Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Empatite em casa

18 de setembro de 2014 41

Eu falei que com o Bezerra o jogo seria difícil para o Figueirense… E não deu outra! Tivemos um pênalti para lá de duvidoso marcado contra nós (sétimo na competição), sem contar a velha mania “bezerriana” de travar o nosso time. Azar da diretoria do clube, que costuma permitir numa boa que um péssimo árbitro como esse ainda apite jogos do MAIOR DO ESTADO.

De qualquer forma, mesmo com todas as adversidades, considero o resultado ruim. Aliás, a partida foi muito fraca. Esperava mais do Figueirense, até porque, em relação ao time da cidade do carvão, ainda mais com Dal Pozzo no comando, não se imaginava outra coisa senão jogar na retranca. Time pequeno costuma atuar dessa forma.

Foi o quarto empate seguido no Scarpelli, e o terceiro jogo no segundo turno sem vitórias. Está na hora dos comandados do Argel se reencontrarem no campeonato. A atuação do time nas últimas três partidas foi bem abaixo do esperado.

Confronto local contra um dos times da "zona"

17 de setembro de 2014 53

… e não é que escolheram o Bezerra para o jogo da noite desta quarta-feira? Só pode ser brincadeira! Não é possível que a diretoria do Figueirense tenha permitido isso. O último jogo deste senhor no apito foi o confronto entre Corinthians e Fluminense, há pouco mais de duas semanas. Uma lástima! Cansou de errar. Foi considerada pelos especialistas uma das piores arbitragens do campeonato. E quem não lembra, também, daquele fatídico lance de impedimento do Paulo Baier, na partida contra o Metropolitano, no Catarinense desse ano? Quem era o “dono do apito”? Sim, o próprio!

O Figueirense perdeu as últimas cinco, repito, CINCO partidas com esse árbitro no comando. Mas o que me deixa transtornado é a passividade da diretoria do clube nestes casos. O árbitro do jogo contra o Bahia foi o mesmo que nos prejudicou naquela partida contra o Cruzeiro. Agora, diante do time da cidade do carvão, eis que surge o Bezerra, uma tremenda pedra no nosso sapato há muito tempo.

Sobre o confronto, especificamente, somos o favorito e ponto final. Temos um time muito, mas muito melhor que o deles, por isso não vejo nenhum problema em derrotá-los. Isso, claro, se a arbitragem não interferir no bom andamento do jogo. Clássico? Longe disso. Não temos rivalidade alguma com o time do supermercado. Se há da parte deles não é problema da gente. Nosso único rival é o leão banguela.

Espero que o alvinegro conquiste uma bela vitória para afundá-los ainda mais na zona de rebaixamento. Esses times de torcedores (hinchas) que cantam em castelhano não merecem disputar a elite do futebol brasileiro.

Deu tudo errado

15 de setembro de 2014 37

Deu tudo errado para nós lá na Bahia. Previa um jogo difícil, porém não imaginava que o MAIOR DO ESTADO faria uma péssima apresentação, daquelas para ser completamente esquecidas. Depois de oito jogos de invencibilidade fomos perder logo para o lanterna da competição. Um desastre!

Nossa zaga, ponto forte da equipe, cansou de falhar. A proteção de zaga com Paulo Roberto e Nem (até quando essa naba terá oportunidades de vestir o manto alvinegro?), deixou muito a desejar. O meio-campo foi inoperante, e o ataque produziu muito pouco. Resumidamente, ninguém foi bem.

Acho que o Argel se equivocou na escalação do time titular. No meu ponto de vista ele deveria ter entrado com apenas dois volantes, e não três, tanto que ainda no primeiro tempo ele meio que tentou corrigir seu “erro”. O problema é que já estava 2 a 0 para os baianos, e a equipe, diferentemente do que aconteceu na partida contra o Internacional, não se encontrava em campo.

Agora é se recuperar diante do Cri”ciúme”, quarta-feira, no Scarpelli. Perder pontos para um time que encontra-se na zona de rebaixamento é compreensível, acontece. Só não pode tropeçar novamente contra outro adversário que habita aquela região desconfortável, como é o caso do time da cidade do carvão.

Traz três pontos da Bahia, meu rei...

13 de setembro de 2014 27

Aviso-lhes de antemão que o Bahia será uma carne de pescoço. Talvez seja uma adversário tão difícil de enfrentar quanto foi São Paulo, Internacional e Fluminense. O fato dos baianos ocuparem a lanterna da competição não quer dizer absolutamente nada. Por outro lado, é bem verdade, também, que há seis jogos eles não vencem ninguém (passará para sete jogos), o que acaba, de certa forma, aumentando a pressão para cima dos jogadores e da comissão técnica. Passamos por situação semelhante antes da chegada do “mestre” Argel.

Por falar em Argel, o comandante alvinegro mais uma vez terá que montar um pequeno quebra-cabeças, pois neste confronto ele não poderá contar com Leandro Silva e Marco Antônio, suspensos. Na vaga de Leandro Silva entra Willian Cordeiro, mas para o lugar de Marco Antônio ainda não há certeza do substituto. Os prováveis são Nem (espero que não) ou Léo Lisboa que, diga-se de passagem, há muito tempo não aparece no time. Jefferson corre por fora. Eu colocaria o Léo Lisboa.

Em contrapartida, Volpi e Cereceda retornam ao time após cumprirem suspensão na última rodada. Dois retornos consideráveis, principalmente no que diz respeito ao goleiro do MAIOR DO ESTADO. Importante salientar que Luan não foi mal contra o Fluminense, não teve culpa alguma no gol dos cariocas. Por ter sido a primeira partida no time profissional até que foi bem, mas no momento Volpi está muito acima dele, passa por uma excelente fase, que o coloca, sem dúvida, entre os cinco melhores goleiros do Brasileirão.

A diretoria, como de costume, deu mole mais uma vez. Digo isso, pois o árbitro deste confronto será o mesmo que nos prejudicou naquela partida contra o Cruzeiro. Tudo bem que o resultado final acabou sendo inquestionável, mas é importante lembrar que tudo começou graças a um pênalti escandaloso que ele inventou a favor do time mineiro no final da primeira etapa. Como no futebol tudo pode acontecer…

Por fim, cumpre ressaltar que esse jogo não será na Fonte Nova, e sim no estádio Joia da Princesa, em Feira de Santana. Uma pena, pois o Figueirense vinha matando todos os mandantes nos estádios da Copa do Mundo. Na Fonte Nova certamente não seria diferente.

 

Empate amargo

11 de setembro de 2014 20

Obviamente que uma vitória para cima do Fluminense seria o resultado ideal para nós, principalmente porque ela esteve no nosso colo durante a maior parte do tempo, de todo modo, no final das contas o empate acabou sendo satisfatório em razão das circunstâncias da partida. Foi, sem dúvida, o jogo mais difícil que tivemos nas últimas rodadas.

O Figueirense, tanto quanto o adversário, estava bem desfalcado, mesmo assim acho que o time enfrentou de igual para igual os cariocas. Vencia a partida até os 40 minutos do segundo tempo, até que o Cícero, ex-jogador do alvinegro, em posição irregular, diga-se de passagem, acabou empatando. Se eram milímetros ou centímetros, não importa. Cícero estava impedido e ponto final. Fomos prejudicados pela arbitragem.

Teremos uma sequência, digamos, mais “tranquila” nas próximas três rodadas; Bahia, Cri”ciúme” e Santos não estão passando por um bom momento no campeonato. Temos que levar em consideração, também, o fato de termos enfrentado nada mais nada menos que São Paulo, Inter e Fluminense, conquistando cinco pontos contra três dos líderes da competição, ou seja, algo além das expectativas.

O time está no caminho certo. Representa com dignidade o estado de Santa Catarina, ainda mais porque as outras duas equipes locais envergonham a todos com suas campanhas pífias. Não precisamos e, acima de tudo, tenho certeza que não precisaremos de ajuda de ninguém. Tem um time aí, dos hinchas cópias dos hinchas do Grêmio, que só não é o lanterna graças à “ajudinha” do STJD. Ricos de araque…

Jogo para quebrar tabus

10 de setembro de 2014 27

A vitória sobre o Internacional na última rodada foi estupenda, histórica, inesquecível, porém infelizmente acabou deixando alguns problemas para o “mestre” Argel, que terá que se virar nos trinta para armar a equipe na partida desta quarta-feira contra o Fluminense. Volpi, Cereceda e Marcão são desfalques certos. Everaldo, o artilheiro da equipe na competição, entra na vaga de Marcão. Os substitutos de Volpi e Cereceda, no entanto, ao que tudo indica ainda não foram definidos pelo comandante alvinegro. Mistério…

O Fluminense também vem desfalcado. O zagueiro Henrique, e os atacantes Walter e Fred não jogam. Vantagem para nós? Não sei. O elenco deles é muito forte. As peças de reposição são do mesmo nível dos titulares. Ter um patrocinador bom samaritano que banca a maioria das contratações do time é desproporcional. A mesma situação acontece em nosso estado, especificamente na cidade do carvão. A diferença é que lá no Sul eles adoram contratar refugos que há várias temporadas não jogam nada.

Sobre o confronto, especificamente, faz muito tempo que o MAIOR DO ESTADO não vence o tricolor carioca no Scarpelli. Se eu não me engano a última vitória ocorreu no Campeonato Brasileiro de 2006. Lá se vão oito anos sem vencê-los em nossa própria casa. Esse tabu tem que ser quebrado amanhã. Do outro lado há uma equipe muito forte, é verdade, só que o momento pelo qual nós estamos passando na competição é tão bom quanto o deles. Não temos o que temer.

FIGUEIRENSE DE MUNIQUE

08 de setembro de 2014 53

Bom, antes de mais nada, gostaria que os secadores viessem aqui, no blog do MAIOR DO ESTADO, deixar seus comentários a respeito do jogo de ontem contra o Internacional. Curvem-se, seus insignificantes!

Uma coisa é conquistar um resultado positivo na casa do adversário, outra é conquistar um resultado épico e histórico diante de um dos melhores times do país. Vencer e, ainda por cima, vencer de virada, contra todos os prognósticos, é algo que somente um time como o Figueirense pode conquistar.

Não tenho mais o que dizer. Ajoelhem-se para a ÚNICA equipe do futebol catarinense na elite do futebol brasileiro, o time que melhor representa o estado na maior competição do país. Falem, mas falem mais alto que daqui de cima eu não escuto. Ralé!

O negócio é criar uma crise no Beira-Rio

05 de setembro de 2014 19

Parece contraditório, mas não é. O Internacional, mesmo ocupando a vice-liderança do Campeonato Brasileiro, não passa por um bom momento.  Uma sequência de eliminações na Copa do Brasil e na Copa Sul Americana, como certa irregularidade nas últimas rodadas do Brasileirão aumentaram, sem dúvida, a responsabilidade do time gaúcho no confronto contra o MAIOR DO ESTADO neste domingo.

Sorte do Figueirense! Muito melhor enfrentar o Inter numa crise do que em alta. O elenco deles é muito bom, um dos mais fortes da competição, no entanto o clima no Beira-Rio não é nada bom. E tudo isso, evidentemente, pesa a nosso favor, pois o alvinegro conhece muito bem as formas para cometer um “crime” na casa deles.

A princípio não há problemas no diz respeito à escalação do time. Todos os jogadores que vêm atuando como titulares estão à disposição do “mestre” Argel. Existe, no entanto, apenas uma dúvida na cabeça do comandante alvinegro na vaga outrora ocupada pelo Luan, que se lesionou e está fora do restante do campeonato. Quem ele escolherá entre Paulo Roberto ou Dener? Thiago Heleno tem condições de jogo, Rivaldo retorna… Ou seja, teremos força máxima contra a gauchada.

… que São Tiago Volpi esteja mais uma vez iluminado neste confronto.

Outra pedreira

03 de setembro de 2014 30
Foto: Ricardo Duarte/Agência RBS

Foto: Ricardo Duarte/Agência RBS

No próximo domingo o Figueirense, disparadamente o melhor time de Santa Catarina, enfrentará o Internacional, lá em Porto Alegre, ou seja, mais uma pedreira pela frente. Depois do empate diante do São Paulo, no Scarpelli, chegou a hora do alvinegro beliscar pelo menos um pontinho fora de casa. Uma vitória, evidentemente, seria ainda melhor.

E uma vitória no Beira-Rio não é nenhuma anormalidade, até porque o MAIOR DO ESTADO já se acostumou em conquistar vitórias na casa deste adversário. O último confronto, por exemplo, lá no nos Pampas, mais precisamente no Campeonato Brasileiro de 2012, acabamos derrotando eles. Lembrando, diga-se de passagem, que a situação do nosso time na época era muito pior do que a atual.

Apesar do resultado positivo diante do Palmeiras, lá no Pacaembu, na última rodada; no Beira-Rio, por outro lado, o Inter não conseguiu vencer nas últimas partidas, tanto no Brasileirão, na Copa do Brasil e, também, na Sul Americana. Espero, portanto, que os tropeços continuem diante do alvinegro.

Faltou pouco

01 de setembro de 2014 37

Cerca de 15/20 minutos separaram o Figueirense de uma vitória na tarde deste domingo. A lambança do Paulo Roberto “tirou” os três pontos do alvinegro. Que jogo! Que apresentação fantástica do MAIOR DO ESTADO diante de um dos melhores times do país. Os mais de 16 mil torcedores presentes no Scarpelli votaram para suas casas satisfeitos com o que viram.

Temos plena certeza que no momento o Figueirense pode enfrentar de igual para igual qualquer equipe do Campeonato Brasileiro. Ontem, por exemplo, por pouco, mas por pouco mesmo não conquistamos os três pontos. Se o Paulo Roberto não tivesse cometido aquele pênalti infantil teríamos tudo para vencer o tricolor paulista.

Parabéns aos jogadores, à comissão técnica e aos torcedores presentes no Scarpelli, pois agora o clima é totalmente diferente. Há seis ou sete rodadas ninguém, absolutamente ninguém acreditava numa recuperação da equipe na competição, inclusive este que vos escreve. O futebol a cada dia torna-se cada vez mais surpreendente.

Mas tudo mudou da água para o vinho. Os secadores dos outros times catarinenses na Série A, que antes riam da gente por causa de nossa situação, agora penam merecidamente na parte de baixo da tabela, principalmente o time daqueles pobres metidos a ricos da cidade do carvão. Bem feito!