Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Começando do zero

03 de dezembro de 2016 0

Para a próxima temporada temos Marcos Vinicius como treinador, Léo Franco como responsável pelo futebol, Fernando Kleimmann de gerente de marketing e o Branco como assessor. Até o momento, eles estão se reunindo para ver qual será a receita disponível para montar o time. Com o rebaixamento diminuiu o dinheiro nos cofres e o plantel deverá ser modesto, não podendo cometer erros.

Dispensa e contrata

Quero lembrar ao Léo Franco que um bom time começa pelo goleiro. Esperamos que o Agenor ou outro que tenha a qualidade esperada. Não se pode esquecer também do camisa 10, desde o tempo de Fernandes não tivemos outro.

Aproveitando a base

Finalmente a base será aproveitada, só espero que depois de promovidos não coloquem salto alto e fiquem mascarados.

Mercado movimentado

O mundo do futebol ainda não assimilou a tragédia que a Chapecoense sofreu. Mesmo assim, espero que os responsáveis pelo futebol estejam atentos e trabalhando. No Rio de Janeiro o Flu acertou com Abel Braga para treinador, o Roger Machado está indo dirigir o Atlético-MG. Quanto aos jogadores, a correria ao mercado já começou. Quem tiver dinheiro vai levar os melhores. Para nós, com pouca receita, as opções serão os que sobrarem.

Dois caras do bem

02 de dezembro de 2016 5

Digno de aplausos a iniciativa do Figueirense e do assessor de imprensa Ronaldo Nascimento, homenageando dois colegas que infelizmente estavam nesse fatídico acidente. A sala de imprensa do Scarpelli recebe o nome do jornalista André Podiacki, conhecido entre os amigos como Podi. Djalma Araújo, da RBS que vivia o dia a dia do clube como cinegrafista, também empresta seu nome para um espaço na sala de imprensa do CFT.

Vamos de verde

Muitos clubes do Brasil e de todo mundo farão esse tipo de homenagem, e o Figueirense não será diferente. No jogo do dia 11, em Recife, o manto alvinegro terá o escudo da Chapecoense e o nome dos jogadores e dirigentes vitimados. São esses gestos que engrandecem o futebol. Nessas horas não existe rivalidade, todos estão de mãos dadas e chorando por esse trágico acontecimento.

Bastidores

Não sei se algum clube do Brasil terá disposição para participar de alguma partida de futebol nesse ano. O vestiário alvinegro estava triste, todos abalados pelo acontecido. A amizade entre os profissionais da bola é muito intensa. Hoje jogando junto, amanhã contra, e a ciranda vai acontecendo. Todos se conhecem e dentro das quatro linhas cada um defendendo seu pão, fora dela todos tem bom relacionamento, salvo raras exceções. Na verdade, quem é que não queria ser um jogador de futebol?

Futebol sem rivalidade, o show da torcida do Atlético Nacional

30 de novembro de 2016 1

Confesso que em toda minha vida nunca vi uma homenagem tão emocionante com a feita no Estádio Anastácio Girardot, em Medellín, na Colômbia. Chorei em frente a TV como todos aqueles que presenciaram a cerimônia. O futebol, através da Chapecoense, mostrou ao mundo que os seres humanos são bons, é a sociedade que os corrompem.

Dor Compartilhada

Além dos atletas Rafael Moura, Jéfferson, Elicarlos, Ferrugem, Yago, Marquinhos, Bady e Matheusinho, cerca de 200 torcedores assistiram à missa realizada no Scarpelli em homenagem ao elenco da Chapecoense e às pessoas que perderam a vida no trágico acidente. O Figueirense Futebol Clube decretou luto oficial de três dias.

A Chape vai renascer

Há comentários de que a CBF vai oficializar a Chapecoense garantida até 2020. Em Chapecó, há quem queira que o clube não aceite esse benefício para montar outro time e brigar por seus direitos dentro do campo.

Direito de resposta ao Branco

Conversando com Branco sobre os comentários feitos na coluna de segunda-feira, ele me disse que sua vida está bem resolvida e que não precisava disso. Recebeu inúmeros convites para trabalhar, mas escolheu o Figueira por gostar do clube e da cidade. E o salário, ó! Desse tamanhinho…

Número um

Acho que compraram Gatito por lebre. Talvez Agenor seja o dono da camisa do Figueira na próxima temporada.

Paixão Alviverde

30 de novembro de 2016 3

O futebol catarinense, nosso jornal e todos meios de comunicação esportiva estão de luto com o acontecido com a Chapecoense.
Hoje não existe cor de camisa nem rivalidade. Nesse momento de dor, todos estamos unidos com a Chapecoense. Deixam-se de lado as paixões clubísticas, as rivalidades e as vaidades. Todo o clube do estado, do país e do mundo se solidarizou com a Chapecoense.

A quarta-feira, dia de jogo, faz seus torcedores chorarem de alegria, mas hoje esse mesmo clube faz o mundo chorar de tristeza pelo acontecido com o Verdão do nosso Oeste.

Um dia de luto

Ontem às 19h foi realizada no Estádio Orlando Scarpelli uma missa em homenagem às vítimas do acidente aéreo ocorrido com a delegação da Chapecoense. O ato manifesta o apoio dos alvinegros aos familiares das vítimas. As atividades e apresentação dos jogadores do Figueirense acabou sendo transferidas para amanhã, às 10h.
A final da Copa do Brasil, entre Grêmio e Atlético-MG, e a última rodada do Brasileirão, onde vamos enfrentar o Sport, em Recife, também acabou sendo transferida. Não tinha outra coisa a se fazer, sem sombra de dúvida.

Gatito Fernández vai para o Botafogo

29 de novembro de 2016 4
Gatito fez por merecer a titularidade. Foto: Luiz Henrique/FFC

Foto: Luiz Henrique/FFC

Todos sabem que as receitas vão diminuir drasticamente, por esse motivo que não entendemos certos profissionais sendo contratados com salários que poderiam ser destinados a algum bom jogador. Recebi algumas informações de que o São Paulo vai mandar uma proposta para o Gatito, mas ele está acertado mesmo é com o Botafogo. Para essa posição teremos boas novidades na próxima temporada. Deve vir alguém para se juntar ao Thiago Rodrigues.

Bandeira branca

Incrível como algumas pessoas são rejeitadas. Aconteceu com Marcos Moura Teixeira, Cléber Giglio e agora com assessor da presidência, o Branco. Tenho a impressão que a diretoria deveria ouvir os torcedores, que na maioria das vezes têm razão. Ninguém é mal quisto sem ter motivos para isso. O administrador deve ter sensibilidade para detectar essa antipatia e a reação da galera. Por que contrariar seu mais importante cliente?.

Virando a página

Motivado pela queda, os alvinegros, assim como seu presidente, não assimilaram o golpe. Agora não poderemos só lamentar, é levantar, sacudir a poeira, separar o que tiver de bom e pensar na próxima temporada.

Um ano para esquecer

28 de novembro de 2016 14

images.jpeg  vazia

” Tamo junto Figueira”
Quero começar a coluna de hoje com uma frase que vi na torcida do Vasco no jogo de sábado contra o Ceara. “Até quando vocês não merecerem, vou estar com vocês”. Faço dessas as minhas palavras.

DESPEDIDA MELANCÓLICA

Foi o último jogo do ano no Scarpelli e finalmente fechamos com uma vitória. No primeiro tempo, o placar poderia ser de 2 ou 3 gols a nosso favor. He-Man teve umas três chances claras, além da bola na trave. O segundo foi difícil assistir, mas a vitória, mesmo com o magro placar, premiou os garotos Dudu, Mateusinho e João Pedro – mostrando que aí tem futuro. Destaque também pelo esquema empregado com três zagueiros e partindo para cima do adversário.

TORCEDORES ANGUSTIADOS

Quem diria que um jogo de Figueirense e Fluminense teria um público de apenas 1,8 mil torcedores – diga-se de passagem aqueles fiéis nas vitórias e nas derrotas. Muitos ainda não assimilaram o golpe, e me falaram da tristeza que estão sentindo e apontando os erros que todos já sabiam.

ARREGAÇANDO AS MANGAS

Na sexta conversei com Léo Franco, me apresentei e dei minha opinião sobre os insucessos dessa temporada. Ele não discordou. Está trazendo a família pra Floripa e arregaçando as mangas para a próxima temporada.

***Correção: antes estava escrito Léo Moura, de forma errada, quando o correto é Léo Franco. A conversa foi com o dirigente alvinegro.

Jogo de despedida

26 de novembro de 2016 5

Teremos um misto de jogo às veras ou às brincas. Figueirense e Fluminense, que poderia ser uma atração, vale somente para os atletas alvinegros cumprirem a tabela com dignidade. Se o torcedor vai prestigiar? Não sei. Eu estarei lá, triste, é verdade, mas não largo o osso de jeito nenhum. Bom motivo para se despedir amigos e vizinhos de cadeiras. 2016 é para ser esquecido.

A grande chance

O jogo deste domingo poderá ser a porta aberta para alguns jogadores da base. Mateusinho e Dudu poderão ter a grande oportunidade de suas vidas, é pegar ou largar. O Alvinegro já revelou muitos garotos da base, prova disso são as constantes convocação dos jovens.

Erros e acertos

Já vi que nos bastidores Léo Franco não é fraco, não. Trabalhando em silêncio, já tem mapeado alguns atletas para o ano que vem e já tem lista para a próxima barca, digamos uma barcaça. Além de acertar o plantel, Léo vai ter que consertar os erros cometidos.

“Nóis num liga”

A rapaziada continua zuando com pouca criatividade, todas as piadas nas redes sociais são as mesmas de décadas. Agora, o que eu tenho recebido de mensagens é uma grandeza, afinal tenho clientes, amigos e até parentes que tem esse mau gosto de
torcer pelo azul.

Dinheiro mal aplicado pelo Figueirense

25 de novembro de 2016 7

Nos acessos todos são festejados, e no rebaixamento todos são responsáveis pelo mau desempenho. Um dos grandes erros do presidente, o cabide de emprego desde Marcos Moura Teixeira, agora persiste com Branco. Isso tudo sem falar no Cléber Giglio, que fez contratações bisonhas de jogadores que sequer vestiram nossa camisa.

Ações para 2017

Na entrevista ontem, visivelmente abatido, Wilfredo informou que vai cumprir o mandato até 2018 e confirmou Branco como seu assessor participando do dia a dia do clube com Léo Franco. Marcos Vinícius acertou financeiramente com o clube e fica para a próxima temporada. O presidente reconheceu os erros cometidos, contratações mal feitas e jogadores descomprometidos com o clube.

Que fase

Esse ano a bruxa andou solta. Além das constantes contusões de atletas, tivemos três cirurgias de joelho e três atletas com costela quebrada. No jogo contra o Vitória, Josa também teve a costela atingida e não joga mais esse ano.

Limpando a área

Pelas informações obtida,s do atual plantel somente uns 40% vão permanecer. Léo Franco conversa com vários jogadores para se juntar aos poucos que ficarem. Leandro Silva está em entendimento e quer ficar, mas não aceita a redução salarial oferecida.

Tchau e "bença"

24 de novembro de 2016 16

Léo Franco se reuniu ontem com presidente e com o treinador traçando os planos para a próxima temporada. A primeira barca saiu e nela constam os nomes de Ayrton, Pará, Élvis, Maurides, Rafael Silva, Diego Torres e Rodrigo Biro. Até a próxima segunda deverão sair mais alguns jogadores.

Dança das cadeiras

Com a saída dos dispensados, alguns jogadores da base vão ser observados já no jogo contra o Fluminense. Dudu, lateral, e Mateus deverão ter suas oportunidades. Léo Franco já tem alguns nomes conversados para comporem o grupo. Rafael Moura esta à disposição do técnico para esses dois últimos compromissos.

Coisas da segundona

A Série B é uma competição diferente, com alguns gramados sem condição e equipes mais modestas. Com o atual plantel poderíamos enfrentar essa competição e sair vitoriosos. Só que poucos vão permanecer e a equipe será bem mais modesta e os obstáculos serão maiores.

Coletiva presidencial

Hoje, às 15h, no Scarpelli, o presidente Wilfredo Brillinger dará uma coletiva aguardada com grande expectativa pelos torcedores que querem saber das providências que o Figueirense vai tomar para enfrentar as dificuldades financeiras que devem acontecer em 2017.

Tratamento diferenciado

23 de novembro de 2016 15

No ano passado, faltando algumas rodadas para terminar o campeonato, com um time inferior ao deste ano, Hudson Coutinho conseguiu salvar o clube e com isso colocar R$ 32 milhões em caixa. Se ele tivesse no comando nesse rebaixamento o que fariam? Marcos Vinicius está sendo prestigiado porque tem boa conversa e vem de fora.

He-Man

Li atentamente as declarações do Rafael Moura. Ele, talvez, seja o menos culpado do rebaixamento, só que no ano que vem vai disputar a Série A em um clube qualquer enquanto nos vamos amargar uma Segundona. No dia que o atleta for rebaixado com o clube e só poder participar daquela competição se subir, aí o comprometimento, com certeza, será maior.

Eu quero é novidade

O bom zagueiro Marquinhos deu depoimento nas redes sociais dizendo o que todos já sabiam: a falta de comprometimento de alguns atletas. Não falou nenhuma novidade, só que deveria dar nomes. Jogou a gasolina e não acendeu a fogueira.

Vai ter troca de bandeira

Quem sai da Ilha vê a bandeira da vizinhança junto com a do Brasil, do estado e do município. O que me causou estranheza é que a da vizinhança esta a meio pau. Será que já estão prevendo a queda?