Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts na categoria "Seleção Brasileira"

O 10 para 14 joga com a 11

20 de setembro de 2012 0

Desde que surgiu no São Paulo, Oscar já era tratado com um diamante a ser lapidado. Logo em seguida, quando já estava no Internacional, se envolveu em um imbróglio judicial com o tricolor paulista e ficou ameaçado de não poder jogar, o que abalou sua performance.

Problemas extracampo resolvidos, Oscar começou a alçar vôos maiores. Gastando a bola no Inter, foi convocado para a seleção principal e também para a olímpica, nos jogos de Londres. De lá não voltou mais.

Vendido ao Chelsea para assumir a camisa 11 que era de Drogba, continua crescendo de produção e mostrando o que a torcida espera de um meio-campista ofensivo: jogadas surpreendentes e agudas, organização do time e dribles desconcertantes. É o melhor “camisa 10″ Brasileiro em atividade.

Com as incógnitas sobre Kaká e Ganso, a melhora, cercada de desconfianças, de Ronaldinho e outros menos cotados, o menino franzino desponta como o dono do meio-campo da Seleção para a Copa de 2014.

A atuação de Oscar no empate do Chelsea com a Juventus, ontem pela Champions League, levou o técnico Roberto  Di Matteo ao êxtase:

“Oscar teve uma grande estreia, era o jogo certo para ele começar, ele fez um grande trabalho taticamente e fez grandes gols”, declarou o comandante.

Jornais do mundo inteiro destacaram a atuação de Oscar que acabou dividindo protagonismo com Messi no complemento da primeira rodada do torneio europeu.  O meia brasileiro recebeu muitos elogios, sendo chamado de “gênio” e de “novo Kaká”.

Até Ronaldo Fenomeno, em sua página no Twitter, destacou, com uma mensagem em espanhol, encheu a bola do ex-jogador do Inter.

Oscar tem talento de sobra para ser o camisa 10 na Copa. Ou alguém duvida?

As críticas que Mano não gostou

14 de agosto de 2012 5

Foto: Rafael Ribeiro, CBF

Durante as Olimpíadas, vimos as meninas do vôlei reclamando das críticas da imprensa e da torcida brasileira. Agora, é a vez de Mano Menezes fazer o mesmo. Ninguém gosta que falem mal do seu trabalho ou das suas decisões. Mas nestes dois casos, eu acho que os envolvidos deveriam aprender a digerir melhor isso.
No caso do vôlei, a modalidade atingiu um patamar que pode ser comparado com o futebol. É uma das maiores potências do mundo e, por isso, as críticas para a campanha na primeira fase das Olimpíadas surgiram porque imprensa e torcida sabiam que elas poderiam dar mais (e foi o que aconteceu).
E fica o mesmo para o futebol, onde o senhor Mano Menezes já deveria estar acostumado. Muitas críticas são infundadas. Mas nestes dois casos foram justas.