Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts de novembro 2012

E o vencedor em Não Ficção...

30 de novembro de 2012 0

Reprodução

Além do Livro do Ano de Ficção (veja post abaixo), o Jabuti elegeu também o Livro do Ano de Não Ficção. Nessa categoria, o grande vencedor foi Saga Brasileira — A Longa Luta de Um Povo por Sua Moeda (editora Record), da jornalista Miriam Leitão.


O livro é o primeiro publicado pela jornalista, que já tem programada a publicação de um novo livro, A História do Futuro, e pretende lançar ainda três obras infantis.

Essa foi a primeira vez que duas mulheres — Miriam Leitão e Stella Maris Rezende, vencedora em Ficção — ganharam juntas as duas premiações máximas do Jabuti.

Cada uma recebeu R$ 35 mil por suas obras terem sido eleitas Livro do Ano.

O Livro do Ano do Jabuti

30 de novembro de 2012 0

Reprodução

Estava devendo por aqui um post sobre o Livro do Ano de Ficção do Jabuti, anunciado esta semana. Pois aqui está ele: A Mocinha do Mercado Central (Globo Livros, 112 páginas, R$ 29,90), da escritora mineira Stella Maris Rezende, que já havia vencido na categoria Juvenil, consagrou-se também como o melhor da ficção nacional no Jabuti 2012.


— Imagina, é mágica! — disse Stella Maris em seu discurso de agradecimento, parafraseando a personagem Maria Campos, a “mocinha” da obra.


A autora já havia sido indicada ao Jabuti três vezes antes de vencer a edição de 2012. Para ela, o reconhecimento por A mocinha do Mercado Central abre espaço para que a literatura juvenil genuinamente brasileira seja mais apreciada pelos leitores e pela mídia.


O livro premiado fala da vida em uma fase de transformações, cheia de descobertas e desafios, típica da juventude. Maria Campos, a protagonista, tem origem humilde, assim como seu nome. Decide aventurar-se por diferentes experiências e, a cada uma delas, adota um novo nome cujo significado a ajuda a transpor suas dificuldades.


Na metáfora criada pela autora, cada nome que a mocinha agrega ao seu representa uma personalidade desenvolvida por Maria Campos para encarar seus desafios, experiências e aprendizados adquiridos ao longo de sua história. O livro fala, em síntese, do desejo de liberdade que só é alcançado com a coragem de se reinventar.


A publicação tem ilustrações de Laurent Cardon e uma participação especial do ator Selton Mello, que escreveu a apresentação do livro e é citado na história como referência afetiva da personagem principal. A Mocinha do Mercado Central tem a peculiaridade de se situar entre o romance, que narra o desenvolvimento de um protagonista, e uma sequência de contos que se desenrolam nas diferentes cidades por onde ela passa.

Pequenos escritores premiados

28 de novembro de 2012 1

Fotos Marco Rogério Zeminhani, divulgação

Em Caxias do Sul também é tempo de premiação literária. Na noite de ontem, o Colégio Mutirão premiou os alunos vencedores do seu 18º Concurso Literário.


A cerimônia ocorreu na sede da escola e contou com a participação dos pais, professores, jurados e representantes da Academia Caxiense de Letras(ACL) .

Trinta estudantes do ensino fundamental ao ensino médio receberam o troféu. Eles também autografaram os livros que contêm os textos vencedores deste ano, categorizados em poema e prosa.

 Na ocasião, também foi realizada uma homenagem à Academia Caxiense de Letras pelo seu aniversário de 50 anos. A vice-presidente da instituição, Alice Velho Brandão, recebeu uma placa comemorativa das mãos da diretora do Colégio Mutirão, Fabricia Finco.

Hoje é dia de Jabuti

28 de novembro de 2012 0

Divulgação

Se na segunda-feira o mundo literário conheceu os ganhadores do Prêmio Portugal Telecom (veja post abaixo), hoje é dia de serem anunciados os vencedores de outro aclamado prêmio da área: o Jabuti.

A terceira e última etapa do 54º Prêmio Jabuti, quando serão conhecidos os Livros do Ano de Ficção e Não Ficção, ocorre a partir das 19h30min, na capital paulista. Durante a cerimônia, haverá também a entrega do Jabuti aos primeiros, segundos e terceiros colocados nas 29 categorias que compõem a premiação, anunciados em outubro.

O autor do Livro do Ano de Ficção será escolhido entre os primeiros colocados nas categorias Romance, Contos e Crônicas, Poesia, Infantil e Juvenil — ou seja, entre Nihonjin, de Oscar Nakasato, vencedor em Romance; O Destino das Metáforas, de Sidney Rocha, vencedor em Contos e Crônicas; Alumbramentos, de Maria Lúcia Dal Farra, vencedor em Poesia; Votupira o Vento Doido da Esquina, de Fabrício Carpinejar, vencedor em Infantil; e A Mocinha do Mercado Central, de Stella Maris Rezende, vendedor em Juvenil.

Para o Livro do Ano Não Ficção, participam os primeiros colocados nas categorias Teoria/Crítica Literária, Reportagem, Ciências Exatas, Tecnologia e Informática, Economia, Administração e Negócios, Direito, Biografia, Ciências Naturais, Ciências da Saúde, Ciências Humanas, Didático e Paradidático, Educação, Psicologia e Psicanálise, Arquitetura e Urbanismo, Fotografia, Comunicação, Artes, Turismo e Hotelaria e Gastronomia.

Além dos jurados que votaram nas duas primeiras etapas do prêmio, participam da escolha do prêmio máximo do Jabuti 2012 os associados da Câmara Brasileira do Livro (CBL), do Sindicato Nacional dos Editores de Livros (Snel), Associação Nacional de Livrarias (ANL) e Associação Brasileira de Difusão do Livro (ABDL).

Confira os ganhadores das 29 categorias do Jabuti, que receberão seus troféus hoje à noite, clicando aqui.

Valter Hugo Mãe vence o Portugal Telecom

27 de novembro de 2012 0

Ana Pereira, divulgação

Valter Hugo Mãe (foto) é o grande vencedor do 10º Prêmio Portugal Telecom de Literatura em Língua Portuguesa, entregue ontem à noite em São Paulo. O escritor e poeta foi agraciado com o Grande Prêmio, escolhido entre os vencedores das três categorias da edição 2012. Valter Hugo Mãe ganhou também o prêmio como melhor Romance, enquanto Dalton Trevisan venceu a categoria Conto e Nuno Ramos, a Poesia.

Nascido em Angola e radicado em Portugal, Valter Hugo Mãe foi premiado por seu último livro, A Máquina de Fazer Espanhóis, segundo título de ficção mais vendido em 2010 em Portugal. Trata-se do quarto volume de uma tetralogia formada pelos romances: O Nosso Reino (2004), O Remorso de Baltazar Serapião (2006, vencedor do Prêmio Saramago) e O Apocalipse dos Trabalhadores (2008).

O curitibano Dalton Trevisan, vencedor da categoria Conto com a obra O Anão e a Ninfeta, tem mais de 40 livros publicados, em 50 anos de carreira. Já conquistou o Prêmio Portugal Telecom em 2003, com o livro Pico na Veia, e em 2007, com a obra Macho não ganha Flor. Em 2012 o escritor foi eleito por unanimidade o vencedor do Prêmio Camões, principal reconhecimento da literatura em língua portuguesa, criada em 1988 por Brasil e Portugal. O escritor ainda venceu quatro vezes o prêmio Jabuti, entre 1960 e 2011.

Um dos mais importantes nomes da arte contemporânea brasileira, Nuno Ramos é autor de livros de contos, ficção, poesia e ensaios biográficos, e foi premiado por sua obra Junco. Formado em filosofia, o artista multimídia foi o ganhador do prêmio Portugal Telecom em 2009, com Ó. Nuno Ramos atualmente está com uma instalação no Rio de Janeiro na qual mostra diversos objetos pessoais, e outros coletados aleatoriamente, que serão todos destruídos ao final da exposição.

Crônica em pauta no Órbita Literária

26 de novembro de 2012 0

Ricardo Wollfenbüttel, banco de dados

O Órbita Literária, projeto iniciado em março pelo grupo literário independente NósSemHora, realiza hoje o seu último bate-papo do ano, das 20h30min às 22h, no Aristos London House, o pub do Clube Juvenil, em Caxias do Sul.

O tema em pauta nesta noite é a crônica, e, para falar sobre o tema, o convidado é o jornalista Gilberto Blume, há muitos anos cronista do jornal Pioneiro, onde assina a coluna Cotidiano.

O Órbita Literária tem entrada franca e aberto a todos os interessados.

Para 2013, o projeto continua, com muitos papos sobre literatura animando as noites das segundas-feiras. E o grupo até já está ensaiando novos voos: no último final de semana, cerca de 15 “orbitantes” promoveram o primeiro encontro fora de Caxias, em uma livraria de São Francisco de Paula.

Verissimo entre os mais vendidos

25 de novembro de 2012 0

Reprodução

O escritor gaúcho Luis Fernando Verissimo lidera o ranking de mais vendidos dos últimos dias na categoria não ficção com o livro Diálogos Impossíveis (editora Objetiva, 176 páginas, R$ 32,90), segundo listagem da revista Veja que chegou às bancas neste final de semana.

Esta já é a quinta semana consecutiva que a obra aparece entre os 10 mais, e ela vinha galgando posições — na edição passada da revista, aparecia em terceiro.

Diálogos Impossíveis também aparece no ranking do site especializado Publishnews divulgado na sexta-feira, referente ao período. Curiosamente, nessa lista ele aparece classificado como obra de ficção, detendo a sétima colocação nessa área. Nas duas semanas anteriores, nesse mesmo ranking, ele estava em quinto e nono lugar, respectivamente.

E para os fãs do escritor, hospitalizado desde a última quarta-feira, uma boa notícia é que os últimos boletins médicos indicam que seu estado de saúde está melhorando, embora ainda seja considerado grave.

Escritora caxiense lança 'O Colecionador de Águas'

24 de novembro de 2012 0

Reprodução

Tem livro infantil novo pintando por aí: neste sábado, às 15h, a escritora caxiense Elaine Pasquali Cavion lança o livro O Colecionador de Águas (Cortez Editora, 32 páginas, R$ 27). A sessão de autógrafos será na Livraria Saraiva do Shopping Iguatemi, em Caxias do Sul.

Na obra, o personagem Francisco, com seu olhar de menino-poeta, percebe que a água guarda a simplicidade de tudo o que faz feliz. Tem os banhos de chuva, os mergulhos nos riachos, o pular as poças de água nos dias de chuva…

O livro é enriquecido pelas belas ilustrações da paulista Lúcia Hiratsuka.



Os segredos de Barack Obama

23 de novembro de 2012 0

 

Reprodução

O que podemos aprender com o presidente reeleito do mais poderoso país da atualidade? Muito, acredita a autora do livro Liderança segundo Barack Obama (248 páginas, R$ 29,90), lançamento da editora Leya.



Na obra, a Dra. Shel Leanne — presidente da Regent Crest, uma companhia de desenvolvimento de lideranças — pretende explicar como um jovem advogado afro-americano conseguiu ser eleito (duas vezes) presidente dos Estados Unidos. Não foi sorte, garante a autora, que promete revelar nas páginas do livro os segredos de Obama.

Entre as “lições” tiradas da carreira do presidente norte-americano estariam algumas bem simples, que podem ser aplicadas tanto a metas pessoais quanto profissionais: defina e articule seu objetivo; transmita segurança e preocupe-se em passar uma impressão sempre positiva; construa, guie e fortaleça uma equipe vencedora, que sustente seus ideais e suas metas. E por aí vai.

Além disso, o livro lembra o slogan da campanha de 2008 de Obama, “yes, we can” (“sim, nós podemos”), e promete explicar como fazer isso.

Três mulheres e um clube de sexo

21 de novembro de 2012 0

Reprodução

Elas são lindas, ricas e bem-sucedidas profissionalmente. Mas não é só isso que a médica Linda Markus (que já viveu dois casamentos e inúmeros relacionamentos malsucedidos), a arquiteta Trudie Stein e a advogada em crise conjugal Jessica Franklin têm em comum. Também as une uma pulseira de ouro com o pingente de uma borboleta, que mostra que elas são sócias do Butterfly, um clube em Beverly Hills no qual elas podem vivenciar suas mais loucas fantasias sexuais.

Numa época em que tramas eróticas lideram as listas de mais vendidos, Linda, Trudie e Jessica protagonizam outro lançamento do gênero: o romance Butterfly (520 páginas, R$ 44,90), escrito por Barbara Wood sob o pseudônimo de Kathryn Harvey e que chega ao Brasil pela editora Universo dos Livros.

A promessa da história são tórridas cenas de sexo, mas não só isso: o livro também teria um clima de reviravoltas, revelações e vinganças. Isso porque há um segredo por traz do clube e de sua criadora, Beverly Highland — que, no passado, com outro nome, foi abusada e obrigada a se prostituir, e agora quer vingança contra o homem poderoso que a fez sofrer.

Tudo isso, é claro, tendo como parte do cenário homens de capa e máscara negra, vestidos de Don Juan, soldado ou cowboy…