Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts de junho 2011

Vivinho da Silva

30 de junho de 2011 2

Um Avaí atuou, surpreendente, no Olímpico. Gallo montou bem o time, que teve uma postura de raça e qualidade no contra-ataque. Porém, os gols perdidos e a mão grande do árbitro evitou a vitória. Caprichando, poderíamos abrir maior vantagem no início do jogo. Depois veio a pressão do Grêmio, que teve um gol mal anulado que, mais tarde, seria compensado com juros pelo juiz, que agiu com rigor na expulsão de Batista, o que não fez em lance idêntico de Rochemback. Nada disso evitou que o Leão fizesse seu segundo gol. O pênalti que botou fogo no jogo é caso de polícia, lembrando que antes tivemos um toque de mão ignorado na área gremista. O duro golpe veio no último lance desta fase negra. De todo modo, ficou uma expectativa de reação, até porque o Leão não está morto e deixou isso bem claro diante de um imortal adversário.


Aplauso

Com a situação ruim, os destaques desaparecem. No geral, ontem, todos foram bem, principalmente Welton Felipe e Aleks. Cleverson também mostrou que pode emplacar.


Invertido

Se o futebol do Brasileirão voltou a preencher o meio de semana, no sábado e domingo será diferente, exceção ao jogo atrasado entre Santos e América-MG. Pausa para assistir ao quarteto mágico da Seleção na Copa América. A dupla da Capital, só semana que vem.

Sobrenatural

29 de junho de 2011 4

Com o turbilhão de problemas que vieram à tona devido a má campanha do Leão ate aqui, é difícil imaginar uma vitória no Olímpico. É se apegar na tradição do “faz coisa” e na mística da camisa para derrubar o imortal em sua casa. Aos jogadores e comissão técnica, é hora de exorcizar os problemas internos e mudar a situação. Para este confronto, Batista, que já fez parte de outras reviravoltas azurras, voltou a ser relacionado, enquanto Julinho, machucado, fica de fora, num descanso que pode fazer bem para atleta. Pará e Romano disputam a vaga.

Ladeira à vista

Além de secador, não acredito que o time vizinho mantenha a posição atual. Penso que ainda irão lutar contra o rebaixamento. Ao longo do campeonato, veremos se tal teoria se confirma, mas o baile vermelho e branco no Beira-Rio me encheu de certezas. No jogo de hoje, é uma incógnita a atuação do Santos após o título continental. Mesmo sem seus destaques, a equipe praiana tem um time qualificado. Se der Peixe, o vizinho vai ser apresentado à ladeira. O empurrãozinho será dado pelo Coxa, repleto de ex-avaianos.

Não será hoje

O encontro de Marquinhos Santos contra o Avaí não vai acontecer. Titular contra o Fogão, e saiu machucado e não enfrenta o Leão. Jogarão será Escudero e Douglas. Atenção!

Estranha declaração

28 de junho de 2011 5

Após a derrota para o Fluminense, Gallo disse que a equipe estava cansada e não contava com o preparo físico ideal. Realmente, estamos deixando a desejar nesse importante item da equipe, porém, fica no ar se tal declaração está ou não diretamente ligada à aquisição do novo preparador físico indicado pelo treinador. Resumindo: ainda temos problemas internos, que precisam ser resolvidos para não atrasar nossa recuperação, que já está tardia. Insisto: não há meio termo! Temos de definir um rumo e seguir em frente, até porque para trás não é mais possível.


Três por um

Felipe, campeão da Copa do Brasil e ex-titular do Santos, chega para defender o gol azurra. Aleks, que foi bem contra o Flu, ainda é jovem e terá pela frente o Mundial. Desnecessária foi a chegada de mais dois goleiros, Rafael Santos e Fernando Silva. Um deles estaria de bom tamanho, sobrando din-din para outros investimentos.


Rivalidade amiga

Quero parabenizar a turma que manda seus recados e opiniões tanto para o e-mail quanto para o blog da coluna. Com raras exceções, a rapaziada entende as brincadeiras e faz as suas, tudo com muita educação e respeitando a rivalidade. Mas fica aqui o aviso para os vizinhos: assim como foi nos últimos anos, a maré vai mudar. Podem esperar!

Dizer o quê?

27 de junho de 2011 4

Tivemos outra derrota em casa, complicando ainda mais nossa situação. Na primeira etapa, a falta de qualidade técnica foi à tônica azurra e, depois de sair jogando errado seguidamente, entregamos o gol para Conca, que organizava as melhores jogadas tricolores. Na etapa final, com um a mais em campo, até tivemos chances, todas em lances de cabeça, mas o empate não veio. No final, ficou claro que nossa equipe não tem esquema de jogo e nem “cara” de time, o que aumenta ainda mais a preocupação. Com tudo isso, é possível acreditar numa recuperação?


Erros e acertos

Gallo fez as substituições corretas, porém errou no posicionamento de Rafael Coelho como armador, tendo Cléverson, que até foi bem. Não foi dessa vez que nosso técnico mudou minha opinião sobre a sua chegada.



Mudança radical

Não há meio termo. Para chacoalhar o ambiente, que internamente ainda tem problemas, precisamos dispensar os que faltaram na primeira barca. A chegada de novos atletas para ser titular é para ontem, até porque a paciência com a situação chegou ao limite.


Evidências

As fragilidades do time vizinho estavam demorando a aparecer, mas o passeio do Colorado deixou tudo mais claro.

A vitória ideal

25 de junho de 2011 8

Dizer que vencer é uma necessidade chega a ser redundante. Nada melhor que esse triunfo seja em cima do atual campeão, dando um tom especial à recuperação. O cavalo vai passar encilhado no domingo, mais uma vez, e temos que agarrá-lo. Detalhe: sem o craque Fred do outro lado, essa difícil tarefa fica, teoricamente, mais fácil. Reage, Leão!


Substituição

Acho compreensível e aceitável todo tipo de protesto ordeiro e com o propósito de cobrar melhoras de forma construtiva. Penso que nossos jogadores precisam entender que, civilizadamente, a pressão por resultados faz parte da profissão. Por outro lado, eles sabem e conhecem bem o que quer a mais fanática torcida do Estado. Ela quer estar de bem com o seu clube e com os atletas, cantando aos quatro ventos a paixão para toda vida que possui pelo azul e branco. Para isso, basta o time voltar a vencer. Com isso, o protesto sai, dando lugar ao apoio total. Espero que isso não demore a acontecer.


Saci Pererê

O Colorado ainda não decolou no Brasileirão, mesmo sendo um dos melhores times, ao lado de Santos (agora mais de olho no Mundial), São Paulo e Corinthians. Então, não tenho dúvidas de uma vitória folgada dos gaúchos. Até porque sou mais os jogadores do Inter com uma perna só, tal qual seu mascote, do que os do vizinho com as duas.

Encorpado

24 de junho de 2011 1

Acredito que, diante do Fluminense, o Avaí estará com uma equipe mais forte. A zaga que tem sido o problema principal terá a volta de Gustavo Bastos e, talvez, a estreia de Welton Felipe, já regularizado. Além disso, há a possibilidade de termos Gian, recuperado de lesão. Ainda no setor defensivo, o ala Daniel deve ter presença garantida. No meio, a torcida espera ver Cleverson e, quem sabe, a volta de Estrada como titular, já que não posso imaginar que Gallo apostará, novamente, em Robinho ou Marquinhos Gabriel. Na frente, Rafael Coelho assume a posição para ajudar não só o ataque, como seu companheiro Willian a retomar o bom futebol da Copa do Brasil e do Estadual. Em tese, a coisa pode melhorar, porém, o adversário é o atual campeão do país e superação é a palavra de ordem.


O dono da bola

O Santos provou que está acima dos demais times do continente e, com méritos, faturou a Taça Libertadores da América. Agora, o provável confronto contra o Barça, pelo Mundial, vai agitar a mídia. Até lá, o que tinha que dar de alvinegro já deu… Entendeu, vizinho?


Ritmo de feriado

Quanto a reforços, o feriado foi devagar. Vários e bons nomes têm aparecido como prováveis contratados, mas precisamos de agilidade na chegada desses atletas. O tempo voa e, no Campeonato Brasileiro, todos sabem: é uma pedreira atrás da outra.

Povoando o meio

23 de junho de 2011 2

O técnico Abel Braga começou a esboçar o seu time para enfrentar o Leão. Está claro que vai congestionar o meio, apostando no potencial dos laterais Mariano e Carlinhos, deixando lá na frente o oportunista Rafael Moura. Do nosso lado, Gallo terá o desfalque de Cássio, mas já poderá contar com os novos Cleverson e Daniel. Estou ansioso para ver os escolhidos para esse jogo, que pode marcar a reviravolta do time na competição. Falando nisso, na épica campanha de 2009, a primeira vitória foi dramática e na Ressacada, contra o Fluminense, no golaço de Léo Gago. Doce lembrança!


Primeira impressão

Sobre Welton Felipe, lembro de nossa volta à Série A, estreia contra o Galo. Chamou-me a atenção o futebol do zagueiro adversário. Alto e com boa técnica, dominou o setor, fazendo uma partida admirável. No fim do jogo, teve sua atuação enaltecida por Celso Roth, técnico da época. Claro que não se pode avaliar o jogador apenas por uma partida, mas, se realmente a primeira impressão é a que fica, fizemos uma boa contratação.


Palavras de esperança

Gostei do que postou Luiz Alberto em seu Twitter. Não o conheço pessoalmente, mas seu trabalho deixou um legado de resultados positivos dentro de campo para o Avaí. Está trazendo reforços para reverter o quadro atual.

Recuperação em jogo

22 de junho de 2011 2

Se o Avaí precisa urgentemente de uma reação, o seu adversário também. Nem a aguardada volta do técnico “Abelão” salvou o atual campeão de maus resultados e das vaias da torcidas. Será um jogo de alto risco na Ressacada, que terá a arbitragem do paulista Luiz Flávio. É a hora de emplacar uma nova versão do “Reage, Leão”, diminuindo a preocupação de torcedores como Pedro Rocha, Roberto Souza e Valter Thiesen, que estão apreensivos.


Pequena embarcação

Imaginava uma barca bem maior. Talvez, Émerson Nunes, pela boa temporada passada, ainda pudesse ser utilizado. Os autores de gols contra como Revson e George Lucas não vão mais ameaçar a nossa meta, enquanto Felipe foi uma aposta equivocada e Arthuro reflete bem a definição dos escolhidos: eles não vão deixar saudades. Sem contar que, pelo menos, mais três ou quatro poderiam muito bem ter zarpado nesse bote.


Reviver as glórias

A conquista do título da Libertadores será a consagração definitiva do reinado de Neymar, no Peixe. O mágico Santos da era Pelé, guardada as devidas proporções, dava show e sempre levava o caneco. Se o atual quiser seguir a lenda, terá de passar pelo mesmo adversário das antigas, o Peñarol, que costuma batalhar até o final. Será uma decisão fantástica.

Poder azurra

21 de junho de 2011 6

A situação é delicada, os resultados são pífios e o futebol apresentado não gera maiores  esperanças. Trata-se de um momento ímpar nos últimos anos e, por isso, a vizinhança tem colocado as manguinhas de fora, com certa razão. É bom lembrar que eles conhecem muito melhor que nós o caminho do rebaixamento, no ano em que foram arrasados por Vitória e Flamengo, exatamente por quatro e cinco a zero, além do eterno jogo do Grêmio, que pintou o sete por aqui. O que sempre tivemos diferente do rival é nosso poder de reação, que está tardando, é verdade, mas tenho a certeza de que não vai falhar. Em 2009, a redenção nos trouxe a maior colocação da história e, em 2010, fomos taxados de “o incaível”. Então, por que não acreditar que, em 2011, algo melhor pode estar reservado? Uma semana de atitudes é o que a torcida espera para que juntos possamos ajudar o Leão a realizar mais um grande feito.


Mudanças programadas

Cleverson, liberado, será o companheiro de Pedro Ken no meio. Daniel assume a lateral, onde George Lucas não melhorou o suficiente. A preocupação maior é a defesa, onde quase 80% dos ataques adversários terminam em gol. A volta de Gian resolveria a bola aérea. Com o que temos, essa é a dica. Espero que, durante a semana, cheguem novas opções.

Istó é uma vergonha

20 de junho de 2011 8

É incrível como o Avaí consegue perder com tanta facilidade, mesmo quando a partida, por determinados momentos, segue equilibrada. A gente não tem confiança, devido à facilidade que temos em sofrer gols. Escanteio e gol contra é um Deus nos acuda. De positivo, se é que podemos avaliar que houve, apenas a exposição de todas nossas fragilidades e a falta de compromisso de alguns atletas, o que facilita o técnico Gallo para identificar o tamanho do pepino que terá pela frente. Sem meio termo, concluindo com mais rapidez com quem poderá contar em nossa árdua caminhada.

Soco na mesa

Sou otimista e é verdade que o Avaí, nos últimos anos, me permitiu ser assim. Porém, a situação atual precisa da intervenção da presidência, de uma de ação rápida de Luiz Alberto para a definição de reforços que venham para jogar, além de uma limpa já programada por Gallo. É bom lembrar que milagres, como no ano passado, não acontecem toda hora.

Cair na real

Julinho fez grandes partidas na Copa do Brasil e pensou que já estava no topo. Sua atuação, ontem, foi bizarra. Se não quiser ficar a ver navios, pelo potencial que possui, terá que calçar as sandálias da humildade. Aleks não pôde evitar o vexame. Um goleiro experiente tem que chegar.