Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

O São Paulo está longe de ser um bicho papão

27 de agosto de 2014 22

E daí que do outro lado mediremos forças com o todo poderoso São Paulo, de Muricy, Rogério Ceni, Kaká, Alan Kardec e cia ltda? A preocupação do adversário deste domingo não pode ser menor do que a nossa, até porque o MAIOR DO ESTADO, bem como eles, passa por uma excelente fase na competição.

Claro que, teoricamente, o São Paulo é o favorito, pois tem um time, ou melhor, um elenco bem mais qualificado que o nosso, mas futebol é momento, e o momento também nos favorece. Jogo de igual para igual, com a vantagem de jogarmos em casa, certamente diante de um público que comparecerá em peso ao Scarpelli.

O tricolor paulista vem sem dois dos seus melhores jogadores: Ganso e Pato. O lateral uruguaio, Álvaro Pereira, também não joga. Os três estão suspensos. Do lado alvinegro, Luan (lesionado) e Rivaldo (suspenso) não estarão em campo. É bem provável que Léo Lisboa (fora do time nas últimas três rodadas) esteja à disposição de Argel para este confronto.

É, São Paulo, vem pianinho, pois o Figueirense já deixou há muitas rodadas de ser aquela baba que ninguém tinha medo de enfrentar. Os tempos são outros. Tudo conspira a nosso favor.

Melhor time de SC na série A

25 de agosto de 2014 61

O Figueirense é a melhor equipe de Santa Catarina na Série A do Campeonato Brasileiro. Fato! Os comandados do “meste” Argel não tomaram conhecimento do Vitória, lá em Salvador, e trouxeram mais três pontos na bagagem. Ninguém segura o Furacão!

Resultado importantíssimo, justo e merecido. O Vitória até teve uma chance de empatar o jogo, numa penalidade absurda marcada pelo dono do apito, porém, como diz o velho ditado futebolístico: pênalti mal marcado não entra. E não entrou! Desculpa aí bando de secadores, mas os times de vocês estão ficando cada vez mais distantes do nosso retrovisor.

Encerro meu comentário mandando um abraço sincero aos hinchas do Cri”ciúme”, que certamente vão passar a semana inteira curtindo e cantando em castelhano a entrada do seu time na zona de rebaixamento. Está no lugar certo. E mais uma coisa: falem bem alto, muito alto, pois daqui de cima eu não escuto.

Deixa passar tudo, Wilson

22 de agosto de 2014 21
Foto: Guto Kuerten/Agencia RBS

Foto: Guto Kuerten/Agencia RBS

Um dos maiores jogadores da história do clube, goleiro que mais vezes vestiu o uniforme do alvinegro, ídolo incontestável de 10 a cada 10 torcedores, Wilson enfrentará pela primeira vez a agremiação que lhe deu reconhecimento no cenário nacional. Vai ser difícil ver um jogador como esse, que tantas alegrias nos trouxe, enfrentando um time onde foi titular por seis temporadas consecutivas. Esse é apenas um exemplo de tantas outras coisas que às vezes o futebol infelizmente nos proporciona.

No entanto, contudo, todavia, entretanto, como o Figueirense está acima de tudo e de todos, desta vez teremos que torcer para que o grande Wilson sofra alguns gols do nosso time e, com isso, saia de campo derrotado. Uma vitória para cima do Vitória seria a cereja no bolo que está faltando para o MAIOR DO ESTADO, a coroação de uma recuperação surpreendente.

Agora, dependendo das circunstâncias do jogo, se porventura o time não repetir as boas atuações que vem tendo, um empate também não seria tão ruim, até porque, desta forma, o Vitória, que é um dos nossos adversários diretos na competição, permaneceria dois pontos atrás da gente. O importante no final das contas é voltar da Bahia com pelo menos um ponto na bagagem.

Portanto, Wilson, volte a ser “jogador” do Figueirense neste domingo. Farás um enorme favor ao time que tanto amas. Beleza?

Xô, zona!

21 de agosto de 2014 37

Primeiramente, antes de mais nada, gostaria de mandar um abraço aos sofredores da cidade do carvão. Falaram, falaram, falaram, como de costume, e, mesmo com dois jogos a menos em casa, o MAIOR DO ESTADO encontra-se neste momento na frente do timinho de vocês na tabela de classificação. Passou e daqui para frente abrirá uma larga vantagem. Podem anotar!

No jogo de ontem, contra o Botafogo, nosso Figueirense fez o dever de casa. Jogou como gostaríamos que jogasse desde o início do campeonato. Pena que a recuperação demorou um pouquinho para acontecer. Não fez uma partida brilhante, é verdade, mas conseguiu ser bem superior ao adversário. Mereceu a vitória sem sombra de dúvida. Três pontos importantíssimos que nos coloca numa posição um pouco menos desconfortável.

Claro, a temível zona de rebaixamento ainda está bem próxima, porém não há como negar que o Figueirense é um time totalmente diferente daquele que ninguém apostava nada. Hoje a postura é outra, a atitude os jogadores é exemplar, tanto que a confiança dos torcedores aumentou consideravelmente. Para arrancar pontos do alvinegro os adversários terão que suar muito, como foi o caso do Atlético/MG.

Na próxima rodada pegamos o Vitória, lá no Barradão… Eeee joguinho bom para cometer um “crime” e voltar de lá com uma vitória na bagagem, heim?

Bota fogo no adversário

20 de agosto de 2014 12

O Botafogo passa por uma crise desgraçada tanto dentro quanto fora de campo. Trata-se de uma especie de leão banguela do Rio de Janeiro. Na última rodada, no entanto, os caras conseguiram surpreendentemente vencer o clássico contra o Fluminense, um dos times mais fortes da competição.

Já o Figueirense vem de um empate diante do Atlético/MG, que a princípio seria ruim pelo fato de ter jogado em casa. Só que pelas circunstâncias do jogo acabou sendo um grande resultado. Os comandados do Argel estão há três partidas sem perder. É, sem dúvida, o melhor momento da equipe na competição.

Para o confronto dessa noite, especificamente, o MAIOR DO ESTADO terá três novidades no time titular: Nirley no lugar de Thiago Heleno (suspenso); Giovanni Augusto na vaga de Léo Lisboa (se recuperando ainda de um problema médico); e Clayton no lugar de Jean Carlos (opção técnica).

Bota fogo neste jogo e, evidentemente, vence! Beleza, Figueirense?

Empate com sabor de vitória

18 de agosto de 2014 33

Antes de mais nada, cumpre ressaltar que encontrar-se no momento na zona de rebaixamento não quer dizer absolutamente nada, até porque, se o time continuar jogando dessa forma daqui para frente, o Figueirense sai antes mesmo que todos imaginam de lá. A situação já foi muito pior. Hoje pelo menos a esperança é bem maior.

A distância para o 12º colocado, por exemplo, é de apenas dois pontos, ou seja, uma vitória na próxima rodada sobre o Botafogo, no Scarpelli, dependendo, claro, de uma combinação de resultados favoráveis nos outros jogos, pode fazer com que o MAIOR DO ESTADO consiga dar um salto importante na tabela de classificação.

No que diz respeito à partida de ontem, contra o Atlético/MG, foi realmente uma pena o alvinegro não ter saído de campo com uma vitória. Jogamos muita bola contra uma das equipes mais fortes do país. De todo modo, no final das contas o resultado acabou sendo justo para os dois times.

A “turma” da arbitragem foi muito mal, principalmente o dono do apito. O cidadão não estava numa tarde/noite muito feliz, ou simplesmente é ruim mesmo. Isso é preocupante, pois o Figueirense foi muito prejudicado no jogo de ontem. Aliás, algum árbitro catarinense apitou o vem apitando os jogos dos times que estão na zona de rebaixamento? Não! Portanto, está na hora da diretoria abrir o olho.

Receita desse final de semana: galo ensopado

16 de agosto de 2014 22

Dizer que o jogo contra o Atlético/MG será complicado é chover no molhado, principalmente porque não existe jogo fácil na elite do futebol brasileiro. A não ser, claro, que os embates sejam contra Cri”ciúme” ou Chapecoense, por exemplo. Aí, sim, as dificuldades diminuem consideravelmente.

Diferentemente do que vinha acontecendo nas partidas anteriores, desta vez o Figueirense entrará em campo numa situação, digamos, mais agradável. Vindo de duas vitórias consecutivas, com atuações convincentes e bem superiores em relação aos adversários, o time dos comandados do Argel tem tudo para vencer neste domingo e, consequentemente, manter uma boa sequência de resultados positivos na competição.

Não há desfalques para este confronto, porém são grandes as chances do comandante alvinegro providenciar a entrada de Marcão na vaga ocupada por Jean Carlos. Marcão, para quem não sabe, foi contratado a pedido do Argel. Saiu dos seus pés a jogada que proporcionou o lance que resultou no escanteio e, posteriormente, o gol da vitória sobre o Chapecoense.

Tentar ao máximo manter o mesmo time é essencial e primordial daqui para frente, já que é nítida a evolução da equipe. Os números são extremamente convincentes: dois jogos, duas vitórias, quatro gols marcados e nenhum gol sofrido. Quanto menos mexer, melhor. O que dá ritmo e entrosamento é jogo, e tudo fica ainda mais fácil quando a fase é boa, como é o caso.

 

A dinâmica da dinâmica

15 de agosto de 2014 24

O Passional do time do mangue, numa tentativa desesperada de tirar seu blog do ostracismo, já que há muito tempo ninguém dá as caras por lá (sinceramente nem sabia que ainda existia), resolveu citar o Figueirense. Estratégia de certa forma correta para levantar a audiência. Garoto esperto.

Disse, o “poeta”, que há duas semanas ninguém gostava do Argel, mas que hoje, por causa de duas vitórias seguidas, todos passaram a idolatrar o amigo do presidente do Figueirense. E é isso mesmo. Ele tem toda razão. Só que o nosso querido Passional do time azul calcinha infelizmente esqueceu de mencionar uma coisa: há duas semanas o leão banguela encontrava-se na Série B e, exatamente duas semanas depois, o time dele continua firme e forte na mesmíssima Série B.

O cidadão torce para um amontoado de refugos cujos atacantes ficaram 713 minutos, aproximadamente 12 horas, cerca de 8 jogos sem marcar um mísero golzinho sequer e, mesmo assim, teve a coragem de dizer que, em breve, provavelmente iludido por causa de uma vitória no sufoco sobre o mentiroso América/MG, em plena Penhorada lotada de cadeiras vazias, estará disputando o título da Série B juntamente com o Vasco. HAHAHAHAHAHAHAHAHAHA!!!

Vou ali me jogar da ponte; não consigo parar de rir. Até mais!

Pés no chão

13 de agosto de 2014 21

Os secadores estão em polvorosa com a vitória do MAIOR DO ESTADO. Os coitados ficaram transtornados. Dá pena dessa gente sofrida…

O Figueirense venceu os dois últimos compromissos no Campeonato Brasileiro e, com todo respeito aos adversários, não fez mais do que a sua obrigação. No Scarpelli, contra o Sport, tinha necessariamente que vencer; no Oeste do estado, diante do Chapecoense, conquistar a vitória fazia parte dos planos para sair de uma vez por todas da zona do rebaixamento, popularmente conhecida como zona avaiana.

Argel, quem diria, deu uma nova cara ao time do Figueirense. Nunca imaginei que tão cedo, ou melhor, um dia falaria uma coisa dessas. Dou a mão à palmatória. Não há como fugir da realidade. Com os mesmos jogadores, ou seja, o mesmo elenco, o treinador amigo do presidente ao que parece conseguiu achar um jeito de fazer esse time jogar, algo que, sabe-se lá porque, não aconteceu em nenhum momento durante a desastrosa passagem do Guto Ferreira por aqui.

Mas Argel não é o único “culpado” do crescimento do rendimento da equipe. É importante lembrar, diga-se de passagem, que as vitórias para cima de Sport e Chapecoense surgiram exatamente, vejam só, após a conturba saída do ex-gerente/supervisor/diretor de futebol Rodrigo Pastana. Não acredito em coincidências. Talvez realmente estivesse ali o grande problema do Figueirense. A sua relação com o elenco não era nada boa.

De todo modo, pés no chão! Esse negócio de subir no salto antes da hora é com o pessoal da cidade do balé (vide o que aconteceu antes da partida final do Campeonato Catarinense deste ano). Foram duas vitórias consideráveis, porém o objetivo ainda está muito longe de ser alcançado. Para isso a equipe como um todo precisa se firmar ainda mais na competição. A recuperação começou bem, muito bem, diga-se de passagem, só que ainda há muito chão pela frente.

Chamem a Funai

10 de agosto de 2014 81

16780323

Repito o que eu falei numa postagem anterior: o que é o Chapecoense ao lado do Figueirense? Nada, absolutamente nada! O segundo time do coração dos torcedores da dupla GreNal sucumbiu diante do MAIOR DO ESTADO que, diga-se de passagem, mereceu do primeiro ao último minuto a vitória.

Vitória, aliás, na raça, na garra, na superação, dominando o adversário, do jeito que nós, torcedores alvinegros, estamos acostumados. Foi assim na Série B do ano passado, e certamente será dessa forma até a última rodada do Campeonato Brasileiro desse ano. Adeus, zona do rebaixamento! Esse lugar incomodo não nos pertence.

Nobres gaudérios do Oeste, vocês deveriam ter ficado em suas casas, comemorando a vitória do Inter e/ou lamentando a derrota do Grêmio. Foram ao Índio Condá e acabaram levando uma flechada bem dada. Eu avisei…

Aí secadores, não adianta fazer trabalho contra, pois o Figueirense é muito, mas muito maior que vocês. Espero que não sumam novamente. Ademais, chorem!