Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Matar um leão por jogo

01 de agosto de 2014 10

O Figueirense tem neste domingo um adversário muito qualificado pela frente , o Sport, que, diga-se de passagem, vem fazendo uma belíssima campanha no Campeonato Brasileiro desse ano. Os pernambucanos encontram-se neste momento na quinta posição na tabela de classificação, e, salvo melhor juízo, estão há cerca de quatro ou cinco jogos sem perder.

Depois da paulada levada para o Cruzeiro na semana passada, restou ao Figueirense, portanto, se recuperar no campeonato jogando dentro de casa. O problema, por incrível que pareça, é que até agora o MAIOR DO ESTADO ainda não venceu jogando em casa. Foram três partidas no Scarpelli e, por conseguinte, três derrotas. Quem briga para fugir da zona do rebaixamento, convenhamos, não pode de forma alguma perder pontos em seus próprios domínios.

Argel, o amigo do homem, provavelmente colocará em campo um time um pouco diferente daquele que perdeu para o Cruzeiro na última rodada: Luan e Nirley saem para a entrada de Leandro Silva e Thiago Heleno, respectivamente. O restante da equipe titular deve ser exatamente a mesma. A maioria dos reforços anunciados durante a Copa ao que parece não agradaram. Eu quero é novidade…

Enfim, Pastana caiu

30 de julho de 2014 35

10581022_740489709325479_1276627273_n

Não há como negar que o agora ex-gerente/diretor/superintendente de esportes, Rodrigo Pastana, sempre foi uma espécie de unanimidade no Figueirense. No início, todos gostavam do seu trabalho, afinal de contas a chegada dele acabou coincidindo com o crescimento de rendimento do time na Série B do ano passado. No meio do caminho, aos trancos e barrancos, veio o título do Estadual. Ao final dele, por outro lado, não havia uma pessoa sequer satisfeita com a forma como ele vinha exercendo suas funções.

Se quiser por à prova o caráter de um homem, dê-lhe poder. Essa frase resume bem a passagem do Pastana por aqui. As conquistas foram surgindo e sua ingerência não apenas no futebol, mas no clube como um todo, por conseguinte, aumentou. Pastana infelizmente confundiu alhos com bugalhos. Passou a se portar como uma espécie de “dono do clube”. Demitiu funcionários com vários anos de casa, confrontou publicamente membros da diretoria, e, pasmem, discutia frequentemente com torcedores pelas redes sociais. Isso, convenhamos, não é postura de um dirigente.

Mas o Pastana é o grande culpado da péssima fase que o time está passando? Claro que não! A saída dele afastará todos os problemas, mudará o ambiente interno, e fará com que o time saia da zona de rebaixamento? Não faço ideia. Futebol é um esporte totalmente imprevisível. Pode ser, inclusive, que as coisas piorem ainda mais. Vai saber?!

Como havia dito numa postagem anterior, não adianta contratar jogador, trocar treinador ou demitir diretor de futebol, se o clube é gerido na base da incompetência. O mal tem que ser cortado pela raiz. A saída desses “galhinhos” não fará a menor diferença. Acorda, Conselho Deliberativo!

Crônica de uma derrota anunciada

28 de julho de 2014 49

Todos sabiam que o Figueirense perderia do Cruzeiro. O que ninguém sabia, entretanto, era o placar do jogo. O “amigo do homem”, estudioso e pós-graduado do esquema “vamo vamo”, treinador de nível de times de Série C para baixo, Argel, conseguiu na sua reestreia a proeza de piorar os resultados obtidos pelo péssimo Guto Ferreira em sua curta passagem por aqui.

Tudo bem que o primeiro gol dos mineiros surgiu graças a um erro bisonho de arbitragem, pois nem aqui nem na China aquilo foi pênalti, porém nada justifica o resultado final da partida. Se o confronto terminasse por uma diferença de um gol, tudo bem, mas todo 5 a 0, como foi o caso, torna-se, por conseguinte, incontestável.

Um time que chega na 12ª rodada com um jogador improvisado na lateral-direta não pode estar sendo levado à sério por seus dirigentes. A crítica, em si, não é nem em cima do Luan, e sim no fato de um time de Série A atuar com um volante improvisado na lateral-direita há muito tempo, já que a diretoria não teve a capacidade de contratar um jogador de ofício naquela posição antes, durante e 15 dias após a parada da Copa.

Enquanto acreditarem que o problema são os jogadores nada vai mudar. O grande problema não treina, não usa chuteira, não entra em campo e não joga; perambula pelos bastidores e some, desaparece, fica incomunicável quando o time envergonha seus torcedores; o gênio da lâmpada que contratou o Argel para tentar dar um jeito nesse balaio de gato.

Rezar e ver no que vai dar

25 de julho de 2014 45
Foto: Ricardo Duarte/Agência RBS

Foto: Ricardo Duarte/Agência RBS

Não tinha jogo pior para o amigo do homem, Argel, reestrear no comando do Figueirense. A fase é tão ruim que até nisso acabamos nos dando mal. Bem que poderíamos ter pela frente um time mais fraquinho. SQN! O adversário é nada mais nada menos que o atual campeão, líder do Campeonato Brasileiro deste ano, e melhor time do país no momento: o Cruzeiro. Que mamata, heim?

No primeiro treino que comandou na tarde de ontem Argel colocou em campo uma formação um pouco diferente daquela que o teimoso Guto Ferreira (Até nunca mais, Guto! O problema, no entanto, é que eu falei o mesmo na saída do Argel e, dois anos depois, ele acabou voltando) erroneamente vinha mantendo. Na zaga, Marquinhos permaneceu entre os titulares no lugar de Thiago Heleno; e, no meio, Rivaldo e Marco Antônio entraram nos lugares de Dener e Léo Lisboa, respectivamente.

A receita para enfrentar o Cruzeiro neste sábado é “simples”: rezar, mas rezar bastante, e ver no que vai dar. Tecnicamente o time mineiro é muito superior ao nosso, até porque nenhum jogador do Figueirense seria titular no time deles. E isso não é demérito, mas apenas constatação.

Voltar de Belo Horizonte com uma derrota na bagagem será considerado por nós como algo normal; com o empate, talvez, um milagre; e com a vitória, vai saber, uma coisa de outro mundo. Como torcedor do Figueirense gostaria, evidentemente, de acreditar nessa coisa de outro mundo, porém a realidade infelizmente nos faz crer no pior cenário possível.

Que os últimos resquícios de bom futebol deixados pela seleção alemã no Mineirão na goleada que eles meteram para cima da seleção brasileira respinguem nos jogadores do Figueirense.

Isso não pode ser verdade

24 de julho de 2014 46

wilfredoargel Na calada da madrugada o Figueirense “aliviou” um pouco a agonia dos torcedores anunciando a queda do péssimo Guto Ferreira. Instantes depois, porém, o clube informou que o horroroso Argel, isso mesmo, Argel, acreditem se quiser, acabou sendo contratado para substituí-lo. Ou seja, trocaram nada por coisa nenhuma.

Eu gostaria de ter acordado e ao mesmo tempo acreditado que tudo isso não tivesse passado de um pesadelo, no entanto, para minha infelicidade e, certamente, da imensa nação alvinegra, tudo é bem real, muito real, extremamente real.

Contrato por ser amigo particular do presidente – todo mundo sabe que no Figueirense os interesses pessoais são muito maiores que os interesses do clube – até porque qualidade como treinador é algo que ele não tem, Argel chega para tentar tirar o time da lama na base do famoso vamo vamo, ou alguém em sã consciência acredita que o Argel tem noção do que seja um esquema tático ou uma jogada ensaiada?

É a segunda passagem dele por aqui. Na primeira, no Campeonato Brasileiro de 2012, em dez jogos no comando do time conseguiu um vitória, cinco empates e quatro derrotas. Belos números! Imagino o elenco recebendo aliviado a notícia da demissão do Guto e, por outro lado, totalmente incrédulo com a chegada do Argel.

Que beleza, heim?

PS: Argel fui punido pelo STJD com quatro jogos de suspensão por causa do abandono da Portuguesa naquela partida contra o Time da Cidade do Balé. Ao que parece ele cumpriu apenas um deles. Sendo assim, terá que cumprir o restante da punição no Figueirense. Vou te contar…

Deveria ter sido eliminado no tempo normal

23 de julho de 2014 34
Foto/Montagem: Luiz Henrique/F.F.C.

Foto/Montagem: Luiz Henrique/F.F.C.

A eliminação da Copa do Brasil para o Bragantino nos pênaltis na noite de ontem apenas prolongou o sofrimento dos torcedores alvinegros que acompanharam a partida, principalmente aqueles que estiveram presentes no Scarpelli. O Figueirense deveria ser eliminado no tempo normal, pois assim o conjunto da obra ficaria mais “bonito”.

Que jogo ruim! Que time ruim! Que treinador ruim! Que diretor de futebol ruim! Que presidente ruim! Que situação desagradável o MAIOR DO ESTADO passa no momento. Saco de pancadas na elite do futebol brasileiro, e eliminado na segunda fase da Copa do Brasil pelo Bragantino (penúltimo colocado da série B), de uma vez por todas não há buraco mais fundo para o Figueirense se esconder.

São 12:30 (horário da postagem), e o Guto Ferreira permanece no cargo de treinador. Além disso, o seu Rodrigo Pastana, que chamou o ex-vice-presidente de rato, da mesma forma continua firme e forte no seu cargo bem remunerado. E o presidente Wifredo, como de costume, demonstra mais uma vez total incapacidade de gerir todo o imbróglio em que o time, ou melhor, o clube se meteu. Tudo isso tem nome: INCOMPETÊNCIA!

Até quando essa zona vai durar? Não sei! O que eu sei, no entanto, é que o torcedor do Figueirense abandonou o barco de vez, tudo por culpa destes senhores da incompetência. Parabéns!

Derrota no momento errado

21 de julho de 2014 52

Esse negócio de vencer uma e perder outra vai acabar prejudicando, ou melhor, prejudica demasiadamente o andamento do time no decorrer da competição. Pensei que depois da vitória sobre o Coritiba, fora de casa, a rapaziada engataria uma sequência de bons resultados, afinal de contas a situação na tabela de classificação não é nada boa. Errei feio!

A derrota para o Grêmio foi um banho de água fria nos jogadores e, acima de tudo, nos torcedores alvinegros. Se o Figueirense tivesse vencido os gaúchos estaria no momento fora da zona de rebaixamento. Só que o “se” não entra em campo. Três resultados negativos em três partidas realizadas no Scarpelli é um cenário muito pior do que se imaginava.

Uma pergunta: será que os gênios da lâmpada esperarão muito para dar uma passagem só de ida para bem longe ao Guto Ferreira? A parada em função da Copa, ao que parece, não resolveu em nada os problemas do Figueirense. E a teimosia persiste…

Taca-le pau nesse greminho, Figueira!

18 de julho de 2014 55

Lá vem o Grêmio, descendo o Morro dos Cavalos para levar guampa do Figueira…

Mesmo contanto com o costumeiro reforço nas arquibancadas do Scarpelli de simpatizantes do Cri”ciúme” e do Chapecoense, tenho a impressão que o time gaúcho não será páreo para o MAIOR DO ESTADO no confronto deste sábado. A grande vitória do alvinegro na última rodada sobre o Coritiba, no Couto Pereira, reanimou as esperanças do time e, principalmente, dos torcedores.

No que diz respeito ao time, especificamente, tudo leva crer que a escalação do Figueirense para este jogo terá apenas uma alteração em relação à equipe que iniciou a partida contra o Coritiba, no caso, a entrada do Cereceda na lateral-esquerda – que ontem teve seu nome publicado no BID – no lugar do Lazaroni.

A diretoria, por outro lado, ao invés de chamar o torcedor alvinegro para comparecer em peso neste jogo não, eleva absurdamente o preço dos ingressos para 100 e 200 reais (descoberta e coberta, respectivamente) com o intuito claro de conseguir arrecadar mais com a presença dos visitantes. Novamente, como de costume, priorizaram os adversários ao invés dos torcedores do próprio time. Lamentável!

Se vencermos o Grêmio sairemos da zona de rebaixamento pela primeira vez no campeonato. Amém!

Vitória "padrão Fifa"

17 de julho de 2014 35

Primeiramente, gostaria de mandar um forte abraço aos secadores. Chorem! Não adiantou a secação, pois o MAIOR DO ESTADO acabou derrotando o Coritiba fora de casa. Vitória importantíssima e, diga-se de passagem, merecida, que certamente vai fazer o alvinegro embalar de uma vez por todas na competição.

Gostei da postura da equipe dentro de campo. Muito bem armada pelo Guto Ferreira. Me surpreendeu. Não há como negar que houve – pelo menos neste jogo, evidentemente – uma evolução acentuada do time em relação àquilo que eles apresentaram antes da parada da Copa. O meio-campo com a presença do Kléber é completamente diferente.

Agora é torcer para que a rapaziada apresente o mesmo futebol diante do próximo adversário, o Grêmio, time do coração da metade dos torcedores do Cri”ciúme” e do Chapecoense. Aqui a gauchada não terá vez. Pode anotar aí!

Feliz ano novo, de novo

15 de julho de 2014 26

Eu sei que vocês estavam com saudades… Acabou a Copa do Mundo, evento que, sem dúvida, superou todas as expectativas. Os torcedores do Jo”inveja” ficaram felizes, afinal de contas a seleção que eles torcem, no caso, a Alemanha, sagrou-se campeã. Já os hinchas do Cri”ciúme”, por outro lado, foram para suas casas tristes, uma vez que a seleção da Argentina, cujos cânticos em castelhano certamente serão copiados por seus adeptos, perdeu.

Nós, brasileiros, também não temos muito o que falar, ainda estamos de ressaca, pois nossa seleção deu uma de Time do Mangue e acabou saindo da Copa pela porta dos fundos. Uma vergonha! Sendo assim, terminado o Mundial, voltemos à nossa programação normal.

Nesta quarta-feira o MAIOR DO ESTADO enfrentará o Coritiba, no Couto Pereira, que se encontra na tabela de classificação numa situação bem parecida com a nossa. O time comandado pelo Guto Ferreira – sim, ele permaneceu no cargo – provavelmente entrará em campo com algumas alterações. Quais as mudanças? Não faço ideia.

Mas é importante ressaltar que não basta apenas novos nomes (contratações). A equipe como um todo tem que apresentar um futebol totalmente diferente daquele que mostrou nas primeiras nove rodadas, ou melhor, apresentar um futebol, algo que, por sinal, não existiu no Scarpelli antes da parada da Copa.

É ver para crer, e torcer para que o Figueirense comece de uma vez por todas o Campeonato Brasileiro.