Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts na categoria "Hora do Recreio"

Os números para o acesso

11 de junho de 2014 9

Mesmo em clima de Copa do Mundo, minhas atenções especias seguem voltadas ao Avaí. Com 14 pontos conquistados em 10 jogos, o Leão precisará melhorar seu aproveitamento para chegar ao acesso.

A história mostra que com 64 pontos fatalmente o clube consegue o acesso, desde de 2010 em apenas um ano, e foi um ano atípico, o São Caetano ficou de fora da série a com 71 pontos conquistados, que foi exatamente em 2012. Com 84 pontos a serem disputados até o fim da série b, o Leão precisará de um aproveitamento entorno de 60% para atingir o objetivo.

Destes 28 jogos, 15 serão disputados na Ressacada. Estarão em disputas em nossa bela Ressacada 45 pontos, o que poderá facilitar e muito a nossa vida se voltarmos fazer valer o mando de campo. Para ser ter uma ideia, no ano do acesso em 2008, não perdermos um jogo se quer dentro de casa.

Por outro lado nosso aproveitamento fora de casa é muito bom, até o momento disputamos 6 jogos com 2 derrotas, 1 empate e 3 vitórias. Aproveitamento este, que se continuar, nos credenciará a disputar uma das 4 vagas de acesso a série a.

A conclusão é simples, manter o aproveitamento que tivemos até o momento fora de casa, ou pelo menos parecido, e fazer o dever de casa, melhorando e fazendo valer o fator campo, nos fará entrar na briga forte pelo acesso. É claro que assim em números parece fácil, porém para se tornar fácil é preciso que consigamos atingir um bom nível de regularidade, e que não conseguimos ver nestas 10 rodadas que passaram.

Enquanto isso o Estreito continua muito iluminado, o sul do estado voltou a ter a corda no pescoço com um erro juvenil de escalação irregular de jogadores, os índios seguindo certinho a cartilha do rebaixamento quando especulan-se  Argel Fucks e PC Gusmão, e as Bailarinas Flanelinhas guardando a nossa vaga. Que a Copa do Mundo venha, nos traga alegria, mas passe rápido, pois eu quero mesmo é voltar logo a Ressacada e ver o Maior do Estado.

 

 

 

Pode relaxar que a vitória de hoje está garantida

16 de março de 2014 51
Com a camisa-amuleto-da-sorte já sabe: na dúvida, é do Avaí.

Com a nova camisa-amuleto-da-sorte agora não tem erro: é tudo do Avaí.

Vice-lanterna do hexagonal da morte, a missão de hoje do Brusque é segurar o Avaí, líder isolado do quadrangular decisivo do Campeonato Catarinense. Não, errei. Vice-lanterna do hexagonal da morte, a missão de hoje do Avaí é ir até o Vale do Itajaí enfrentar o líder Brusque e afastar de uma vez por todas essa ameaça sem pé nem cabeça de queda para a segundona de SC.

Para garantir uma vitória sem sustos ou decepções de última hora, o Maketing azurra vai trocar a homenagem às cidades do Estado na camisa do goleiro Diego por um novo modelito tri-colorido que dizem dar uma sorte desgraçada. Tá valendo tudo para sairmos de Brusque com mais três pontos na bagagem, dar o adeus definitivo a zona de rebaixamento e engrenar bonito para a série B.

Adivinha quem decidiu em Brusque? ● Atualização domingo 20h

Um erro de arbitragem, obviamente. Embora o Avaí não tenha alcançado a desejável organização tática perseguida por Pingo, o fato é que até os 40min do segundo tempo o Maior de SC fazia a sua segunda vitória consecutiva. Tudo dominado, não fosse o senhor Rodrigo D’Alonso Ferreira validar um gol impedido.

No lance, o auxiliar ergueu a bandeira assinalando impedimento, mas quis o homem de preto optar pela validação da jogada. Mas também, quem mandou o Avaí não usar a camisa-amuleto-da-sorte e optar por homenagear o município de Lontras? Deu nisso aí! Com 4 pontos, o Leão continua na vice-lanterna do hexagonal.

Troféu cara de pau para os secadores do Estado

12 de março de 2014 143
Querendo tirar onda com o Avaí? Paguem suas dívidas antes de querer peitar o Leão.

Querendo tirar onda com o Avaí? Paguem o que devem antes de peitar o Leão da Ilha.

O leitor avaiano já deve ter percebido os orgasmos múltiplos dos secadores com o momento vivido pelo Maior Clube de SC. É um comportamento compreensível, haja vista que a escala da evolução faz com que os menores torçam pela “morte” daquele está no topo da cadeia alimentar.

O Avaí corre risco de rebaixamento? Sim, a tabela do hexagonal nos estapeia o fato. O Avaí vai cair? Ora, não seja ridículo! Mas se ocorrer como em 1993, voltaremos campeões e dentro de campo, porque é assim que acontece com os grandes.

Mas essa não é a tradição dos mini-clubes do Estado. Já fizeram das suas, posaram garbosos com o escudo do incaível Fluminense e seus pobres torcedores vem aqui apenas para abafar episódios constrangedores de suas agremiações. À saber:

Chapecoense – Rebaixada no Catarinense de 2010, entrou na vaga do licenciado Atlético-Ib. Antes da decisão do TJD, enviou carta para a Ass. de Clubes propondo uma “virada de mesa”. Deve uma série B estadual até os dias de hoje.

Criciúma – Acesso para a 1ª divisão de 1993 graças a mudança de regulamento durante a 1ª Fase da 2ª divisão de 1992. Foi salvo do rebaixamento em 1999 para a 3ª divisão e resgatado para a 2ª divisão da Copa João Havelange em 2000.

Joinville – Foi beneficiado pela mudança de regra durante a 1ª fase do Brasileirão de 1986, o que resultou em sua classificação biônica para a 2ª fase.

Figueirense – Em 1987 disputou a segundona catarinense e conseguiu ser vice do Blumenau. Em 2000 foi vergonhosamente resgatado para a 2ª Divisão da Copa João Havelange. Deve uma série C nacional até os dias de hoje.

Caíram na real? Tiraram o sorrisinho amarelo das bocas desdentadas? E digo mais: preparem-se porque na sexta-feira publicarei um post especial para acrescentar mais tensão nessas faces que papai e mamãe não tiveram dó de imprimir feiura.

O futebol catarinense ficou completamente biruta

02 de março de 2014 65
Com a ausência do Avaí nas finais do Estadual, audiência vai pras cucuias.

Os adversários sabem que com a ausência do Avaí nas finais, o Campeonato perde muito.

Realmente este futebol Catarinense esta uma loucura. Times inexpressivos estão na Série A e na finais do Campeonato Catarinense. Enquanto isso o Maior de SC, aquele com maior torcida, maior patrimônio e com um plantel no mínimo de razoável pra bom, corre o risco de rebaixamento. Claro que isto é fruto de má gestão da Diretoria, maior responsável já que não paga os salários, mas toda Santa Catarina espera pela recuperação avaiana. Hoje o futebol Barriga Verde está sem sua bússola. Comentário do Fernando Avaiano.

Está faltando critério nas contratações ● Atualização 21h

Se pudesse escolher duas posições onde a equipe precisa se reforçar, nove entre dez torcedores apontariam um zagueiro e um centroavante sem pestanejar. Mas para nossa surpresa, o Avaí acena com a possibilidade de trazer Eltinho e Jonas para engordar o leque de opções nas laterais, o que daria sete no total.

Com orçamento financeiro e número máximo de jogadores projetados no início da temporada já ultrapassados, confesso que não estou entendendo onde a direção azurra pretende chegar. Acredito que o Avaí precisa ser pontual e certeiro principalmente a partir de agora. Não dá mais para patinar nos mesmos erros.

Por favor, parem com esse chororô vergonhoso

18 de fevereiro de 2014 106
Um rio de lágrimas invade o lado continental da Capital e acaba com a seca.

Um rio de lágrimas finalmente acaba com a seca no lado continental da Capital.

É inacreditável a síndrome de mau perdedor que se abateu no rival do Estreito. Só fazem se esparramar em prantos pela merecida chinelada no clássico de domingo, agora colocando a culpa em todo mundo, menos no seu limitado grupo de jogadores. Vamos combinar, um elencozinho bem mixuruca que vai bater na série A e despencar rapidinho para a série C devida até hoje.

Marquinhos – que se destacou por dar um cascudo pelas costas – e vários jogadores de ambas as equipes distribuíram porrada à reviria num espetáculo deprimente para quem aprecia o bom futebol. Mas os invejosos que não têm craque em seu time, perseguem justamente o galego no intento de fazer dele o único culpado. Para, para, para! Naquele gramado não tinha nenhum anjo!

Essa vitória provou aquilo que a gente diz desde o início da temporada. O elenco do Avaí não é fraco e se não fossem as pendências salariais, estaria lutando na parte de cima da tabela e sendo um dos favoritos ao título. Quando quis, calou os iludidos alvinegros remetendo-os ao seu estado perene de freguesia ilhéu.

Aos leitores do interior do Estado, uma reflexão: sabe quando essa partida de AVA 2×1 FIG vai terminar? Jamais, porque clássico é a partida que nunca termina. Será sempre lembrada pelos dois lados da ponte como todos os outros confrontos destes 90 anos de história. CRI x CHA do mesmo domingo já foi esquecido pela imprensa e inclusive em Criciúma e Chapecó a prosa dos torcedores já é outra.

A diferença entre um e outro confronto se chama rivalidade, um sentimento de competição saudável e que não tem nada a ver com a inimizade vista dentro de campo por aqueles tansos de Avaí e Figueirense. Entenderam agora?

Aposta feita, aposta perdida, aposta paga

07 de fevereiro de 2014 100
Mais de uma semana de banho para tirar a catinga de colono.

Mais de uma semana de banho com Pinho Sol para tirar a catinga de time pequeno.

Em agosto de 2013 um torcedor do Joinville propôs uma desafio: se o Avaí terminasse a série B na frente do JEC ele compraria, vestiria, bateria uma foto para o blog e depois me enviaria uma camisa do Avaí. Se a ordem fosse inversa, esse blogueiro é que cumpriria a via Crucis e embarcaria nesse mico antológico.

Todos lembram que os salários dos jogadores atrasaram, as derrotas se sucederam, o caldo avaiano desandou e sobrou pro tanso aqui cumprir o pagamento da maldita aposta. O ganhador original fez bobagem (aqui), houve uma nova edição do “Profeta Istepô da Rodada” e o leitor Rafael, morador do bairro Boehmerwald, de Joinville, ganhou e já recebeu a sua camisa no conforto de sua casa via Sedex.

Quem acompanha o blog sabe que nunca corri de dar a cara à tapa de publicar um texto após as derrotas do Avaí. Se ontem não teve, foi por não querer que esse brinks tomasse um caminho diferente da zoação sadia. Fosse ao ar logo após o vexame azurra, os leitores “mais exaltados” poderiam escangalhar o pay day.

Demorou um pouco, mas sabe como é: avaiano custa a pagar, mas um dia paga. A gente não é caloteiro, apenas um pouco lento em colocar os débitos em dia. Nosso presidente que o diga. Em tempo: camisa até que mais ou menos, essa do Cavalo Paraguaio. Pena que já vem de fábrica com inhaca de time pequeno.

Um campeonato de pré-moribundos

31 de janeiro de 2014 56
Duas previsões certeiras para fevereiro: onde de calor s sofrimento dos secadores.

Duas previsões para fevereiro: onde de calor e sofrimento dos secadores do Avaí

Deuzulivre ser o coveiro dos adversários medianos do Avaí no Campeonato Catarinense, mas parece que há uma crise de pianço batendo geral. Tirando os Golfinhos de Criciúma, hoje liderados por um vovô que morre com o resto do time a partir dos 25min do segundo tempo, os outros pretendentes a “grandes” de SC estão fazendo uma campanha um tanto quanto ridícula.

Sofrendo para fazer um pontinho em duas partidas-mumu, a Colonense dá sinais que vai comer o pão que o Diabo amassou na série A. Já o Newcastle da Praia do Cagão penou para vencer o Brusque e perdeu por WO em Criciúma. E o que falar do JEC, meus amigos? Não está conseguindo nem largar bem, condição básica para um legítimo Cavalo Paraguaio. Tá parecendo um campeonato de pré-moribundos.

Atenção Emerson Nunes: foca no Metropolitano e no Atlético de Ibirama porque haverá choro e ranger de dentes entre os primos ricos do Estado. Mas sempre ligado porque zumbi de vez em quando acorda. Tialembras de 2013?

E a coerência vai bem?

18 de janeiro de 2014 54
Como é bom ver os corneteiros da temporada passada mordendo a língua em 2014.

Como é bom ver os corneteiros da temporada passada mordendo a língua agora.

Legal perceber que aqueles mesmos que enxovalharam o Avaí em 2013 por ser o “time do INSS” estão vibrando com tantos reforços de idades tão alvissareiras. Fosse o Maior de SC a fazer isso e as críticas viriam em containers.

Se com 32 anos Marquinhos e Cleber Santana eram chamados de velhos, o que falar das 37 primaveras de Marcos Assunção e dos quase 40 verões de Paulo Baier? “Mas é que eles são craques, seo blogueiro”. Será que é por isso mesmo?

Em 2014 o Avaí não é favorito, mas abram o olho

13 de janeiro de 2014 69
    Teimosia. O iraniano Amoo Hadji é torcedor do "cavalo paraguaio" e não desiste nunca!

Teimosia. O iraniano Hadji é torcedor do “cavalo paraguaio” e não desiste nunca!

Estou com saudades de levantar um caneco. O último título do Leão da Ilha foi em maio de 2012, naquela sapatada acumulada de 5×1 sobre o Freguêsrense nos dois jogos decisivos do Campeonato Estadual. Esse jejum de um ano e meio pode ser normal para um clube emergente, mas não para o Maior de SC.

Como todos sabem, os tempos andam bicudos aqui na Ilha mais bonita do Atlântico Sul, mas nada que tire aquela velha mania azurra de papar títulos e encabeçar os Catarinenses. Se no ano passado nada deu certo, não ganhando e nem aprendendo nada, essa temporada promete um Avaí mais responsável.

Comprometido dentro de campo, com um elenco sendo montado cuidadosamente e dentro de uma nova realidade financeira, e fora das quatro linhas, com dirigentes cientes da responsabilidade de recolocar o trem azul nos trilhos das conquistas. Em 2014 o Avaí não é favorito ao Estadual, mas todos sabem que pode surpreender.

Esse é o azar do iraniano Amoo Hadji, que se fosse avaiano estaria um pouco preocupado, sim, mas limpinho e cheirando à seiva de alfazema. Porque para o Avaí um título não é aquela coisa difícil que pode levar mais de 13 anos para ser comemorado de novo. No passado era um perrengue, mas hoje é comum.

Otimismo no Avaí, decepção no Plácido de Castro

11 de janeiro de 2014 51
    O cara sonha com um adversário grande e pinta essa decepção. Foto João Paulo Maia - Globo Esporte

O cara sonha com um adversário grande e pinta essa decepção. Foto João Paulo Maia – GE

Parece que o bochicho de uma parceria forte e um novo patrocinador internacional para o Avaí está tomando corpo. Nada confirmado ainda, mas as informações rolam soltas nas redes sociais azurras e podem se tornar realidade já nessa segunda-feira. Vamos aguardar esse desfecho para soltarmos os fogos depois.

Enquanto isso surge o primeiro esboço do Maior de SC versão 2014. Ontem o técnico Emerson Nunes saiu jogando nos treinos com Diego; Arlan, Pablo, Bruno Maia e Eduardo Neto; Eduardo Costa, Revson, Marquinhos e Cleber Santana; Felipe Alves e Heber. Como se pode notar sem auxílio de nenhuma lupa, apesar das dificuldades o Leão da Ilha segue firme para entrar nos eixos.

E para terminar, deixamos aqui os nossos mais sinceros pêsames ao Plácido de Castro, que mesmo sendo uma humilde equipe do Acre, não merecia ter pego um adversário tão pouco interessante na primeira fase da Copa do Brasil. Com este sparring sem craques da estatura técnica de Eduardo Costa, Marquinhos e Cleber Santana, o prejuízo nas bilheterias do Plácido é praticamente garantido.

Como diria a ministra, relaxa e goza, nação azurra

06 de janeiro de 2014 66
"Não existe maior loucura no mundo do que um homem entrar no desespero" Miguel de Cervantes

“Não existe maior loucura no mundo do que um homem entrar no desespero” Cervantes

A temporada começa em ritmo de dificuldades financeiras para o Avaí, o que está determinando o tamanho do nosso cobertor das esperanças. Um técnico até foi contratado, mas deitou o cabelo assim que soube da realidade no Sul da Ilha. A saída foi transformar o Maior de SC no primeiro clube do ex-auxiliar Emerson Nunes.

Contratações, até agora três: os laterais Bocão e Eduardo Neto e o volante Júlio César. Sobre quem são e suas qualidades, isso eu comento com vocês depois que a bola rolar contra o Atlético de Ibirama. A coisa está tão embaçada que periga chegar o lateral esquerdo Rafinha, reserva do Cavalo Paraguaio (?), antes que Marquinhos, Cleber e Eduardo Costa tenham suas situações resolvidas.

À princípio fiquei preocupado com esse cenário, mas resolvi apertar o botão ali de cima e agora desconfio que o Avaí será o Campeão Catarinense de 2014 e conquistará o acesso para a série A de 2015. F… se não faz sentido!

Revelado o segredo do Natal

24 de dezembro de 2013 41
E como todos nós sabemos, o Bom Velhinho nunca mente. Nunca!

E como todos nós sabemos, o Bom Velhinho nunca mente. Nunca. Feliz Natal!

Eu sei o que você fizeram no verão passado

10 de dezembro de 2013 93
Manchete pelo não "caimento" para a série B catarinense. Imagem Jorge Jr. Hora SC

Manchete pelo não “caimento” para a série B catarinense. Imagem Jorge Jr – Hora SC

Chapecoense – Rebaixada no Catarinense de 2010, entrou na vaga do Atlético-Ib que se licenciou por um ano. Antes dessa decisão do TJD, o presidente do clube já havia enviado uma carta para a Associação de Clubes propondo uma “virada de mesa”. Resultado: o coitado do vencedor da divisão de acesso não subiu, a Colonense não foi para a segundona estadual, criou asas postiças, conquistou o acesso (aleluia, dentro de campo) para a série A e não vai tirar um tostão do bolso para usar o estádio da prefeitura todo reformado com o dinheiro do Estado.

Criciúma – Acesso para a 1ª divisão de 1993 graças à mudança de regulamento que aconteceu durante a 1ª Fase da 2ª divisão de 1992. Foi salvo do rebaixamento em 1999 para a 3ª divisão e resgatado para o Módulo Amarelo, 2ª divisão da Copa João Havelange em 2000. Vive de lembranças de uma Copa do Brasil abandonada pelos grandes times, tido como um clube de supermercado e apoiado por torcedores gaúchos que cantam em castelhano para serem confundidos com argentinos. Passou toda a série A lutando apenas para não cair. Não caiu e a torcida foi para as ruas celebrar a maior conquista pós-Copa do Brasil de três décadas atrás.

Figueirense – Foi resgatado para o Módulo Amarelo, 2ª Divisão da Copa João Havelange, em 2000. Juntou um elenco ruim para a série B desse ano, metade foi parar no DM e com o que sobrou montou um Frankenstein que se aproveitou do único clássico de SC para arrancar rumo ao G4. Batizado de time-bagaceira pelos próprios torcedores, ficou esquecido por 37 rodadas e foi surpreendido na cidade da linguiça por meia dúzia de vans lotadas por um bando de oportunistas de ocasião. Tem como ídolo o presidente do clube e vai para a série A devendo uma série C.

Joinville – Beneficiado pela mudança de regra durante a 1ª fase do Brasileirão de 1986, o que resultou em sua classificação para a 2ª fase. Em 2013 arrancou todo bonitão no Estadual e na série B, mas da metade para a frente não passou de sparring para os adversários realmente profissionais. Continua sem estádio, sem centro de treinamento, sem academia própria, sem uniforme de treino, mas está feliz. Cumpriu a missão de não cair, de vencer o Avaí na Ressacada, de terminar na frente do Avaí, de levar o técnico do Avaí e por 50 dias parecer maior que o Avaí.

E o Avaí? Fez um temporada medonha, não ganhou nada, não aprendeu nada, mas continua sendo o Maior de SC no ranking da CBF e não aparece no Google quando se digita “virada de mesa”. Fontes base Papo FC aqui e aqui, e Vitor Birner aqui.

Até na pindaíba o Avaí dá de relho em SC

03 de dezembro de 2013 114
Em três jogos a Ressacada teve lotação máxima. Foto Jamira Furlani AFC

Reclame-se de tudo, menos da fidelidade dessa nação. Foto Jamira Furlani AFC

O Avaí fez de tudo, mas de tudo mesmo para que o torcedor sumisse do estádio nessa série B. O primeiro turno foi medonho; no segundo turno houve um renascer das cinzas; mas as últimas rodadas foram melancólicas ao extremo. Entretanto os números provam que a nação azurra esteve junto na maior parte do campeonato.

Embora o Avaí tenha feito uma campanha medíocre, as catracas da Ressacada provam que essa é a maior e mais apaixonada torcida de SC. Segundo o Globo.com o Leão da Ilha teve 6.054 torcedores por jogo contra os 5.111 do rival do Estreito que obteve o acesso. Até a Colonense, que fez uma uma excelente campanha em 100% da competição, por pouco não fica atrás do Maior.

No quesito maiores públicos, aí mesmo é que a coisa fica até engraçada. A diferença para o rival do Estreito é abissal, já que que contra a Colonense 16.077 pessoas estiveram na melhor praça esportiva do Estado. Contra o próprio rival, nada menos 15.739 pagaram ingressos. Note que aqui é público pagante e não total, já que em pelo menos três partidas batemos fácil nos 18 mil.

Agora imagina esse time lutando pelo acesso nas 38 rodadas. Já pensasse?

A penúltima edição do Profeta Istepô da rodada

28 de novembro de 2013 73
Um vencedor, dois prêmios. Esse blog é um conforto só!

Um vencedor, dois prêmios. Esse blog é mais querido que coração de mãe!

No dia 03 de agosto publiquei um desafio feito pelo leitor Serginho_Jec onde, dependendo do time que terminasse a série B na frente, o perdedor compraria uma camisa do clube adversário para o vencedor. No caso deste blogueiro, ainda teria que postar uma foto no blog com a camisa tricolor. Uma brincadeira saudável.

O JEC começou a descer a ladeira e Serginho_Jec sumiu do blog, mas foi só o Avaí desandar e aparece quem? Ele mesmo, nesse sábado, cobrando a camisa. No stress. Agora era procurar uma para pagar a aposta. Encontrada e comprada em um site de SP no mesmo sábado, era esperar 10 dias úteis para recebimento.

Quando fui entrar em contato com a criatura, eis que já tinha feito conluio com o Passional de Joinville que, num post equivocado, sugeriu que um golpe estava prestes a ser dado pelo Manézinho aqui. Dessa patacoada surgiu uma lamentável sequência de comentários injustos e desagradáveis em todas as redes sociais.

O Profeta Istepô da rodada

Assim posto, está lançada a nossa penúltima promoção de 2013. Como o Serginho do JEC será penalizado com a perda da camisa por mau comportamento e nenhum espírito esportivo, e não tendo eu interesse em ter uma de outro clube no guarda-roupa, o prêmio desta edição é duplo.

Além da tradicional camiseta da promoção, agora o vencedor também levará essa do Joinville (ver imagem) para fazer o que bem entender. Isso depois de eu bater a foto com a bendita. As regras todo mundo já conhece (aqui), bastando copiar e colar os jogos abaixo com seus respectivos placares:

AVA x BOA
CHA x PAL
CEA x JEC
BRA x FIG

A Lei de Murphy ataca o Maior de SC

16 de novembro de 2013 37

Como nada está tão ruim que não possa piorar, eis que na abertura da 36ª rodada da série B, ontem a noite o Ceará venceu o Guaratinguetá pelo placar de 1×0 e o Icasa despachou o Paysandu por 2×1. Resumindo, o Avaí, que tem 53 pontos e hoje pega o América/RN, nesse momento está distante seis pontos dos dois times nordestino que ocupam a 3ª e 4ª colocação respectivamente.

Se a nossa situação é pra lá de complicada, pelo menos não passamos pela vergonha de ter se “inspirado” no pequeno  Mesquita Futebol Clube do Rio de Janeiro para ter um hino, assim como fez o Newcastle da Praia do Cagão. Se o Mesquita foi fundado 9 de maio de 1920 e o rival do Estreito a 12 de junho de 1921, não resta dúvida de quem copiou quem. Para ouvir o hino-clone é só clicar aqui.

Te esconjuro, pé de pato, mangalô três vezes

14 de novembro de 2013 45
Hoje caidaço, fora da série B e abandonado pela torcida. Foto antiga do Paixão Alvinegra.

Volto com essa imagem para afirmar que o rival também perecerá.

Chegamos naquela fase de campeonato conhecida dos avaianos. Com as estatísticas e  resultados em campo nos estapeando com o fato de que a vaca vai pro brejo, acontece o apego desenfreado à fantasia da calculadora. Ficamos entre os “idiotas que ainda acreditam” e os “cagões que já jogaram a toalha.

Como não sou de ficar em cima do muro, vejo na tristeza do semblante de Hemerson Maria e no desapego de garra do seus meninos nas últimas quatro derrotas, que só nos resta torcer para que o rival também morra na praia junto com “esse Avaí”. A temporada de 2013 foi perdida. Não ganhamos nada, nem experiência.

A insustentável leveza dos sonhos coadjuvantes

10 de novembro de 2013 32

Lá vem o Jecaville e o Zumbi do Estreito com suas torcidas esperançosas. Que coisa mais linda, mais estimada e inútil. Desistam, nunca chegarão!

Enquanto isso o Avaí vai tendo mais sorte que juízo. Todo ano a gente repete a mesma coisa, mas nunca esteve tão fácil subir como nesse ano. Mesmo perdendo as três últimas partidas, permanece colado no G4 em condições de acesso.

Se vai continuar não querendo, aí é outro pato. Papo, quis dizer papo.

Disparado a maior, a mais fiel e apaixonada de SC

05 de novembro de 2013 95
Imagine então com uma campanha sempre nas cabeças e com adversários mais famosos.

Imagina na série A, com grandes times, boa campanha e + uma pista para chegar e sair.

O Avaí não é o único time de um centro urbano como acontece no interior de SC e Flonópix não é a cidade mais populosa do Estado. Com um estádio próprio e por isso mais caro – não dependendo da prefeitura para amortizar o aluguel – o pior acesso do Brasil é também convite para uma Ressacada vazia.

Nossos adversários são todos de segunda divisão, o que não atrai levas de torcedores e poderia afugentar o avaiano mais afeito aos grandes jogos. O número de sócios adimplentes é baixo, por volta dos 5 mil, o que não faz os ingressos caírem para R$15 em média por partida como acontece com os Golfinhos do Sul.

Completando o rosário de impedimentos para a ocupação da nossa “casa”, o Avaí faz uma campanha marcada pela instabilidade, que hora chama o povo para as arquibancadas e hora manda embora sem dó nem piedade. Mas sabe o que tudo isso significou na nossa média de público também das últimas quatro rodadas?

Nada, absolutamente nada!

Um minuto de silêncio pela situação do rival

02 de novembro de 2013 32
Um minuto de silêncio pela situação do rival... fim do minuto... huahuahua

Fim do minuto de silêncio… huahuahuahuahuahuahuahuahuahuahuahuahua

Pensa num clube de futebol desesperado, abandonado, sem torcida e sem esperança. Agora multiplique por um zilhão e você terá a situação do Íbis da Capital. O Avaí disponibilizou 4 mil tickets para a torcida geladeira e o que aconteceu? Nada! Aí veio o plano de emergência dos caras: “Faz de graça, puerra!”.

Esse banner acima foi publicado (sem o Obama) na tarde de ontem e dizem que ainda têm nove ingressos dando sopa na secretaria. Enquanto isso o Maior de SC já está tendo problemas com o fim dos bilhetes para os setores A e B da Ressacada. Se nós temos pena do caos no Continente? Nenhuma, meus amigos!