Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts com a tag "Pós-jogo"

Pós-jogo

14 de maio de 2014 28

Um jogo tecnicamente muito fraco, me impressionou o ambiente carregado e a pouca paciência do torcedor avaiano.  Novamente fomos mal individualmente, sem nenhum destaque individual o Maior do Estado conseguiu a classificação na força de sua camisa.

Em um primeiro tempo em que o Asa veio apenas para se defender, com um time muito ruim tecnicamente, conseguiu congestionar a entrada da área oferecendo as laterias ao Leão. Com Bocão muito mal pelo lado direito, e Eduardo Neto péssimo pelo lado esquerdo o Avaí pouco produziu. Na única real chance de gol, Marquinhos serviu Roberto que dentro da área perdeu a chance de abrir o marcador.

Pingo voltou para o segundo tempo com o mesmo time, o cenário piorou e o Leão não se encontrava. Em um rebote de escanteio, Tinga conduziu de mais a bola e cedeu o contra ataque. Com a defesa mal posicionada, o atacante Anderson do Asa caminhou sozinho, e na saída precipitada de Vagner, driblou o goleiro avaiano e fez o gol da equipe alagoana.

O que já era ruim ficou ainda pior, eram 18 minutos o Leão não produzia nada e precisaria da virada para ficar com a classificação. Pingo mexeu, Paulo Sergio entrou no lugar de Roberto, mais tarde promoveu a entrada de Eltinho e por último Diego Jardel na vaga de Tinga.

O Avaí pressionou e em boa jogada de Eltinho a bola caiu nos pés de Anderson Lopes, que fez um belo gol. O segundo era questão de tempo, novamente o lance começou com Eltinho, Marquinhos ajeitou com o peito e Cléber Santana bateu para o gol. No rebote Anderson Lopes decretou a virada e a classificação.

Vencemos pela camisa, pela tradição, o Avaí não fez uma boa partida. Muitos erros de passes, condução de bola em demasia e muita insegurança. É preciso fazer da Ressacada uma aliada, e não criar uma atmosfera desfavorável. Para finalizar, obrigado aos secadores de plantão, o “sacana” do Avaí deu uma de Joinville, fingiu que não iria conseguir a vitória e no final veio a classificação. Isso chama-se Cavalo Puro Sangue, que venha a próxima fase.

Deem graças pelo Avaí não estar no quadrangular

27 de março de 2014 81
Um pouquinho de organização e shazam! o melhor futebol de SC reaparece.

Um pouquinho de organização e shazam! a qualidade dos três tenores reapareceu.

Sem nenhum exagero, parece que podemos ouvir os suspiros de alívio daqueles times medianos do quadrangular do Campeonato Catarinense. Já é tradição o Avaí começar mal e crescer na reta final de quase todas as competições, o que a essas alturas significaria o terror nos adversários que disputam o título de 2014.

Mas além de não termos tido a “segunda época” do returno, os problemas financeiros, os técnicos mal escolhidos e a crise de liderança sufocaram o Avaí nesta temporada. Bastou chegar um treinador mais esperto e os jogadores resolverem colocar o pé na bola, e eis que o milagre aconteceu ao natural.

Se alguém ainda tinha dúvidas de que o Avaí havia entrado nos trilhos, esta vitória sobre o belo time do Brusque põe uma pá de cal nos argumentos dos secadores do Estado. Brusque que, não fossem os erros de arbitragem, não teria perdido a vaga para o “sortudo” Golfinho do Sul. Por isso rendam louvores aos céus pelo Maior de SC não estar nesse quadrangular medíocre e completamente desinteressante.

E quis o destino que justamente os três tenores – Marquinhos, Cleber e Eduardo – anotassem todos os gols nessa vitória por 3×1. Logo eles tão perseguidos por quem não sabe o que é ter um mísero craque no time. Fora os avaianos, os torcedores mais inteligentes de SC, a maioria dos “outros” não sabe nada de futebol!

Só sabem lamentar em oculto a pequenez de seus clubes. O nosso sempre foi grande, bando de chorão. Não importa em que divisão esteja, a realidade nua e crua é que o Avaí sempre foi e sempre será maior que o clube de vocês.

O Avaí acordou para a vida, pena que tarde demais

24 de março de 2014 86
O Avaí dormiu de toca e não viu o campeonato passar diante de seu nariz.

O Avaí dormiu de toca e não viu o campeonato passar diante do seu nariz.

Problemas financeiros, desencontros da transição administrativa, relacionamento truncado com empresários parceiros, técnicos mal escolhidos, bolas incríveis que não entraram, enfim, tudo isso e mais alguns problemas internos sufocaram o verdadeiro futebol do Avaí nesse Campeonato Catarinense.

Se não é um elenco de série A – coisa que em todo Estado não tem – também não faz sentido o Leão da Ilha estar no hexagonal da morte enquanto times inferiores disputam o quadrangular que decidirá o campeão estadual de 2014. Pingo chegou, deu uma mexidinha de leve, os jogadores resolveram colocar o pé e… shazam!

A vitória de goleada ontem em Ibirama parece por fim à crise existencial de um grupo de atletas que já não sabia se defendia um clube grande, mediano ou pequeno nos limites de SC. O pessoal acordou para a vida, infelizmente quando a única coisa em jogo é disputar com outros cinco os dois que cairão.

Uma vitória importante para dar sequência a retomada da confiança e do bom futebol, o que pode ser o projeto de uma série B vitoriosa. Claro que ainda é cedo para soltar fogos, há muito o que ser arrumado e fortalecido, mas tudo leva a crer que o verdadeiro melhor time catarinense ressurgiu. No quadrangular, sabemos que só há fakes, mas bem feito pra nós que acordamos tarde demais.

Avaí é hexa antes da seleção brasileira

24 de fevereiro de 2014 67
Mais uma chinelada de um adversário inferior, mas um pentelhésimo mais organizado.

Decepção do torcedor após outra derrota fatal em casa. Foto Jamira Furlani AFC

A estreia de Paulo Turra não poderia ter sido mais infeliz. Depois de amarelar para o clássico, o novo técnico do Avaí seguiu a cartilha de seus últimos antecessores. Saiu na frente, ficou apavorado, se encolheu diante de um adversário com mais tesão, tomou a virada e acumulou outro fracasso dentro de casa.

Com uma rodada de antecedência o Leão da Ilha carimba seu passaporte para o hexagonal da morte sem poder reclamar de nada. Foram cinco derrotas em oito jogos, sendo três delas em plena Ressacada. O desafio agora é usar essa fase indesejada do campeonato para fazer um grupo desnorteado parecer um time.

Isso depois que se garantir na primeira divisão do Catarinense de 2015.

Essa cidade tem um dono

16 de fevereiro de 2014 155
Quando a garra avaiana encarna, não tem adversário fake de série A que dê conta.

Quando a garra avaiana encarna, não tem adversário fake de série A que dê conta.

E o Avaí real entrou em campo. Pouco mais de 90min de pausa na “greve branca” dos jogadores foi o suficiente para que o Maior de SC dançasse mais um créu no salão de festas do Estreito. Duas chineladas pedagógicas que restabeleceram a verdade de quem manda na Capital é o Leão da Ilha.

Homens de vergonha na cara acordaram para a vida e presentearam o torcedor com essa vitória de 2×1 – placar previsto no post anterior – no estádio mais torto do mundo. Um salve especial para Kid Bengala, aquele senhor que pagou de amarelão no único clássico de Santa Catarina. E por falar em pagar, paguem a série C.

Não basta apenas querer

09 de fevereiro de 2014 58
Emerson Nunes queria ousar mas só conseguiu se complicar. Foto Cristiano Estrela

Emerson Nunes queria ousar mas só conseguiu se complicar. Foto Cristiano Estrela

Vindo de uma crise financeira sem precedentes, duas derrotas consecutivas e tendo que lidar com a “criatividade” de Emerson Nunes ao deixar Marquinhos no banco, em condições normais o empate sem gols diante dos Golfinhos do Sul não seria exatamente um desastre. O problema é que a fraca campanha até aqui força o Avaí a vencer os quatro jogos restantes para se garantir no quadrangular final.

Como comentado antes da partida, o Avaí tinha um adversário muito fraco pela frente. Os amarelões de pés pretos vieram a Capital com uma proposta de jogo covarde, um técnico mais perdido que cego em tiroteio e com um craque (?) que é no máximo um exemplo de superação para o pessoal da terceira idade. A verdade é que a sorte deles foi o Avaí não ter um único atacante com faro de gol.

Se houve futebol, agradeça-se ao Leão da Ilha que deu um tempo naquela greve branca e buscou fazer algo de útil nos 90min. Mas como digo sempre, querer não é poder. Saber querer é que é poder. O Avaí quis mas não soube por onde. Ainda não é um time, mas um grupo em busca de um objetivo comum. Se não acontecer um milagre à la 2012, o Leão da Ilha já pode iniciar os preparativos para a série B.

Levanta, ajeita a juba e desce o relho no Golfinho

08 de fevereiro de 2014 53
O time com mais sorte em arbitragem depois do time do Papa Francisco.

O time com mais bênçãos alcançadas com arbitragens depois do time do Papa Francisco.

A derrota para o Cavalo Paraguaio foi mais um capítulo de um roteiro já por demais conhecido do torcedor. Havia uma leve esperança de que por 90min os jogadores esquecessem as pendências salariais e atropelassem a vítima, mas se há uma regra fodástica no futebol é a de que um time com salários atrasados não luta por nada. E assim caímos diante do time de Nardela, o único jogador famoso deles.

Nesse domingo o adversário é o Golfinho do Sul, um clube de supermercado que até hoje agradece aos deuses por ter subido e não caído no ano seguinte. Foi tanto júbilo de alegria que as ruas de Criciúma foram tomadas por torcedores da Geral do Grêmio, que cantavam em castelhano as músicas do Boca Juniors ao som de acordeons gaúchos. Um lindo espetáculo de identidade esportivo-cultural.

Também é um time fraco, que tem Matusalém como seu jogador de destaque e que só está no G4 porque quatro dos sete pontos foram obtidos por meio de erros de arbitragem. No primeiro jogo em que o apitador ficou ligado, tomou um sacode de 3×0 do Metropolitano e caiu na realidade de sua amarelidão contumaz.

O Avaí vence com um pé nas costas? ● Atualizado dom 9h30

Normalmente seria mais um joguinho mamão com açúcar, mas não temos como saber se a alma do Avaí estará presente. Medidas emergenciais foram tomadas para que aquele teatro de 11 jogadores entrando em campo sem a intenção de jogar bola não aconteça no dia de hoje. O mal amado Júlio Rondinelli pediu para sair, o dindim de outubro foi pago, o de novembro sai essa semana e os empresários prometem quitar toda a bagaça. Talvez seja o suficiente para uma pausa na greve branca que envergonha o manto azurra. Aí não tem jeito: vitória do Maior de SC.

Faltou coragem, sobrou vexame

02 de fevereiro de 2014 55
O que aconteceu hoje é para deixar qualquer um abismado. Uma vergonha!

O que aconteceu em Itajaí é para deixar qualquer um abismado. Uma vergonha!

Com três volantes em campo, a intenção declarada do técnico Emerson Nunes era não perder para o Marcílio Dias. O plano medroso estava dando certo até que Betinho resolveu balançar a rede por duas vezes ainda no primeiro tempo.

No etapa final o Avaí era absoluto até o pênalti marcado em Marquinhos. Betinho queria pedir música no Fantástico, meteu o bedelho, bateu todo marrentinho, jogou na mão do goleiro e pocademora o placar estava em 3×2 para o… Marcílio Dias.

Uma derrota ridícula que faz o Avaí cravar 33% em três partidas diante times que almejam apenas não cair. Emerson Nunes e seus meninos atabalhoados estão arrumando uma cama de espinhos para o restante dessa fase classificatória.

A partir de agora chegam os adversários diretos pelo título, o que não seria nenhum problema para o Avaí de antigamente. O time atual repete as mesmas mazelas de outros recentes: sem raça e com tendência de autodestruição.

Maldito ano velho

27 de janeiro de 2014 57
Como já é tradição, Avaí larga mal num campeonato. No problem.

Como já é tradição, Avaí larga mal num campeonato. Por enquanto, crise nenhuma.

Nem parece que já tivemos réveillon. Diego bobeando embaixo dos paus e com saída de bola à base de chutões estabanados. Zaga em estado de desespero.

Alas que não acertam cruzamentos. Cleber e Marquinhos criando à reviria para “Ninguém”, o nosso matador por excelência. Brasão meteu duas para dentro, mas “Ninguém” não estava numa tarde, digamos assim, muito feliz.

O Avaí de ontem foi o mesmo da temporada 2013 “cuspido e escarrado”.

Num campeonato de tiro curto com apenas nove jogos para se conhecer os integrantes do quadrangular final, cabe ao Maior de SC ser um time de largada. Largou mal, é verdade, mas tem mais oito oportunidades para abrir o champagne de ano novo. Coluna de hoje no Diário Catarinense.

 

Ano novo, vergonha na cara nova

17 de janeiro de 2014 43
Não interessa o tamanho, já fizemos a 1ª vítima do ano!

Agora é assim: não interessa o tamanho do adversário, já fizemos a 1ª vítima do ano!

Futebol é e tem que ser coisa séria o ano inteiro. Se havia espaço para frescura nesse time do Avaí, essa frescura ficou enterrada em 2013. Depois da palhaçada que vimos acontecer nas últimas rodadas da série B passada, o mínimo que se espera para essa temporada é um grupo de homens comprometidos.

Nesse ritmo, ontisdonti a cobra já fumou no Sul da Ilha. Jogo-treino uma ova, era final de Copa do Mundo para a primeira formação titular armada por Emerson Nunes. Embaixo da água que Deus mandava o Avaí venceu o Brusque por 3×2 no CT da Ressacada e um temor conhecido deu as caras: tomar dois duzalemão?

Já as parcerias que estavam sendo alinhavadas, essas parecem ter zicado. O Grupo Malucelli e a AS Esportes não vingaram e periga o presidente Nilton Macedo matar no peito a responsabilidade de tocar o elenco como está, talvez chegando apenas o zagueiro Canavesio e o meia Mateus, ambos do Grêmio.

E por falar em Nilton Macedo, a sua entrevista no Debate Diário dessa semana foi muito interessante. Num saudável chilique de sinceridade admitiu os problemas financeiros do clube e disse que a ordem é economizar até no papel higiênico da Ressacada. Indireta para os boleiros de egos inflados que por acaso já estejam pensando em fazer m… na temporada. Aqui não mais, molequinhos mimados!

O ano em que o gigante adormeceu

30 de novembro de 2013 50
Parabéns a todos os envolvidos nessa árdua tarefa de esvaziar a Ressacada

Parabéns aos responsáveis pelo esvaziamento da Ressacada. Foto Pedro Jacques

Numa partida que serviu para cumprir a tabela da série B, o Avaí conseguiu dar cabo na sequência vexatória de seis derrotas consecutivas e venceu o Boa por 1×0. Ironia do destino, o gol da vitória foi anotado pela estabanado zagueiro Pablo.

O melancólico evento foi assistido por 586 torcedores, o menor público dos últimos anos na Ressacada. Hemerson Maria também se despediu do clube, que ainda não tem o nome do técnico que formará o novo grupo para a próxima temporada. Esse ano nada deu certo, mas alcançar essa “meta” não foi fruto do acaso.

O Avaí chegou aos 56 pontos, na nona colocação, podendo ainda ser ultrapassado pelo Paraná. Para fechar esse sábado, hoje é dia de linguiça com marmelada, prato pra lá de indigesto para quem gosta de futebol. Do verdadeiro futebol.

Os mortos-vivos da Ressacada

25 de novembro de 2013 59
E os patos desse thriller somos eu e você.

E os patos nesse thriller de horror somos eu e você, torcedor avaiano.

Sexta derrota consecutiva na reta final de série B. Dessa vez por 1×0 para o ex-ameaçado de rebaixamento ABC. A sugestão para Júlio Rondinelli, comissão técnica e 90% do elenco é abrir uma igreja especializada em Ressurreição. Marquinhos tinha razão: “Pagou em dia, sobe. Não pagou, não sobe”.

O Profeta Istepô da rodada ● 11h

Com os resultados dos quatro times do Estado na 35ª rodada série B, por aproximação o leitor Carlos levou o prêmio da promoção do blog. O e-mail de contato já foi enviado e ficamos no aguardo de sua resposta para que a camiseta possa ser remetida pelos Correios.
… OFICIAL …….………… CARLOS
FIG 2×0 ABC ………..… FIG 2×0 ABC
JEC 1×1 OES …….…… JEC 1×1 OES
PAR 0×1 CHA ….……… PAR 1×2 CHA
CEA 2×1 AVA ……….… CEA 2×1 AVA

Que situação é essa?

17 de novembro de 2013 91
Já temos história para contar para os netos. Pena que sem final feliz em 2013.

Já temos história para contar para os netos. Pena que sem final feliz em 2013.

O que vi ontem na Ressacada foge a tudo que já havia presenciado ao vivo no futebol. Na quinta derrota consecutiva, os jogadores do Avaí simplesmente se negaram a jogar bola. Acredito que a treta vá além dos atrasos salariais.

Sem informações suficientes do bastidores do clube, não é possível crucificar quem quer que seja, mas não acredito que seja apenas falta de dinheiro no bolso. A temporada de 2013 acaba e o Avaí não ganhou nada. Nem experiência.

Esse Avaí não fez coisa nenhuma

13 de novembro de 2013 68
Os deuses do futebol não perdoariam tamanha incompetência.

Bobagens consecutivas. Os deuses do futebol não perdoariam tamanha incompetência.

Quatro rodadas atrás esse Avaí era um “folgado” no G4 da série B. Havia um Atlético mortinho pela frente, mas quis o destino que esse Avaí sentisse dó do virtual rebaixado e cedesse um preguiçoso 2×1. Aí veio o clássico… pula essa parte.

Fomos até o humilde Asa, também lutando contra o rebaixamento, mas que venceu esse Avaí por 1×0. E teve ontem, diante de um razoável Ceará, onde a vontade de vencer novamente não entrou em campo e tomou de 2×1.

Fica provado, pelo menos dentro de campo, que esse Avaí é um time de série B.

Que ano pomboca, meus amigos

09 de novembro de 2013 65
"Tem que ser sofrido" = "Não sabemos fazer o simples".

Não dá pra entender essa preguiça. O que deu nessa rapaziada do Avaí?

“Tem que ser sofrido” significa que “Não sabemos fazer o simples”? Se não tem um homem que faça gol, então que tenha um roupeiro que faça uma boa macumba. Avaí com posse de bola de Barcelona e eficiência menor que a do ASA.

Faltou luz nas pombocas do estádio de Arapiraca, mas o verdadeiro apagão começou na semana passada, lá no Serra Dourada. Três rodadas atrás o Avaí estava no G4 com até gordurinhas extras. Era colesterol ruim? Puramordedeus!

Parabéns pela resposta dos jogadores do Avaí ao sacode do clássico: “SOMOS ISSO AÍ MESMO”. Uma vergonha de futebol contra o lanterna da série B. O título Estadual não veio e se o Avaí subir esse ano será por descuido dos deuses!

Devolvam a garra ao nosso Avaí

04 de novembro de 2013 116
Desastre como esse a gente não vê todo dia. Hora de levantar a cabeça e criar vergonha na cara.

Depois do desastre de ontem, é hora de levantar a cabeça e criar vergonha na cara.

Não é todo dia que o Avaí toma uma sapatada de 4×0 ainda no primeiro tempo. Também não é todo dia que aparece um descabeçado como Alex Lima para agredir o jogador do rival e deixar o time na mão com apenas 10 em campo.

Para fechar o cenário surrealista do clássico deste domingo, até os secadores sabem que não é todo dia que um craque do nível de Cleber Santana perde um pênalti que encorparia uma tentativa de reação. Que quizumba dos infernos!

Derrota de uma equipe que pela segunda vez consecutiva na semana entrou de maneira submissa, preguiçosa, desfocada, desarticulada e desconhecendo peso da camisa que envergam. Esse Avaí se nega a jogar como o Avaí que conhecemos.

O mundo ainda não acabou, mas já esteve menos nublado no Sul da Ilha de SC.

Avaí perde e o rival vai ter que pagar o pato

30 de outubro de 2013 68
Faixa especialmente confeccionada para o clássico. Arte sobre foto de @deividyavai

Faixa especialmente confeccionada para o clássico. Arte sobre foto de @deividyavai

Perder é chato, perder para um adversário mais fraco é muito chato, mas chato mesmo é conseguir esse “feito” por jogar de forma preguiçosa. O Avaí tomou o gol, conseguiu o empate e numa bobeira permitiu o segundo tento atleticano.

Continuamos no G4, só que agora sem aquela rica gordurinha extra no campeonato. Mas não tem nada não, estamos vivos! O coveiro Marquinhos não tomou amarelo e vai para o clássico de domingo para liderar mais um ato fúnebre na ilha.

Um Avaí estranho, mas que a gente não abandona

15 de outubro de 2013 59
Garra, determinação e eficiência tática. E não foi do Avaí. Imagem de alguém por aí.

Garra, determinação e eficiência tática. E não foi do Avaí – Imagem Google

Embora a derrota tenha sido, sim, mixuruca em termos de impacto para a nossa autoestima, é preciso registrar que foi a Chape que venceu o jogo, e não o Avaí que perdeu. Os colonos mostraram o porquê de estarem no G4 desde a primeira rodada, com uma equipe organizada e esganada pela série A de 2014.

Entretanto, foi uma pena que os meninos de Dal Pozzo não tenham encontrado um Avaí com sua melhor formação e ainda num dia tão distante de suas tradições de garra e superação. A ausência de Eduardo Costa criou uma cratera no time, que acabou presenteando o meio de campo para o adversário.

Mas à rigor ninguém do Leão da Ilha escapou da mediocridade nesse justo insucesso. Como bem resumiu o avaiano Rodrigo Silveira em seu Twitter, “a Chapecoense foi Chapecoense e o Avaí não foi o Avaí”. Ok, passou, e de positivo ficaram as mensagens incisivas dadas pelas bilheterias da Ressacada:

  • Uma boa campanha e ingressos razoáveis levam renda e público ao estádio;
  • A nação azurra está com a equipe no objetivo da conquista do acesso;
  • Se lutarem até o limite, jogadores e comissão técnica terão o apoio incondicional das arquibancadas (no sábado, apesar da derrota, aplausos).

O mundo não vai acabar por uma derrota mixuruca

13 de outubro de 2013 80
Calma lá, meus amigos. A jurupoca ainda está muito longe do brejo.

Calma lá que a “bovina” do Avaí ainda está muito longe do brejo. Imagem base VW

Muito confete, serpentina e lantejoulas da colonada do Oeste por essa vitória de 2×1 sobre o Avaí. Uma má jornada do Leão da Ilha que de forma alguma arranha a bela arrancada das últimas rodadas. Tudo o que poderia dar errado deu, mas num momento em que isso era, digamos assim, permitido. Continuamos no G4, agora na quarta posição com os mesmos 47 pontos, dois atrás do Sport.

Basicamente faltou garra, mas também houve lentidão na saída de bola da zaga, os laterais travaram na intermediária, Rodrigo Thiesen foi uma caricatura de volante e Anderson Uchoa até que se esforçou. Cleber e Marquinhos tiveram marcação individual e implacável e pouco produziram. Márcio Diogo e Luciano não conseguiram mudar o panorama da partida e Reis, sinceramente, larguei.

Perdemos para uma equipe organizada que jogou fechadinha e apostando nos contra-ataques. Derrota acidental para um público oficial de 17.108 socadas na Ressacada, com filas-monstro e trânsito caótico para chegar e sair. Pois é.

Pensa numa pedra cantada

09 de outubro de 2013 95
Avaí 1x0 Sport ... Salto para dentro do G4, agora na 3ª posição

Vitória do MAIOR DE SC que o faz saltar para dentro do G4, agora na 3ª posição.

Nada como um dia após o outro. Numa arrancada sensacional nas últimas rodadas, o Avaí escancara a sua síndrome de time de chegada. Vitória por 1×0 sobre a boa equipe do Sport, um excelente aperitivo para o jogo de sábado diante da Colonense. Quem é avaiano já está acostumado, quem não é deve estar todo c…