Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts de agosto 2011

Quer ganhar o livro Os Zumbis da Pedra? Participe!

26 de agosto de 2011 0


Participe da promoção do Diário Gaúcho e concorra a um livro Os Zumbis da Pedra, de Manoel Soares e Marco Cena. Para concorrer, clique aqui e diga porque você deseja ganhar a obra.

Você tem até o dia 1 de setembro para participar!

O mundo muda com a gente

26 de agosto de 2011 4

Volta e meia entramos numa de que o mundo está contra nós e tudo de errado acontece só com a gente. Nesses momentos, temos duas opções: ou nos rendemos à maré de depressão e cedemos aos imprevistos, desistindo dos nossos planos, ou damos uma virada na história. A verdade é que falar é fácil, mas dar essa tal virada no dia a dia é puxado.

Uma das coisas que aprendi é que não dá para deixar na reta para os invejosos de plantão, uns malucos disfarçados de amigos que adoram mostrar nossos erros. É como se os olhos deles só enxergassem os defeitos. Claro que temos de ter humildade para ouvir críticas construtivas e sinceras, mas também precisamos ter discernimento para diferenciar os amigos dos sanguessugas.

Outra coisa importante é não colocar a culpa no mundo. O mundo não é ruim nem bom, é como nós o fazemos. Se não nos precavemos, não fazemos pé de meia e nos descuidamos de detalhes importantes, seremos pegos de surpresa pelos problemas. Aprender a calcular os riscos de tudo e ter reservas de tempo e dinheiro são realmente importantes – quando a chapa esquenta, precisamos de uma margem de erro para ficarmos equilibrados. Metade de todos os problemas que nos cercam é nossa culpa também. E é nossa responsabilidade resolver tudo sem prejudicar ninguém, sim, porque, se, para resolver um problema, prejudicamos alguém, temos um maior ainda: de caráter. Se a gente muda, o mundo muda conosco. Se ficamos parados em lamentações, apodrecemos ali. Seu sucesso não pode vir por misericórdia de outros, e sim por merecimento próprio.

Os verdadeiros amigos não só nos amparam na tristeza, também suportam nossa felicidade _ o que, para alguns, é impossível. Devemos evitar nos perder na caminhada e ficar sem reserva para emergência, pois as vacas magras sempre vêm. Já que é para mudar o mundo, comecemos por nós mesmos.

A cor da dama

19 de agosto de 2011 1

Ultimamente tenho recebido muitos e-mails me perguntando qual é meu tipo de mulher, essa curiosidade nada tem haver com assédio, até porque pagar de galã nunca foi a minha cara, não tenho esse potencial, o buraco é mais embaixo. Alguns e-mails me xingavam dizendo que não gosto de mulher branca, outros me acusam de não gostar das negras, eu mesmo não sei de onde saiu esses papos de girinos, mas vambora desenrolar a respeito né?

Primeiro acho que ninguém deve ser xerife da vida amorosa ou sexual de ninguém, com quem os malandros e as minas se embolam é problema deles. Por outro lado, este conflito de cores é algo que sempre fica no ar, ninguém fala, mas todo mundo pensa. já vi muitos negros acabarem nos braços de loiras porque veem nelas uma forma de dizer para sociedade que eles também são capazes, vi muitas loiras saírem com negros por achar exótico ou por acreditar em certas lendas que não cabem nestas linhas.

Porém generalizar taxar as relações inter-raciais como conflitos de personalidade é burrice, em milhares de casos pessoas de cores diferentes simplesmente se amam e querem ser felizes e o mundo que fique na sua, eles se atraem e se curtem e são felizes ignorando as diferenças, O amor não tem cor e quando a cor fala mais alto não tem amor. Eu da minha parte gosto de mulher, não meninas mimadas ou marretas, mulheres que seja no espelho do teto ou na luta diária pode ser minha parceira, isso independe da cor da pele. Claro que se a relação é inter-racial é importante que saibam lidar com as situações delicadas, afinal o mundo é burro e trata ambos de forma diferentes, a mulher branca precisa saber como agir ao ver seu preto sendo discriminado, o homem negro tem que saber proteger sua branquinha de piadas e insultos que possam surgir, tudo na boa e sem crise, mas não é nada que não possamos enfrentar e superar se existe amor.

Lembro aos radicais que nossa raiz é multirracial, temos um sangue misturado, nesse pampa ninguém é puro, nem preto nem branco. Pensar em cores e raças diferentes já matou mais de seis milhões, não podemos cair no mesmo erro, mesmo que as mortes sejam simbólicas. Já comi sushi feito por uma preta que parecia do Japão e já sambei com loira que parecia nigeriana, não posso mentir, existem diferenças sim, os lábios das negras são mais carnudos e firmes, das brancas mais macios e sensíveis, mas os corações são iguais e isso que importa.

Seria lamentável que uma pessoa deixasse seu grande amor escapar por preconceito ou que usasse a diferença da pele para mandar mensagens babacas para os outros, dane-se a cor, amemo-nos, mas pelos motivos certos. Não quero saber a cor dela, só quero que ela seja minha e eu seja dela, afinal existem momentos em que as cores desaparecem mesmo.

Espero que você leia

12 de agosto de 2011 0

Há pouco tempo eu tive uma conversa com um maluco que estava embolado no tráfico. Quando ouvimos falar de traficantes geralmente é numa ótica de medo ou de admiração, mas pelo que vi e ouvi nenhum desses sentimentos se aplica ao dia a dia de quem vive essa vida. Quando o assunto foi vida amorosa ele me disse que já estragou a vida de pelo ao menos 5 namoradas por causa do tráfico, realmente gostava das meninas, mas quando pegaram ele as minhas estavam juntas e caíram em flagrante também e não teve nada que ele pudesse fazer.

Me contou que faziam noites que não dormia direito, ficava com medo que invadissem sua casa a noite e lhe enchessem de tiro, fica com a pistola embaixo do travesseiro e quase já matou sua irmã que veio acordá-lo uma vez. Disse que não confiava me ninguém, a polícia queria ele morto, os rivais de boca queriam ele morto e até os parceiros queriam ele morto para tomar seu lugar, tinha que ficar esperto com todo mundo.

Me contou que a última vez que foi ao cinema foi para assistir independente Day, lembrei a ele que o filme era de 1996, ele se deu conta que há mais de 15  anos não assiste um filme no cinema como uma pessoa normal. Nessa hora seu olho encheu de água e ele a pistola e disse que sua única amova estava ali. perguntei de sua coroa, ele disse ela cuidava de seu filho e que não deixa ele sair com o menino, pois uma vez atiraram nele com o bebe nos braços e ele para ficar cuidando impôs esta condição, ele sem escolha aceitou.

Hoje com quase quarenta anos, sem carteira assinada em nada na vida, sem experiência não se imagina longe do crime e espera a hora que uma bala acabe com seu sofrimento. Eu espero que ele esteja lendo junto com agente e saia antes de seu assassinato ser notícia aqui no diário.  

Qual é a sua?

05 de agosto de 2011 1

Esta semana, a internet bombou com a música feita pelo cantor Tonho Crocco. Não sei se todos que estão lendo ouviram ou conhecem a música. Mas ela fala como é indecente deputados gaúchos aumentarem seus salários de R$ 11 mil para R$ 20 mil, e a vida das pessoas que eles deveriam representar mudar tão pouco.

O maior quebra-pau é porque ele citou na música o nome de todos os deputados que votaram para aumentar o próprio salário. Pode ter maluco dizendo que ele fez esse som e postou na internet para chamar atenção, mas a verdade é que os artistas deveriam fazer isso sempre. A arte é livre. Os músicos de hoje só querem falar de amor e de festa, enquanto seu público sofre com fome e frio.

Essa indiferença dos artistas, às vezes, decepciona. Quem fazia um pouco disso era o rap e hoje nem os rapers fazem certas críticas. Perdemos a capacidade de nos indignarmos. Pior que políticos fazerem o que eles fizeram em benefício próprio, é a gente ver tudo isso e ficarmos quietos. Os políticos que fizeram isso não foram desonestos, foram desrespeitosos, tiraram onda de nossa cara com a lei que permitiu colocassem mais R$ 8 mil nos próprios salários.

A música do Tonho é simples, sem grandes arranjos, mas com verdades cáusticas. Ele encontrou a maneira dele de fazer a diferença. Eu estou procurando a minha. E qual é a sua?