Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Posts na categoria "Ensino técnico"

Conheça a história do aluno de escola pública que acertou 95% do ENEM

10 de outubro de 2015 0

Aluno de escola pública de Fortaleza acerta 95% do Enem

Uma história de superação e de esforço pessoal de um garoto comprometido a mudar o próprio destino. É dessa forma que pode ser resumida a trajetória do estudante cearense João Vitor Claudiano dos Santos, de 16 anos. Aluno da Escola Estadual Governador Adauto Bezerra, de Fortaleza (CE), João acertou 172 das 180 questões do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), o equivalente a 95% do total da prova. Como comparativo, o menino ultrapassou os 164 acertos da estudante mineira Mariana Drummond, que conquistou o primeiro lugar no Enem em 2013.

Filho da diarista Ana Maria dos Santos, que não sabe ler ou escrever, João e os irmãos sempre valorizaram a oportunidade de estudar: “Ele dormia, em média, quatro horas por dia, passava os finais de semana estudando e quase não assistia televisão. Eu não tive a oportunidade que eles tiveram, mas tentei passar o valor da educação para os meus filhos”, destacou a mãe do estudante em entrevista ao Brasilidade, o Tumblr do Palácio do Planalto.

De acordo com João Vitor, um dos fatores que mais o motivou a estudar foi a ampliação do acesso às universidades públicas no Brasil nos últimos anos por meio do Sistema de Seleção Unificada (Sisu) e da popularização do Enem.

“Eu e meu irmão, o Gerson, a gente estuda muito. Então, desde 2010, a gente viu, com o sucesso do Enem e do Sisu, que as universidades públicas tinham aberto suas portas. Eu e o Gerson enxergamos nessa oportunidade a chance de conseguirmos vencer na vida e de mudar a realidade da nossa família, que é toda do interior e que não tem ninguém que tenha conseguido chegar à universidade”, afirmou. Para alcançar esse objetivo, João Vitor se valeu de sua paixão pela leitura para superar uma das maiores dificuldades atribuídas ao Enem: a extensão dos textos e o tamanho da prova. “O que tem de cansativo no Enem são os textos grandes. Então, minha estratégia foi me adaptar à leitura, ler livros grandes, alguns com linguagem rebuscada”, conta o estudante que começou lendo integralmente os livros didáticos distribuídos gratuitamente pelas escolas públicas. Ele lembra que, a partir do oitavo ano, passou a se interessar também pelos livros clássicos por influências do avô e da mãe:

“Quando eu tinha uns 12 anos, meu avô me deu o livro ‘Caçador de Pipas’ que é um romance extraordinário, daí eu comecei a ver que a leitura não era só fórmula, não era só química, não era só matemática. A minha mãe – que não sabe ler – não deixou que eu esquecesse os clássicos. Quando eu comecei a ler, eu não parei mais. Até hoje eu leio em torno de 80, 90 livros por ano,” contabiliza.

Dificuldades No entanto, o reconhecimento recente conquistado por seu resultado no Enem não deixa que João Vitor se esqueça das dificuldades que enfrentou durante sua trajetória escolar. Para o estudante, alcançar bons resultados na escola foi a estratégia que adotou para enfrentar o bullying que sempre sofreu em razão do cabelo, da altura e da magreza. Outro episódio que o marcou profundamente foi o fato de não poder ir ao colégio porque seu único tênis havia furado: “Como eu sempre andei bastante para chegar à escola, meu tênis acabou furando. Foi quando eu resolvi não ir ao colégio. As pessoas já me discriminavam antes disso, se eu fosse de chinelo elas iam se distanciar ainda mais, me ‘olhar torto’. Isso me machucava e ainda machuca muito”, afirma. Ao perceber a situação do adolescente, a mãe de João acabou conseguindo comprar um outro calçado para o filho. Essa foi a única vez que o garoto faltou à escola na vida.

Carreira Apaixonado pela área das ciências exatas e da natureza, João Vitor pretende realizar o sonho de infância de se tornar cientista. Para isso, o estudante planeja cursar a faculdade de Ciências Biológicas em uma importante universidade pública do País e se especializar na área de Biologia Molecular. Ele ainda tem o sonho de participar do Programa Ciência sem Fronteiras do Governo Federal e estudar na Inglaterra ou na Alemanha, segundo ele, os dois países com as pesquisas mais avançadas na área de Biologia Molecular no mundo.

Apoio Escolar Além do sucesso de João Vitor, a Escola Estadual Adauto Bezerra acumula, nos últimos anos, exemplos de alunos aprovados nas principais universidades do Ceará e do País. Isso se deve à política adotada pela escola de preparar os estudantes com base na qualidade de ensino e em um processo de motivação dos alunos. Só em 2013, quase metade dos alunos matriculados no 3º ano do colégio (244) garantiram o ingresso no Ensino Superior, 144 deles em universidades públicas. Em 2005, esse número não chegava a cinco estudantes.

“Há alguns anos, se você chegava em uma turma de 3º ano e perguntava quem acreditava que ia entrar em uma universidade, quatro ou cinco levantavam mão. Hoje, praticamente 100% dos estudantes da Adauto Bezerra acreditam que é possível se tornar universitário, mudar a sua vida e mudar a vida de sua família”, destaca o professor Monteiro Firmino.

Fonte: Blog do Planalto

Bookmark and Share

Em dois dias, Prouni recebe quase um milhão de inscrições

28 de janeiro de 2015 0

A primeira edição de 2015 do Programa Universidade para Todos (Prouni) recebeu quase um milhão de inscrições em cerca de dois dias. Segundo balanço parcial divulgado pelo Ministério da Educação, às 18h desta terça-feira (27), o sistema registrava 972.364 candidatos. O prazo para participar foi aberto nesta segunda-feira (26) e a inscrição deve ser feita no site do Prouni. O prazo vai até as 23h59 de quinta (29).

Nesta edição, são ofertadas 213.113 bolsas, sendo 135.616 integrais e 77.497 parciais. Há bolsas em 30.549 cursos e em 1.117 instituições de ensino superior privadas.

Lista de aprovados
O processo seletivo é constituído de duas chamadas sucessivas: a primeira no dia 2 de fevereiro e a segunda no dia 19 de fevereiro.

A bolsa do Prouni só poderá ser concedida caso haja formação de turma no período letivo inicial do curso, o que ocorrerá somente se houver o número mínimo necessário de alunos matriculados.

Os candidatos pré-selecionados para cursos nos quais não houver formação de turma serão reprovados, tendo direito à bolsa apenas se já estiverem matriculados no respectivo curso.

Bolsas por estado
São Paulo tem 30,8% do total da oferta de bolsas. São 65.710 bolsas no total de faculdades particulares em São Paulo.

Prouni x Sisu
O Prouni é uma alternativa para os alunos que não são aprovados nas universidades públicas pelo Sisu.

O programa concede bolsas de estudo integrais e parciais (50%) em instituições privadas de ensino superior, em cursos de graduação e sequenciais de formação específica, a estudantes brasileiros sem diploma de nível superior.

Mesmo quem é aprovado no Sisu em uma universidade pública em outra cidade ou estado, mas não pode se mudar, costuma optar por fazer uma faculdade particular em seu município com bolsa do Prouni.

O candidato pode se inscrever no Sisu e no Prouni, desde que atenda aos critérios do programa.

Mas, caso seja selecionado nos dois programas, terá de escolher entre a bolsa do Prouni e a vaga do Sisu.

Critérios
Para concorrer às bolsas do Prouni, o candidato deve cumprir os seguintes quesitos:

– Para concorrer às bolsas integrais: renda familiar bruta mensal de até um salário mínimo e meio por pessoa.
– Para concorrer às bolsas parciais: renda familiar bruta mensal de até três salários mínimos por pessoa.

– Não ter diploma de ensino superior.
– Ter feito o Enem 2014. A pontuação mínima exigida é 450 pontos na média das notas do exame, e o estudante não pode ter tirado zero na redação.

 

Bookmark and Share

Inscrições para o Prouni começam nesta segunda

26 de janeiro de 2015 0

Começam nesta segunda-feira (26) as inscrições para o Prouni, Programa Universidade para Todos, do governo federal, que oferece para estudantes de baixa renda bolsas integrais e parciais para universidades particulares. O prazo final para as inscrições vai até as 23h59 de quinta-feira (29).

Pode receber bolsa integral quem tem renda familiar por pessoa de até um salário mínimo e meio por mês. Para as bolsas parciais, de 50%, a renda mensal familiar deve ser de até três salários mínimos por pessoa, no entanto, uma pessoa que consegue bolsa parcial pode tentar financiamento dos outros 50% do valor da mensalidade pelo Fies. Pelas novas regras dos programas, porém, um estudante não pode, por exemplo, ter bolsa integral do Prouni em um curso e financiamento para outro.

Além disso, o candidato deve ter cursado o ensino médio completo em escola da rede pública; ou ter cursado o ensino médio completo em escola da rede privada, na condição de bolsista integral da própria escola; ou ter cursado o ensino médio parcialmente em escola da rede pública e parcialmente em escola da rede privada, na condição de bolsista integral da própria escola privada; ou ser pessoa com deficiência; ou ser professor da rede pública de ensino, no efetivo exercício do magistério da educação básica e integrando o quadro de pessoal permanente da instituição pública e concorrer a bolsas exclusivamente nos cursos de licenciatura. Nesses casos não há requisitos de renda.

Fonte: G1

Bookmark and Share

Dez dicas de férias para os vestibulandos

20 de janeiro de 2015 0

Visto que é chegada a hora dos vestibulares mais concorridos do País e a tão sonhada vaga na Universidade se aproxima, passeios com amigos e viagem com a família pode e deve ficar em segundo plano. Sendo assim separamos algumas dicas de férias para que você possa aproveitar esse período e se dedicar para os vestibulares. Confira:

  1. Mantenha o ritmo – não tire o foco dos estudos. Mantenha o ritmo, mas com menos intensidade. Intercale os estudos com cinema, peças de teatros, esportes, entre outras atividades que servem de complemento e ajudam a sair da rotina.
  2. Organização – um dos pontos primordiais para quem quer e precisa estudar nas férias. Faça um cronograma e planeja o tempo de estudos e descansos. É essencial lembrar que o laser é importante, mas tem de ser dosado e não se esquecer dos estudos.
  3. Revisão – o tempo livre também proporciona uma boa revisão no conteúdo para tirar dúvidas e não se esquecer dos pontos chaves. Aproveite e revise o conteúdo nessa reta final. Você pode voltar com preparação total para se dedicar a novos conteúdos.
  4. Cursos de verão – para suprir a necessidade de vários alunos, existem vários cursos preparatórios conhecidos como cursos Trata-se de um auxilio fundamental para os estudos, além de ser uma injeção de animo.
  5. Descanse – não adianta se preocupar com os estudos nas férias, aumentar a carga dos conteúdos e voltar para o cursinho mais cansado e com menos disposição para se dedicar. Por isso, o fundamental é dosar corretamente o tempo de estudo e de descanso, e não deixar que um prejudique o outro.
  6. Dificuldade – focar na matéria em que se tem mais dificuldade de aprendizado, é a dica de alguns especialistas. Mas, eles orientam que não é essencial ficar estudando apenas um conteúdo. É preciso rever o conteúdo das demais disciplinas, até mesmo para não correr o risco de cair no esquecimento.
  7. Viagem – para aqueles que forem viajar, saibam que é possível estudar e aproveitar a viajar mesmo sem levar os livros e materiais didáticos. Visite museus e lugares históricos. Eles podem contribuir para o aprendizado.
  8. Sono – todos sabemos que uma noite mal dormida contribui para um dia péssimo e sem concentração. Sendo assim, aproveite esse período de férias para dormir mais do que na época de aulas. Não se esqueça que oito horas já são o suficiente para repor as energias.
  9. Atividade física – já citamos várias vezes que as atividades físicas são fundamentais para o corpo e também para a mente.
  10. Tenha sempre bom humor

Fonte: Vestibulando Ansioso

vest

 

Bookmark and Share

Dez passos para se inscrever no SISU

19 de janeiro de 2015 1

0

O Ministério da Educação abriu nesta segunda-feira (19) as inscrições para primeira edição de 2015 do Sistema de Seleção Unificada (Sisu), pelo sisu.mec.gov.br. O prazo vai até as 23h59 desta quinta-feira (22). O resultado da primeira chamada regular será divulgado no dia 26 de janeiro.

O Sisu usa, para fazer a seleção para as vagas, as notas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2014, disponibilizadas na última terça-feira (13). No total, são 205.514 vagas em 5.631 cursos de 128 instituições públicas de educação superior.

Para concorrer, o estudante precisa informar o número de inscrição e a senha usados no Enem. Quem não lembra a senha pode solicitá-la no site do Enem.

VEJA DEZ PASSOS PARA SE INSCREVER NO SISU

1) Escolha dos cursos
Ao efetuar sua inscrição, você deve escolher, por ordem de preferência, até duas opções entre as vagas ofertadas pelas instituições participantes do Sisu. A escolha não precisa seguir uma lógica, um aluno pode escolher cursos que não têm nada a ver entre si, como medicina e letras. Também pode escolher cursos de instituições diferentes.

2) Tem direito às cotas?
Você fez todo o ensino médio em escola pública? Então é preciso definir se deseja concorrer às vagas de ampla concorrência, às vagas reservadas de acordo com a Lei nº 12.711/2012 (Lei de Cotas) ou às vagas destinadas às demais políticas afirmativas das instituições. Ao todo, 82.879 (ou 40%) estão destinadas a estudantes que atendam aos quesitos da Lei de Cotas, ou seja, que tenham cursado todo o ensino médio em escolas públicas.

3) Como é a divisão das vagas para cotistas?
Das vagas reservadas para estudantes que cursaram o ensino médio em escolas públicas, metade é destinada para alunos com renda familiar bruta mensal por pessoa de até um salário mínimo e meio. E ainda há um percentual das vagas que são reservadas para estudantes autodeclarados pretos, pardos ou indígenas.

4) Monitore a nota de corte
Durante o período de inscrição, uma vez por dia, o Sisu calcula a nota de corte (menor nota no Enem 2014 para ficar entre os potencialmente selecionados) para cada curso com base no número de vagas disponíveis e no total dos candidatos inscritos naquele curso, por modalidade de concorrência. Veja se com sua nota é possível entrar naquele curso. O ideal é monitorar até o final do prazo de inscrição.
5) Você pode mudar de ideia
É possível mudar os cursos escolhidos quantas vezes quiser durante o período de inscrição. O que vale são os cursos definidos ao final do processo.

6) Onde vai estudar?
Se você escolheu um curso de uma universidade de outro estado, converse com sua família para ver como será possível estudar em outra cidade, e veja se a universidade oferece recursos como auxílio moradia para quem é de fora.

7) O que vai estudar?
As instituições oferecem quatro tipos de curso de graduação: licenciatura, bacharelado, tecnológico e Área Básica de Ingresso (ABI).

Na licenciatura, o curso dá diploma para atuar na educação básica. No bacharelado, o curso é de formação científica ou humanística, que confere ao diplomado competências em determinado campo do saber para o exercício de atividade profissional, acadêmica ou cultural, com o grau de bacharel.

O curso tecnológico confere ao diplomado competências para atuar em áreas profissionais específicas, caracterizadas por eixos tecnológicos, com o grau de tecnólogo. No curso ABI, após a conclusão de um conjunto básico de disciplinas, é possível escolher entre duas ou mais formações acadêmicas.

8) Fazer o que quer ou fazer o que dá?
Muitos estudantes sonham com um curso muito disputado, mas a nota de corte é muito maior do que a nota alcançada no Enem. E agora? Vale analisar se realmente uma opção que não estava nos planos pode ser uma boa solução ou apenas um “quebra galho”. Muitos alunos entram em cursos só porque a nota permite, mas acabam se arrependendo e nem chegam a fazer a matrícula.

9) Quando sai o resultado?
A primeira chamada de aprovados sai no dia 26. Os estudantes aprovados terão de 30 de janeiro a 3 de fevereiro para efetuar a matrícula na instituição onde passou. E deverão levar os documentos exigidos para a matrícula exigidos por cada instituição. Quem não foi chamado na primeira chamada pode se inscrever na lista de espera no site do Sisu e concorrer às vagas do curso que colocou como primeira opção que não tiverem sido preenchidas. A partir de 11 de fevereiro as instituições vão realizar novas chamadas para preencher as vagas.

10) Prouni, Fies e outras opções
Quem não entrou pelo Sisu poderá se inscrever no Prouni, que oferece bolsas de estudos em universidades particulares. As inscrições serão abertas dia 26. Também podem concorrer ao financiamento estudantil (Fies) e cursar uma universidade particular pagando pelo curso depois de formado. O Ministério da Educação ainda oferece o Sisutec e o Pronatec, para quem quer cursar o ensino técnico profissionalizante.

Bookmark and Share

Dez passos para se inscrever no SISU

19 de janeiro de 2015 0

O Ministério da Educação abriu nesta segunda-feira (19) as inscrições para primeira edição de 2015 do Sistema de Seleção Unificada (Sisu), pelo sisu.mec.gov.br. O prazo vai até as 23h59 desta quinta-feira (22). O resultado da primeira chamada regular será divulgado no dia 26 de janeiro.

O Sisu usa, para fazer a seleção para as vagas, as notas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2014, disponibilizadas na última terça-feira (13). No total, são 205.514 vagas em 5.631 cursos de 128 instituições públicas de educação superior.

Para concorrer, o estudante precisa informar o número de inscrição e a senha usados no Enem. Quem não lembra a senha pode solicitá-la no site do Enem.

VEJA DEZ PASSOS PARA SE INSCREVER NO SISU

1) Escolha dos cursos
Ao efetuar sua inscrição, você deve escolher, por ordem de preferência, até duas opções entre as vagas ofertadas pelas instituições participantes do Sisu. A escolha não precisa seguir uma lógica, um aluno pode escolher cursos que não têm nada a ver entre si, como medicina e letras. Também pode escolher cursos de instituições diferentes.

2) Tem direito às cotas?
Você fez todo o ensino médio em escola pública? Então é preciso definir se deseja concorrer às vagas de ampla concorrência, às vagas reservadas de acordo com a Lei nº 12.711/2012 (Lei de Cotas) ou às vagas destinadas às demais políticas afirmativas das instituições. Ao todo, 82.879 (ou 40%) estão destinadas a estudantes que atendam aos quesitos da Lei de Cotas, ou seja, que tenham cursado todo o ensino médio em escolas públicas.

3) Como é a divisão das vagas para cotistas?
Das vagas reservadas para estudantes que cursaram o ensino médio em escolas públicas, metade é destinada para alunos com renda familiar bruta mensal por pessoa de até um salário mínimo e meio. E ainda há um percentual das vagas que são reservadas para estudantes autodeclarados pretos, pardos ou indígenas.

4) Monitore a nota de corte
Durante o período de inscrição, uma vez por dia, o Sisu calcula a nota de corte (menor nota no Enem 2014 para ficar entre os potencialmente selecionados) para cada curso com base no número de vagas disponíveis e no total dos candidatos inscritos naquele curso, por modalidade de concorrência. Veja se com sua nota é possível entrar naquele curso. O ideal é monitorar até o final do prazo de inscrição.
5) Você pode mudar de ideia
É possível mudar os cursos escolhidos quantas vezes quiser durante o período de inscrição. O que vale são os cursos definidos ao final do processo.

6) Onde vai estudar?
Se você escolheu um curso de uma universidade de outro estado, converse com sua família para ver como será possível estudar em outra cidade, e veja se a universidade oferece recursos como auxílio moradia para quem é de fora.

7) O que vai estudar?
As instituições oferecem quatro tipos de curso de graduação: licenciatura, bacharelado, tecnológico e Área Básica de Ingresso (ABI).

Na licenciatura, o curso dá diploma para atuar na educação básica. No bacharelado, o curso é de formação científica ou humanística, que confere ao diplomado competências em determinado campo do saber para o exercício de atividade profissional, acadêmica ou cultural, com o grau de bacharel.

O curso tecnológico confere ao diplomado competências para atuar em áreas profissionais específicas, caracterizadas por eixos tecnológicos, com o grau de tecnólogo. No curso ABI, após a conclusão de um conjunto básico de disciplinas, é possível escolher entre duas ou mais formações acadêmicas.

8) Fazer o que quer ou fazer o que dá?
Muitos estudantes sonham com um curso muito disputado, mas a nota de corte é muito maior do que a nota alcançada no Enem. E agora? Vale analisar se realmente uma opção que não estava nos planos pode ser uma boa solução ou apenas um “quebra galho”. Muitos alunos entram em cursos só porque a nota permite, mas acabam se arrependendo e nem chegam a fazer a matrícula.

9) Quando sai o resultado?
A primeira chamada de aprovados sai no dia 26. Os estudantes aprovados terão de 30 de janeiro a 3 de fevereiro para efetuar a matrícula na instituição onde passou. E deverão levar os documentos exigidos para a matrícula exigidos por cada instituição. Quem não foi chamado na primeira chamada pode se inscrever na lista de espera no site do Sisu e concorrer às vagas do curso que colocou como primeira opção que não tiverem sido preenchidas. A partir de 11 de fevereiro as instituições vão realizar novas chamadas para preencher as vagas.

10) Prouni, Fies e outras opções
Quem não entrou pelo Sisu poderá se inscrever no Prouni, que oferece bolsas de estudos em universidades particulares. As inscrições serão abertas dia 26. Também podem concorrer ao financiamento estudantil (Fies) e cursar uma universidade particular pagando pelo curso depois de formado. O Ministério da Educação ainda oferece o Sisutec e o Pronatec, para quem quer cursar o ensino técnico profissionalizante.

Fonte: G1

Bookmark and Share

Veja a distribuição das vagas do SISU 2015

16 de janeiro de 2015 0

Sistema de Seleção Unificado oferece mais de 205 mil vagas em instituições públicas de ensino superior

Inscrições devem ser feitas de 19 a 22 de janeiro no site sisu.mec.gov.br; seleção usa as notas do Enem 2014

http://g1.globo.com/educacao/sisu/2015/vagas.html

 

Bookmark and Share

Presidente do Inep admite ataques ao site de consulta de notas do Enem 2014

13 de janeiro de 2015 1

O presidente do Inep, Chico Soares, acaba de admitir em entrevista coletiva que a instabilidade que o site passa nesta terça-fera (13) é resultado de ataques contra o site. “Vocês não têm ideia [de quantos ataques recebemos]“, disse Soares na entrevista coletiva que ocorre nesta tarde em Brasília. “Isso é absolutamente comum.”

“Estamos com uma equipe dentro do Inep neste momento [tratando disso]“, disse. Uma repórter havia questionado se as instabilidades relatadas poderiam atrasar a divulgação da consulta à nota hoje. O professor Chico Soares não respondeu diretamente essa pergunta.

Internautas têm relatado problemas em acessar o site do Inep desde a manhã.

Segundo o Inep, os resultados individuais serão divulgados apenas no final do dia, sem determinar o horário.

Fonte: UOL

presidente

Bookmark and Share

Como usar o SISU?

13 de janeiro de 2015 0

infográfico

Bookmark and Share

O que eu faço com a nota do ENEM?

13 de janeiro de 2015 0

Entrar em universidade particular com a nota do Enem

Assim como acontece nas universidades públicas, é possível usar a nota do Enem para conseguir uma vaga em faculdades particulares. Essas instituições privadas podem utilizar a nota do Enem como uma parte de seu processo seletivo, acrescentando pontuação à nota que o candidato obteve no vestibular tradicional, ou mesmo substituindo o vestibular pela nota do Enem.

 Conseguir bolsa do Prouni com a nota do Enem

O Programa Universidade para Todos (Prouni) é uma iniciativa do Governo Federal que concede bolsas de estudo parciais e integrais para alunos de baixa renda em universidades privadas de todo o Brasil. 
Para conseguir uma bolsa do Prouni, o candidato deve, obrigatoriamente, ter feito o Enem no ano anterior e cumprir os requisitos de renda familiar per capita. As bolsas integrais são destinadas a estudantes com uma renda familiar por pessoa de até um salário mínimo e meio, enquanto as bolsas parciais de 50% são para quem uma renda familiar mensal por pessoa entre um salário mínimo e meio até três salários mínimos. 
O sistema de inscrição e seleção do Prouni é totalmente informatizado. O candidato deve inscrever-se no site do programa usando inscrição e senha do Enem.  A partir daí, o sistema calcula as notas e faz a pré-seleção. Quanto maior a nota do Enem, maiores as chances do candidato conseguir uma bolsa do Prouni.
O Prouni acontece duas vezes ao ano, uma no primeiro e uma no segundo semestre.

 Pagar a faculdade com o FIES

O Fundo de Financiamento ao Estudante do Ensino Superior (FIES) é um programa do Governo Federal criado em 1999 para apoiar financeiramente alunos de universidades privadas.

 Com o FIES, é possível conseguir um financiamento de 50% até 100% dos encargos estudantis. Um dos critérios para se conseguir um financiamento do FIES é o Enem. Ele é exigido para aqueles candidatos que concluíram o ensino médio a partir de 2010.

Em alguns casos, o FIES não exige o Enem: • Professor da rede pública de ensino em exercício efetivo do magistério da educação básica que seja integrante do quadro pessoal permanente de instituição pública. • Aluno regularmente matriculado em curso de licenciatura, normal superior ou pedagogia. • Estudante que tenha concluído o ensino médio antes de 2010.

Entrar em curso técnico gratuito

O Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec) é uma iniciativa do governo federal que oferece vagas em cursos gratuitos de nível técnico e profissionalizantes. Uma das formas de conseguir uma vaga no Pronatec é participar do Sistema de Seleção Unificada da Educação Profissional e Tecnológica (Sisutec). 
Criado para selecionar candidatos a cursos técnicos gratuitos do tipo “subsequente” (que só podem ser feitos por quem já concluiu o ensino médio), o Sisutec usa a nota do Enem para classificar os candidatos. Quanto mais alta a nota do Enem, maiores as chances de conseguir uma vaga. O Sisutec abre inscrições duas vezes por ano: no primeiro e no segundo semestre.  Conseguir bolsa e intercâmbio no exterior O Enem pode ser usado até por quem já está fazendo ou concluiu o curso superior. É o caso do Ciência sem Fronteiras, programa do Governo que concede bolsas de estudos no exterior para alunos de graduação e pós-graduação. No Ciência sem Fronteiras, a nota do Enem é um dos requisitos para a participação. Para uma bolsa de graduação no exterior, por exemplo, é preciso ter um mínimo de 600 pontos no Enem, considerando os exames aplicados a partir de 2009.

Bookmark and Share