Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Educação contra a pobreza e o preconceito: Josefina uma história de superação

15 de agosto de 2014 0

Tenham um um ótimo final de semana, e se inspirem com esta matéria!

A voz impositiva e carregada de sotaque maranhense da advogada Josefina dos Santos, 50 anos, preenche os 50 metros quadrados do escritório de advocacia que ela mantém no primeiro andar de um prédio no Setor Comercial Sul, no centro de Brasília. Apesar se dirigir a duas clientes — empregadas domésticas que reclamam por terem sido enganadas pela ex-patroa —, Josefina soa mais como uma mãe que ralha com as filhas do que como advogada. “Para não acontecer de novo o que é que tem fazer? Tem de parar de ver novela na tevê, sentar a bunda na cadeira e estudar para mudar de vida. Tem que parar de botar filho no mundo, se instruir e se informar”, aconselha.

Ela sabe do que está falando. Antes de chegar à advocacia, Josefina precisou lutar contra a pobreza e o preconceito por ser negra. E começou a trabalhar como doméstica em uma casa de família em São Luís. Tinha então 6 anos. “Eu sou do interior, e, para gente como eu, o sonho era ir para a capital ser empregada e mudar de vida. Se eu quisesse estudar, tinha de trabalhar”, conta. Ela passou também pelo Rio de Janeiro antes de desembarcar em Brasília, acompanhando uma família para quem prestava serviços domésticos. Apesar da rotina exaustiva, nunca deixou de se dedicar aos estudos. Já na capital federal, foi secretária de um consultório dentário e batalhou para conseguir pagar a faculdade de direito.

“Tive de lidar desde cedo com as piores expectativas que as pessoas sempre tiveram sobre mim. Ninguém apostava que eu chegaria aonde cheguei. Mas nunca desisti”, afirma. Hoje, Josefina é advogada dos ex-patrões. Reconhecida por lutar pelos direitos das minorias, já foi conselheira da seccional de Brasília da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e, entre 2011 e 2012, tomou a frente da Secretaria Especial de Promoção da Igualdade Racial do DF. “Quem me subestima não me conhece. E eu estou aqui para provar que quem corre atrás do sonho pode chegar longe.”

Fonte: Correio Braziliense
20130729112906905338a

Bookmark and Share

Envie seu Comentário