Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Resenha: 'As Mitologias Roubadas - Os 12 Trabalhos'

05 de fevereiro de 2013 2

Reprodução

Embora muitos leitores brasileiros insistam em não ler autores nacionais – a velha história de que santo de casa não faz milagre -, nós temos, sim, vários bons escritores, muitos dos quais, infelizmente, seguem ignorados pelo grande público. Há pouco, descobri um deles, que ainda não conhecia: o mineiro radicado em Porto Alegre Giancarlo Carvalho Borges, autor do ótimo livro As Mitologias Roubadas – Os 12 Trabalhos (Literalis, 360 páginas, R$ 44), lançado ainda em 2007.


A trama de As Mitologias… se passa em Nova Porto Alegre, uma capital gaúcha reconstruída, no ano de 2070. Tudo começa quando a Biblioteca Pública é parcialmente destruída, de forma misteriosa, e tem um livro sobre mitologia roubado. No que restou de uma parede, uma estranha e enigmática mensagem é deixada esculpida. O jovem Felippe Valenti, estagiário da biblioteca, acredita que a mensagem foi deixada para ele, e, quando descobre que seu pai desapareceu, resolve seguir as pistas e decifrar os enigmas para poder salvá-lo.

Com a ajuda do amigo Hiro, ele parte numa aventura perigosa e fantástica, sendo obrigado a reconstruir os 12 trabalhos do herói grego Hércules – ao mesmo tempo em que cultua a memória de um antigo herói local, Gustav Côrtes, conhecido como O Laçador e que desapareceu 15 anos antes, sendo dado como morto, após ajudar a reconstruir a cidade que havia sido arrasada por uma enchente.

Mesmo apresentando uma Porto Alegre futurística e mesclando elementos mitológicos e de ficção científica à história, Giancarlo Borges consegue também traçar um belo panorama da cidade atual, com seus prédios históricos e belos monumentos, que muitas vezes passam despercebidos por quem transita pelas ruas da capital.

Em alguns momentos, as descrições desses locais cansam um pouco, quase caindo no didatismo, mas, ao mesmo tempo, servem como uma espécie de respiro para a ação e o suspense intensos que marcam a maioria das páginas.

O resultado final é um livro ágil, que convida à leitura e cativa o leitor, levando-o a querer ler sempre um pouquinho mais. Quando a história termina, fica uma sensação quase que de perda: a vontade era acompanhar mais aventuras da dupla de adolescentes por quem se torceu por três centenas e meia de páginas…

Comentários (2)

  • Humberto diz: 5 de fevereiro de 2013

    A história parece interessante.
    O problema é que alguns autores gostam de “encher linguiça” para aumentar o número de páginas dos livros.
    Essas descrições detalhadas de alguns pontos da cidade são desnecessários.
    O leitor está interessado é no desenrolar da história e essas enrolações só servem para irritar.
    Seria melhor se o livro tivesse apenas 200 páginas em vez das 360, assim o texto poderia ser escrito de forma direta e objetiva sem nenhuma enrolação. E o preço seria menor já que os livros no Brasil são cobrados pelo número de páginas.

  • Giancarlo Carvalho Borges diz: 5 de março de 2013

    Maristela,

    Agradeço a resenha carinhosa feita sobre meu livro. Palavras de apoio como as suas são importantes pois, quase sempre, vejo novos escritores (como eu) travando batalhas hercúleas para ter seu trabalho/obra apresentado ao grande público. É um esforço árduo, mais complicado que os tais 12 trabalhos, posso dizer. Mas ter o livro finalizado é recompensador. Espero ter forças (e alguns deuses do Olimpo ao meu lado…) para continuar esta história que tanto me exigiu, e da qual tenho muito orgulho.

Envie seu Comentário