Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts na categoria "Futebol"

Absurdo: Torcida do Guarani intimida jogadores através de nota

18 de outubro de 2012 0

A que ponto chegamos:

Já vi torcedores invadirem treino, receberem jogadores com ameaças em aeroportos e muitos absurdos mais. Agora, através de nota oficial é a primeira vez.

Aconteceu com o Guarani de Campinas que disputa a série B junto com o JEC.

Maior torcida organizada do time, a Fúria Independente divulgou na manhã desta quarta-feira uma nota com muitas críticas e acusações contra os jogadores do Bugre. A intenção é protestar contra o mau desempenho da equipe durante o Brasileirão.

A organizada acusa o elenco bugrino de jogar sem motivação em campo: “Estamos cansados dessas conversinhas de boleiro ‘Ah, na próxima vamos nos dedicar, vamos conseguir’. Acabou a palhaçada. Da última vez que redigimos essa carta, foi informada uma escolha e duas opções. Pra refrescar a memória de vocês (que deve ser de peixe, não é possível): Que fossem homens ou para jogar bola ou para pedir rescisão dos contratos. Ou seja, não foram homens para sair e também não estão sendo homens pra jogar futebol, portanto um bando de moleques e com moleque não tem conversa.”

Confira a íntegra da nota:

“Acabou a palhaçada

Após o encerramento da 30ª rodada vemos o Guarani, de franco favorito ao acesso a franco favorito ao rebaixamento. Uma coisa é jogar sem motivação, outra coisa é não ter vergonha na cara, ficar enganando o torcedor, fazendo de conta que está jogando futebol, pois é bando de come-dorme, fazendo de conta.

Estamos cansados dessas conversinhas de boleiro “Ah, na próxima vamos nos dedicar, vamos conseguir”. Acabou a palhaçada. Da última vez que redigimos essa carta, foi informada uma escolha e duas opções. Pra refrescar a memória de vocês (que deve ser de peixe, não é possível): Que fossem homens ou para jogar bola ou para pedir rescisão dos contratos. Ou seja, não foram homens para sair e também não estão sendo homens pra jogar futebol, portanto um bando de moleques e com moleque não tem conversa.

O negócio é o seguinte: o Guarani precisa de nove (não é oito, nem sete, NOVE) pontos para não cair e temos mais oito jogos, então não precisa dizer mais nada não é verdade? Se no próximo jogo, a gente perceber que:

- lateral não desce pra apoiar

- atacante se esconde atrás da marcação

- meio campista não aparece para fazer armação

- fulano não troca para bertrano porque não é do mesmo grupo, pois o elenco está rachado

Todo mundo vai pagar o pato. Então para os que foram homens para dar entrevista dizendo que tem jogador fazendo corpo mole, seja homem também e diga nomes (fiquem tranquilos que na hora da cobrança seus nomes não serão usados, pois foram mais de um que disseram a mesma coisa). Agora para os que adoram a vida noturna, ficar enchendo a cara e ficar na putaria, comecem a jogar com a mesma intensidade que vocês ficam bêbados e com a mesma vontade quando vão transar com as vagabundas de plantão.

Sem mais,

Diretoria Torcida Fúria Independente”

Tomara que essa moda não pegue…

Jec reencontra o caminho para a série A

26 de setembro de 2012 0

As duas últimas vitórias do Jec – contra o Paraná(3 x 1) e o Boa Esporte(3 x 0) mostram que a equipe recuperou o caminho rumo à primeira divisão.

A desconfiança, que apareceu novamente na Arena após as derrotas para o Ceará e Asa, ficou para trás devido às boas atuações da equipe contra os Paranaenses e Mineiros.

Ontem, o time pressionou durante os 90 minutos e a entrada de Adailton deu o toque que faltava para a vitória. Claro que a vantagem de um jogador a mais ajudou, mas não pode se desmerecer a ousadia do técnico Leandro Campos que tirou um volante para a entrada do atacante.

Agora, o Jec precisa fazer fora de casa o que está fazendo na Arena. Para a ascenção à série A acontecer, de fato, é necessário vencer fora de casa. A missão (re)começa contra o Barueri, no dia 5.

O 10 para 14 joga com a 11

20 de setembro de 2012 0

Desde que surgiu no São Paulo, Oscar já era tratado com um diamante a ser lapidado. Logo em seguida, quando já estava no Internacional, se envolveu em um imbróglio judicial com o tricolor paulista e ficou ameaçado de não poder jogar, o que abalou sua performance.

Problemas extracampo resolvidos, Oscar começou a alçar vôos maiores. Gastando a bola no Inter, foi convocado para a seleção principal e também para a olímpica, nos jogos de Londres. De lá não voltou mais.

Vendido ao Chelsea para assumir a camisa 11 que era de Drogba, continua crescendo de produção e mostrando o que a torcida espera de um meio-campista ofensivo: jogadas surpreendentes e agudas, organização do time e dribles desconcertantes. É o melhor “camisa 10″ Brasileiro em atividade.

Com as incógnitas sobre Kaká e Ganso, a melhora, cercada de desconfianças, de Ronaldinho e outros menos cotados, o menino franzino desponta como o dono do meio-campo da Seleção para a Copa de 2014.

A atuação de Oscar no empate do Chelsea com a Juventus, ontem pela Champions League, levou o técnico Roberto  Di Matteo ao êxtase:

“Oscar teve uma grande estreia, era o jogo certo para ele começar, ele fez um grande trabalho taticamente e fez grandes gols”, declarou o comandante.

Jornais do mundo inteiro destacaram a atuação de Oscar que acabou dividindo protagonismo com Messi no complemento da primeira rodada do torneio europeu.  O meia brasileiro recebeu muitos elogios, sendo chamado de “gênio” e de “novo Kaká”.

Até Ronaldo Fenomeno, em sua página no Twitter, destacou, com uma mensagem em espanhol, encheu a bola do ex-jogador do Inter.

Oscar tem talento de sobra para ser o camisa 10 na Copa. Ou alguém duvida?

Jogo contra o Marcílio foi coletivo com uniforme

18 de setembro de 2012 1

Caro torcedor tricolor. Vamos combinar que essa Copa SC não serve para nada mais além de um treino, um coletivo de uniforme. E nem escrevo isso por causa da derrota para o Marinheiro há pouco, por 2 a 1, em Itajaí.

Escrevo porque tenho a convicção de que os clubes ranqueados nas divisões nacionais não deveriam perder tempo com competições que pouco acrescentam além de mais uma data.

Tá, vão dizer que a competição dá vaga na Copa do Brasil do ano que vem. Mas o JEC já está na Copa do Brasil de 2013 – vai entrar pelo ranking da CBF depois de somar mais pontos pela participação na Série B.



Depois do clássico, falta o JEC buscar vitórias fora

08 de setembro de 2012 2

Vitória em clássico, com gol de pênalti quando quase todos já davam o 0 a 0 como certo, vale uma tremenda festa. Vale carreata, vale buzinaço, vale foguetório, vale chegar sem voz ao trabalho na segunda-feira… Vale tudo isso. Vale até uma ligação para a capital para zoar de um colega avaiano.

E num campeonato concorrido como esse da Série B, somar três pontos vale para mostrar aos concorrentes que estão se apresentando que eles vão ter de jogar muita bola se quiserem chegar à frente do JEC. Mas lembro de uma conta feita assim que terminou o primeiro turno: bastaria ao JEC vencer as partidas em casa.

Vai precisar mais que isso, ainda mais depois que o Atlético/PR, o mais cotado dos clubes da Série B para chegar à elite, reagiu e colou no G4. O JEC precisará vencer os que aparecerem pela Arena, buscar uma vitória para se recuperar do empate contra o ABC e ainda tentar bater pelo menos mais dois times longe de casa.

Não se trata de jogar água fria no embalo tricolor, longe disso. É que a subida para a Série A, tão bem encaminhada antes da partida contra o ABC, agora vai exigir esforço maior, mais suor, mais sangue, mais dedicação, mais tudo… E tudo isso tem de começar nesta terça, contra o ASA.

Alguém duvida desse JEC?

25 de agosto de 2012 8

Nem o mais fanático torcedor do JEC poderia imaginar que o Tricolor terminaria o turno no G4. Tá longe de voltar à elite do futebol brasileiro, só metade do caminho foi andada, mas essa terceira colocação após o 1 a 0 sobre o Goiás na virada da Segundona deixa claro que o sonho é possível. É só fazer a lição de casa, como AN mostrou recentemente.

A  Arena passa a ser agora o passaporte para a Série A, para o novo patamar do JEC que todos nesta cidade querem ver encarando Flamengo, Corinthias, Grêmio, Fluminense, Vasco, Inter, São Paulo e tantos outros. Basta vencer as partidas ali no lugar que já foi considerado mal visto por causa dos fantasmas do Ernestão. Quem vai ajudar o Tricolor nessa? Quem vai encarar até temporal de canivete para empurrar o JEC no momento que ele mais precisa?

William comemora o o gol da vitória abraçado a Maurício Ramos. Foto Leo Munhoz.



Não estamos preparados para um novo Nelson Rodrigues

22 de agosto de 2012 0

Nesta quinta-feira, comemoramos 100 anos de nascimento de Nelson Rodrigues. Além de grande dramaturgo e escritor, Nelson pode ser considerado como o mais cultuado comentarista esportivo do Brasil.
Nelson é um gênio que hoje seria incompreendido. Adorava ser contestado, mas atualmente seria execrado pela opinião “pública”. A patrulha do politicamente correto, que é bem vigilante, não o deixaria em paz. Mesmo ele adorando que o contestassem, talvez não tivesse saco para este tipo de gente. Talvez pelo discurso pronto ou até mesmo pela pobreza dos argumentos.
Nelson defendeu que toda a unanimidade é burra. Mas pensando que, para ser contra alguma coisa, é preciso defender o que pensa usando também o coração. Nem sempre ser politicamente correto nos faz seguir o que acreditamos.
Acho que não estamos preparados para um novo Nelson Rodrigues. Infelizmente.

Abaixo, um vídeo com uma das crônicas mais famosas de Nelson Rodrigues, sobre o Fla-Flu de 1969 que deu o título estadual ao tricolor

Janela de Agosto

22 de agosto de 2012 0

Antes de começar esse post, quero pedir minhas sinceras desculpas pela ausência nesse blog. Não darei aqui desculpas disso ou daquilo. Sumi e ponto. Prometo agora voltar.

Vamos ao que interessa:

Reproduzo aqui um assunto abordado pelo colega blogueiro Luiz Zini Pires do Bola Dividida: as transferências de brasileiros para a Europa diminuiu. E muito.

A crise econômica do velho continente é o principal motivo dessa queda.

Pires entrevistou o empresário Jorge Machado, um dos maiores do futebol brasileiro. Aqui ele explica a dramática perda de mercado.

Os brasileiros perderam valor?

Jorge Machado – A crise econômica na Europa é grave. Observe o Oscar. Quem o comprou por um alto preço foi um clube (Chelsea) que é de um bilionário russo. Foi um negócio pontual.

Uma oferta assim foge da média?

Machado – Sim, escapa. Fiz dois grandes negócios (Mário Fernandes e Rômulo), com times da Rússia. Há outros mercados abertos, mas é preciso trabalhar duro todos os dias.

O que tranca os negócios?

Machado – Hoje, um salário mensal de 250 mil euros (R$ 623 mil) é normal no Brasil. Mas é irreal. Não sei até quando os nossos clubes poderão pagar. Os europeus até fazem a oferta, dinheiro bom. Mas quando notam o alto valor do salário, recuam e desistem. O jogador top já recebe como europeu no Brasil. Só não sei até quando…

A janela de transferências da Europa se encerra em 9 dias.

Em 2008, 47 brasileiros foram negociados com Inglaterra, Espanha, Itália, Alemanha e França.

Em 2011, o número caiu para 24.

Em 2012, deve diminuir ainda mais.

Fica a questão levantada por Machado: Até quando os clubes brasileiros conseguirão bancar 300, 400 até 500 mil reais mensais para boleiros?

Os líderes tropeçaram... E daí?

17 de agosto de 2012 0

Ao  contrário das rodadas anteriores, os top 4 da Série A não foram nada bem na rodada. Todos contaram com a sorte de.os principais concorrentes do momento também terem ido mal. Assim, na rodada que começa amanhã, a última antes da dos clássicos, Galo, Vasco, Flu e Grêmio terão a chance de provar que os ocorridos do meio de semana não passaram de uma dor de barriga…

JEC 1 x 0 Bragantino - Não duvidem do Tricolor

14 de agosto de 2012 3

Acompanhei o magro 1 a 0 sobre o Bragantino a distância, pelo celular,,
enquanto cuidava da pequena e febril Beatriz. Estão nascendo os primeiros
dentinhos da menina, coisa de quem está crescendo, deixando a categoria dos
nenês e passando para a dos bebês.

E o JEC que enxergo hoje, bem depois do último post que fiz nesse blog, é um
time que, assim como a Beatriz, está mudando, crescendo, com todos os prós
e contras (febre de 38,5) que uma mudança pode provocar.

Chegar ao G4 é uma coisa… continuar nele é o desafio, que se faz com  atuações
de classe, como a goleada sobre o Guaratinguetá, e com partidas difíceis como a de
agora há pouco. Não duvidem do Tricolor. Se o Leandro antes falava em G8, G10,
tá na hora de mudar a ambiçao, de olhar mais adiante, de fazer a turma que
corre atrás da bola acreditar… porque o pessoal da arquibancada já acredita.