Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Ex-viciado em crack supera vício e passa em concurso público

01 de agosto de 2014 6

Após viver 10 anos no mundo das drogas e ir parar nas ruas de Goiânia, o auxiliar de serviços gerais Eduardo Matos, 30 anos, é exemplo de superação. Além de se livrar dos vícios, ele passou em um concurso público, se casou e agora quer entrar na universidade: “Sonho em ser psicólogo”.

A mudança de vida de Eduardo começou no lugar onde passam, diariamente, dezenas de sem-teto e moradores de rua: a Casa de Acolhida, um albergue mantido pela prefeitura de Goiânia. Em cinco meses como albergado, trocou a rotina de usuário de drogas por grupos de recuperação para dependentes químicos. Hoje trabalha no local que o acolheu como auxiliar de serviços gerais. “Quero me desenvolver mais, até mesmo para ajudar outras pessoas”, explica.

Usuário de drogas há muitos anos, Eduardo conta que deixou a casa da mãe, em meados de 2011, em Inhumas, na Região Metropolitana de Goiânia, e saiu vagando por cidades do interior de Goiás até chegar à capital. Ele deu entrada na Casa de Acolhida em novembro do mesmo ano, sem dinheiro, sem casa, vários quilos mais magro e dependente químico. “Eu usava tudo. Comecei com maconha, depois fui para a cocaína e o crack. Estava mesmo no fundo do poço”, recorda.

“Eu estava muito debilitado. Ou mudava de vida ou ia para a rua”, conta. Decidido a ter uma vida diferente, Eduardo começou a frequentar um grupo de ajuda a dependentes químicos e pensou em se internar. Mas em vez de passar nove meses em uma fazenda de recuperação de drogados, preferiu se matricular no programa de Educação de Jovens e Adultos (EJA). Em um ano, conseguiu terminar o 2º grau.

Paralelamente às aulas no EJA, o auxiliar de serviços gerais começou, por conta a própria, a estudar para o concurso de educador social da prefeitura de Goiânia . Ele foi aprovado e aguarda ser chamado. Enquanto isso, trabalha meio período, faz curso de técnico em eletrotécnica no Senai e divide o restante do tempo entre os estudos e a atenção à esposa.

Fonte: g1

eduardo2

Bookmark and Share

Comentários (6)

  • Scheila Amado diz: 1 de agosto de 2014

    Parabéns Otavio Auler, é deste tipo de reportagem e exemplo que o nosso mundo carece, mostrar que a educação oportuniza a mudança de fato na vida das pessoas. Que todos aqueles que estão marginalizados pelo nosso sistema possam ter uma nova chance, assim como o Eduardo teve. Parabéns!

  • Fernanda Da Silva diz: 1 de agosto de 2014

    Merece ser comentado e reconhecido por todos,q sirva exemplo.E q sociedade se oportunidade para todos q queiram sair dessa vida terrivel.

  • Observer diz: 2 de agosto de 2014

    Scheila só discordo de uma coisa em seu comentário, a de estão nessa situação por serem marginalizados pelo sistema. Acho que há muitas oportunidades e muitas instituições envolvidas na esperança de recuperar viciados. Neste caso, felizmente a mudança ocorreu porque ele quis isso. Há muito viciados que infelizmente não se recuperam, por mais que os ajudem. A pessoa tem que querer pro tratamento dar certo, é o que os especialistas sempre dizem. Que ele seja o empurrão que falta para muitos outros mudarem suas vidas!

  • franci diz: 2 de agosto de 2014

    Parabéns é mesmo esse tipo de reportagem que precisamos,para mostrar para outras pessoas que é possível mesmo em meio a dificuldades vencer e ser feliz. Deus abençoe vc e sua família Eduardo…

Envie seu Comentário