Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Posts de fevereiro 2014

Pausa pra folia

28 de fevereiro de 2014 0

Os colunistas Fabio Machado, da Paixão Azurra, e Ivens W. de Abreu, da Paixão Alvinegra, estão liberados para curtir o Carnaval. A dupla retorna com informações e provocações na próxima quarta-feira.

Avaí mantendo a média

27 de fevereiro de 2014 5

Que fase, Leão! Não ganhamos quando precisamos e também perdemos quando não há importância. Era um jogo para análises e experiências do treinador, mas é dose ficar acumulando derrotas. O Metrô, bem desfalcado, virou e venceu.
Espero que Turra e o departamento de futebol deem um soco na mesa e que venham os jogadores comprometidos e que possam contribuir tecnicamente. Façamos uma limpa e não gastemos mais calção com alguns que nem
para o banco servem.

Pé nas costas

Não quero saber do que passou e do que deixamos de fazer neste Estadual. A missão azurra do técnico Paulo Turra é vencer esse hexagonal com o pé nas costas e trazer a confiança da torcida de volta para Série B e Copa do Brasil. Sem desculpas, por favor!

A Justiça “cega”

Não contesto as punições do Avaí, desde que as do rival fossem compatíveis – além das ausências do Assunção e Thiago Heleno na pauta. Parece que brigamos sozinhos!
E a absolvição do Bezerra? Se ele transcreveu certo na súmula, porque Dudu pegou apenas um jogo ou porque não expulsou jogadores que somados pegaram 12 jogos? A coerência levou 100 jogos de suspensão. Perdemos feio no Tribunal que não fez justiça, mas pelo menos ganhamos em campo.

Felipe Alves e e Elivelton vão tarde!

25 de fevereiro de 2014 0

Vão tarde
Elivelton e Felipe Alves vão jogar a série A2 Paulistão, enquanto Anderson do Marcílio Dias depois da atuação de domingo pode voltar para melhor avaliação e fazer parte do grupo no resto do ano.

Precisa render mais
Sobre o amistoso de luxo em Blumenau, de olho no Hexagonal que começa no sábado de carnaval, Turra observou que ala esquerda precisa render mais. Eduardo Neto de mais baixos que altos, perde vaga e Pará ganha chance, embora o técnico diga que pode recolocar o jogador na zaga no lugar de Bruno Maia mais à frente. O treinador pensa em uma ação que possa resolver duas carências e isso é a sua função.

Critérios
Saldo de gols irá definir o quadrangular, provavelmente. O competente Hémerson Maria sempre se preocupa mais com a parte defensiva e terá que mudar a estratégia. Ele voltará a contar com a torcida azurra para ter êxito esse noite, fui claro?

Nada de Doce
Quero travessuras no Scarpelli. Sou secador de carteirinha, mas sei que é improvável o Juventus eliminar o alvinegro essa noite, mas em caso, de zebra homérica, ganharíamos mais clássicos e o vizinho poderia apagar mais uma velinha no “bolo” dos sem títulos desde já.

Avaí rumo ao "Hexa"

25 de fevereiro de 2014 0

Ainda que seja ano que Copa e no Brasil, não é da seleção brasileira que me refiro, mas ao nosso Avaí, que vai ter que encarar o hexagonal da morte para evitar maiores prejuízos. Como bônus, garantir uma vaga na Copa do Brasil de maneira direta, já que neste ano ela veio através do ranking nacional da CBF.
O técnico Paulo Turra espera por alguns reforços até sexta-feira para serem inscritos no Estadual, tentando um melhor entrosamento do grupo e pensando nas competições nacionais que virão. Que cheguem logo!

Bola de cristal

Acredito que o quadrangular ficará com Criciúma, JEC, Metrô e o time do vizinho, que tem uma pequena chance de dançar caso tropeçe ou o JEC goleie o Marcílio Dias. Não vejo nenhum grande favoritismo para o título entre eles, mas se num revertério a Chapecoense se classificar, ela passa a ser a minha favorita a levar o caneco.
Não estou apostando no Brusque e o prêmio de consolação ficará com o Avaí que, vencendo a Taça SC (o nome hexagonal), vai embalar na temporada.

Internas

Pude apurar que o grupo de jogadores sentiu que Paulo Turra entende do riscado. Pelo que apresentou no primeiro tempo pode dar certo. Será preciso adquirir equilíbrio e sustentação, pois uma partida tem segundo tempo…

Um terço do ano azurra jogado fora

24 de fevereiro de 2014 3

O primeiro tempo do time do Avaí foi bom. Marcamos firme a Chapecoense, com deslocamentos no ataque gerando lances interessantes e de perigo. Diego Jardel serviu bem Paulo Sérgio, que fez mais um com estilo. Na segunda etapa, o Verdão mostrou mais vontade e organização, explorando as falhas da nossa defesa e a virada veio ao natural, embora a bola de Cleber Santana na trave pudesse ter modificado a partida.

Fim do drama

A situação de classificação era dramática e esse, confronto assim como o de Blumenau, serve mais para observação. Paulo Turra, que queimou seu filme não participando do clássico, terá trabalho árduo pela frente e precisará passar alguns conceitos teóricos para prática se quiser ter futuro longo na Ressacada e alcançar os objetivos restantes da temporada. De três competições do ano a primeira está perdida, sobrando apenas minimizar o prejuízo sobre ela nos jogos do hexagonal do Catarinense. Como eu já havia dito, é um campeonato que não dá para se recuperar, e foi o que aconteceu com o Leão até aqui.

Bobeou! Vai dançar!

Teremos um ou dois grandes como companhia no hexagonal do Catarinense. Pelos jogos da última rodada, quarta-feira, que definem tudo, Tigre e o time do vizinho devem classificar. Verdão ou JEC vão disputar a vaga restante. O Brusque parece ter sido o grande derrotado da rodada, que garantiu o Metrô entre os quatro melhores da competição.

Raspando

O Marinheiro pressionou e merecia a vitória. A falta bem cobrada por Thoni no último lance poderia ter determinado mais dois clássicos no Estadual. Foi mais sorte que juízo.

Em busca do milagre

22 de fevereiro de 2014 3

Quando entrarmos em campo estaremos cientes das chances de classificação. A situação é crítica. Uma dose considerável e improvável de sorte terá que nos acompanhar, juntamente com as duas vitórias restantes. O duelo contra a Chapecoense tem sido marcado por grandes jogos e a estreia de Paulo Turra é o principal atrativo.

Clássicos à vista

O compromisso do vizinho em Itajaí também requer atenção da nossa parte. O fator de secação histórica é praxe, já que uma derrota deixa o Alvinegro próximo da eliminação, resultando em mais dois prováveis clássicos num hexagonal que pode ter três grandes, provando o equilíbrio da disputa e a falta de atenção dos maiores numa tecla em que a coluna chamava a atenção: é um campeonato que dá poucas chances de recuperação.

Postura realista

Paulo Turra assumiu sob pressão, mas tem revelado posições bem realistas. Tratou com firmeza da dupla CS88 e M10, escalou o que tinha de melhor e foi claro quanto aos reforços. Na teoria está correto, vamos ver na prática.

Bolinha certeira

O time do Estreito esperneou e caiu a bolinha de Héber Roberto Lopes. Espero que ele demonstre não ser suscetível a pressão exagerada da vizinhança…

Classificação só vem com um milagre

21 de fevereiro de 2014 4

A rodada do meio de semana atrapalhou todos os planos secadores que poderiam aumentar as chances do Avaí. Claro que matematicamente a possibilidade permanece, mas é bem improvável depois das vitórias de Metrô e Brusque. Devemos pagar nossos pecados de tantos tropeços no hexagonal, até porque se algo em contrário acontecer é porque teremos o chavão de fazer coisas mais evidentes do que nunca.

 De braços abertos

Por outro lado, o time do vizinho, que estava quase garantido antes do clássico, também corre risco, que podem ficar muito sério em caso de derrota em Itajaí. A secadinha básica vai rolar, esperando que o rival venha para o hexagonal, onde nossa missão seria facilitada, já que teríamos seis pontos garantidos.

Sem nervosismo

Com a atual conotação, o duelo contra a Chapecoense terá um carga menor de estresse. Se vencermos ficamos vivos, ainda que mantido por aparelhos. Se perdemos, dependendo da rodada, podemos encaminhar o Alvinegro para mais um jejum de títulos.

Cegueira

E o Assunção?? Não está enquadrado nas denuncias do TJD! Hummmmm…

Linha "Turra" no Avaí

20 de fevereiro de 2014 2

Ainda que a característica de Paulo Turra seja rígida, com o jogador fazendo o que ele pede sob a pena de perder o lugar no time, gostei das suas escolhas no primeiro esboço que fez sobre quem deve encarar a Chapecoense. O esquema vai de acordo com os melhores jogadores que estão à disposição. Com a necessidade de vitória, vai apostar suas fichas num ataque forte com Roberto e Paulo Sérgio. E já antecipou que CS88 e M10 devem e podem jogar juntos.

Fazer a obrigação

Depois dos tropeços na competição e a ressurreição do clássico, ficamos na obrigação de vencer para continuar sonhando com uma vaga no quadrangular. Estou confiante de que vamos fazer nossa parte e, se os resultados ajudarem, será complicado segurar o Leão daqui pra frente.

Cálculos na mão

O Avaí fecha a rodada de domingo e saberá tudo que ocorreu com os concorrentes diretos. Uma boa.

Dias piores virão

Depois de tantas derrotas em casa para o Leão nos últimos anos, pensei que o vizinho tinha adquirido um certo conformismo. Que nada! O mimimi continua. Imagina quando começar a Série A, em que estou projetando ao rival a lanterna, como da outra vez…

Punição para quem merecer

19 de fevereiro de 2014 3

M10 e EC5 foram expulsos corretamente e devem ser punidos. Quanto ao Roberto, revidou o golpe traiçoeiro de Nem e deve sofrer pena menor que a do seu agressor. Marcos Assunção e Lúcio Maranhão deverão ser citados e devidamente punidos.  Jamais vou defender qualquer tipo de violência, até porque costumamos ressaltar o quanto é importante saber usufruir do futebol como um divertimento, aceitando e dando o direito de gozações com os inúmeros amigos que fizemos através da coluna.

Cachoeira de lágrimas

O chororô do vizinho é que está exagerado, até porque se esquece dos maiores erros do Bezerra: manter Thiago Heleno e não aplicar o amarelo para Nem na hora correta, que faria ambos irem para o chuveiro antes do intervalo. Vitória justa e dentro da lógica!

Olho gordo

Secada monstra no Bruscão nesta noite pode aumentar nossa sobrevida…

Antônio "Raça" Carlos

18 de fevereiro de 2014 5

Vou definir a raça azurra personificada no zagueiro Antônio Carlos, que é extensiva a todos os atletas da equipe, pois sabemos que é preciso muita doação para se vencer um clássico, principalmente quando se está em condição desfavorável na tabela.
O empenho e dedicação de Antônio Carlos, que foi o melhor em campo, parece ter contagiado seus companheiros e deixou para a torcida a impressão que se atuarmos “dando a vida” teremos condições que reverter o quadro. Se não der no Estadual, pela dificuldade do momento, mas no ano, onde teremos outros desafios.

Mudanças forçadas

Sem M10 e EC5, o esquema deve voltar ao 4-4-2 contra o Verdão. Abrindo oportunidade para Roberto e Paulo Sérgio no ataque e a manutenção de Diego Jardel no meio. Revson e Júlio César brigam pela última vaga.

Pressão dobrada

Paulo Turra entra no comando do time precisando vencer seus adversários. Visto de cara amarrada pela torcida, devido a falta de coragem e na sombra no êxito de Raul Cabral, que escalou bem e mostrou estrela nas alterações que fez, já está pressionado.

O som da Ilha

Deu a lógica no Scarpelli. Nos últimos sete anos, perdemos apenas uma no Estreito. A trilha sonora nas redes sociais para comemorar o triunfo do Leão tem sido ao som do Dazaranha – Salão de Festa a Vapor.