Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts com a tag "agatha christie"

Poirot retorna à cena em setembro

28 de julho de 2014 1
Reproduções

Reproduções

Reza a lenda que Agatha Christie não queria que acontecesse, com seus personagens, o mesmo que aconteceu com outros detetives do mundo literário: serem utilizados por outros autores, após sua morte. Mas não adiantou a Rainha do Crime matar seus heróis, Hercule Poirot e Miss Marple, respectivamente em Cai o Pano e Um Crime Adormecido (perdoem-me o spoiler, mas os verdadeiros fãs certamente já leram esses livros): quase quarenta anos após perecer em 1975, poucos meses antes de sua criadora, o famoso detetive belga volta à ativa em setembro com o lançamento do livro Os Crimes do Monograma.

Embora seja anunciado como “novo livro de Agatha Christie”, na verdade a obra foi escrita pela também britânica Sophie Hannah. Como já tínhamos comentado aqui no blog ainda ano passado, ela reviverá o personagem com o aval da família de Agatha e da Acorn Productions, que detém os direitos da escritora, morta em 1976.

A capa é esta acima, divulgada semana passada na página da editora Nova Fronteira no Facebook juntamente com a chamada #poirotvemaí. Foram mais de mil curtidas e cerca de 200 compartilhamentos, embora não tenham faltado críticas na própria página, com muita gente comentando que, se não foi escrito por Agatha, não é Poirot de verdade, e que nenhum escritor, por melhor que seja, conseguirá se igualar à Rainha.

De minha parte, até concordo com esses argumentos, mas mesmo assim continuo curiosa para ler Os Crimes do Monograma. Tanto para conferir mais uma aventura do meu detetive preferido (sim, prefiro Poirot e suas esquisitices a Sherlock Holmes) quanto para ver como a Sophie Hannah se saiu. Creio que nunca li nada dela, mas para ter aceito o desafio de “substituir” Agatha Christie (que, convenhamos, é insubstituível), ela deve ter talento ou, no mínimo, bastante coragem.

Até agora, porém, ainda não falei da história. Segundo a sinopse divulgada, Poirot está ceando em um café londrino quando é abordado por uma jovem que diz estar prestes a ser assassinada. Ela não quer, entretanto, que o detetive investigue, pois diz que sua morte será para fazer justiça. Naquela mesma noite, três pessoas são assassinadas num elegante hotel, e na boca da cada uma é encontrada uma abotoadura. Poirot não resiste e põe suas famosas células cinzentas para funcionar, enquanto mais um crime está prestes a ser cometido…

Pelo que li, não sei dizer se o personagem será “ressuscitado”, mas creio que a ideia é que a trama se passe antes daquela de Cai o Pano, uma vez que é ambientada nos anos 1920 (o primeiro livro com Poirot, O Misterioso Caso de Styles, foi lançado em 1920, e o último, em 1975). Também não encontrei ainda detalhes sobre número de páginas e preço do livro, mas sei que o lançamento no Brasil deverá ser simultâneo ao lançamento mundial, em setembro — segundo a revista Veja, a data exata é o dia 8.

Ah: a título de curiosidade, publico aqui, além da colorida capa da edição brasileira, as versões britânica (do meio) e americana/canadense (a terceira), que trazem na capa a tradicional assinatura de Dame Agatha.

Livros de Agatha Christie ganham nova edição

10 de julho de 2014 1
Imagens Globo Livros, divulgação

Imagens Globo Livros, divulgação

Mesmo passados quase quatro décadas de sua morte, a escritora britânica Agatha Christie segue cativando leitores de todas as idades _ tanto que ainda é uma das autoras mais vendidas do mundo e lidera com folga o ranking de traduções para outros idiomas, que somam mais de 7,2 mil versões (contra 4,7 mil do segundo colocado, o francês Júlio Verne).

E novas edições das obras da “Dame” Agatha surgem a cada ano, como esta série de oito clássicos da Rainha do Crime que está sendo lançada pela Globo Livros. Entre eles, o primeiro dos romances publicados pela escritora, O Misterioso Caso de Styles (288 páginas, R$ 34,90), que marca também o “nascimento” do seu mais célebre personagem, o detetive belga Hercule Poirot).

Na lista está também a reedição de E Não Sobrou Nenhum (400 páginas, R$ 39,90) — novo título de O Caso dos Dez Negrinhos), considerado o melhor livro policial de todos os tempos e que inaugurou um novo estilo nas histórias policiais. Um detalhe é que, nessa versão, em vez de a cantiga infantil que conduz a história dizer “dez negrinhos saem para jantar”, ela vem com “dez soldadinhos saem pra jantar”.

Os outros títulos são O Assassinato de Roger Ackroyd (296 páginas, R$ 34,90), outro dos clássicos da autora e sempre listado entre seus melhores livros, Assassinato no Campo de Golfe (296 páginas, R$ 34,90), O Adversário Secreto (384 páginas, R$ 39,90), Os Cinco Porquinhos (296, R$ 34,90) — outro dos chamados “casos das cantigas infantis” —, Os Relógios (336 páginas, R$ 34,90) e Três Ratos Cegos e Outros Contos (272 páginas, R$ 34,90), este último reunindo nove contos).

4maisagatha

 

A Rainha não está morta

09 de junho de 2014 0
Reprodução

Reprodução

Hoje é segunda-feira, portanto, noite de Órbita Literária. E para comandar o bate-papo, o convidado da vez é o jovem escritor Pedro Guerra, autor de dois romances policiais publicados nos últimos anos, entre eles A Rainha Está Morta, 4º obra mais vendida na última Feira do Livro de Caxias do Sul.

Mas não, o bate-papo não vai desmentir a trama do livro — que gira em torno de um crime ocorrido numa escolha de soberanas da Festa da Uva —, e sim falar de uma outra rainha, Agatha Christie, que, apesar de morta há quase quatro décadas, segue mais viva do que nunca entre os amantes da literatura policial.

Com o tema A Indústria Agatha Christie, o encontro vai debater vida e obra da eterna Rainha do Crime, autora de mais de 80 livros e que, ainda hoje, segue como a campeã de vendas no mundo todo (sim, suas obras somam mais de 4 bilhões de exemplares vendidos, bem a frente de best-sellers da atualidade, como J.K. Rowling ou John Green).

O bate-papo, promovido pelo Grupo Cultural Órbita Literária, começa às 20h, na Do Arco da Velha Livraria e Café (Rua Dr. Montaury, 1.570), no centro de Caxias, e tem entrada franca.

***

Quem quiser ir lendo um pouco mais sobre as obras de Agatha Christie para se preparar para o encontro, fica aqui o link de uma série de resenhas publicadas aqui no blog, além de notícias relacionadas a obras da Rainha.

Noite de Agatha Christie na Confraria Reinações

20 de maio de 2014 0
Reprodução

Reprodução

Dez pessoas, que não se conhecem, são convidadas a passar o final de semana numa ilha. Uma a uma, elas vão sendo assassinadas. Essa é, em resumo, a trama do livro E não sobrou nenhum, de Agatha Christie, que será debatido hoje, a partir das 19h, no encontro mensal da Confraria Reinações Caxias, que ocorre na Do Arco da Velha Livraria e Café (Rua Dr. Montaury, 1.570), em Caxias do Sul.

Para quem não está reconhecendo o nome do livro, é porque esse é o título “politicamente correto” de O Caso dos Dez Negrinhos, um dos clássicos da Rainha do Crime — essa versão já era utilizada nas edições americanas, e nos últimos anos passou a ser a preferida também nas reedições brasileiras.

Um dos mais de 80 livros de Agatha Christie, O Caso dos Dez Negrinhos / E não sobrou nenhum foi publicado originalmente em 1939. A obra ganhou várias adaptações para o cinema e para o teatro e é hoje a mais vendida da autora.

Com entrada franca, o bate-papo será conduzido por Tatiane Becker.

Ampliando a brincadeira, mais livros inesquecíveis

02 de fevereiro de 2014 0
Reprodução

Reprodução

Como comentei aqui quando postei a lista de 10 livros que me marcaram — aqueles da brincadeira que virou moda no Facebook —, foi muito difícil, entre tantas boas leituras, escolher apenas 10.

Por isso, não resisti à tentação de fazer uma segunda listagem, com outros 10 livros que li e considero excelentes. Vamos a eles:

- Incidente em Antares, de Erico Verissimo: na divertidíssima história, que chegou à tevê alguns anos atrás com Fernanda Montenegro e Paulo Betti no elenco, os mortos não sepultados devido a uma greve dos coveiros se revoltam com a situação.

- O Retrato de Dorian Gray, de Oscar Wilde: a clássica história do homem que fica eternamente jovem, com um retrato envelhecendo no seu lugar.

- O Bebê de Rosemary, de Ira Levin: mesmo quem não leu o livro já viu o filme ou, ao menos, ouviu falar da história, em que o filho tão esperado pela protagonista pode não ser do marido, e sim de uma entidade diabólica.

- O Fantasma da Infância, de Cristovão Tezza: o romance trata a questão do duplo, com duas histórias de personagens homônimos seguindo paralelas, deixando o leitor a questionar qual é a versão “real”.

- Barba Ensopada de Sangue, de Daniel Galera: vencedora do Prêmio São Paulo de Literatura, a obra conta a história de um professor de natação que se muda de Porto Alegre para a praia catarinense de Garopaba tentando descobrir o que aconteceu com o avô, que teria sido morto por lá antes dele nascer.

- Festa no Covil, de Juan Pablo Villalobos: a trama é narrada na perspectiva de um garoto, filho de um traficante, que passa os dias na fortaleza do pai, estudando novas palavras e sonhando com um hipopótamo anão, tomando como corriqueira a violência ao redor de si.

- O Vendedor de Histórias, de Jostein Gaarder: assaltado por milhares de histórias que pipocam sem cessar na sua mente, homem passa a vendê-las para outros, que buscam a fama como escritor.

- Sob a Redoma (Under the Dome), de Stephen King: desse livro, que virou minissérie recentemente, já falei muito por aqui, mas, para recapitular, ele fala de uma pequena cidade que, repentinamente, fica presa sob uma redoma invisível, e os conflitos que se originam a partir daí.

- Convite para um Homicídio, de Agatha Christie: o jornal local publica um anúncio convidando a todos para o homicídio que ocorreria aquela noite na mansão de Little Paddocks. Quando um crime realmente acontece, Miss Marple resolve investigar.

- A Chave de Sarah, de Tatiana de Rosnay: embora seja ficção, essa contundente história sobre a perseguição aos judeus durante a Segunda Guerra (desta vez, na França) é simplesmente emocionante.

***

Ah: nos próximos dias, posto por aqui algumas listas “temáticas”. Não percam!

A lista do Facebook

30 de janeiro de 2014 2

Normalmente não gosto das modas e correntes que circulam pelas redes sociais, mas achei essa interessante e resolvi entrar também.

Pela brincadeira, as pessoas citadas devem fazer uma lista com os 10 livros (ficção ou não ficção) que tenham lhe marcado, além de indicar outros 10 amigos para fazerem suas próprias listas. 

Como 10 livros é pouco, fiquei fazendo e refazendo a minha lista (apesar de as instruções dizerem para “não pensar muito”), e, no final, saíram esses. Da maioria, já falei mais detalhadamente antes, então, quem quiser saber mais pode seguir os links:

Reproduções

Reproduções

 

O Vermelho e o Negro, de Stendhal
O Nome da Rosa, de Umberto Eco
1984, de George Orwell
Admirável Mundo Novo, de Aldous Huxley
Chatô, o Rei do Brasil, de Fernando Morais
Sem Família, de Hector Malot
O Mistério do Trem Azul, de Agatha Christie
Celular, de Stephen King
A Sombra do Vento, de Carlos Ruiz Záfon
O Mistério do Cinco Estrelas, de Marcos Rey

Ah: encontrei um post de abril de 2010 em que listei meus livros inesquecíveis da fase adulta, numa lista bem parecida com a atual. Vejo que ela só mudou porque incluí a obra de Záfon e dois livros da fase infantojuvenil (de Malot e Marcos Rey), além de ter trocado a minha obra preferida da Rainha do Crime…

E você, quais são seus livros marcantes ou preferidos? Conte pra nós!

Efemérides deste domingo

12 de janeiro de 2014 0
Chapeuzinho Vermelho em uma de suas muitas adaptações para o cinema (The Weinstein Co., divulgação)

Chapeuzinho Vermelho em uma de suas muitas adaptações para o cinema (The Weinstein Co., divulgação)

Hoje é dia de lembrar grandes escritores, de épocas e estilos bem diferentes.

O primeiro é o francês Charles Perrault, nascido a 12 de janeiro de 1628 e autor de contos infantis como Chapeuzinho Vermelho e O Pequeno Polegar.

Dos Estados Unidos, o “aniversariante” é Jack London, de Caninos Brancos, nascido em 1876.

E o terceiro escritor que nasceu nesta data é o brasileiro Rubem Braga, jornalista, poeta e escritor modernista. Ele nasceu em 1913, portanto, se estivesse vivo, estaria completando 101 anos hoje.

Foi também num 12 de janeiro, em 1976, que morreu a grande dama da literatura policial, Agatha Cristhie.

Hoje tem 'Os Pequenos Crimes de Agatha Christie'

14 de dezembro de 2013 0

Para quem ainda não assistiu (ou quer rever), hoje tem reapresentação do episódio 8 de Os Pequenos Crimes de Agatha Christie, 22h30min, na TV Brasil.

O episódio tem como título  Fluxo e Refluxo, e  traz o comissário Larosiere e o inspetor Lampion investigando a morte, em um incêndio, do capitão Delarive – um antigo amigo do comissário que acabara de voltar de uma viagem casado com uma mulher bem mais jovem.

Apenas pela sinopse, não consegui identificar em qual dos livros da Rainha do Crime se baseia a história. Vou assistir e, se identificar, depois conto por aqui.

 

Os porquinhos de Agatha Christie

21 de setembro de 2013 0
TV Brasil, reprodução

TV Brasil, reprodução

Desta vez, a adaptação da história não mudou o título original, baseado em um poema infantil: Os Cinco Porquinhos é o sétimo episódio da série televisiva Os Pequenos Crimes de Agatha Christie, que vai ao ar neste sábado, às 22h30min, pela TV Brasil.

A alteração em relação ao romance fica por conta dos investigadores — no livro, o detetive belga Hercule Poirot, e aqui, Lampion e Larosière. Também não dá para saber, pela sinopse divulgada pelo canal, se a mulher presa está viva ou se já morreu, como no texto de Agatha Christie.

A ideia central, entretanto, é fiel àquela da Rainha do Crime: uma jovem pede ao investigador (no caso, Lampion, o ajudante do comissário Larosière) que ajude a provar que sua mãe, condenada à prisão perpétua acusada de assassinar o marido, é inocente.

Na versão televisiva, a trama terá ainda uma disputa entre Lampion e Larosière, que, quando fica a par da história, o desafia a resolver o mistério antes dele.

Efeméride detetivesca (e atrasada!)

16 de setembro de 2013 0
Reprodução

Reprodução

Já se passaram 123 anos de seu nascimento, completados ontem, e em janeiro passado fez 37 anos que ela morreu. Mesmo assim, a inglesa Agatha Christie continua sendo cultuada mundo afora como a eterna Rainha do Crime.

Afinal, foram mais de 80 livros repletos de assassinatos e outros mistérios, traduzidos em mais de 100 idiomas e até hoje reeditados — e lidos — nos mais diversos países, inclusive no Brasil. Duvido, até, que haja alguma livraria na qual não se encontre pelo menos um ou dois títulos contando as aventuras de Hercule Poirot ou de Miss Marple…

E agora fiquei sabendo que em Devon, na riviera inglesa, ocorre nesta semana a Agatha Christie Week 2013. Na programação, que segue até sábado, há desde jantares literários e bate-papos até “murder mystery events”, algo como assassinatos misteriosos (fictícios, claro…!).

Uma das atrações especiais será a presença dos escritores John Curran, autor de Os Diários Secretos de Agatha Christie, e Sophie Hannah, anunciada recentemente como autora de novos livros tendo Hercule Poirot como personagem. Eles participam de uma conversa com David Brawn, Publisher da HarperCollins, e com o neto de Agatha, Mathew, no dia 19, no The Grand Hotel.

Para quem, como eu, ficou com vontade de participar mas não tem como “dar um pulinho” até a Grã-Bretanha no momento, a dica é reler clássicos de dame Agatha, como Os Crimes ABC, Assassinato no Expresso do Oriente, Um Brinde de Cianureto, O Caso dos Dez Negrinhos (em algumas versões com o título de E Não Sobrou Nenhum), Depois do Funeral, Punição para a Inocência, etc… Já falei desses e de vários outros livros dela aqui no blog, mas sempre vale lê-los (ou relê-los).

E tem ainda a série de TV Os Pequenos Crimes de Agatha Christie, que terá no sábado seu sétimo episódio, baseado num dos grandes livros da escritora: Os Cinco Porquinhos. Para quem ainda não conhece o seriado, é na TV Brasil, às 22h30min. Já assisti alguns episódios, e vale a pena.