Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts de outubro 2011

Para ler no Halloween

31 de outubro de 2011 0

Reprodução

Hoje é 31 de outubro, dia de Halloween. E embora por aqui não tenhamos o costume de comemorar a data vestidos de monstros e bruxas, vale escolher uma leitura apropriada para marcar a data.

Uma sugestão é o livro Clássicos do Horror, que reúne, num só volume, três dos maiores livros do gênero: Drácula, de Bram Stoker; Frankenstein, de Mary Shelley; e O Médico e o Monstro, de Robert Lois Stevenson. Com 688 páginas, o livro tem edição da L&PM e preço de capa de R$ 95.

***

Em tempo: na 57ª Feira do Livro de Porto Alegre, o tema do dia é, muito apropriadamente, o terror, com várias atividades e palestras sobre o assunto.

A Capital (é) dos livros

28 de outubro de 2011 0

Reprodução

Como ocorre anualmente há mais de meio século, a Capital gaúcha foi tomada hoje pelos livros. A abertura oficial da 57ª Feira do Livro de Porto Alegre será às 18h desta sexta, mas as bancas já estão abertas, tanto na área infantil e juvenil, localizada no Cais do Porto, quanto na área geral, na Praça da Alfândega.

Até 15 de novembro, quem circular pela Feira poderá conferir milhares de ofertas nas 16 bancas da área internacional, 29 da área infantil e juvenil e 112 da área geral. São mais de 150 editoras e livreiros, que trazem ao público lançamentos, novidades, clássicos e promoções.

Durante as duas semanas e meia de programação, são esperadas ,aos de 1,7 milhões de pessoas na Praça da Alfândega. Além dos livros em si, grandes estrelas da festa, as atrações incluem cerca de 700 sessões de autógrafos, 200 palestras e debates, dezenas de oficinas e 400 encontros com autores.

A patrona desta edição é a escritora Jane Tutikian (foto abaixo).

Félix Zucco

Dezesseis 'debutantes' na escrita

27 de outubro de 2011 0

Reprodução

Estrear no mundo da literatura trazendo o suporte de quem já está na estrada há tempo. É isso que faz um grupo de 16 novos autores que lançam hoje, em Porto Alegre, o livro De Tudo Fica um Pouco (Dublinense, 176 páginas, R$ 28). A obra é uma coletânea de contos, dois por autor, produzidos a partir da oficina de criação literária mantida pelo escritor Luiz Antonio de Assis Brasil.

Adriana Jorgge, Ângela Broilo, Bárbara Zeni, Berenice Rheinheimer, Caroline Becker, Felipe S. Karasek, Joséte Sobbé Obino, Josué de Paiva, Juliana Grünhäuser, Luís Roberto Amabile, Luisa Geisler, Marana Borges, Marcos Vinícius Almeida, Moema Vilela, Renan Santos e Rosangela Petta autografam, a partir das 19h, no Instituto NT de Cinema e Cultura (Rua Marquês do Pombal, 1.111, em Porto Alegre).

O ponto de partida dos textos é a questão da influência e do diálogo entre obras de arte, dos mais diferentes suportes e formatos. A proposta é lê-los a partir de alguma obra alheia, uma influência escancarada e revelada logo de início, numa prática de intertextualidade.



As Esganadas do Jô

25 de outubro de 2011 2

Reprodução

Que Jô Soares tem talento para o humor, todos já sabem. E que ele escreve bem também já é fato conhecido da maioria.


Pois esses dois talentos combinados podem ser conferidos no seu novo livro, o romance policial As Esganadas (Cia das Letras, 264 páginas, R$ 36), que chegou às livrarias no final de semana e tem lançamento oficial amanhã, em São Paulo.


A trama gira em torno de um serial killer de gordinhas, que atrai suas vítimas oferecendo-lhes doces (vai ver, elas não ouviram quando suas mães disseram para não aceitar doces de estranhos…).



E olhem o que achei no blog da editora: um vídeo do escritor/humorista lendo um trecho do livro. Clique aqui e confira.


A partir de sexta, Porto Alegre é dos livros

25 de outubro de 2011 0

Está se aproximando a 57ª Feira do Livro de Porto Alegre, que abre sexta, dia 28 de outubro, e segue até o dia 15 de novembro na Praça da Alfândega.

A programação oficial, anunciada hoje, veio com novidades. Entre elas, a criação de temas para cada dia da Feira. Esses temas orientam a programação diária, que inclui palestras, oficinas, lançamentos, etc.

Confira os temas de cada dia:

28 de outubro: Bibliotecas
29 de outubro: Livro e Leitura
30 de outubro: Suspense
31 de outubro: Terror/Horror
1º de novembro: Viagem
2 de novembro: Cinema
3 de novembro: Humor e HQ
4 de novembro: Cultura Popular
5 de novembro: Conto
6 de novembro: Gastronomia
7 de novembro: Afrodescendentes
8 de novembro: História
9 de novembro: Educação
10 de novembro: Sexo, corpo e saúde
11 de novembro: América Latina
12 de novembro: Direitos Humanos
13 de novembro: Gentileza
14 de novembro: Ecologia
15 de novembro: Comunicação

Sherlock Holmes chega aos quadrinhos

21 de outubro de 2011 0

 

Reproduções

O detetive mais famoso da literatura chegou aos quadrinhos. Com os livros A Faixa Malhada e A Casa Vazia, a editora Farol Literário está inaugurando uma coleção com histórias de Sherlock Holmes, personagem criado por Arthur Conan Doyle em 1887.


Os livros, adaptados por Vincent Goodwin e ilustrados por Bem Dunn, são fiéis ao texto original de Doyle. A edição traz as apresentações dos personagens logo no começo do livro, ajudando o leitor a identificá-los, e ao final do livro um capítulo a parte com informações sobre sites e filmes e um glossário que abordam o universo sherlockiano.


Em A Faixa Malhada, escrito em 1892, o autor retrata o período em que a Índia era colônia da Inglaterra. Devido aos seus exóticos costumes, plantas e animais diferentes, o país desperta o interesse dos ingleses e de Doyle, que influenciado por artigos escritos por eles, cria uma aventura onde Holmes desvenda o assassinato de uma cobra nativa.


A Casa Vazia marca o retorno de Sherlock Holmes após sua suposta morte na Suíça. A ideia de Doyle era assassinar o detetive em O Problema Final, de 1893. No entanto, diante da pressão dos leitores, Holmes voltou em 1901, onde junto com o fiel Watson soluciona o assassinato de Ronald Adair.


Cada livro tem 48 páginas e preço de R$ 26,90. Outros quatro volumes da coleção estão progrados para o próximo ano.




Pozenato no 'Encontros com o Professor'

19 de outubro de 2011 0

Foto Daniela Xu, banco de dados

O escritor e professor José Clemente Pozenato, radicado em Caxias do Sul, é o convidado de amanhã no talk show Encontros com o Professor, comandado por Ruy Carlos Ostermann. O encontro será às 19h30, no Studio Clio (Rua José do Patrocínio, 698), em Porto Alegre.

Autor de diversos livros, ensaios e artigos e membro da Academia Sul-Brasileira de Letras e da Academia Rio-Grandense de Letras, Pozenato falará sobre a cultura brasileira e o relançamento de seu livro A Cocanha, que integra a trilogia da história da imigração italiana da qual também faz parte O Quatrilho.

O evento tem entrada franca e contará com a trilha sonora da cantora e compositora Gisele De Santi.

Os vencedores do Jabuti

17 de outubro de 2011 0

 

Prêmio Jabuti, divulgação

A Câmara Brasileira do Livro anunciou hoje os vencedores do Prêmio Jabuti 2011.

Entre os vencedores está o jornalista e escritor José Castello, que esteve este mês em Caxias do Sul participando da 27ª Feira do Livro. Ele venceu na categoria Romance com Ribamar (editora Record).

O também jornalista e escritor Laurentino Gomes venceu em Reportagem com 1822 (Nova Fronteira).  Em Poesia, o vencedor foi Ferreira Gullar, com Em Alguma Parte Alguma (editora José Olympio), e Dalton Trevisan foi o ganhador em Contos e Crônicas, com Desgracida (editora Record).

Na categoria Infantil, o vencedor foi André Neves, com Obax (Brinquebook), e na Juvenil, Marina Colasanti, com Antes de Virar Gigante e Outras Histórias (Ática).

***

Quer conhecer um pouco mais sobre o vencedor da categoria Romance? Clique aqui e leia entrevista que José Castello concedeu ao Pioneiro, publicada no caderno da Feira do Livro do dia 7 de outubro.



Em 10 anos, vendas na Feira cresceram 550%

17 de outubro de 2011 0

Maicon Damasceno

A cada final de Feira do Livro de Caxias do Sul, percebe-se que os números vêm crescendo. A deste ano, a 27ª edição, teve 14,5% mais livros vendidos do que a do ano passado, totalizando 84,5 mil obras comercializadas, ante 73,8 mil de 2010.

Mas o salto é ainda maior se levarmos em conta números de um pouco mais de tempo. Em relação a 2007, por exemplo, o salto foi de 62%, ou 32,5 mil livros a mais.

E se recuarmos até a 17ª edição da Feira, realizada em 2001, o crescimento conquistadose mostra ainda mais surpreendente. Naquela edição, foram vendidos 12.939 exemplares, ou seja, em apenas 10 anos o número de vendas cresceu inacreditáveis 553,6%.

Uma prova de que o caxiense está lendo cada vez mais. Que a leitura continue florescendo entre nós!

Literatura, vampiros e muita diversão (dica do dia)

14 de outubro de 2011 0

Reprodução


Imaginem a cena: uma autora famosa e reconhecida, vivendo incógnita numa cidadezinha do interior dos Estados Unidos, como dona de uma pequena  livraria. Além de não receber os direitos autorais de suas obras, que seguem vendendo bem mesmo após duzentos anos, ela vê os originais de seu novo romance sendo recusados por editora após editora, e não pode revelar quem é ralmente. 

Não, o “duzentos anos” do parágrafo acima não foi erro de digitação. É que a escritora em questão é nada menos do que Jane Austen, que não morreu como se pensava, mas sim foi transformada em vampira por seu grande amor, Lorde Byron, que depiis a abandonou. Ao menos, no livro Jane Austen, A Vampira, de Michael Thomas Ford (editora Lua de Papel, 304 páginas, R$ 39,90).

Já falei rapidamente dele por aqui, quando foi lançado, cerca de um ano atrás. Na época, como disse no post, ainda não havia lido o livro, e tinha minhas desconfianças de que fosse apenas mais um lançamento de olho na onda vampiresca que rondava (e ainda ronda, mas já parece ter diminuído o ritmo) a literatura mundial. No entanto, a curiosidade foi mais forte, e, quando vi o livro na livraria, comprei.

O que posso dizer é que a leitura valeu a pena. Diferentemente de outros livros do gênero – tentei ler algumas adaptações de grandes clássicos mesclados com sobrenatural, e achei horríveis -, o livro é divertido, bem escrito e com uma trama envolvente. Não é uma paródia mal feita, é uma história criativa e gostosa de ler.


Quanto à heroína-vampira, ela pode até se alimentar de sangue, mas é bem humana em seus dramas – a frustração por não reconhecerem o valor de sua escrita, a indignação por ver as mais absurdas adaptações de sua obra e da sua biografia (boa sacada dentro de um livro que não deixa de ser uma reescrita da vida de Austen), as dúvidas no amor, a alegria quando finalmente elogiam seu novo livro sem saber que “Jane Fairfax” é na verdade uma das maiores escritoras de todos os tempo


E um aviso aos fãs das histórias vampirescas: o livro até tem mordidas, mas é possível dizer que elas são acessórias, e não centrais na história.

 Fica a sugestão de leitura. Quem aceitar dificilmente vai se arrepender.