lógica funciona). 

E os impedidos vão perguntar por que o JEC é um time de sorte. Simples. Porque um gol azul em Chapecó aos 44 do segundo tempo e um gol branco, preto e vermelho aos 48 do segundo tempo em Joinville mantiveram o tricolor nas mesmas condições que a Chapecoense. Não fosse isso, diria sem medo que o ano na Arena terminaria com partidas da Primeirona.

Postado por Cioatto

Da série bizarrices do futebol

28 de março de 2009 5

Falamos um bocado do regulamento esquisitíssimo do catarinense.

Mas, Impedidos, quero dizer que não estamos sozinhos.

Olhem o rolo no campeonato paranaense, nossos vizinhos de porteira

Houve um primeiro turno único, todos contra todos. Agora, haverá um octogonal final, que vai apontar finalistas.

O Atlético/PR foi o time campeão da primeira fase. O Coxa, o segundo. Então, o Furacão entra com dois pontos a mais no octogonal, e o Coritiba, com um. Até aí tem semelhança com o Catarinense.

Mas o que pegou é o seguinte: Os times também levam enorme vantagem no mando de campo. Além dos dois pontos, o Atlético jogará TODAS as partidas dessa fase em casa.

Isso mesmo, tem o mando em todos os jogos. O Coxa, jogará seis em casa e uma fora. E o Paranavaí, oitavo colocado, jogará todas fora de seu estádio. Nenhum centavinho de renda com público entrará em caixa dos pequenos que ficaram mais para baixo. Justamente os que já têm dificuldades. O troço já foi para a a Justiça, STJD, e só um milagre muda isso.

IMAGINAÇÃO

Fosse no Catarinense, no quadrangular, já imaginou você, torcedor do Avaí, a vantagem de jogar todas as partidas na Ressacada? E você, torcedor do Tigre, imaginou não poder ver um jogo sequer do Tigre no Heriberto Hulse? (Isso tudo, claro, levando em conta a classificação geral da primeira fase: 1o Avaí; 2o Chapecoense; 3o Joinville; 4 Criciúma)

É claro que não cabe uma comparação exata, até porque no PR o octogonal é turno único. E aqui, nosso quadrangular tem ida e volta. Mesmo assim, só de imaginar.

É uma nova espécie de ácaro. Como o impedido Cioatto já postou, é o nosso ícone dos regulamentos monstrengos!

E você, impedido? Conhece ou lembra de mais algum regulamento estranhíssimo do nosso futebol? Mande pra gente!

Postado por Stüpp

Quem vai sair na frente no quadrangular

28 de março de 2009 3

Faltam poucas horas para o início do quadrangular. A gente, claro, precisa fazer uma leitura. E arrisca um prognóstico.

Quem sai na frente hoje?

Quem joga em casa. Não só pela vantagem da torcida. Mas pelo perfil dos times.

No norte do Estado, o Joinville terá casa cheia e motivação de sobra com a Arena novamente lotada. É verdade que o time venceu o Figueirense e o próprio Criciúma fora de casa, mas foram na Arena as grandes atuações. Mesmo o jogo com o Avaí foi parelho.

O Criciúma voltará com sua força que há tempos não se vê no catarinense. É jogo para muitos gols, pela força dos ataques, e especialmente porque as defesas dos dois times não são ,lá essas coisas.

A do Joinville começou bem, mas sofre quando Samuel está fora. E quando Carlinhos inventa de sair jogando com os pés. Empate na Arena terá sabor de derrota para o JEC, não importa em que circunstâncias.


Dos adversários do quadrangular, o Criciúma foi o único a quem o JEC venceu até agora. Só para lembrar, empate e derrota para o Avaí, e duas derrotas para a Chapecoense.

NO OESTE

Os dois melhores times na classificação geral se enfrentam. O Avaí tem mais qualidade individual, mas a força do Verdão dentro de casa, e a volta de Toni e Cazagol farão diferença.

Nada de outra goleada – ainda entalada na goela avaiana. Empate é bem possível, e aí está a grande vantagem de quem vencer o jogo de Joinville. Acho improvável uma vitória avaiana, até porque o Verdão ainda não perdeu em Chapecó neste catarinense.

 

 

Postado por Stüpp

Quem fez o quê na primeira fase

26 de março de 2009 13

A primeira fase do Catarinense foi para o espaço. Mas ainda cabe uma análise. Até porque foi emocionante do início ao fim.

Pelo título, três times brigaram no turno, e outros três, completamente diferentes, no returno. Foi cabeça a cabeça.

No primeiro: Tigre, JEC e Ibirama

No segundo: Chapecoense, Avaí e Metrô

Dos classificados para o quadrangular semifinal, todos brigaram pelo título em algum momento.

 

SEIS LÍDERES
Outro dado interessante: O catarinense teve seis líderes na primeira fase. É muito para um torneio de dez equipes, e mostra o equilíbrio.

Foram eles:

Figueirense

Joinville

Atlético/IB

Criciúma

Metrô

Avaí

 

REGULARIDADE
O Joinville foi, de longe, o time mais regular separando turno e returno, como já contou o colega Deco, titular do Blog Intervalo. Somou exatamente 16 pontos em cada etapa.

E o Metrô foi, disparado, o mais irregular. Fez só 4 na primeira parte. Conseguiu perder até do Tubarão. No segundo, fez 17 pontos – quatro vezes mais.

E tem aquelas informações que todo boleiro curte

Vamos lá:

ATAQUE

Melhor:

Criciúma: 45 gols

Média: 2,5 gols/jogo

Pior:

Atlético/TU: 12 gols

Média: 0,6 gols/jogo

 

DEFESA

Melhor:

Avaí 20 gols

Média: 1,11 gols/jogo

Pior:

Atlético/TU: 47 gols

Média: 2,6 gols/jogo

MAIOR VENCEDOR

Joinville. Avaí e Chapecoense - 10 vitórias (55,5% dos jogos)

MAIOR PERDEDOR

Atlético/TU – 15 derrotas (83,3% dos jogos)

 

QUEM MAIS EMPATOU

Brusque – 7 empates (38,8% dos jogos)

 

BOLA NA REDE
Total de gols marcados: 287

Média de gols: 3,13

Postado por Stüpp