Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts de abril 2010

86% das cidades gaúchas têm bibliotecas

30 de abril de 2010 0

Boa notícia para os gaúchos: segundo o 1º Censo Nacional das Bibliotecas Públicas Municipais, divulgado nesta sexta-feira, 86% dos municípios do Rio Grande do Sul possuíam ao menos uma biblioteca pública aberta em 2009. Esse índice é superior à média nacional, que fica em 79%. O levantamento foi feito pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), sob encomenda do Ministério da Cultura (MinC), abrangendo todos os 5.565 municípios brasileiros. No Estado, verificou-se que existem 437 bibliotecas em 429 municípios, numa média de quatro por 100 mil habitantes. O censo também mostrou que no Rio Grande do Sul tem 36% de suas bibliotecas públicas municipais com acervos superiores a 10 mil volumes, o que corresponde à quarta melhor média brasileira. No entanto, os gaúchos retiram menos obras: são 293 empréstimos/mês por biblioteca, enquanto a média regional é de 351 e a nacional, de 296.   Curiosidades: – O Sul é a região brasileira com mais bibliotecas por 100 mil habitantes (4,06), seguida do Centro-Oeste (2,93), Nordeste (2,23), Sudeste (2,12) e Norte (2,01). – Tocantins (7,7 por 100 mil) é o estado com melhor índice, bem à frente das demais: Santa Catarina (4,5), Minas Gerais (4,1) e Rio Grande do Sul (4,0). – Entre os piores índices estão Amazonas (0,70), Distrito Federal (0,76), Rio de Janeiro (0,86), Acre (1,44), Pará (1,60) e São Paulo (1,62). – A região Sudeste é a que possui mais municípios com bibliotecas abertas (92%), seguida do Sul (89%), Centro-Oeste (81%), Norte (66%) e Nordeste (64%). – A maioria das bibliotecas oferecem alguma atividade cultural (56%). Entre os serviços prestados a seus usuários, o mais recorrente é a Hora do Conto (29%). Já 25% promovem oficinas de leitura e 24% realizam roda de leitura.

Inovação em bibliotecas

29 de abril de 2010 0

O complexo de favelas de Manguinhos, no Rio de Janeiro, ganhou nesta quinta-feira a primeira biblioteca-parque do Brasil. Inspirada nas bibliotecas públicas da cidade colombiana de Medellín, que desencadearam uma série de mudanças sociais em regiões pobres e violentas, a biblioteca-parque fica num espaço de 3,3 mil metros quadrados que reúne um acervo de 25 mil livros, uma ludoteca, filmoteca, sala de leitura para cegos, acervo digital de música e computadores com acesso gratuito à internet. A ideia é promover a inclusão social por meio da cultura, e as instalações são arejadas e coloridas. O custo, segundo o Ministério da Cultura, foi de R$ 8,6 milhões. Devem ser beneficiadas 100 mil pessoas, entre crianças e adultos, de 16 comunidades pobres.

Belo encontro sobre Clarice

28 de abril de 2010 1

ReproduçãoExcelente a palestra Clarice Lispector e a Angústia, ministrada na noite desta quarta-feira pela professora Cecil Albert Zinani, dentro do curso Filosofia e Literatura, na UCS. Dando um panorama da vida e da obra da grande escritora —que nasceu na Rússia mas cresceu no Brasil e naturalizou-se brasileira —, Cecil prendeu a atenção do auditório lotado durante toda a palestra. O foco foi o romance A Hora da Estrela, mas toda a produção de Clarice foi tratada, inclusive mostrando que muitas passagens de sua vida foram transportadas para a sua literatura. *** E para lembrar: o curso continua toda quarta-feira, aberto e gratuito. O tema da próxima semana é Carlos Drummond de Andrade.

Um Maigret inédito

26 de abril de 2010 0

Reprodução Os fãs do gênero policial têm um novo motivo para ir às livrarias: a L&PM está lançando Maigret e o Fantasma (160 páginas), do belga Georges Simenon, que ainda era inédito no Brasil. No romance, que tem tradução de Renée Eve Levié, Maigret vai lidar com falsificadores de arte e chantagistas mal-sucedidos, a partir de um atentado que ocorre com o azarado inspetor Lognon. Vale lembrar que Maigret, personagem de nada menos do que 75 romances e 28 contos, é um dos mais conhecidos detetives da ficção. E a edição em formato pocket tem uma vantagem extra para o leitor: o preço, R$ 15.

Postado por Maristela Scheuer Deves, Caxias do Sul

Time de primeira na Feira do Livro de Bento

24 de abril de 2010 0

Escritores de primeira linha vão estar presentes na 25ª Feira do Livro de Bento Gonçalves, que ocorre de 5 a 16 de maio na Praça Walter Galassi, no centro da cidade. Entre eles, o imortal da Academia Brasileira de Letras (ABL) Moacyr Scliar, e o patrono desta edição da feira, Tabajara Ruas.

Serão quase duas semanas de muitas histórias, poesia, palestras, lançamentos, sessões de autógrafos e, claro, muitos livros. E neste ano a feira conta ainda com uma novidade: o auxílio do microblog Twitter para a divulgação do evento e da programação. Quem quer ficar por dentro da feira pode segui-la no @fe_25.

Aproveite e confira aqui os autores que já confirmaram participação nesta edição:

 

Palestrantes

Fabrício Carpinejar

Juremir Machado da Silva

Letícia Wierzchowiski

Moacyr Scliar

Tabajara Ruas (Patrono)

 

Projeto “A Feira vai à Escola”

Alexandre Brito

Caio Riter

Carlos Urbim

Celso Sisto

Hermes Bernardi Junior

Jonas Ribeiro

Laura Castilhos

Léia Cassol

Luis Dill

Santiago

 

Projeto “A Feira na Escola Infantil”

Ingrid Biesemeyer Bellinghausen

 

Projeto “Dedo de Prosa”

Denise da Ré

Fabiana Tasca Perin

Fabiane Sassi Caio

Gilmar Caio

Sandra Zeni Carli

Postado por Maristela Scheuer Deves, Caxias do Sul

Encontro de leitores

24 de abril de 2010 1

Porthus Junior

Foi muito bom o encontro de leitores de ontem à noite, no Centro de Cultura Ordovás, organizado pelo blog em parceria com a Confraria Reinações Caxias.

Cerca de 25 leitores, incluindo um grupo de estudantes de ensino fundamental e professoras, reuniram-se para falar dos livros que estão lendo e daqueles que marcaram sua vida. Com certeza, todos saíram de lá com vontade de ler pelo menos uma das obras comentadas…

Também foram discutidas questões como o que faz um livro ser bom para um e outro leitor e a relação livros/filmes.

Ao final, os participantes receberam livros doados pela Biblioteca Municipal e pela Paulus, e também puderam trocar obras no estande do projeto Livro-Livre.

Postado por Maristela Scheuer Deves, Caxias do Sul

É hoje!

23 de abril de 2010 2

Freddy Varela

Será nesta sexta-feira, às 19h, no Centro de Cultura Ordovás, em Caxias, o encontro de leitores organizado pelo blog Palavra Escrita e pela Confraria Reinações Caxias. Venha comemorar o Dia Mundial do Livro com a gente!

Num tom bem informal, o encontro terá como tema Que livro estou lendo agora?, e se propõe a ser uma roda de leitura, com apresentação de livros e autores pelos próprios participantes, não importando o gênero literário.

Ah, e não esqueça de levar também livros para trocar com os outros leitores, ou no estande do projeto Livro-Livre — que, juntamente com o Ordovás, é um dos apoiadores da reunião.

Espero todos vocês lá!

Postado por Maristela Scheuer Deves, Caxias do Sul

Meus livros inesquecíveis da fase adulta

22 de abril de 2010 2

Reproduções
Depois dos infanto-juvenis que marcaram minha história de leitura, listo agora os livros que me marcaram na fase adulta.

Com certeza, muita coisa boa ficou de fora, e lembro que é somente uma questão de gosto pessoal.

Mas ficam as dicas de leitura.

 

— O Vermelho e o Negro, de Stendhal: obra-prima da literatura universal, é um romance envolvente e comovente, contando a saga do jovem Julien e suas amadas, a Sra de Rênal e a bela Mathilde de La Mole.

— 1984, de Georde Orwell: outro clássico que prende o leitor, ao contar o drama de uma sociedade onde os passos de todos são vigiados 24 horas por dia pelo “Grande Irmão”.

— O Nome da Rosa, de Umberto Eco: romance policial envolvente, cheio de referências filosóficas, literárias e históricas.

— Rebecca, de Daphne Du Maurier: um drama/suspense psicológico dos melhores, conta a história de uma mulher recém-casada com um viúvo que sofre ao perceber que todos na casa ainda têm muito presente a influência de sua antecessora, a Rebecca do título.

— Um Corpo na Biblioteca, de Agatha Christie: clássico da Rainha do Crime, traz Miss Marple tentando esclarecer o mistério de uma mulher que aparece morta na biblioteca da casa de um pacato pastor.

— Celular, de Stephen King: um dos melhores livros de King, tem como ponto de partida um misterioso sinal que começa a ser emitido por todos os celulares do planeta, transformando quem os utiliza em feras fora do controle.

— Chatô, O Rei do Brasil, de Fernando Morais: a impressionante biografia de Assis Chateaubriand, dono de um império de quase 10 jornais, revistas, estações de rádio e televisão, os Diários Associados, e que por décadas teve forte influência na vida cultural e política do país.

— O Jardim dos Esquecidos, de V.C. Andrews: quando o pai morre, quatro crianças são levadas pela mãe até a mansão dos avós, que eles não conhecem. A mãe diz que, por uns dias, eles terão de ficar trancados no sótão, porque o avô não sabe da existência deles; no entanto, os dias se transformam em meses, e os meses, em anos.

— O Quarto Dourado, de Rebecca Kohn: a partir da história bíblica de Esther, a autora reconstrói com precisão o tempo dos reis e seus haréns, relatando a vida das mulheres escolhidas para satisfazer o soberano.

— O Caso do Martelo, de José Clemente Pozenato: um dos livros policiais do autor de O Quatrilho, tem o enredo construído a partir de uma morte ocorrida numa pequena comunidade italiana, em que um velho é morto a marteladas na cabeça. O delegado Pasúbio é designado para resolver o caso.

Postado por Maristela Scheuer Deves, Caxias do Sul

Meus livros infanto-juvenis inesquecíveis

22 de abril de 2010 0

Reproduções
No início da semana, fiz um post pedindo que os leitores comentassem sobre seus livros inesquecíveis, já que estamos na Semana do Livro. Agora, chegou a minha vez de fazer essa lista — e, como disse uma pessoa que deixou comentário, é muito difícil escolher. Até porque, em cada momento da vida, um ou outro livro nos marca.

Então, dividi a lista em duas, e vou falar primeiro dos meus livros infanto-juvenis preferidos. Mexi várias vezes na lista, mas enfim, aqui está ela. Logo, logo, posto também os meus livros inesquecíveis da fase adulta.

 

— A Serra dos Dois Meninos, de Aristides Fraga Lima (coleção Vaga-Lume): a história dos dois irmãos que vão explorar sozinhos um morro na fazenda do pai e acabam se perdendo na mata foi uma das primeiras histórias que prendeu minha atenção, lá pelos meus oito anos.

— O Mistério do Cinco Estrelas, de Marcos Rey (coleção Vaga-Lume): esta, por sua vez, foi uma das primeiras histórias policiais que chamaram a minha atenção – um homem é assassinado em um grande hotel, mas apenas o mensageiro Léo vê o corpo. Ninguém acredita nele, que tem de desvendar o mistério apenas com a ajuda dos amigos.

— A Vida Secreta de Jonas, de Luiz Galdino (coleção Vaga-Lume): pois é, eu lia muito a coleção Vaga-Lume, já fiz até um post aqui sobre ela. Sobre o livro, ele fala de um menino que aparece de repente em uma cidadezinha, dizendo não saber quem é. Acolhido por uma família, faz amigos – e também inimigos, que dizem que ele é extraterrestre. Será?

— Paranóia – A Síndrome do Medo, de Stella Carr: em um dos sempre ótimos livros de Stella Carr, um professor de psicologia é encontrado morto, com um olhar aterrorizado no rosto. Um grupo de estudantes começa a investigar e descobre um lugar onde se escondem seres deformados e muitos segredos.

 Poliana, de Eleanor H. Porter: sim, eu também já falei de Poliana por aqui, mas acho difícil deixar de fora da lista a história dessa menina que via o lado bom de tudo, por pior que fosse a situação.

— A Mina de Ouro, de Maria José Dupré: foi difícil escolher entre os livros da autora, mas esse foi um dos que me deixou a sonhar na infância. Conta a história de seis crianças e do cachorrinha Samba que, durante um piquenique, resolvem ver onde vai dar uma escada que desce para o interior de um morro. Adivinhem: ficam presos lá dentro e vivem muitas aventuras.

— A Inspetora e o Bruxo da Encruzilhada, de Ganymedes José (sob o pseudônimo de Santos de Oliveira): as séries de mistério com mini-detetives estavam entre as minhas leituras preferidas. Esse livro é um dos que tem a “inspetora” Eloísa como protagonista, juntamente com seus companheiros da Patota da Coruja de Papelão, investigando casos misteriosos.

— Sem Família, de Hector Malot: esse livro era de minha mãe, e me comovi muito ao ler. Conta a história do menino Renato (ou Remy, em outras traduções) que é vendido a um andarilho pelo pai adotivo. A partir daí, ele peregrina pela França e pela Inglaterra, passando fome, trabalhando como músico ambulante, na companhia de um velho e seus cachorros.

— A Droga da Obediência, de Pedro Bandeira: meninos inteligentes e bons em esportes começam a desaparecer das melhores escolas de São Paulo, e quem vai tentar esclarecer o mistério são os Karas, um grupo de estudantes muito espertos.

— Harry Potter e a Pedra Filosofal, de J.K. Rowling: a história do menino que descobre ser bruxo é bem escrita, criativa e envolvente.

Postado por Maristela Scheuer Deves, Caxias do Sul

Clarice homenageada nos EUA

22 de abril de 2010 0

A escritora brasileira Clarice Lispector será homenageada na noite desta quinta-feira pela City University of New York (Cuny) e pela Americas Society, em Nova York, nos Estados Unidos. A autora, morta em 1977, será lembrada no seminário Clarice Lispector: Her Life and Legacy (em português, Clarice Lispector: Sua Vida e seu Legado).

Além disso, as obras da escritora e filmes baseados nos seus livros serão trabalhados pela universidade no próximo semestre letivo, que começa em setembro.

Postado por Maristela Scheuer Deves, Caxias do Sul